35ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Download 35ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Post on 06-Apr-2016

265 views

Category:

Documents

45 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Fique sabendo de tudo o que acontece no setor do transporte. Entretenimento, esportes, sade, reportagens exclusivas, e muito mais para voc amigo caminhoneiro.

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Distribuio Gratuita</p><p>O JORNAL PARA O</p><p>CAMINHONEIROAMIGO</p><p>www.chicodaboleia.com.br</p><p>Orgulho de ser caminhoneiro</p><p>EDIO NACIONAL</p><p>A nona etapa do GP Petrobras de Frmula Truck esquentou, literalmente, a cidade de Londrina. Realizada no domingo 2 de no-vembro, a corrida levou ao grid doze para-naenses entre os vinte e seis competidores. </p><p>Ano 03 - Edio 35 - Novembro de 2014</p><p>Felipe Giaffone vence em Londri-na leva deciso do Campeonato </p><p>Brasileiro para Goinia</p><p>Pg. 03</p><p>Pg. 11</p><p>Pg. 14</p><p>O 8 Encontro Empresarial do Programa Na Mo Certa aconteceu dia 12 em So Paulo, no auditrio (SETCESP) e contou com a presena de mais de 150 pessoas.</p><p>8 Encontro Empresarial do Pro-grama Na Mo Certa</p><p>No ltimo dia 20 de novembro, a Agn-cia Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), publicou uma determinao no Dirio Oficial da Unio que prorrogou a validade dos certificados do Registro Na-cional do Transporte Rodovirio de Cargas (RNTRC). </p><p>ANTT prorroga prazo de validade dos certificados do RNTRC </p><p>Movimento sindical e greve: o que isso significa?Greve do Caminhoneiro 2012 - Rodovia Presidente Dutra Foto: Nelson Antoine/Fotoarena/AE</p><p>Conhea mais sobre a histria das mobilizaes sindicais no Brasil e no mundo e saiba porque elas so to importantes. </p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>Sede: Rua Jos Ravetta, 07 - Itapira-SP, CEP 13977-150 Fone:(19) 3843-5778</p><p>Tiragem: </p><p>50.000 exemplares Nacional, 10.000 exem-plares Baixa Mogiana e 10.000 exemplares Grande Ribeiro Preto</p><p>Diretora-Presidente: Wanda Jacheta</p><p>Diretor-Geral / Editor: Chico da Boleia</p><p>Coordenao / Reviso / Fotgrafa</p><p>Larissa J. Riberti</p><p>Diagramao / Fotgrafa</p><p>Pamela Souza</p><p>Suporte TcnicoMatheus A. Moraes</p><p>Video Maker / FotgrafoMurilo Abreu</p><p>Conselho Editorial:Albino Castro (Jornalista) Dra. Virgnia Laira (Advogada e coordenado-ra do Departamento Jurdico da Fenacat) Roberto Videira (Presidente da APROCAM Brasil) Jos Arajo China (Presidente da UNICAM Brasil)</p><p>Responsabilidade social:ViraVidaLigue 100Na mo certa</p><p>02 EDITORIAL</p><p>ExpedienteRessaca Eleitoral isso mesmo, companheiros e companhe i r a s , por incrvel que parea ainda exis-te um rescaldo eleitoral no ar. Os que perderam no conseguem engo-lir mais esta der-</p><p>rota e ficam procurando pelo em ovo para tentar um terceiro, quarto ou sabe-se l um quinto turno. Tenho lido cada absurdo, que fico a pensar at onde estas pessoas podem chegar. </p><p>Vem-me memria um jornal l da Euro-pa com mais de 100 anos que fechou por causa de corrupo, fraude, escutas ilegais e coisas do gnero. interessante quando certos veculos de comunicao comeam uma matria ou reportagem com o seguinte prembulo tivemos acesso a informaes confidenciais. Mas, se confidencial, como teve acesso? Se sigilo de Justia, como teve acesso? </p><p>Para no sair chutando o balde, vamos di-zer que, no mnimo, estranho. Outra coisa curiosa a capacidade de criar manchetes do nada, literalmente do nada, pois ensi-na o bom jornalismo que a manchete traz em sntese e a matria principal descreve. Porem, ao longo de suas ltimas edies, certas revistas tem se dado ao desservio de comportar-se como imprensa marrom. </p><p>preciso estar atento.Mas vamos ao que nos interessa que falar do trecho, ainda que nos ltimos dias essa questo poltica tenha feito parte constante da nossa rotina diria. </p><p>Novembro veio com cheiro de retomada! Notcias de bastidores do conta que no ano de 2015 ter inicio de forma objetiva um programa de renovao de frota de ca-minhes. Que seja bem vindo e que seja em todo territrio nacional.