Oramento Empresarial UNIDADE III RESUMO DE APOSTILA.

Download Oramento Empresarial UNIDADE III RESUMO DE APOSTILA.

Post on 22-Apr-2015

107 views

Category:

Documents

1 download

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Oramento Empresarial UNIDADE III RESUMO DE APOSTILA
  • Slide 2
  • Educao a Distncia EaD Professor: Flvio Brustoloni Oramento Empresarial
  • Slide 3
  • Unidade 3 ORAMENTOS, PROJEES E FLUXO DE CAIXA
  • Slide 4
  • Objetivos da Unidade: Conhecer como so elaborados os oramentos; Identificar os processos de elaborao do oramento operacional, do oramento de vendas, do oramento de produtos em processo e do oramento de produtos acabados; Identificar como so elaborados os oramentos de compras, de consumo e estocagem de materiais; Conhecer de que forma os impostos sobre vendas influenciam os processos oramentrios; Saber como elaborado o oramento de mo de obra e despesas gerais; Conhecer como so elaboradas as projees oramentrias e os seus efeitos oramentrios;
  • Slide 5
  • Oramentos e Projees (Modelo Conceitual) Tpico 1 1/105
  • Slide 6
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.1 Processos de Elaborao a) Previso: esta etapa compreende a fase de clculo. Basicamente, quando colocamos no papel aquilo que se espera, aquilo que previsto para acontecer no prximo perodo. 2/105 Tpico 1 Unid. 3 162
  • Slide 7
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.1 Processos de Elaborao b) Reprojeo: os dados orados devem ser submetidos aos setores responsveis e, aps o retorno (feedback) de todas as observaes e crticas necessrias sua elaborao, realizados os ajustes e os acertos das previses iniciais. Deve ser elaborada e estar pronta no perodo de um a dois meses antes do incio do exerccio social. 3/105 Tpico 1 Unid. 3 162
  • Slide 8
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.1 Processos de Elaborao Geralmente, no ms de setembro de cada ano as projees oramentrias so realizadas, no ms de outubro se processa um prvia oramentria, no ms de novembro so realizados os ajustes necessrios (reprojeo) e no ms de dezembro apresentada a verso final para a aprovao dos gestores envolvidos, bem como dos diretores e presidncia da empresa. 4/105 Tpico 1 Unid. 3 162
  • Slide 9
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.1 Processos de Elaborao c) Controle: nesta etapa verificado se os objetivos previstos foram realmente alcanados. 5/105 Tpico 1 Unid. 3 163
  • Slide 10
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.2 Oramento Operacional O oramento operacional a parte que geralmente contm a maioria das peas oramentrias, pois praticamente envolve todos os oramentos especficos, englobando os oramentos da estrutura administrativa, da estrutura de produo e da estrutura de vendas da empresa. 6/105 Tpico 1 Unid. 3 163
  • Slide 11
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas O processo oramentrio das vendas pode ser feito a partir de alguns mtodos: * Mtodo estatstico; * Coleta de Dados das fontes de origens das vendas; * Uso final do produto. 7/105 Tpico 1 Unid. 3 165
  • Slide 12
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas O oramento de vendas envolve alguns pontos importantes: 8/105 Tpico 1 Unid. 3 167 * Previso de vendas em quantidades para cada produto; * Previso dos preos para os produtos e seus mercados; * Identificao dos impostos sobre as vendas; * Oramento de vendas em moeda corrente do pas.
  • Slide 13
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 9/105 Tpico 1 Unid. 3 167 Impostos sobre as Vendas Vendas Lquidas100,0000% PIS0,6500% COFINS3,0000% IRPJ1,2000% CSLL1,0800% ICMS17,0000% Total de Impostos sobre as Vendas22,9300% QUADRO 17 EFEITOS DOS IMPOSTOS SOBRE AS VENDAS
  • Slide 14
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 10/105 Tpico 1 Unid. 3 171 Despesas Variveis Comisses sobre vendas5,0000% Frete sobre vendas3,0000% Margem de Lucro8,0000% Total de Despesas Variveis16,0000% QUADRO 18 EFEITO DAS DESPESAS VARIVEIS DE VENDAS 22,9300% + 16,0000% = 38,9300%
  • Slide 15
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 11/105 Tpico 1 Unid. 3 173 No Quadro 19 da pgina 173 apresenta- se a previso de vendas com os impostos dos produtos (autoclavado e frisado).
