portfolio digital edmir amador

Download Portfolio digital edmir amador

Post on 29-Jul-2015

262 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. Os poetas e a natureza 2. Jos de Almada NegreirosFlor tem linguagem de que a sua semente no fala.A raiz no parece dar aquele fruto. No parece que a flor e a semente sejam da mesma linguagemRetirada a linguagem A semente igual a florA flor igual a frutoFruto igual a sementeDestino igual a devir.E era o que se pedia: igualSe dever dizer o que Sem mestre aprendi daVida digo:A natureza tem tudoMas cada coisa de Sua vez. simultnea como o Conhecimento: Sabe-se bem uma coisa Por causa de vrias Que se sabem mal.E tive paz quandoSoube que antigos me tinham deixado Soube que antigos Me tinham deixado Isto mesmo. 3. Natureza poticaNo basta abrir a janelaPara ver os campos e o rio.No bastante no ser cegoPara ver as rvores e as flores. preciso tambm no ter filosofia nenhuma.Com filosofia no h rvores: h ideias apenas.H s cada um de ns, como uma cave.H s uma janela fechada, e todo o mundo l fora;E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,Que nunca o que se v quando se abre a janela. Alberto Caeiro 4. As rosas amo dos jardins de Adnis,Essas volucres amo, Ldia, rosas, nascem,Em esse dia morrem.A luz para elas eterna, porqueNascem nascido j o sol e acabamAntes que Apolo deixeO seu curso visvelAssim faamos nossa vida um dia,Inconscientes, Ldia, voluntariamenteQue h noite antes e apsO pouco que duramos. 5. No meu prato que mistura de naturezaAs minhas irms as plantas,As companheiras das fontes, as santasA quem ningum rezaE cortam se e vem nossa mesaE nos hotis os hospedes ruidosos,Que chegam com correias tendo mantasPedem salada descuidos osSem pensar que exigem terra mea sua frescura e os seus filhos primeirosAs primeiras verdes palavras que ela tem,As primeiras coisas vivas e irisastesQue No viuQuando as aguas desceram e o cimo dos montesVerde e alagado surgiuE no ar por onde a pomba apareceuO arco ris se esbateu 6. o meu olhar azul como o cu calmo como a gua ao sol assim, azul e calmo,Porque no interroga nem se espantaSe eu interrogasse e me espantasseNo nasciam flores novas nos pradosNem mudaria qualquer coisa no sol de modo a ele ficarmaisMesmo se nascesse flores novas no pradoE se e o sol mudasse para mais belo,Eu sentiria menos flores no pradoE achava mais feio o sol