22ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Download 22ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

Post on 23-Mar-2016

226 views

Category:

Documents

13 download

DESCRIPTION

Fique sabendo de tudo o que acontece no setor do transporte. Entretenimento, esportes, reportagens exclusivas, e muito mais para voc amigo caminhoneiro.

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Distribuio Gratuita</p><p>O JORNAL PARA O</p><p>CAMINHONEIROAMIGO</p><p>www.chicodaboleia.com.br</p><p>Orgulho de ser caminhoneiro</p><p>EDIO NACIONAL</p><p>Uma das corridas com maior nmero de troca de posio dos ltimos anos marcou a vitria de Rgis Boessio na oitava etapa do Campeonato Brasileiro de Frmula Truck.</p><p>No dia 24 de setembro, a Volvo do Brasil realizou, no Hotel Renaissance em So Paulo, o Seminrio Volvo de Tecnologias de Segurana e Comportamento Seguro.</p><p>Festas esquentam a agenda dos caminhoneiros no ms de outubro</p><p>Ano 02 - Edio 22 - Outubro de 2013</p><p>Rgis Boessio vence e assume a vice-liderana do campeonato </p><p>Brasileiro</p><p>Pg. 08 e 09</p><p>Pg. 4</p><p>Pg. 10 </p><p>Pg. 6</p><p>Volvo debate tecnologias de </p><p>segurana e comportamento </p><p>no trnsito</p><p>Entre os dias 04 e 06 de outubro aconteceu a maior feira de negcios do transporte rodovirio de cargas do Sul do pas. </p><p>ISO</p><p> 9001</p><p>Chico da Boleia confere a 12 </p><p>Santa Rosa Truck Show</p><p>Chico da Boleia presenteado pela organizao da 13 Festa de Bebedouro - Foto: Jorge Ceccato</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>Outubro abre as portas para o fim do ano.</p><p>Exatamente iniciamos o ltimo trimestre do ano de 2013 que co-meou com inmeras previses e termina com vrias certezas. Antes de falar exata-mente do que ocorre </p><p>no nosso setor no h como no falar do dia 12 de Outubro, dia da Criana e dia de Nossa Senhora Aparecida. Ser criana uma ddiva, e continuar com esprito pueril mgico. Digo isso pois ao longo dos anos vamos nos tornan-do ranzinzas e isso prejudica e muito nossa sade, lembrar tambm de Nossa Senhora lembrar que a F est mais viva do que nunca.</p><p> E para ns caminhoneiros a F que nos mantm firme no dia a dia, difcil ver um companheiro que no tenha isso forte dentro do corao e independen-te de qual linha religiosa ele adote. Na boleia ao longo de jornadas por estra-das por vezes desconhecidas, ele tem a mente em um ser superior que o acom-panha ate seu destino ou no retorno ao lar.</p><p> No poderamos deixar de dar nossos parabns aos PROFESSORES, pois dia 15 foi o dia deles. Ser Professor ou Professora nos dias de hoje um ver-dadeiro sacerdcio, o salrio nos qua-tro cantos do Brasil extremamente </p><p>baixo para tamanha responsabilidade. So eles que ajudam a formar o ser hu-mano de amanh, o profissional. Hoje em dia a PROFISSO DE PROFES-SOR sofre com o baixo interesse de novos adeptos. Mas damos os nossos parabns, nossa eterna gratido aos que resistem na atividade parabns PRO-FESSORES!Estive em Bebedouro acompanhando a 13 Festa do Caminhoneiro organizada pela G A C P. Festa bonita de ver e mui-to bem organizada. Estive tambm em Itaja na 12 Santa Rosa Truck Show bem como em So Marcos na 42 Festa de Nossa Senhora e dos Caminhonei-ros, festas importantes no cenrio na-cional para o caminhoneiro. Participa-mos do Frum Volvo de Segurana no Trnsito 2013, tema de grande e suma importncia.Tambm em Outubro acontece, a cada dois anos, a FENATRAN uma das Fei-ras mais importantes da Amrica Lati-na do Setor de Transportes. Neste ano ela vem com muita fora, pois o mer-cado de Caminhes continua aquecido. Vrias montadoras chegando ao Brasil, com certeza a competitividade vai au-mentar muito e isso muito bom. Voc vai poder ler uma entrevista com um dos grandes nomes do setor, o com-panheiro Urubatan Helou, Diretor da Braspress, que fala sobre a Lei 12.619 bem como assuntos relacionados ao se-tor.Outro assunto foi que o SETCESP lan-ou a CS, uma