  • Slide 16
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 12/105 Tpico 1 Unid. 3 174 importante estabelecer a previso oramentria em perodos semestrais, prevendo a demanda de produtos para o segundo perodo anual da empresa.
  • Slide 17
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 13/105 Tpico 1 Unid. 3 174 Para tanto, considera-se a influncia de alguns aspectos, como a influncia de alguns aspectos, como a inflao do perodo, que incide sobre os preos de vendas, e a sazonalidade ou identificao da demanda de acordo com a poca do ano em que a empresa melhor atua.
  • Slide 18
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 14/105 Tpico 1 Unid. 3 175 No Quadro 20 da pgina 175 apresenta- se a previso de vendas com os impostos dos produtos levando-se em conta a inflao do perodo (6% a.s. ou 12% a.a).
  • Slide 19
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.3 Oramento de Vendas 15/105 Tpico 1 Unid. 3 176 Agora possvel apresentar o Oramento Global de Vendas, assim como os impostos e demais percentuais variveis sobre vendas. O Quadro 21 da pgina 176 demonstra a soma do resultado dos dois perodos.
  • Slide 20
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.4 Oramento de Investimentos 16/105 Tpico 1 Unid. 3 178 A gesto dos investimentos fundamental para atingir as metas oramentrias. O oramento de investimento deve ser elaborado com muito critrio, j que suas decises so geralmente irreversveis. Os investimentos devem reduzir custos e melhorar a eficincia operacional e administrativa em seu conjunto.
  • Slide 21
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.5 Identificao dos Perodos de Estocagem dos Produtos 17/105 Tpico 1 Unid. 3 179 Antes de iniciar os clculos para a apurao do volume de produtos em processo e produtos acabados, devemos identificar os aspectos operacionais da empresa referente ao prazo mdio em dias de estocagem ou processo fabril.
  • Slide 22
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.5 Identificao dos Perodos de Estocagem dos Produtos 18/105 Tpico 1 Unid. 3 179 O Quadro 23 da pgina 179 demonstra os dias de estocagem estimados para produtos em processo e acabados dos quatro produtos que esto sendo estudados.
  • Slide 23
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.6 Oramento de Mo de Obra Direta 19/105 Tpico 1 Unid. 3 180 a) Mensurar a quantidade necessria de mo de obra direta, em termos de horas de trabalho e a partir da quantidade de funcionrios necessrios para atingir a produo planejada;
  • Slide 24
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.6 Oramento de Mo de Obra Direta 20/105 Tpico 1 Unid. 3 181 b) Estimar o custo da mo de obra direta da produo; c) Apresentar subsdios ao departamento de pessoal;
  • Slide 25
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.6 Oramento de Mo de Obra Direta 21/105 Tpico 1 Unid. 3 181 d) Propiciar ao oramento de caixa informaes sobre desembolso; e) Fornecer ao controle administrativo dados por centro de custos e o custo padro da mo de obra direta;
  • Slide 26
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 22/105 Tpico 1 Unid. 3 181 Com a estimativa das vendas em um perodo de seis meses (um semestre) e a estimativa de estocagem dos produtos acabados e em processo em dias, podemos transformar todas as informaes em uma mesma base de clculo, identificando necessidade de consumo dos insumos para 180 dias.
  • Slide 27
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 23/105 Tpico 1 Unid. 3 187 O oramento de produo ou oramento do programa de produo decorrente dos volumes de produtos a serem produzidos.
  • Slide 28
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 24/105 Tpico 1 Unid. 3 187 Baseado nos estoques iniciais e finais dos produtos acabados e em processo e de posse das estimativas de vendas, possvel mensurar o volume de produo para o prximo exerccio social, que fundamentar o ORAMENTO DE PRODUO.
