37ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Download 37ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Post on 07-Apr-2016

226 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Distribuio Gratuita</p><p>O JORNAL PARA O</p><p>CAMINHONEIROAMIGO</p><p>www.chicodaboleia.com.br</p><p>Orgulho de ser caminhoneiro</p><p>EDIO NACIONAL</p><p>Desde o dia 1 de janeiro, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) voltou a ser cobrado integralmente para carros. Os ca-minhes seguem com alquota 0 em 2015.</p><p>Ano 04 - Edio 37 - Janeiro de 2015</p><p>Caminhes continuam isentos de IPI em 2015</p><p>Pg. 03</p><p>Pg. 04</p><p>Pg. 06</p><p>O nmero de multas por excesso de velo-cidade cresceu 50% nas rodovias estaduais de So Paulo em 2014, em comparao com o ano anterior.</p><p>Multas por velocidade </p><p>cresceram 50% em 2014</p><p>A Concessionria Irmos Davoli de Mogi--Mirim, uma das mais antigas revende-doras de caminhes e Sprinters da marca Mercedes-Benz no Brasil, foi contemplada com o prmio Star Class na categoria Ouro.</p><p>Irmos Davoli recebe Prmio Star Class Ouro pela nona vez</p><p>ANTT realiza audincia pblica para reviso das regras do RNTRCEvento realizado na ltima segunda-feira de janeiro buscou debater novas regras do RNTRC</p><p>Foto: ANTT</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>Sede: Rua Jos Ravetta, 07 - Itapira-SP, CEP 13977-150 Fone:(19) 3843-5778</p><p>Tiragem: </p><p>50.000 exemplares Nacional, 10.000 exem-plares Baixa Mogiana e 10.000 exemplares Grande Ribeiro Preto</p><p>Diretora-Presidente: Wanda Jacheta</p><p>Diretor-Geral / Editor: Chico da Boleia</p><p>Coordenao / Reviso / Fotgrafa</p><p>Larissa J. Riberti</p><p>Diagramao / Fotgrafa</p><p>Pamela Souza</p><p>Suporte TcnicoMatheus A. Moraes</p><p>Video Maker / FotgrafoMurilo Abreu</p><p>Conselho Editorial:Albino Castro (Jornalista) Dra. Virgnia Laira (Advogada e coordenado-ra do Departamento Jurdico da Fenacat) Roberto Videira (Presidente da APROCAM Brasil) Jos Arajo China (Presidente da UNICAM Brasil)</p><p>Responsabilidade social:ViraVidaLigue 100Na mo certa</p><p>02 EDITORIAL</p><p>Expediente2015: ANO NOVO, VELHOS PROBLEMAS</p><p>Companheiros do trecho! Comea-mos o ano e ainda tem gente falando de 2014. Ainda tem gente que, de todo modo, quer mudar o resultado das urnas. J que no deu no voto vo tentar no ta-</p><p>peto! </p><p>Tenho 50 anos nas costas e no me lembro de ter visto nada parecido com que eu vejo agora na grande imprensa ou como diria Paulo Henrique Amorim, o pessoal do Pig Partido da imprensa golpista, a cada dia que passa, fica mais raivoso, sem limites. J tem gente dizendo que h base para im-peachment da Presidenta e por a vai.</p><p>O fato concreto que a Presidenta Dilma tomou posse em 1 de janeiro e, ao invs dos setores miditicos auxiliarem na deteco dos problemas e na sua resoluo, monta--se um circo para deslegitimar at mesmo as tentativas de crescimento da economia. Esses setores esto tentando atacar a Presi-denta a qualquer preo, nem que seja para quebrar o Brasil como um todo. Isso tudo simplesmente revoltante.</p><p> incrvel como para o PIG s exista uma sigla na poltica, s se fala no pessoal da estrela. O pessoal da plumagem, mais co-</p><p>nhecidos como tucanos, passa ao largo de qualquer denuncia, ningum fala do Azere-do, do Metroduto entre outros casos de cor-rupo. Mas vamos em frente, pois nosso setor no para!</p><p>A nossa Lei continua esperando entrar na pauta para resolver possveis mudanas se que elas vo existir. Quando digo nossa Lei me refiro a Lei 12.619, mais conheci-da como Lei do Motorista ou do Descanso como preferem alguns.</p><p>Tambm adentramos o ano com o fim da carta frete decretado, mas certos setores continuam a us-la, mesmo sendo crime. Alm disso, alteraes nas regras para ob-ter o RNTRC continuam no forno por pelo menos mais dois meses.