Central de Servios para </p><p>Sede: Rua Jos Ravetta, 07 - Itapira-SP, CEP 13977-150 Fone:(19) 3843-5778Tiragem: 50.000 exemplares Nacional, 10.000 exemplares Baixa Mogiana e 10.000 exemplares Grande Ribeiro PretoDiretora-Presidente: Wanda JachetaDiretor Editorial: Chico da BoleiaEditor Responsvel: Chico da BoleiaCoordenao / RevisoLarissa J. RibertiDiagramaoPamela SouzaSuporte TcnicoMatheus A. MoraesJuliano H. BuzanaConselho Editorial:Albino Castro (Jornalista) Larissa J. Riberti (Historiadora) Dra. Virgnia Laira (Advogada e coor-denadora do Departamento Jurdico da Fenacat) Roberto Videira (Presidente da APRO-CAM Brasil) Jos Arajo China (Presidente da UNICAM Brasil)Responsabilidade social:ViraVidaLigue 100Na mo certa</p><p>02 EDITORIAL</p><p>Expediente</p><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>auxiliar os transportadores a encontra-rem em um nico lugar vrios servios pertinentes a realizao de suas ativi-dades, idia sem duvida de grande im-portncia.E acompanhem nosso boletim dirio sobre o que acontece na estrada no tre-cho s 5:50 de segunda a sbado pela 102,9 FM Radio Cultura Municipal de Amparo seja pelo rdio ou na internet.Bom, companheiros desejo a todos uma excelente leitura e nos vemos pelo trecho, um grande abrao.</p><p>Chico da Boleia </p><p>Orgulho de ser caminhoneiro</p></li><li><p>do frete e no apenas do adiantamento, como tambm deve ser destacado o valor do pedgio.O que tem acontecido que tem sido re-gistrado apenas o valor do adiantamento e o saldo feito o pagamento por fora.Os companheiros devem denunciar esta atitude ANTT, pois ela a agncia re-guladora que deve punir quem no estiver utilizando o sistema corretamente.Durante a operao, deve-se emitir o CIOT com o registro do valor total do frete, de-finindo quanto o adiantamento e quanto o saldo, e quanto o valor do pedgio.Se no fizer desta forma est errado. E deve ser denunciado.Quanto a falta do pagamento do saldo, voc deve recorrer a entidade sindical de sua base territorial, e denunciar a empresa a ANTT.</p><p>Chico da Boleia</p><p>Orgulho de ser caminhoneiro</p><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>Sede: Rua Jos Ravetta, 07 - Itapira-SP, CEP 13977-150 Fone:(19) 3843-5778Tiragem: 50.000 exemplares Nacional, 10.000 exemplares Baixa Mogiana e 10.000 exemplares Grande Ribeiro PretoDiretora-Presidente: Wanda JachetaDiretor Editorial: Chico da BoleiaEditor Responsvel: Chico da BoleiaCoordenao / RevisoLarissa J. RibertiDiagramaoPamela SouzaSuporte TcnicoMatheus A. MoraesJuliano H. BuzanaConselho Editorial:Albino Castro (Jornalista) Larissa J. Riberti (Historiadora) Dra. Virgnia Laira (Advogada e coor-denadora do Departamento Jurdico da Fenacat) Roberto Videira (Presidente da APRO-CAM Brasil) Jos Arajo China (Presidente da UNICAM Brasil)Responsabilidade social:ViraVidaLigue 100Na mo certa</p><p>Chico da Boleia responde</p><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIAPAPO DE BOLEIA 03</p><p>No dia 26 de setembro, Chico da Boleia esteve presente no SETCESP (Sindicato Estadual das Transportadoras de Cargas do Estado de So Paulo). A entidade realizou mais um encontro com seus associados no intuito de trocar experincias e aprofundar conhecimentos de acordo com os desafios colocados pelo momento atual do setor. O Sindicato, que j tem uma antiga preocupao com a formao e o desenvolvimento tcnico de seus afiliados, promoveu o Workshop no intuito de reunir discusses, abordagens e solues para os desafios logsticos do pas. Estiveram presentes mais de 200 associados, empresrios, profissionais da logstica, especialistas e mantenedores para debates sobre o papel do transporte e suas regulaes para a cadeia de suprimentos. Nesta ocasio, foram ministradas Palestras sobre a logstica e a infraestrutura no Brasil. O professor de </p><p>Ps-Graduao na Fundao Vanzolini/USP, Fabiano Gandini Stringher, apresentou uma palestra com a temtica Logstica no Brasil que Professor. Outro importante tema