  • Slide 29
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 25/105 Tpico 1 Unid. 3 188 O oramento de produo o instrumento para, atravs do oramento de vendas, determinar os recursos a serem adquiridos para atingir os objetivos de vendas j estabelecidos. Vamos definir os produtos:
  • Slide 30
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 26/105 Tpico 1 Unid. 3 188 - DAC622 Deck Autoclavado 100 x 50 = Produto A - DAC615 Deck Autoclavado 50 x 50 = Produto B - D350 Deck Frisado 50 x 50 = Produto C - D961 Deck 100 x 50 = Produto D
  • Slide 31
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 27/105 Tpico 1 Unid. 3 189 O Quadro 27 da pgina 189 demonstra o oramento de produo para o 1 Semestre.
  • Slide 32
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 28/105 Tpico 1 Unid. 3 190 Com as informaes, a Programao de Produo pode ser estimada com a seguinte frmula:
  • Slide 33
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 29/105 Tpico 1 Unid. 3 190 PP = VE + EFP - EI PP = Programao de Produo VE = Vendas Estimadas EFP = Estoque Final Previsto EI = Estoque Inicial
  • Slide 34
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.7 Oramento de Unidades Fsicas de Estoque 30/105 Tpico 1 Unid. 3 191 O Quadro 28 da pgina 191 demonstra o oramento de produo para o 2 Semestre.
  • Slide 35
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.8 Oramento de Compras, Consumo e Estoque de Materiais 31/105 Tpico 1 Unid. 3 192 Para esse processo de oramento dos materiais em estoques devemos identificar as quantidades de dias em estocagem que os componentes (matrias-primas) de cada produto a ser produzido iro utilizar (dias de estocagem estimados para produtos em processo e acabados).
  • Slide 36
  • 2 Modelo Conceitual de Oramento 2.8 Oramento de Compras, Consumo e Estoque de Materiais 32/105 Tpico 1 Unid. 3 192 A partir da pgina 192 at a pgina 272, sero demonstrados os oramentos de consumo de todos os produtos vistos anteriormente, nos dois perodos de estudo.
  • Slide 37
  • Projees Oramentrias Tpico 2 33/105
  • Slide 38
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 34/105 Tpico 2 Unid. 3 277 Quando tratamos de projees oramentrias, devemos tomar o cuidado de identificar o comportamento do mercado e sua demanda, suas perspectivas de consumo, produo e venda.
  • Slide 39
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 35/105 Tpico 2 Unid. 3 277 Mas no s isso, temos que nos preocupar tambm com os efeitos nocivos ao poder aquisitivo da moeda, ou seja, a inflao.
  • Slide 40
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 36/105 Tpico 2 Unid. 3 278 A inflao o aumento persistente e generalizado no valor dos preos. Quando a inflao chega a zero, dizemos que houve uma estabilidade nos preos.
  • Slide 41
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 37/105 Tpico 2 Unid. 3 278 A inflao pode ser dividida em: Inflao de demanda; Inflao de custos; ndices de inflao.
  • Slide 42
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 38/105 Tpico 2 Unid. 3 278 A inflao pode ser apurada a partir dos ndices oficiais divulgados pelo governo, assim como tambm podem ser medidos internamente na empresa. Esses ndices referem-se economia em geral e aos mercados ligados aos negcios da empresa de forma especfica.
  • Slide 43
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 39/105 Tpico 2 Unid. 3 278 Para apurar a taxa de inflao interna da empresa, conforme o quadro a seguir, importante coletar todos os gastos que a empresa possui e avaliar a variao percentual referente majorao desses valores durante o perodo avaliado.
  • Slide 44
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 40/105 Tpico 2 Unid. 3 279 No Quadro 81 da pgina 279, demonstrada a apurao da inflao interna da empresa por produto.
  • Slide 45
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 40/105 Tpico 2 Unid. 3 279 Feita essa comparao, necessrio identificar o peso relativo do produto na composio do clculo, que significa quanto compe o produto A para o produto final. O produto A contribui em 12% na composio do produto final, e desta forma, a variao do preo de aquisio de 3,5714% ter um impacto de 0,4286% na avaliao final da inflao.