</p><p>Daqui a pouco entramos em Fevereiro e algum vai lembrar Ops! J carnaval! e todas essas resolues necessrias para o setor continuaro esperando. Quem sabe aps o carnaval as coisas comecem a andar de fato.</p><p>Quero aproveitar o espao e pedir licena aos amigos para comemorar o aniversrio de minha filha, que no prximo dia 15 de Fevereiro ir completar 19 primaveras. Linda como o Pai, j est no segundo ano de Psicologia. Parabns para voc, Victo-ria! Muita sade muita alegria e muita paz do seu Pai que te ama muito!</p><p>Companheiros! Para quem quiser mais no-ticias e informaes, basta acessar o site </p><p>Todos os anncios so de responsabilidade dos </p><p>respectivos anunciantes.</p><p>Todas as matrias assinadas por colunistas so </p><p>de inteira responsabilidade de seus produtores.</p><p>Termo de responsabilidade</p><p>www.chicodaboleia.com.br ou as redes sociais. E no se esqueam de que temos nosso boletim dirio na Radio Cultura Municipal de Amparo FM 102,9 sempre as 05h50min da manh e que voc pode acompanhar no site tambm no mesmo ho-rrio.</p><p>Caso voc tenha alguma idia ou sugesto escreva para nosso e-mail que chicoda-boleia@chicodaboleia.com.br </p><p>At a prxima edio e um grande abraoChico da Boleia sempre com orgulho e ser caminhoneiro. </p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>empresas. O caminhoneiro autnomo sem-pre acaba deixando de participar, de se in-formar e de lutar por seus direitos. Muitos acham que o sindicato est ali s pra dar clube de campo, um espao de lazer, mas, pelo contrrio, o sindicato existe para lutar pelos direitos dos caminhoneiros. Portanto, participe do sindicato da sua regio, se in-forme sobre os servios e aes prestados, comparea sempre que possvel e veja se esto realmente lutando pelos seus direitos. Fiscalize seu sindicato e, acima de tudo, no deixe que os outros decidam por voc! Para ajud-lo temos em nosso site uma re-lao com os sindicatos dos quatro cantos do Brasil. D uma conferida l e se infor-me. Caso conhea algum sindicato que no esteja l em nossa relao, por favor, entre em contato. E caso tenha qualquer denn-cia sobre alguma entidade desonesta ou que atue de m ndole, envie um e-mail para chicodaboleia@chicodaboleia.com.br que tentaremos entrar em contato e averiguar a situao.</p><p>Um abrao, Chico da Boleia Orgulho de ser Caminhoneiro!</p><p>Chico da Boleia responde</p><p>Olha Chico, sou caminhoneiro h quase 20 anos e estou cansando de ver como o ca-minhoneiro injustiado, ningum leva a gente a srio! Levamos esse pas nas costas e ningum nos respeita!</p><p>Fora todas as exigncias que esto fazen-do em relao a nossa documentao isso sem falar das restries de nossa circulao nas cidades. Eu acho tudo isso um absur-do! No s por nossa causa que o trnsito est como est. A prova t ai! Mesmo com toda essa histria de restrio o trnsito das grandes cidades continua a mesma porca-ria, o mesmo caos. Chico eu gostaria de saber como a gente poderia agir ou sei l o que pra tentar virar esse jogo.</p><p>Abrao do leitor Antnio Mario de Olivei-ra.</p><p>Chico da Boleia: Olha Antnio, para vi-rar esse jogo o pessoal tinha que ser mais unido. Veja como exemplo: Eu rodo pelo pas afora e j conversei com diversos sin-dicatos de autnomos e de empresas de transportes. E a grande realidade que nos sindicatos de autnomos no h tanta par-ticipao das partes quanto no sindicato de </p><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIAPAPO DE BOLEIA 03</p><p>A Concessionria Irmos Davoli de Mogi--Mirim, uma das mais antigas revende-doras de caminhes e Sprinters da marca Mercedes-Benz no Brasil, foi contemplada com o prmio Star Class na categoria Ouro. Esse o nono ttulo recebido pela empresa que possui quase setenta anos de histria.</p><p>No ano de 2006 a Mercedes-Benz lanou o Programa StarClass com o objetivo de realinhamento das estratgias entre ela e </p><p>sua rede de Concessionrios de Veculos Comerciais e Automveis. O programa um conjunto de atividades desenvolvidas com o objetivo de atestar oficialmente que determinado produto, processo ou servio est em conformidade com os requisitos es-pecificados nas regras de um Programa de Certificao.