tratado foi o das diversas aplicaes da logstica em ramos da economia brasileira, abordado por Kendi Sakamoto que possui mais de quarenta anos na rea. A palestra o Transporte no processo logstico foi ministrada pelo Senhor J.G. Vantine, pioneiro na rea de logstica no Brasil, que discutiu qual o papel das transportadoras na ampla cadeia logstica. O empresrio Marcelo Patrus, presidente da Patrus Transportes falou sobre Transporte e sustentabilidade, palestra na qual foram apresentadas solues para otimizar o transporte sem agredir o meio ambiente. O empresrio Urubatan Helou, Presidente do Grupo Braspress, falou sobre a viso empresarial do impacto operacional gerado pela Lei 12.619.</p><p>Ol Chico, tudo bom? Algum tempo atrs passei por uma si-tuao que me deixou com um p atrs com esse negocio de CIOT (CODIGO DE IDENTIFICAA DE OPERAO DE TRANSPORTE). Carreguei para uma em-presa que efetuou o CIOT, mas a mesma no me pagou o saldo do frete. A fui re-correr ANTT que me informou que eles apenas fizeram a regra e que no podiam fazer nada em relao a este pagamento.No fim tive que dar um jeito de resolver eu mesmo a situao.Agora que vem minha duvida Chico, como o CIOT pode garantir o recebimento do meu frete?A quem recorrer se a empresa embarcado-ra no me pagar?</p><p>Bom Companheiro! O CIOT (CODIGO DE IDENTIFICA-O DE OPERAO DE TRANSPOR-TE) um documento legal que confirma que voc fez o frete. Sendo um documento legal ele usado como prova para cobrar possveis inadimplncias.O grande problema que certas empresas esto usando de m f ou por falta total de conhecimento do sistema, pois na opera-o deve ser feito o registro do valor total </p><p>Sem dvida todos os temas so de grande importncia, e mostram uma preocupao do setor empresarial em qualificar seus profissionais com troca de experincias com grandes estudiosos e profissionais de renome. Na coletiva de imprensa foram apresentadas novas abordagens em matria de transporte e logstica. Para os especialistas, a mdia vista como uma tima aliada do setor em divulgar informaes, estatsticas e tambm as transformaes do transporte rodovirio de cargas no Brasil. O transporte parte vital da logstica e precisamos ter estes temas sempre atu-alizados aqui na nossa entidade. Este o principal motivo da realizao deste evento, que traz a reunio de muitos assuntos importantes para as nossas empresas e a oportunidade de conhe-cermos mais de perto os produtos e servios de qualidade que os associa-dos mantenedores do SETCESP ofere-cem, disse o presidente Manoel Sousa </p><p>Lima Jr., na abertura do Workshop. Durante os debates o tema que gerou maior participao dos presentes foi a Lei 12.619. notvel o interesse no assunto e as dvidas ainda so muitas. Isso mostra que ainda muita gua vai passar de baixo da ponte at que este tema chegue a um denominador comum, se que isso possvel.O evento foi realizado na sede do SETCESP que ainda contou com expositores de servios e produtos pata o setor. Chico da Boleia apoia estas oficinas, pois quanto mais o setor se profissionalizar, mais toda a cadeia envolvida ganha.</p><p>Redao Chico da Boleia </p><p>SETCESP realiza workshop sobre transporte e logstica em So Paulo</p></li><li><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA04 FIQUE POR DENTRO</p><p>No dia 24 de setembro, a Volvo do Brasil realizou, no Hotel Renaissance em So Paulo, o Seminrio Volvo de Tecnologias de Segurana e Comportamento Seguro. O objetivo do evento foi discutir novas tecnologias e aplicaes para a segurana no trnsito e tambm falar sobre o comportamento dos motoristas. O diretor de segurana da Volvo Trucks Corporation, o sueco Carl-Johan Almqvist, falou sobre as tecnologias lanadas recentemente para aumentar ainda mais a segurana nos caminhes e que em breve se tornaro exigncias legais na Europa. Um dos maiores especialistas do mundo neste segmento, Almqvist abordou ainda o que os pesquisadores do Grupo Volvo esto projetando para o futuro neste segmento. Chico