28ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Download 28ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Post on 11-Mar-2016

221 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • Distribuio Gratuita

    O JORNAL PARA O

    CAMINHONEIROAMIGO

    www.chicodaboleia.com.br

    Orgulho de ser caminhoneiro

    EDIO NACIONAL

    Aconteceu no dia 16 de abril, a 14 edio do Seminrio Brasileiro do Transporte Rodovirio de Cargas. O evento contou com a participao de autoridades, espe-cialistas e da imprensa especializada.

    Ano 03 - Edio 28 - Abril de 2014

    Seminrio Brasileiro do

    Transporte Rodovirio de Cargas

    Pg. 03

    Pg. 05

    Pg. 04

    Aconteceu entre os dias 9 e 11 de abril, a Brazil Road Expo, o principal evento voltado s reas de infraestrutura viria e rodoviria da Amrica-Latina.

    Brazil Road Expo: o maior evento de infraestrutura viria e

    rodoviria do pas

    Foto: Automec Pesados

    Voc sabe o que no pode faltar numa eta-pa da Frmula Truck? Se voc respondeu caminhes, acertou. Mas no so apenas os Trucks e seus pilotos que esto presentes em cada uma das corrida.

    Grupo de Amigos do Boqueiro marca presena na Frmula

    Truck de Curitiba

    Automec mostra mercado de auto peas aquecido em 2014

  • O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO

    CHICO DA BOLEIA

    ABRIL: ms de relembrar o que no se deve esquecer

    Abril um ms muito importante! Por qu? Simples meu ani-versrio! H exatos 50 anos, no dia 12 de abril de 1964, s 00h45min, eu chega-va ao mundo. Brin-cadeiras parte, o assunto srio!

    Sem dvida a importncia do ms se d em funo do Golpe Civil-Militar, dado em 1 de abril, que jogou nossa democracia no lixo e junto com ela, inmeros companhei-ros que foram assassinados pelas torturas sofridas nos pores da policia, exrcitos e seus aparelhos paramilitares.

    Estamos a 50 anos do incio do perodo mais escuro e triste de nossa Histria re-cente. As mais abominveis atrocidades fo-ram cometidas contra aqueles que se opu-nham mo de ferro do exrcito, por isso, convido os leitores a lerem e relembrarem desse passado, a partir da nossa matria na coluna Cultura e Educao, na pgina 18.

    Tambm devemos rememorar o dia 19 de Abril, Dia do ndio. Na descoberta do Bra-sil em 1500, estima-se que os ndios brasi-leiros eram entre um e cinco milhes. Os tupis ocupavam a regio costeira que se es-tende do Cear a Cananeia (SP). Os guara-nis espalhavam-se pelo litoral Sul do pas e a zona do interior, na bacia dos rios Paran

    e Paraguai. Em outras regies, encontravam-se outras tribos, genericamente chamados de tapuias, palavra tupi que designa os ndios que fa-lam outra lngua. Porm os ndios foram massacrados justamente por aqueles que em 22 de Abril de 1500, descobriram o Brasil.

    Agora falando do nosso setor, abril o ms das Auto Peas. Entre os dias 1 e 5 de abril, aconteceu mais uma AUTOMEC PESA-DOS, e o setor, como no poderia deixar de ser, vem cheio de novidades de alta tecno-logia para os brutos, e inmeras novidades para o reparador. Apesar das entidades re-presentativas do setor estar meio que com o p atrs, todos os dirigentes apostam em um bom ano para o setor.

    E sem dvida o debate continua sobre a Lei 12.619. No Congresso Nacional os lo-bbys dos dois lados trabalham muito para que seus pontos de vistas prevaleam, mas a grande verdade que a base do setor, l no tapete negro do asfalto, ningum sabe direito o que est acontecendo.

    Por isso no dia 14 de Maio as 19 horas na Comercial Davoli em Ja, acontecer o 2 Encontro com Chico da Boleia para Debate sobre a Lei 12.619 e seus desdobramentos. Por todo lado que eu ando a desinforma-o grande, isso chega a assustar, pois o tema de suma importncia e no podemos ignor-lo.