</p><p>Tendo em vista a adequao das exigncias para ter o RNTRC (Registro Nacional do Transporte Rodovirio de Cargas), a ANTT prorrogou o prazo de validade dos certifi-cados. Basta entrar no site www.chicoda-boleia.com.br e ver as novas datas. Nesta edio tambm trazemos uma matria para esclarecer as dvidas. </p><p>Quanto aos eventos, o ms de novembro esteve recheado deles. No Rio de Janeiro, durante a Fetransrio, debateu-se o cenrio econmico e poltico no ps-eleio. A Ir-mos Davoli promoveu evento para apre-sentar novidades e especificidades do mo-delo Sprinter da Mercedes-Benz. </p><p>Tambm trazemos uma matria sobre a Expo ABCD, ltimo evento do ms de no-vembro. Na ocasio, o Deputado Orlando Morando, deu suas opinies sobre a Lei 12.619 em entrevista exclusiva. </p><p>A Frmula Truck promete esquentar a eta-pa de Goinia, que acontece no primeiro fi-nal de semana de dezembro, j que a vitria </p><p>Todos os anncios so de responsabilidade dos </p><p>respectivos anunciantes.</p><p>Todas as matrias assinadas por colunistas so </p><p>de inteira responsabilidade de seus produtores.</p><p>Termo de responsabilidade</p><p>de Felipe Giaffone em Londrina postergou a deciso do campeonato brasileiro. </p><p>Quero deixar registrado meu agradecimen-to pelo convite que recebi para participar do encontro promovido pelo Programa Na Mo Certa. Na ocasio, foram discutidas estratgias para inibir explorao sexual de crianas e adolescentes em pontos de para-da que agora so obrigatrios nas estradas. E nesta edio contamos com uma consul-toria do nosso amigo dentista, Dr. Sartoret-to que orienta sobre higiene bucal.</p><p>Por ltimo, em novembro, mais precisa-mente dia 21, meu irmo do meio o Airton Francisco completou 55 primaveras. Um designer de mo cheia! Que esta data lhe traga muita sade, alegria, amor e paz. Seja muito feliz, senhor Airton.</p><p>Acompanhe nosso boletim dirio de se-gunda a sbado s 05h50min da manh no Momento das Estradas, pela 102,9 Radio Municipal de Amparo, ou pelo site www.chicodaboleia.com.br</p><p>Por hoje sBoa leitura e at a prxima edioChico da Boleia sempre com Orgulho de ser Caminhoneiro.</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>te. Eu me lembro que muitos companhei-ros perdiam tempo nos caixas do Posto de Combustveis esperando o pessoal aprovar o recebimento da carta frete. Agora o custo que ns pagvamos a mais no diesel ou na refeio por pagar com carta frete mudou de lado. Ou seja, eles reclamam que vo perder tempo e registrar a operao no sis-tema, ou que vo gastar com as empresas habilitadas em operar o PEF Pagamento Eletrnico do Frete. Este o problema para alguns: quando o custo era nosso tudo bem, agora que mudou de lado tem gente recla-mando. Mas lembre-se que operar com a Carta Frete agora crime e se voc sofrer com isso ou souber de algum que no con-siga receber pela PEF, denuncie! </p><p>Chico da Boleia respondeLuiz Claudio Moreira de Osrio (RS) - Chico por que a largada da Formula Truck em movimento?</p><p>Chico da Boleia Meu caro Luiz esta for-ma de largada puramente por segurana. Veja voc quanto pesa o cavalo como ns conhecemos ou no nome tcnico caminho trator? Pesa em mdia quatro toneladas. Pense da seguinte forma: se a largada fosse parada e o segundo caminho da fila no sai, fica parado, voc pensou o que pode ocorrer ou o tamanho da coliso de outro que vem acelerando tudo? Ento, segundo apuramos, o fato da largada ser em movi-mento se d pela segurana. Natanael Oliveira de Extrema (MG) - Chico da Boleia porque o fim da carta frete no aceito por certas empresas?