  • Slide 46
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 41/105 Tpico 2 Unid. 3 280 O Quadro 82 da pgina 280 demonstra a apurao da inflao trimestral do produto A.
  • Slide 47
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.1 Estimativas de Inflaes Futuras 42/105 Tpico 2 Unid. 3 281 Para diversos tipos de economias, inflacionrias ou no, uma ferramenta que pode contribuir para melhor projetar os resultados econmicos e financeiros da empresa pode ser a criao de uma tabela de estimativas de inflaes futuras.
  • Slide 48
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.1 Estimativas de Inflaes Futuras 43/105 Tpico 2 Unid. 3 281 Inflao aplicada para a atualizao dos excedentes de caixa; Inflao aplicada para a correo de salrios; Inflao aplicada para as demais despesas; Inflao que ser aplicada para outros itens patrimoniais ou de resultados.
  • Slide 49
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.1 Oramento de Despesas Operacionais 44/105 Tpico 2 Unid. 3 282 As despesas ou gastos operacionais envolvem os gastos de produo e podem ser definidos como os gastos fixos utilizados no processo produtivo.
  • Slide 50
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.1 Oramento de Despesas Operacionais 45/105 Tpico 2 Unid. 3 282 No processo produtivo esses gastos so os indiretos, tais como: superviso de produo, manuteno geral da fbrica, aluguel, entre outros.
  • Slide 51
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.1 Oramento de Despesas Operacionais 46/105 Tpico 2 Unid. 3 282 O Quadro 83 da pgina 282 demonstra os valores dos impostos na aquisio das matrias-primas.
  • Slide 52
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.2 Oramento de Despesas Administrativas 47/105 Tpico 2 Unid. 3 284 As despesas administrativas so em geral todos os gastos fixos na prestao de servios a todos os setores operacionais da empresa, e no esto relacionados com o desempenho de uma nica funo.
  • Slide 53
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.3 Oramento de Despesas com Vendas 48/105 Tpico 2 Unid. 3 284 Neste oramento se incluem todas as despesas para colocar o produto no mercado, sejam com a venda ou com a distribuio. Podem ser, por exemplo:
  • Slide 54
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.3 Oramento de Despesas com Vendas 49/105 Tpico 2 Unid. 3 284 a)Despesas com marketing; b)Despesas administrativas, como: salrios, encargos, telefones, internet, comisses; c) Despesas com fretes, comisses, vendedores, estadias, visitas a clientes, etc.
  • Slide 55
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.4 Oramento de Despesas Financeiras 50/105 Tpico 2 Unid. 3 284 No oramento de despesas financeiras sero includos os juros, o desconto e a correo monetria, alm de outros tipos de gastos financeiros, como oriundos de aplicaes temporrias em ttulos e as taxas de abertura de crdito pela empresa.
  • Slide 56
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.4 Oramento de Despesas Financeiras 51/105 Tpico 2 Unid. 3 285 O Quadro 84 da pgina 285 expe os dados histricos do exerccio social 2012, dos dois semestres (1 e 2 perodos).
  • Slide 57
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.4 Oramento de Despesas Financeiras 52/105 Tpico 2 Unid. 3 287 O Quadro 85 da pgina 287 nos mostra a distribuio dos custos/despesas fixas e variveis e a respectiva participao de cada uma em percentual no faturamento (1 Perodo).
  • Slide 58
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.4 Oramento de Despesas Financeiras 53/105 Tpico 2 Unid. 3 288 Em uma rpida anlise, o coeficiente X logo abaixo do valor do faturamento, demonstra qual a participao dos gastos variveis (em custos e despesas) em relao ao faturamento.
  • Slide 59
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.4 Oramento de Despesas Financeiras 54/105 Tpico 2 Unid. 3 289 O Quadro 86 da pgina 289 tambm nos mostra a distribuio dos custos/despesas fixas e variveis e a respectiva participao de cada uma em percentual no faturamento (2 Perodo).
