orçamento empresarial unidade ii resumo de apostila

Download Orçamento Empresarial UNIDADE II RESUMO DE APOSTILA

Post on 22-Apr-2015

102 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Oramento Empresarial UNIDADE II RESUMO DE APOSTILA
  • Slide 2
  • Educao a Distncia EaD Professor: Flvio Brustoloni Oramento Empresarial
  • Slide 3
  • Unidade 2 CUSTOS INDUSTRIAIS NA UTILIZAO DO ORAMENTO
  • Slide 4
  • Objetivos da Unidade: Conhecer os princpios fundamentais para a elaborao de um sistema oramentrio; Identificar quem so os profissionais envolvidos na elaborao dos oramentos e os cenrios inerentes sua implantao e execuo; Identificar, separar e apurar os custos diretos e indiretos em um processo industrial para servir de base oramentria; Conhecer como realizado o planejamento de produo e a sua importncia para o processo oramentrio; Aprender o processo de apurao dos custos para utilizar no planejamento oramentrio dos gastos de produo; Compreender a importncia da formao do preo de venda para o oramento e, consequentemente, planejar o retorno econmico e financeiro desejado do investimento;
  • Slide 5
  • Utilizao do Oramento Empresarial Tpico 1 1/111
  • Slide 6
  • 2 Importncia e Vantagens do Controle Oramentrio O sistema de controle oramentrio precisa ser claro, objetivo e corresponder s necessidades da organizao. Mas, para apresentar um perfeito nvel de adequao e corresponder s necessidades dos gestores, deve passar por um processo de moldagem para melhor se adequar estrutura organizacional da empresa. 2/111 Tpico 1 Unid. 2 76
  • Slide 7
  • 2 Importncia e Vantagens do Controle Oramentrio Um dos problemas enfrentados para um bom controle oramentrio a falta de profissionais qualificados. 3/111 Tpico 1 Unid. 2 76
  • Slide 8
  • 3 Os Limites para a Elaborao dos Oramentos importante observar que no existem apenas vantagens. Deve-se tomar cuidado com o plano oramentrio, ele no deve, em hiptese alguma, ser superestimado. 4/111 Tpico 1 Unid. 2 76
  • Slide 9
  • 3 Os Limites para a Elaborao dos Oramentos Engana-se quem imagina que um plano oramentrio por si s determina se haver reduo de pessoal ou no e, muito menos, substitui o papel do administrador. 5/111 Tpico 1 Unid. 2 77
  • Slide 10
  • 3 Os Limites para a Elaborao dos Oramentos Somente quem decide so as pessoas, se no houver pessoas para a tomada de decises, de nada adianta elaborar um excelente plano oramentrio. 6/111 Tpico 1 Unid. 2 77
  • Slide 11
  • 3 Os Limites para a Elaborao dos Oramentos Outro ponto limitante para a elaborao dos oramentos o risco de projetar algo fora do comum, criando situaes desconfortveis perante os demais gestores de cada rea ou dos subordinados. O oramento deve ser elaborado com estimativas realistas. 7/111 Tpico 1 Unid. 2 77
  • Slide 12
  • 3 Os Limites para a Elaborao dos Oramentos E os nmeros apresentados no plano oramentrio so exatos? No! Nunca so exatos, o prprio nome oramento deriva de orar -> prever. A previso apenas uma estimativa, e podem acontecer algumas frustraes de metas no alcanadas, bem como cobranas para que os resultados sejam atingidos. 8/111 Tpico 1 Unid. 2 78
  • Slide 13
  • 4 Quem faz os Oramentos Conforme voc pode perceber, devido complexidade das informaes envolvidas, mesmo com a interao de todas as atividades, sempre h a necessidade de um profissional para a sua direo e coordenao. Esse profissional deve ser algum que tenha conhecimento das atividades da empresa e do mercado. 9/111 Tpico 1 Unid. 2 80
  • Slide 14
  • 4 Quem faz os Oramentos Geralmente, a coordenao do processo oramentrio fica ao encargo de um dos executivos de primeira linha da rea de finanas: o tesoureiro ou o controller. Em alguns casos cria- se a funo especfica de coordenador de oramentos, ou o diretor/gerente quem assume. 10/111 Tpico 1 Unid. 2 81
  • Slide 15
  • 4 Quem faz os Oramentos Existem empresas que constituem a comisso de oramentos (budget committee), que, normalmente, composta por um coordenador de oramentos, o presidente da empresa e mais alguns poucos executivos de primeiro escalo administrativo. 11/111 Tpico 1 Unid. 2 81
  • Slide 16
  • 5 Comunicao para a Elaborao dos Oramentos O profissional envolvido no processo oramentrio tambm deve ser a pessoa preparada para comunicar todas as informaes aos demais gestores. A facilidade da comunicao e habilidade de convencimento so fatores importantes para o seu sucesso. 12/111 Tpico 1 Unid. 2 81
  • Slide 17
  • 5 Comunicao para a Elaborao dos Oramentos necessrio ter agilidade na gerao das informaes e comunicao aos envolvidos no processo, pois de nada adianta fornecer informaes 100% corretas, mas com demasiado atraso. 13/111 Tpico 1 Unid. 2 82