</p><p>As atividades de certificao envolvem anlise de documentos e auditorias na em-</p><p>presa, com o objetivo de avaliar a conformidade e sua manuten-o. A ao visa disseminar um </p><p>modelo de excelncia e a melhoria contnua dos principais processos administrativos e operacionais da Rede de Concessionrios, capacitando-os para oferecer ao mercado um padro nico de excelncia em atendi-mento e qualidade de produtos.</p><p>O concessionrio avaliado atravs de um sistema de pontuao que lhe confere a classificao Ouro, Prata ou Bronze. E no a toa que a Irmos Davoli de Mogi-Mirim recebeu o mais alto nvel da certificao pela nona vez. Joo Davoli, Diretor Execu-tivo da empresa, acredita que a qualidade primordial no mundo dos negcios e no abre mo dela.</p><p>Na nossa empresa a poltica de recruta-mento e treinamento essencial, eu acho que absolutamente impossvel tocar uma empresa hoje em dia sem uma equipe mui-to qualificada. A atividade demanda esse tipo de gabarito dos profissionais em to-dos os setores, frisou Davoli, comentan-do tambm que a Comercial Davoli de Ja concorreu certificao pela primeira vez e j foi contemplada com a categoria Ouro.</p><p>Irmos Davoli recebe Prmio Star Class Ouro pela nona vez Luiz Fernando Maicutti gerente de Re-cursos Humanos da empresa h 27 anos. Segundo ele, a seleo dos colaboradores seguida de um plano de treinamento traa-do no s dentro da fbrica, como tambm em parceria com outros institutos de capa-citao. O diferencial aqui que todos os colaboradores so treinados dentro de cada uma das funes o que delimita a formao e direciona a mo de obra conforme suas habilidades, explicou.</p><p>Desejamos os parabns a Irmos Davoli, a Comercial de Davoli de Ja e a toda a equipe pelo excelente desempenho em seus negcios.</p><p>Havaia ComunicaoFoto: Pamela Souza</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA04 FIQUE POR DENTROO JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>Desde o dia 1 de janeiro, o Imposto so-bre Produtos Industrializados (IPI) voltou a ser cobrado integralmente para carros. O tributo tinha desconto para modelos com motor at 2.0 e teve significativa importn-cia como medida do governo federal para conter a baixa nas vendas. A ao de redu-o teve incio em 2012 e contou com um </p><p>retorno gradual do imposto em 2013 e que chegou aos patamares originais neste incio de ano. Segundo o Sincodiv/Fenabrave-RS o retorno da alquota cheia do IPI dever fazer o preo dos carros subir, em mdia, 4,5%. Os caminhes seguem com alquota 0 em 2015.</p><p>Caminhes continuam isentos de IPI em 2015 Mantida reduo de tarifa para eixo suspenso em pedgios de So Paulo</p><p>A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justia (STJ) manteve deciso do Tri-bunal de Justia de So Paulo (TJSP) que possibilitou a fixao de tarifas de pedgio menores para caminhes que trafegam em rodovias estaduais com eixos auxiliares suspensos.</p><p>No dia 10 de dezembro, o colegiado havia dado provimento a um recurso especial da concessionria Autovias S/A para permitir a cobrana por eixo suspenso, j que esse tem sido o entendimento adotado pelo STJ em outros processos.</p><p>No entanto, ao analisar novo recurso, dessa vez interposto pelo Departamento de Es-tradas de Rodagem (DER) de So Paulo, a Segunda Turma retificou a deciso anterior ao considerar que a uniformizao da in-terpretao da legislao federal razo de ser do recurso especial no poderia ser invocada no caso. que a jurisprudncia do STJ diz respeito a rodovias federais, en-quanto o caso julgado se refere ao pedgio em rodovias estaduais, sujeito legislao local.</p><p>Com a deciso, prevalece o julgamento do TJSP que validou a cobrana de tarifas di-ferenciadas para os veculos de carga com eixos suspensos.