da Boleia esteve presente no evento e conversou com Pedro Corra, consultor para assuntos de seguran-a da Volvo. Para Pedro, o tema tem avanado aos poucos. preciso en-tender que o veculo est evoluindo a cada momento. Os caminhes que es-to sendo produzidos, oferecem outra perspectiva de desenvolvimento para o setor. Mas ao mesmo tempo ns ve-mos que em outras reas ainda estamos caminhando a passos lentos, explicou Corra.Para o consultor, nosso maior proble-ma est no que ele chama de sensibi-lidade para algumas questes de se-gurana no trnsito. Existem algumas empresas que j esto se adequando e se transformando no que diz respeito questo rodoviria, mas num nvel infi-nitamente pequeno para a necessidade </p><p>do pas, avaliou Corra. Durante o Seminrio foi distribudo o livro Cultura de Segurana no Trnsi-to: o caso dos brasileiros, lanado pela Volvo. Diante das dificuldades em en-contrar parceiros que apoiem a causa, Pedro Corra expressou que existe fal-ta de vontade poltica para disseminar uma cultura de segurana no trnsito no Brasil. O consultor tambm frisou que o papel das lideranas do setor tambm tem sido inexpressivo neste sentido. Ns temos dvidas quanto as grandes intenes de realmente acelerar esse passo para tornar o trnsito rodovirio mais seguro, expressou Corra. A pesquisadora brasileira Nereide Tolentino, especialista em desenvolvimento comportamental, abordou os resultados de uma pesquisa sobre o perfil do motorista brasileiro. Ela divulgou uma srie de informaes sobre a categoria, algumas delas preocupantes, como, por exemplo, o fato de mais de 80% dos motoristas indicarem que no gostariam que seus filhos fossem caminhoneiros, por causa da solido e riscos da atividade, entre outros motivos.Em entrevista com Chico da Boleia, Nereide explicou que sua pesquisa ouviu aos motoristas de caminho diretamente para entender como eles veem a prpria profisso. De acordo com a pesquisadora a primeira grande demanda dos caminhoneiros a proximidade com a famlia, ou seja, ter uma melhor qualidade de vida, ver os filhos crescerem, etc. Depois, em outras colocaes, vem a demanda por uma melhor remunerao. Nereide Tolentino ainda explicou que a faixa de idade dos profissionais </p><p>O JORNAL DO AMIGO CAMINHONEIRO</p><p>CHICO DA BOLEIA</p><p>Seminrio promovido pela Volvo debate tecnologias de segurana e comportamento no trnsito</p><p>que participaram da pesquisa era de mais de 30 anos, o que significa que a remunerao desse grupo j est mais estabilizada por conta dos anos em que os motoristas se encontram na atividade.A segunda questo abordada na pesquisa foi o tempo das viagens. Mais de 50% das viagens feitas por esses profissionais tem mais de 16 dias. Isto representa quase um ms longe da famlia. Ento, o caminhoneiro no tem lazer, porque a cada lugar que ele vai ele encontra com grupos diferentes, explicou Nereide abordando ainda que os motoristas tem um convvio muito pobre com a casa e com a famlia. Tal estudo apontou para o fato de que a solido a principal caracterstica da profisso. Nereide Tolentino ainda ressaltou que a mdia atual muito responsvel pela degradao da profisso, pois mostra s as notcias negativas, dando a entender que o nmero de acidentes envolvendo caminhoneiros percentualmente </p><p>maior do que outros tipos, o que, estatisticamente no correto.Todos os dias a mdia relata situaes de acidentes ou atitudes inadequadas de caminhoneiros. As coisas boas que o caminhoneiro faz, os relacionamentos que ele constri a partir da profisso, o dia a dia, a cultura, ou seja, as coisas pessoais, de vida, nunca so mostradas pela mdia, expressou Nereide. A pesquisadora tambm falou sobre o projeto Transformar que consiste em um programa de treinamento de motoristas baseado no gerenciamento de riscos da viagem e no cotidiano do caminhoneiro. Desenvolvido pelo Grupo Volvo Amrica Latina, o programa tem contribudo para as empresas diminurem o nmero de acidentes com caminhe...</p></li></ul>