    Mas o fato que existe uma distncia enor-

    Sede: Rua Jos Ravetta, 07 - Itapira-SP, CEP 13977-150 Fone:(19) 3843-5778

    Tiragem:

    50.000 exemplares Nacional, 10.000 exem-plares Baixa Mogiana e 10.000 exemplares Grande Ribeiro Preto

    Diretora-Presidente: Wanda Jacheta

    Diretor Editorial: Chico da Boleia

    Editor Responsvel: Chico da Boleia

    Coordenao / Reviso / Fotgrafa

    Larissa J. Riberti

    Diagramao / Fotgrafa

    Pamela Souza

    Suporte Tcnico / FotgrafoMatheus A. Moraes

    Conselho Editorial:Albino Castro (Jornalista) Larissa J. Riberti (Historiadora) Dra. Virgnia Laira (Advogada e coordena-dora do Departamento Jurdico da Fenacat) Roberto Videira (Presidente da APROCAM Brasil) Jos Arajo China (Presidente da UNICAM Brasil)Responsabilidade social:ViraVidaLigue 100Na mo certa

    02 EDITORIAL

    Expediente

    O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO

    CHICO DA BOLEIA

    me entre a teoria e a realidade dos trechos. No adianta certas lideranas afirmarem que falam em nome da categoria, pois a categoria mal sabe que uma categoria de grande peso. Convido a todas as lideranas, seja patronal ou laboral, para irem a campo, irem l na estrada onde se encontra de fato nossa categoria, e debater a partir da base, divulgar e orientar a partir da base o que realmente esta acontecendo.

    Boa leitura e at a prxima edio.Chico da Boleia sempre com Orgulho de ser Caminhoneiro.

  • Nosso telefone 019 3843 5778 ou 019 3843 6487. Voc pode nos enviar um e-mail chicodaboleia@chicodaboleia.com.br ou escrever em nosso site www.chicodaboleia.com.br

    Um abrao e at a prxima edioChico da Boleia Orgulho de ser

    Caminhoneiro

    O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO

    CHICO DA BOLEIA

    Chico da Boleia responde

    O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO

    CHICO DA BOLEIAPAPO DE BOLEIA 03

    Mrcia Moreira: Chico, recebi um multa por evaso de pedgio e isso ocorreu l na balana de Extrema. O que eu posso fa-zer.?! Eles esto me cobrando R$ 5.000,00 (cinco mil reais) de multa.

    Companheira, esta uma situao difcil e te digo mais, no s voc que est nela. Existem inmeros companheiros que es-to tomando tinta por evaso. O primeiro passo realmente ver se no cometeu tal infrao, depois entrar com recurso justi-ficando o quanto errada tal multa. Mas para isso bom estar bem calado, se pos-svel com provas para que no haja erro e com um bom advogado, claro. O problema que muito dos companheiros s se do conta quando chega a cobrana em casa, e a fica difcil fazer alguma coi-sa. Na nossa prxima edio traremos uma reportagem sobre o problema das balanas e suas conseqncias, pois em inmeros lugares, os irmos da estrada tm reclama-do do mesmo problema.

    O fato que ns temos que ficar atentos a tudo e a todos para no sermos pegos desprevenidos. Toda ateno pouca, por isso no vacile, pois o custo das multas est alto.Se tiver alguma duvida ou sugesto fale com a gente.

    Voc sabe o que no pode faltar numa etapa da Frmula Truck? Se voc respondeu caminhes, acertou. Mas no so apenas os Trucks e seus pilotos que esto presentes em cada uma das corri-das. Nelas, indispensvel a pre-sena dos caminhoneiros e cami-nhoneiras de todo o pas que do um brilho especial competio.

    Durante a segunda etapa do GP Crystal de Frmula Truck, que aconteceu no Autdromo Inter-nacional de Curitiba no ltimo domingo (14), encontramos o GAB Truck PR, Grupo de Ami-gos do Boqueiro do Paran. Quem os localizou foi a nossa fotgrafa, quando, ao andar pelo Autdromo, locali-zou os homens e mulheres que estavam do lado de fora da pista. Cerca de vinte pessoas estavam com seus caminhes parados, a churrasqueira impro-visada e olhos atentos a cada movimenta-o nas pistas. Ao som de uma boa moda

    de viola, os amigos que vestiam a camisa do Grupo jogavam conversa fora e aprovei-tavam para passar bons momentos junto famlia. Chico da Boleia, claro, foi conversar com eles para saber quem eram esses persona-gens da Frmula Truck. De acordo com Luciano Becker, um dos idealizadores do Grupo, o GAB Truck recente, mas seus membros acompanham as competies da

