apostila mestre amador - resumo

Download Apostila Mestre Amador - Resumo

Post on 26-Oct-2015

832 views

Category:

Documents

62 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Lembretes Importantes para MOTONAUTA

Resumo

MESTRE-AMADORLembretes Importantes para MESTRE-AMADORRIPEAM1) O RIPEAM tem por finalidade evitar o abalroamento no mar, utilizando-se regras internacionais de navegao luzes e marcas e, ainda, sinais sonoros.

2) Na situao de roda a roda, ou seja, as embarcaes proa com proa, as duas guinam para boreste.

3) Na situao de rumos cruzados, tem preferncia de passagem a embarcao que avistar a outra pelo seu bombordo, isto , a que v a luz verde.

4) No caso de uma embarcao alcanando a outra, tem preferncia de passagem a que est com maior velocidade, alcanadora, que dever manobrar para passar pela outra, frente.

5) Um veleiro e uma lancha vinham navegando em rumos cruzados. Tendo preferncia de passagem, o veleiro no manobrou e esperou que a lancha guinasse, enquanto se aproximava rapidamente dela. Houve uma coliso das duas embarcaes. Podemos concluir que apesar da lancha ter errado por no manobrar, para evitar o acidente, o veleiro no pode ser isentado de culpa pois, a embarcao que tem preferncia dever manobrar para evitar a coliso, caso a outra, obrigada a manobrar, no o faa.

6) Toda manobra dever ser feita de forma franca e positiva, com ampla antecedncia, demonstrando outra embarcao, que houve alterao de movimento.

7) No caso de um rio onde duas lanchas de esporte e recreio navegam em rumos opostos, a embarcao que vem a favor da corrente dever se posicionar no meio do rio e a outra na sua margem de boreste, sendo que a que vem a favor da corrente tem preferncia.

8) Em canais estreitos as embarcaes devem navegar pela margem mais prxima a seu boreste e sempre manobrar para boreste quando verificar o risco de coliso.

9) Num canal ou rio, principalmente estreito, a embarcao maior tem preferncia em relao mida.

10) A velocidade de segurana velocidade que possibilita uma ao apropriada e eficaz de evitar uma coliso e de parar a embarcao a uma distncia segura e, quando cruzamos com outras embarcaes atracadas ou fundeadas ou mesmo localizadas s margens dos rios e canais, devemos diminuir a velocidade.

11) Uma embarcao vela tem preferncia de manobra em relao a uma embarcao a motor.

12) As luzes de navegao mais comuns, em embarcao de esporte e recreio so uma luz branca a vante, uma luz de alcanado branca, luzes verde e encarnada (vermelha), combinadas.

13) Os sinais sonoros que podem ser emitidos por apitos, buzinas ou ainda sinos, so utilizados nas situaes de manobra, advertncia e em baixa visibilidade.

14) Um apito curto significa que estou guinando para boreste.

15) Dois apitos curtos significam que estou guinando para bombordo.

16) Trs apitos curtos significam que estou dando "mquinas atrs".

17) Dois apitos longos seguidos de dois curtos significam que estou ultrapassando por bombordo.

18) Dois apitos longos seguidos de um curto significam que estou ultrapassando por boreste.

19) Cinco apitos curtos ou mais significam que no entendi suas intenes de manobra.

20) Um apito longo de dois em dois minutos significam que existe embarcao a motor em movimento, com visibilidade restrita.

21) Dois apitos longos de dois em dois minutos significam que existe embarcao parada, em visibilidade restrita.

22) Uma embarcao sem governo tem preferncia em relao embarcao vela, embarcao com capacidade de manobra restrita e embarcao engajada na pesca.

23) Embarcao fundeada dever exibir uma luz branca onde melhor possa ser vista.

24) Embarcao com reboque de menos 200 metros de comprimento dever exibir duas luzes branca no mastro.

25) Embarcao com reboque de mais de 200 metros de comprimento deve exibir trs luzes brancas no mastro.

26) Embarcao de grande porte que carrega cargas perigosas dever exibir, noite, uma luz encarnada (vermelha) no alto do mastro.

27) Durante o dia, uma embarcao fundeada dever exibir um balo preto no mastro.

28) Em curvas de rios ou canais estreitos, onde a visibilidade prejudicada, devemos dar um apito longo para chamar ateno.

29) O apito curto tem a durao de aproximadamente 1 segundo.

30) O apito longo tem a durao de 4 a 6 segundos.

31) A forma mais correta de cruzar uma embarcao com outra embarcao vindo em sentido contrrio bombordo com bombordo.

32) As luzes de navegao no devero ser usadas quando a embarcao estiver atracada no cais.

33) Na ausncia de apito, a embarcao poder utilizar buzina ou sino para sinalizar as suas intenes.

34) As embarcaes de esporte e recreio, sem propulso a motor, com menor de 5 metros de comprimento esto dispensadas de usar buzina ou outro dispositivo que a substitua.