</p><p>PrecedentesA Autovias entrou na Justia contra ato ad-ministrativo que proibiu a cobrana de tari-fa com base em todos os eixos do veculo, inclusive os que estivessem suspensos, sem tocar o asfalto. A empresa afirmou que con-siderou a cobrana dos eixos suspensos na elaborao de seus projetos de explorao das rodovias e que a aplicao desse des-conto inviabilizaria a administrao, com importantes perdas no programadas.Tanto a sentena de primeiro grau quanto </p><p>o acrdo do TJSP negaram a pretenso da concessionria. Para o TJSP, o fato de os eixos auxiliares estarem levantados impe a reduo do valor do pedgio, pois, no havendo contato do eixo com o solo, o des-gaste da pista menor. </p><p>A concessionria recorreu ao STJ, mas o ministro Herman Benjamin, relator, re-jeitou o apelo em deciso monocrtica. Posteriormente, ao analisar recurso contra essa deciso, a Segunda Turma deu razo Autovias, levando em conta precedentes do STJ segundo os quais a opo do mo-torista pela suspenso do eixo auxiliar, no momento de passar pelo pedgio, no pode alterar o critrio de tarifao.</p><p>AlinhamentoDe acordo com esses precedentes, a sus-penso do eixo no representa necessaria-mente menor peso e menor desgaste do pavimento, cuja manuteno cabe con-cessionria. Assim, para alinhar a soluo do caso jurisprudncia, o colegiado deu provimento ao pedido da empresa.</p><p>Em embargos de declarao, o DER alegou que o recurso da Autovias era incabvel, j que no havia conflito entre a deciso do TJSP e a interpretao aplicada pelo STJ a casos semelhantes, pois esses ltimos foram resolvidos com base na legislao federal. Os ministros do colegiado aco-lheram o argumento. Como a pretenso da Autovias exigiria o reexame de provas do processo e de clusulas do edital de licita-o das rodovias, alm da interpretao da legislao estadual o que no admitido em recurso especial , a Segunda Turma reformou a deciso anterior para rejeitar o recurso da concessionria.</p><p>Fonte: STJ</p><p>Foto: Divulgao</p><p>Foto: Mercedes-Benz</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIAO JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIADE BOA NA BOLEIA 05</p><p>Estopim das manifestaes de junho de 2013, o problema da mobilidade urbana ou seja, a capacidade de as pessoas irem de um lugar para outro dentro das cidades permanece como desafio do poder pblico. No Congresso Nacional, diversos projetos de lei propem sugestes para resolver pro-blemas como: transporte pblico de baixa qualidade; ruas engarrafadas; poucas ci-clovias; e falta de caladas para o pedestre. Em outubro de 2014, o tema foi discutido, na Cmara dos Deputados, por diversos es-pecialistas, durante o 2 Seminrio Interna-cional Mobilidade e Transportes.</p><p>Segundo o consultor legislativo Eduardo Fernandes Silva, autor do livro "Meio Am-biente e Mobilidade Urbana, um dos pon-tos fundamentais para se melhorar a mobi-lidade organizar a maneira como a cidade cresce. importante que os bairros, as regies onde as pessoas moram, sejam completos, para que elas possam trabalhar, estudar, ir ao mdico, ir ao cinema, a p, ou de bicicleta, rapidamente, com pouco gasto de energia, explica. Para ele, preciso evi-tar ao mximo a queima de combustveis fsseis, prejudicial ao meio ambiente e sade das pessoas.</p><p>O consultor destaca que Rio de Janeiro e So Paulo esto hoje entre as dez cidades mais congestionadas do mundo. Conforme dados do Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada (Ipea), 20% dos trabalhadores das regies metropolitanas brasileiras gastam mais de uma hora por dia no deslocamento de casa para o trabalho.</p><p>Integrante da Comisso de Desenvolvi-mento Urbano da Cmara, o deputado Izal-ci (PSDB-DF) ressalta que a maioria dos municpios do Pas no tem nenhum pla-nejamento para a rea. Ele defende inves-timentos em planejamento estratgico para as cidades brasileiras. As pessoas esto perdendo a qualidade de vida", disse.</p><p>Bicicletas e transporte pblico</p><p>A Cmara analisa algumas propostas que visam estimular o uso de bicicletas como meio de transporte nas cidades. Entre elas,...</p></li></ul>