    Truck desde que elas come-aram. O curitibano motorista do caminho Scania modelo 112, leva cargas para o nor-deste, mas sempre que pode est presente nas etapas. A ideia do Grupo partiu da amizade dos colegas da estrada. A gente v que o caminhoneiro tem pouca unio, ento resolvemos formar o Grupo para poder nos unir juntamente com amigos, esposas e filhos. O Grupo j tem dois anos

    e j possui cerca de 30 mem-bros, frisou Luciano. Junto ao Grupo estava Marco Aurlio, tam-bm de Curitiba. Para o caminhoneiro, par-ticipar do GAB Truck uma forma de rever amigos e passar um tempo com a famlia. Com tantas horas na estrada, nem sempre a gente consegue se ver. A Frmula Truck um evento bom para reunir todo mundo, afirmou.

    Sergio Pickler estava junto de sua esposa, Magda Pickler e de seu fi-lho Junior. Ambos de Joinville, o

    casal afirmou que emocionante poder es-tar com a famlia e os amigos acompanhan-do o evento. O caminhoneiro, que carrega geladeira para o Nordeste, fica de quinze a vinte dias longe de casa, a depender da dis-ponibilidade de retorno. A esposa, abraada ao marido, demonstra alegria por estar pr-xima do marido caminhoneiro. Para mim maravilhoso poder passar esse tempo com eles. Nosso filho nasceu prati-camente na estrada ento sempre fazemos tudo juntos, afirmou Magda que estava torcendo pelas representantes femininas da categoria, Michelle de Jesus e Debora Rodrigues.

    Unio, diverso e amizade pareciam emba-lar o dia dos membros do GAB Truck -PR, que nos receberam com muita alegria e simpatia. Esperamos poder reencontr-los na prxima etapa, em So Paulo, e ao lon-go de toda a temporada 2014 da Frmula Truck.

    Redao Chico da Boleia

    Grupo de Amigos do Boqueiro marca presena na Frmula Truck de Curitiba

    Grupo de Amigos do Boqueiro e Chico da Boleia durante a Frmula Truck de Curitiba.

  • O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO

    CHICO DA BOLEIA04 FIQUE POR DENTROO JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO

    CHICO DA BOLEIA

    Brazil Road Expo: o maior evento de infraestrutura viria e rodoviria do pasAconteceu entre os dias 9 e 11 de abril, a Brazil Road Expo, o principal evento volta-do s reas de infraestrutura viria e rodo-viria da Amrica-Latina, importante palco de discusso do setor no pas e de gerao de negcios. Realizado no Transamrica Expo Center de So Paulo, a feira reuniu os principais players do mercado nacional e internacional, com o objetivo de promo-ver a troca de informaes qualificadas e apresentar as principais novidades dos fa-bricantes.Nos estandes, os presentes puderam confe-rir lanamos em diversos segmentos como mquinas e equipamentos; produtos para construo e manuteno de pontes, via-dutos e tneis; produtos destinados pavi-mentao em asfalto e concreto; solues para drenagem; conteno de encostas; sis-temas e produtos para segurana, sinaliza-o e gesto de vias e rodovias.

    No primeiro dia aconteceu o III Frum Nacional de Investimentos em Rodovias, sesso plenria que faz parte da abertura oficial do evento. Na ocasio estiveram presentes o diretor do evento, Guilherme Ramos, alm dos participantes do Frum e executivos das empresas expositoras que receberam membros da imprensa. Alm deles, compareceram o General Jor-ge Fraxe, diretor geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT); General Brando, diretor do De-partamento de Engenharia e Construo (DEC-Exrcito Brasileiro); Francisco Luiz Costa, diretor do Departamento de Planeja-mento e Transportes (Ministrio dos Trans-portes); Clodoaldo Pelissioni, superin-tendente do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de So Paulo (DER--SP), entre outros especialistas em infraes-trutura no Brasil e no mundo. Em entrevista concedida exclusivamente para Chico da Boleia, o General Roberto Jungthon, do Departamento de Engenha-ria e Construo do Exrcito, frisou que a presena de representantes do Exrcito na feira importante porque ele participa de decises e obras que interferem na vida dos cidados. Temos duas vertentes de trabalho. A pri-meira aquele que realizamos para suprir as necessidades da prpria corporao. A segunda a partir da qual direcionamos nosso trabalho para desempenhar ativida-des que colaborem para o desenvolvimento da infraestrutura viria e rodoviria brasi-leira. Justamente por essa razo, a presena do DEC do Exrcito Brasileiro to impor-tante em eventos como esse, explicou. Sobre os trabalhos nos quais o Exrcito