35) Um balo preto iado no mastro principal ou onde melhor possa ser visto no constitui sinal de perigo.

36) Uma luz intermitente amarela cruzando o canal, noite, poder ser uma embarcao desenvolvendo grande velocidade ao navegar.

37) Uma embarcao de esporte e recreio dever evitar cruzar uma via de trfego, tanto quanto possvel, porm, se for necessrio tal manobra, dever fazer de forma a cruzar perpendicularmente a via de trfego.

38) As luzes de bordos, de mastro e de alcanado so setorizadas para melhor identificar o movimento da embarcao, noite.

39) O holofote pode ser utilizado em rios estreitos para, noite, iluminar curvas.

BALIZAMENTO40) So situaes normalmente indicadas por balizamento os perigos naturais, limites laterais dos canais, zonas de acidentes martimos importantes e novos perigos.

41) So sinais de balizamento: sinais laterais e sinais especiais; sinais cardinais e sinais laterais; sinais de perigo isolado e sinais cardinais.

42) A identificao dos sinais durante o dia feita por marca de tope, forma e cor.

43) A bia cega que no emite luzes.

44) A identificao do balizamento, noite, feita por ritmo de apresentao e cores das luzes.

45) O sistema de balizamento poder ser de um dispositivo chamado Racon que um sistema que emite um sinal na tela do radar e que facilita, portanto, a sua identificao.

46) O nico caso em que utilizamos um balizamento dobrado, com dois sinais iguais no caso de perigo isolado no registrado na carta nutica.

47) O sinal lateral de canal que fica a boreste de quem entra no porto tem a cor encarnada.

48) A bia de bombordo emite luz, noite, de cor verde.

49) O sinal lateral de canal que fica a bombordo, de quem entra no porto, tem a cor: verde.

50) A bia de boreste emite luz, noite, de cor encarnada.

51) O balizamento que indica guas seguras possui as cores branca e encarnada.

52) O balizamento que indica perigo isolado possui as cores preta e encarnada.

53) O balizamento que indica qual o quadrante que, a partir dele, temos guas seguras, tem as cores amarela e preta.

54) O balizamento de canal preferencial tem as cores: verde e encarnada.

55) noite, a cor das luzes de sinais cardinais, perigo isolado e guas seguras branca.

56) As bias do balizamento podem ser cegas ou luminosas.

57) noite, a cor da luz emitida, pelo balizamento de canal preferencial a boreste verde.

58) noite, a cor da luz emitida, pelo balizamento de canal preferencial a bombordo encarnada.

59) A numerao do balizamento de canal segue a ordem crescente, a partir da entrada do canal.

60) Uma bia com cor preta e uma ou mais faixas horizontais encarnadas indica perigo isolado.

61) Uma bia com cores brancas e encarnadas em faixas verticais indica guas seguras.

62) Os formatos das bias laterais de canal so cilndrico, pilar, charuto ou cnego.

63) Quando um navegante, em sua embarcao, vem se aproximando de uma bifurcao de canal e se depara com um balizamento de duas cores, e sendo que ele verificou que a maior profundidade estava no canal a seu boreste, as duas cores vistas pelo navegante so verde, com uma faixa horizontal encarnada.

64) No balizamento de uma hidrovia, ao observar-se um sinal X numa placa, margem do rio, significa trocar de margem.

65) No balizamento de uma hidrovia, ao observar-se um sinal H numa placa, margem do rio, significa seguir meio do canal.

66) No balizamento de uma hidrovia, ao observar-se um sinal Y numa placa no rio, significa bifurcao de canal.

67) No balizamento de uma hidrovia, ao observar-se um sinal +numa placa no rio, significa perigo isolado.

68) No balizamento de uma hidrovia, ao observar-se um sinal ( numa placa no rio, significa seguir margem.

69) Numa ponte que atravessava o rio, ao observar-se dois losangos amarelos, um ligado ao outro pelos pontos laterais, isto significa que o trfego permitido com sentido nico.

70) Numa ponte que atravessava o rio, ao observar-se um losango amarelo, isto significa que o trfego permitido nos dois sentidos.

71) Numa ponte que atravessava o rio, ao observar-se um tringulo verde, isto significa que o trfego est direita de quem desce ou sobe o rio.

72) Numa ponte que atravessava o rio, ao observar-se um retngulo pintado de vermelho, isto significa que o trfego est esquerda de quem desce ou sobe o rio.

73) Numa ponte que atravessava o rio, ao observar-se um retngulo vermelho com uma faixa larga horizontal branca no meio, isto significa que o trfego est proibido.

74) Uma bia, noite, emitindo uma luz amarela, pode significar rea de recreao.

75) noite, foi avistada uma luz verde piscando e, pela carta nutica, verificou-se a aproximao da entrada de um porto. O formato provvel deste sinal cilndrico.

76) Durante o dia, observou-se uma haste em forma de polar, com duas esferas pretas na sua parte de cima. Provavelmente estamos diante de um perigo isolado.

77) Durante o dia, observou-se um