</p><p>Chico da Boleia Natanael, a resposta pa-rece simples, mas devemos analisar! Como voc mesmo disse so certas empresas que no aceitam, pois a grande maioria esta aceitando sem problemas, Existe quem ainda reclame do fim da carta frete porque agora estamos dentro da legalidade e no temos mais custo para receber nosso fre-</p><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIAPAPO DE BOLEIA 03</p><p>No ltimo dia 20 de novembro, a Agn-cia Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), publicou uma determinao no Dirio Oficial da Unio que prorrogou a validade dos certificados do Registro Na-cional do Transporte Rodovirio de Cargas (RNTRC). </p><p>A Resoluo n 4.490, visa estender o prazo de validade dos certificados, que expiraria em 15 de novembro deste ano, at a data que ainda ser definida por um cronogra-</p><p>ma. De acordo com a ANTT o novo prazo dever ser divulgado em breve, em suporte eletrnico no site da Agncia reguladora. </p><p>Em comunicado, a NTC&amp;Logstica, tam-bm ressaltou que a resoluo no causa prejuzo ao exerccio da atividade de trans-porte rodovirio de cargas. Os caminho-neiros e transportadoras devero, portanto, ficar atentos s prximas deliberaes da ANTT. </p><p>Confira o texto da resoluo na ntegra:</p><p>DOU de 20/11/2014 (n 225, Seo 1, pg. 85).</p><p>Prorroga o prazo de validade dos Certifi-cados de Registro Nacional de Transporta-dores Rodovirios de Cargas e, d outras providncias.</p><p>A Diretoria da Agncia Nacional de Trans-portes Terrestres ANTT, no uso de suas atribuies, fundamentada no Voto DCN 187, de 19 de novembro de 2014, no que consta do Processo n 50500.206084 /2014-34;considerando que todos os trans-portadores cadastrados at 15 de maio de 2009 foram obrigados a fazer um recadas-tro junto ANTT para adequao s novas regras determinadas pela Resoluo ANTT n 3.056, de 12 de maro de 2009; e con-siderando que a validade dos Certificados de Registro Nacional de Transportadores Rodovirios de Cargas prorrogada pela Re-soluo ANTT n 4.330, de 7 de maio de 2014, expira a partir de novembro de 2014, resolve:</p><p>Art. 1 Prorrogar a validade dos Certifi-cados de Registro Nacional de Transporta-dores Rodovirios de Cargas (CRNTRC) vencidos a partir de 15 de novembro de </p><p>ANTT prorroga prazo de validade dos certificados do RNTRC 2014, previstos na Resoluo n 4.330, de 7 de maio de 2014, at a data definida no cronograma para recadastramento a ser pu-blicado pela ANTT.</p><p>Art. 2 O cronograma para recadastra-mento ser divulgado no stio eletrnico da ANTT quando da publicao da nova re-soluo do RNTRC, sem prejuzo ao exer-ccio da atividade de transporte rodovirio remunerado de cargas.</p><p>Art. 3 Esta Resoluo entra em vigor na data de sua publicao.</p><p>Mais informaes acesse: www.antt.gov.br</p><p>Redao Chico da Boleia</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA04 FIQUE POR DENTROO JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>A 10 edio da Fetransrio, evento conjunto com a 16 Etransport, inaugurou suas ati-vidades na quarta-feira (5 de novembro) e apresentou todas as novidades do setor de transporte de passageiros durante trs dias. Os expositores estiveram distribudos entre os pavilhes 3 e 5 do Rio Centro, na cidade do Rio de Janeiro. </p><p>Alm das novidades em servios e produ-tos, o pblico pode conferir palestras e de-bates sobre os mais variados temas como segurana no trnsito, mobilidade e sus-tentabilidade. No primeiro dia de evento, discutiu-se a preveno de acidentes envol-vendo ciclistas, motociclistas e pedestres, alm do uso de lcool e drogas no trnsito e os nveis de acidentes causados por tal realidade. </p><p>A principal palestra do dia foi ministrada por Carlos Alberto Sardenberg, jornalis-ta da Tv Globo e da rdio CBN. Com a apresentao Brasil, como chegamos at aqui? Como voltamos a crescer?, o pales-trante iniciou sua fala frisando que a atual situao poltica e econmica exige dos re-presentantes polticos muita imaginao para buscar alternativas e restabelecer os nveis de crescimento experimentados nos ltimos anos. </p><p>Sardenberg tambm falou sobre o contexto no qual o Brasil atingiu seu pice econ-mico e poltico. Para ele, esse momento abarca os anos de 1994 a 2006 e algumas questes resolutivas fundamentais na po-ltica econmica do pas. Tivemos nesse perodo a estabilizao macroeconmica, reformas