  • Slide 60
  • 2.2 Demonstrativo de Custos e Despesas Projetados 2.2.4 Oramento de Despesas Financeiras 55/105 Tpico 2 Unid. 3 292 O Quadro 88 da pgina 292 apresenta um demonstrativo de classificao dos gastos projetados (2013).
  • Slide 61
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 56/105 Tpico 2 Unid. 3 294 O oramento operacional contm a maior quantidade de peas oramentrias a serem trabalhadas. Nele esto contidas as previses dos gastos departamentais (dos centros de custos), que, por sua vez, apresentam o oramento da maior parte das despesas da empresa.
  • Slide 62
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 57/105 Tpico 2 Unid. 3 294 Com as informaes geradas atravs do Demonstrativo de Resultado do Exerccio Projetado possvel avaliar a eficcia do planejamento geral da empresa.
  • Slide 63
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 57/105 Tpico 2 Unid. 3 294 O Quadro 89 da pgina 294 apresenta um demonstrativo do resultado projetado englobando todos os produtos para o ano de 2013.
  • Slide 64
  • 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 2.3.1 Oramento de Despesas Tributrias 58/105 Tpico 2 Unid. 3 296 O oramento de despesas tributrias varia de acordo com o ramo de atividades e a percentagem de recolhimento sobre o faturamento da indstria, do comrcio e dos servios.
  • Slide 65
  • 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 2.3.1 Oramento de Despesas Tributrias 59/105 Tpico 2 Unid. 3 296 Os tributos, de maneira geral, podem ser classificados em despesas fixas e despesas variveis. Este conhecimento antecipado poder facilitar a elaborao do oramento de despesas financeiras.
  • Slide 66
  • 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 2.3.1 Oramento de Despesas Tributrias 60/105 Tpico 2 Unid. 3 296 Impostos das vendas = 22,93% Mark-up Divisor = 1 0,2293 = 0,7707
  • Slide 67
  • 2.3 Demonstrao do Resultado do Exerccio Projetado 2.3.1 Oramento de Despesas Tributrias 61/105 Tpico 2 Unid. 3 296 * Vendas Lquidas = R$ 11.774.138,04 / 0,7707 = R$ 15.277.200,00 * Apurao dos Impostos das Vendas = R$ 15.277.200,00 x 22,93% = R$ 3.503.061,96
  • Slide 68
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.4 Demonstrao de Fluxo de Caixa Projetado 62/105 Tpico 2 Unid. 3 297 O fluxo de caixa projetado todo oramento operacional e adicionado as peas oramentrias do oramento de vendas, oramento de produo, de perspectivas de compras de insumos e demais gastos fixos ou variveis.
  • Slide 69
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.4 Demonstrao de Fluxo de Caixa Projetado 63/105 Tpico 2 Unid. 3 297 Planejar a disponibilidade de caixa para efetuar o pagamento dos compromissos fundamental, pois demonstrar com antecedncia a situao do caixa em um determinado perodo.
  • Slide 70
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.4 Demonstrao de Fluxo de Caixa Projetado 64/105 Tpico 2 Unid. 3 297 No Quadro 89, pde-se apurar as seguintes informaes: Resultado do Perodo Projetado de 2013: Resultado Financeiro: R$ 180.142,06
  • Slide 71
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.4 Demonstrao de Fluxo de Caixa Projetado 65/105 Tpico 2 Unid. 3 298 Esse o resultado que sobrar no caixa para o perodo projetado de 2013, pois no ocorrem desembolsos para as despesas com depreciao.
  • Slide 72
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.5 Balano Patrimonial Projetado 66/105 Tpico 2 Unid. 3 299 Ao ser elaborado, o balano patrimonial projetado ir contribuir com elementos patrimoniais ao oramento do processo operacional da empresa, de forma a informar a liquidez orada e a capacidade de gerao do resultado econmico da empresa.
  • Slide 73
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.5 Balano Patrimonial Projetado 67/105 Tpico 2 Unid. 3 299 O Quadro 90 da pgina 299 apresenta uma demonstrao do balano patrimonial projetado, e sofrem alteraes todas as vezes em que se processam operaes na empresa.