  • Slide 18
  • 6 Criao de Cenrios importante que, ao implantar o plano oramentrio, a direo da empresa e os demais envolvidos tenham cincia de que o plano pautado em situaes imaginveis ou previsveis. 14/111 Tpico 1 Unid. 2 83
  • Slide 19
  • 6 Criao de Cenrios Uma situao imaginvel em um processo oramentrio significa criar cenrios que podem ocorrer. Para criar os cenrios, primeiramente deve- se efetuar uma leitura de como est o ambiente do mercado. 15/111 Tpico 1 Unid. 2 83
  • Slide 20
  • 6 Criao de Cenrios Uma das formas a observao das informaes que so divulgadas na mdia, como revistas, jornais, internet, televiso, rdios e outros meios. 16/111 Tpico 1 Unid. 2 83
  • Slide 21
  • 7 Premissas para a Elaborao de Oramentos As premissas so todas as coisas que antecedem a elaborao do oramento e acontecem de acordo com o cenrio escolhido. Vejamos um estudo de caso na pgina 85 em diante. 17/111 Tpico 1 Unid. 2 84
  • Slide 22
  • Identificao dos Custos Diretos e Indiretos Industriais Tpico 2 18/111
  • Slide 23
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.1 Custos Variveis ou Diretos Os Custos Variveis ou Diretos so aqueles que mantm uma relao direta com o volume de produo ou servio e, consequentemente, podem ser quantificados e identificados aos produtos ou servios. 19/111 Tpico 2 Unid. 2 91
  • Slide 24
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.1 Custos Variveis ou Diretos So todos os materiais utilizados no processo de transformao para a obteno final de um produto novo. 20/111 Tpico 2 Unid. 2 91
  • Slide 25
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.1 Custos Variveis ou Diretos Os artigos de madeira so denominados de: - DAC622 Deck Autoclavado 100x50 - DAC615 Deck Autoclavado 50 x 50 - D350 Deck Frisado 50 x 50 - D961 Deck 100 x 50 21/111 Tpico 2 Unid. 2 92
  • Slide 26
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.1 Custos Variveis ou Diretos O quadro 7 da pgina 92 demonstra os principais tipos de materiais diretos produtivos que compem os artigos de madeira. 22/111 Tpico 2 Unid. 2 92
  • Slide 27
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.1 Custos Variveis ou Diretos Tomamos o cuidado de separar cada tipo de componente por cdigos de referncia para facilitar a identificao do custo na elaborao das fichas de produo e, consequentemente, o oramento de gastos: Ref. 100 -> Deck EUC -> R$ 1.050,00 23/111 Tpico 2 Unid. 2 93
  • Slide 28
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.2 Custos Fixos ou Indiretos Os custos fixos ou indiretos so aqueles custos que permanecem constantes em determinada capacidade instalada de produo, independente do volume de produo. Consequentemente, no so identificados como custos de produo do perodo, mas como custos de um perodo de produo. 24/111 Tpico 2 Unid. 2 93
  • Slide 29
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.2 Custos Fixos ou Indiretos So exemplos de custos indiretos o aluguel, o material de consumo geral da fbrica e o salrio dos encarregados. 25/111 Tpico 2 Unid. 2 94
  • Slide 30
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.2 Custos Fixos ou Indiretos Esses custos necessitam da utilizao de algum critrio de rateio ou distribuio para sua alocao aos produtos, pois no podem ser apropriados de forma direta nas unidades especficas, ordens de servios ou produtos e servios executados. 26/111 Tpico 2 Unid. 2 94
  • Slide 31
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.2 Custos Fixos ou Indiretos a) Materiais Indiretos: o material empregado nas atividades auxiliares da produo cuja pertinncia ao produto inexiste ou praticamente nula. Exemplo: os materiais utilizados pela manuteno da fbrica, material de expediente. 27/111 Tpico 2 Unid. 2 94
  • Slide 32
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.2 Custos Fixos ou Indiretos b) Mo de Obra Indireta: todo o trabalho realizado no setor de fabricao no pertinente especificamente a algum produto, compreendendo os trabalhos auxiliares ou de assessoramento em determinada produo. 28/111 Tpico 2 Unid. 2 94
  • Slide 33
  • 2 Custos Variveis ou Diretos e Custos Fixos ou Indiretos 2.2 Custos Fixos ou Indiretos c) Outros custos indiretos: so os demais gastos com itens que tambm participam do processo produtivo, mas no se identificam diretamente com o produto. Exemplo: depreciao de equipamentos, seguros do prdio industrial, energia eltrica e aluguel. 29/111 Tpico 2 Unid. 2 94
  • Slide 34
  • 2.2 Custos Fixos ou Indiretos 2.2.1 Princi