microeconmicas, salrio mni-mo e programas sociais, alm de um bnus demogrfico. Essas reformas de 1994 at </p><p>o final do primeiro mandato do Lula fo-ram reformas notveis que transformaram o Brasil em um pas srio e confiante aos olhos de investidores internacionais, fri-sou. </p><p>Ganhos em termos de investimento externo no Brasil, regime de metas da inflao com Banco Central independente, responsabili-dade fiscal, cmbio flutuante, privatizaes dos bancos estaduais seguido de reforma do sistema financeiro, reformas microeco-nmicas, programas sociais e poltica de incremento do salrio mnimo, foram algu-mas das caratersticas fundamentais desse perodo, de acordo com o palestrante. </p><p>O segundo fator que beneficiou o grande crescimento da economia brasileira nos ltimos anos foi a influncia causada pelo crescimento da China. Se no incio dos anos 2000 a gente exportava 1 bilho em mdia para a China, hoje exportamos mais de 40 bilhes, sendo que os preos dos itens tambm subiram no perodo. </p><p>Sardenberg explicou que isso se deu, basi-camente, pelo fato de que a China passou a ser um dos maiores exportadores de bens industrializados do mundo, o que acarretou uma inverso dos termos de troca. Ele explica o fenmeno pelo fato de que as ex-portaes de commodities e minrios cres-ceram grandiosamente nos ltimos anos. </p><p>Hoje, a China o maior importador da Amrica Latina, porque daqui que saem bens como carne, matrias primas como cobre, etc. O aumento no valor das exporta-es fez com que nossa reserva aumentasse em detrimento da dvida pblica externa, explicou Sardenberg que tambm salientou que esse crescimento foi acompanhado de </p><p>uma srie de medidas le-gislativas sobre crdito, investimento, obras pbli-</p><p>cas, entre outros. </p><p>O palestrante tambm falou sobre a crise mundial de 2008/2009, salientado que ela foi, em grande medida, causada pelo se-tor financeiro. Alguns bancos grandes do mundo inteiro s no fecharam porque o governo deu um suporte. As famlias, as empresas e os bancos estavam endividados devido quantidade de emprstimos. Na-quele momento, esse endividamento cau-sou uma exploso da bolha, ressaltou. </p><p>O momento posterior a essa exploso da dvida de alguns pases foi sucedido por um momento de reajuste de contas. No Brasil, no entanto, no sentimos os grandes efeitos da crise, j que havamos aumenta-do nossas reservas. Tanto o Brasil quanto outros pases emergentes como Chile, por exemplo, foram os menos afetados por essa crise. </p><p>No entanto, Sardenberg aponta que o mo-delo econmico adotado pelo Brasil vive um esgotamento. No podamos mais apostar na ideia de que se resolve a crise aumentando o crdito, o consumo e o gasto pblico, analisou. De acordo com o pa-lestrante, essa opo foi errada porque o governo tentou soltar o dlar, aumentar o crdito e o investimento, o que causou in-flao e dficit pblico. A um determinado momento o salto do crdito funciona, mas isso tem um limite, porque causa endivida-mento pblico, completou. </p><p> impossvel continuar crescendo como estvamos. A opo por continuar a es-timular o crdito decresceu a economia. Ao tentar controlar tudo ao mesmo tempo (crdito, dlar e juros) desequilibramos o sistema, explicou. </p><p>No entanto, outros economistas e observa-dores consideram que o endividamento p-blico , na verdade, investimento em reas fundamentais da sociedade como a consoli-dao de empresas pblicas, a sade, trans-porte, educao, entre outros. </p><p>O momento atual dever mostrar uma dis-cusso para se definir qual poltica econ-mica ser adotada daqui pra frente. Para Sardenberg, existem duas possibilidades. A primeira delas que seja adotada a mes-ma estratgia do primeiro mandato de Lus Incio Lula da Silva que nomeou Henrique Meirelles, ex-presidente mundial do Bank Boston como presidente do Banco Central e lhe deu autonomia de atuao. </p><p>Na poca, Meirelles adotou uma srie de medidas ortodoxas em relao economia, como a aplicao de juros mais altos para controlar a inflao e a reduo...</p></li></ul>