  • Slide 74
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.6 Anlise das Variaes 68/105 Tpico 2 Unid. 3 300 As projees oramentrias so pautadas de acordo com o que se imagina que possa ocorrer na empresa. Isto um risco e, em alguns casos, leva o gestor frustrao quando elabora e analisa as variaes ocorridas.
  • Slide 75
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.6 Anlise das Variaes 69/105 Tpico 2 Unid. 3 300 Essa anlise realizada aps a concluso de todas as projees oramentrias da empresa, ou seja, quando o gestor se encontra na etapa de CONTROLE.
  • Slide 76
  • 2 Os Efeitos Inflacionrios nas Projees Oramentrias 2.6 Anlise das Variaes 70/105 Tpico 2 Unid. 3 300 O Quadro 91 da pgina 301 demonstra a anlise das variaes entre orado x realizado no exerccio social de 2013. As variaes consistem da diferena entre as colunas de orado e realizado.
  • Slide 77
  • Elaboraes e Anlise do Fluxo de Caixa Tpico 3 71/105
  • Slide 78
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.1 Mtodo Direto 72/105 Tpico 3 Unid. 3 308 O mtodo direto consiste em classificar os recebimentos e pagamentos de uma empresa utilizando as partidas dobradas. Ele permite gerar as informaes com base em critrios tcnicos, eliminando, assim, qualquer interferncia da legislao fiscal. aquele que as informaes para composio de fluxo de caixa so obtidas diretamente dos registros das operaes da empresa.
  • Slide 79
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.1 Mtodo Direto 73/105 Tpico 3 Unid. 3 308 A Figura 12 da pgina 308 nos demonstra um exemplo de fluxo de caixa pelo mtodo direto.
  • Slide 80
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.1 Mtodo Direto 74/105 Tpico 3 Unid. 3 309 O mtodo direto demonstra os recebimentos e pagamentos derivados das atividades operacionais da empresa em vez do lucro lquido ajustado. Mostra efetivamente as movimentaes dos recursos financeiros ocorridos no perodo.
  • Slide 81
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.1 Mtodo Direto 75/105 Tpico 3 Unid. 3 309 A Figura 13 da pgina 309 nos demonstra um outro exemplo de fluxo de caixa pelo mtodo direto.
  • Slide 82
  • 2.1 Mtodo Direto 2.1.1 Vantagens e Desvantagens 76/105 Tpico 3 Unid. 3 310 Vantagens: - Condies favorveis para que a classificao dos recebimentos e pagamentos siga critrios tcnicos e no fiscais;
  • Slide 83
  • 2.1 Mtodo Direto 2.1.1 Vantagens e Desvantagens 77/105 Tpico 3 Unid. 3 310 - Permite que a cultura de administrar com a utilizao do fluxo de caixa seja introduzida mais rapidamente nas empresas;
  • Slide 84
  • 2.1 Mtodo Direto 2.1.1 Vantagens e Desvantagens 78/105 Tpico 3 Unid. 3 310 - As informaes do fluxo de caixa podem estar disponveis diariamente;
  • Slide 85
  • 2.1 Mtodo Direto 2.1.1 Vantagens e Desvantagens 79/105 Tpico 3 Unid. 3 310 Desvantagens: - O custo adicional para classificar os recebimentos e pagamentos; - A falta de experincia dos profissionais das reas contbil e financeira em usar as partidas para classificao.
  • Slide 86
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.2 Mtodo Indireto 80/105 Tpico 3 Unid. 3 310 Neste mtodo, quando as empresas decidem no mostrar os recebimentos e pagamentos operacionais, devem relatar a mesma importncia de fluxo de caixa lquido das atividades operacionais indiretamente.
  • Slide 87
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.2 Mtodo Indireto 80/105 Tpico 3 Unid. 3 311 Na figura 14 da pgina 311 apresentada uma demonstrao do fluxo de caixa atravs do mtodo indireto.