    participa em parceria com o Ministrio dos Transportes e o DNIT, General Roberto ci-tou, por exemplo, a presena de membros da corporao em locais onde o acesso no fcil. Ns temos a possibilidade de atuar em lugares mais inspitos como a Amaz-nia. Tambm somos os primeiros a oferecer a populao desses locais vrios servios que no chegam at l, frisou Jungthon.De acordo com o General, a obra realiza-da mais recentemente a partir do trabalho desenvolvido pelo Departamento de Enge-

    nharia e Construo do Exrcito, a dupli-cao da BR-101. Ns somos atores que temos uma parcela importante a oferecer no que diz respeito a boas prticas, tanto na inovao como nos processos de gesto como estamos apresentando em nosso es-tande aqui na Feira, frisou Roberto. Chico da Boleia tambm conversou com Francisco Lus Costa, diretor do Departa-mento de Planejamento e Transportes do Ministrio dos Transportes. Costa ressaltou que o setor vem vivendo novos dias. Em primeiro lugar houve um inicio de recupe-rao neste ano, dos investimentos feitos pelo Ministrio dos Transportes. Agora, retoma-se a parceria com o setor privado com as concesses de rodovias. Essa parceria exige um alto nvel de recur-sos para a implementao dos projetos, ou seja, fornecedores de equipamentos e mat-ria-prima. Tendo vista essas necessidades, a Brazil Road Expo uma excelente oportu-

    nidade para que os for-necedores se encontrem com os clientes e com quem vai desenvolver esses projetos a nvel nacional, afirmou o Diretor, destacando a necessidade de apre-sentar os lanamentos para um setor que tem uma necessidade de se desenvolver cada vez mais.

    Sobre a participao do Departamento de Engenharia e Construo do Exrcito Bra-sileiro nas aes de melhoria de infraes-trutura desenvolvidas pelo Ministrio do Transporte, Costa afirmou que essa parce-ria histrica. Desde o planejamento atu-amos em conjunto, j que o Plano Nacio-nal de Logstica e Transporte foi feito em parceria com o Ministrio da Defesa. Alm disso, os Batalhes de Engenharia Rodovi-ria e Ferroviria atuam em parceria com o DNIT na construo, na recuperao e na conservao de rodovias., explicou.

    Nos trs dias, estiveram presentes no even-to 11.042 profissionais, entre visitantes e congressistas, que puderam conhecer as principais novidades dos fabricantes, dis-tribuidores de mquinas e equipamentos, novos produtos para construo e manu-teno de pontes, viadutos e tneis, produ-tos destinados pavimentao em asfalto e concreto, solues para drenagem, conten-o de encostas, sistemas e produtos para segurana, sinalizao e gesto de vias e rodovias.

    De acordo com levantamento feito junto a empresas expositores, a perspectiva de ge-rao de negcios a partir de contatos rea-lizados durante a feira de pelo menos R$ 600 milhes. Para Guilherme Ramos, diretor da Brazil Road Expo, o sucesso dessa edio se deu em funo de vrios fatores. O anncio das concesses de rodovias previstas para o segundo semestre, juntamente com eventos esportivos importantes que se aproximam, aqueceram o mercado. E a Brazil Road Expo foi fundamental para oferecer aos empresrios as melhores solues, tanto em produtos quanto em contedo tcnico qualificado, elementos fundamentais para o crescimento do setor, afirma Ramos.O diretor presidente da Ciber, Luiz Mar-celo Tegon, falou sobre a participao da empresa no evento deste an...