  • Slide 88
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.2 Mtodo Indireto 80/105 Tpico 3 Unid. 3 312 Por esse mtodo, a demonstrao do fluxo de caixa inicia pelo resultado da empresa, que aponta o lucro ou prejuzo do perodo e, a partir desse ponto, analisa se a empresa apurou caixa operacional positivo ou negativo.
  • Slide 89
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.2 Mtodo Indireto 81/105 Tpico 3 Unid. 3 312 Em sntese, o mtodo indireto aquele no qual os recursos provenientes das atividades operacionais so demonstrados a partir do lucro lquido, ajustado pelos itens considerados nas contas de resultado que no afetam o caixa da empresa.
  • Slide 90
  • 2.2 Mtodo Indireto 2.2.1 Vantagens e Desvantagens 82/105 Tpico 3 Unid. 3 313 Vantagens: - Apresenta baixo custo; - Concilia o lucro contbil com o fluxo de caixa operacional lquido.
  • Slide 91
  • 2.2 Mtodo Indireto 2.2.1 Vantagens e Desvantagens 83/105 Tpico 3 Unid. 3 313 Desvantagens: - preciso aguardar o tempo necessrio para gerar as informaes pelo regime de competncia e s depois convert-las para o regime de caixa;
  • Slide 92
  • 2.2 Mtodo Indireto 2.2.1 Vantagens e Desvantagens 83/105 Tpico 3 Unid. 3 313 - Se houver interferncia da legislao fiscal na contabilidade oficial, e geralmente h, o mtodo indireto ir eliminar somente parte destas distores.
  • Slide 93
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.3 Viso Geral da Demonstrao do Fluxo de Caixa 84/105 Tpico 3 Unid. 3 314 O fluxo de caixa um retrato fiel da composio da situao financeira da empresa. imediato e pode ser atualizado diariamente, proporcionando ao gestor uma radiografia permanente das entradas e sadas dos recursos financeiros da empresa.
  • Slide 94
  • 2 Mtodos para Elaborao da Demonstrao dos Fluxos de Caixa 2.3 Viso Geral da Demonstrao do Fluxo de Caixa 85/105 Tpico 3 Unid. 3 314 O fluxo de caixa evidencia tanto o passado como o futuro, o que permite projetar, dia a dia, a evoluo do disponvel, de forma que se possam tomar com a devida antecedncia as medidas cabveis para enfrentar a escassez ou o excesso de recursos.
  • Slide 95
  • 3 Balano Patrimonial 86/105 Tpico 3 Unid. 3 314 O balano patrimonial o principal instrumento de registro das operaes da empresa na contabilidade.
  • Slide 96
  • 3 Balano Patrimonial 87/105 Tpico 3 Unid. 3 315 O balano patrimonial uma das demonstraes contbeis que funciona como se fosse uma fotografia do desenvolvimento de uma empresa em um determinado perodo. Usualmente, inicia em 01 de janeiro e encerra em 31 de dezembro, e est dividido em ativo, passivo e patrimnio lquido.
  • Slide 97
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 88/105 Tpico 3 Unid. 3 315 Esta conta do Balano Patrimonial subdividida em ativo circulante e ativo no circulante.
  • Slide 98
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 89/105 Tpico 3 Unid. 3 316 O Ativo Circulante consiste em um conjunto de contas realizveis em at 1 ano. So contas que se transformam em dinheiro neste perodo mencionado.
  • Slide 99
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 90/105 Tpico 3 Unid. 3 316 A conta duplicatas a receber representa os valores que esto em aberto para cobrana.
  • Slide 100
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 91/105 Tpico 3 Unid. 3 317 A conta Estoques representa os valores oriundos do estoque de mercadorias para as vendas (para os exerccios sociais futuros).
  • Slide 101
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 92/105 Tpico 3 Unid. 3 317 O Ativo No Circulante uma conta no qual a empresa registra as operaes com dinheiro em caixa em um perodo acima de um ano (12 meses).
  • Slide 102
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 93/105 Tpico 3 Unid. 3 318 A conta Realizvel a Longo Prazo representa os valores de investimentos com inteno de resgate acima de um ano (12 meses).
  • Slide 103
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 94/105 Tpico 3 Unid. 3 318 A conta de Investimentos representa os valores de investimentos em aes de outras empresas.
  • Slide 104
  • 3 Balano Patrimonial 3.1 Movimentaes Contbeis do Ativo 95/105 Tpico 3 Unid. 3 318 A conta de Imobilizado representa os valores existentes em mquinas, equipamentos e prdios da empresa. So todos os bens fsicos que a empresa precisa para desenvolver suas atividades.
  • Slide 105
  • 3 Balano Patrimonial 3.2 Movimentaes Contbeis do Passivo 96/105 Tpico 3 Unid. 3 319 Esta conta do Balano Patrimonial subdividida em Passivo Circulante e Passivo No Circulante.
  • Slide 106
  • 3 Balano Patrimonial 3.2 Movimentaes Contbeis do Passivo 97/105 Tpico 3 Unid. 3 319 O Passivo Circulante consiste em um conjunto de contas contbeis a pagar em at 1 ano (12 meses).
  • Slide 107
  • 3 Balano Patrimonial 3.2 Movimentaes Contbeis do Passivo 98/105 Tpico 3 Unid. 3 320 A conta de Fornecedores demonstra os valores que esto abertos para pagamentos dos produtos adquiridos para a produo ou vendas.
  • Slide 108
  • 3 Balano Patrimonial 3.2 Movimentaes Contbeis do Passivo 99/105 Tpico 3 Unid. 3 320 As contas de Encargos Sociais e Impostos a Pagar representam valores em aberto para pagamento de encargos, como: FGTS sobre salrios, INSS sobre salrios; e para pagamentos de impostos, como: PIS, COFINS, ICMS, etc.
  • Slide 109
  • 3 Balano Patrimonial 3.2 Movimentaes Contbeis do Passivo 100/105 Tpico 3 Unid. 3 321 Na conta de Emprstimos e Financiamentos de Curto Prazo so efetuados os registros de recursos que precisam ser pagos s instituies financeiras (bancos), devido necessidade de caixa que a empresa teve em um determinado perodo passado.
  • Slide 110
  • 3 Balano Patrimonial 3.2 Movimentaes Contbeis do Passivo 101/105 Tpico 3 Unid. 3 321 No Passivo No Circulante veremos a movimentao contbil da conta Exigvel a Longo Prazo durante o perodo de 2012 e 2013, no qual so efetuados os registros de valores a pagar s instituies financeiras (bancos), pois representa a necessidade de caixa que a empresa teve em um determinado perodo passado.
  • Slide 111
  • 3 Balano Patrimonial 3.3 Movimentaes Contbeis do Patrimnio Lquido 102/105 Tpico 3 Unid. 3 323 Na conta de Capital Social so registrados os valores que os scios investiram na abertura da empresa: o capital dos scios.
  • Slide 112
  • 3 Balano Patrimonial 3.3 Movimentaes Contbeis do Patrimnio Lquido 103/105 Tpico 3 Unid. 3 323 A conta Lucros ou Prejuzos Acumulados representa o resultado que a empresa obteve com todas as operaes de vendas e registro de despesas ou custos durante determinado perodo.
  • Slide 113
  • 4 Anlise do Fluxo de Caixa pelo Mtodo Indireto 104/105 Tpico 3 Unid. 3 324 O Quadro 110 na pgina 324 apresenta um modelo de fluxo de caixa pelo mtodo indireto.
  • Slide 114
  • 4 Anlise do Fluxo de Caixa pelo Mtodo Indireto 105/105 Tpico 3 Unid. 3 330 O grupo de contas de Atividades de Financiamentos so as contas do passivo e do patrimnio lquido - PL., que representam as entradas de recursos financeiros por aumento de capital social (integralizao de capital) e as operaes de emprstimos e financiamentos.
  • Slide 115
  • Parabns!!! Terminamos a Unidade.
  • Slide 116
  • PRXIMA AULA: Oramento Empresarial 4 Encontro da Disciplina 3 Avaliao da Disciplina (Avaliao FINAL)