Movimento Juvenil (Julho 2015)

Download Movimento Juvenil (Julho 2015)

Post on 22-Jul-2016

212 views

Category:

Documents

0 download

DESCRIPTION

O Movimento Juvenil de Massam (MJM) formado por jovens crismados, cheios de alegria e vontade de crescer na f, no seio da nossa comunidade da Parquia de So Bento de Massam.

TRANSCRIPT

  • Parquia So Bento Massam

    Nos dias 26, 27 e 28 realizou-se um arraial dos Santos Populares no Parque Salgueiro Maia, uma iniciativa da Junta de Freguesia Massam e Monte Abrao, onde o Movimento Juvenil de Massam es-teve presente e com muita animao.

    No recinto do parque, o MJM esteve numa barra-quinha a vender vrios artigos. Entre eles: compotas caseiras, cervejas artesanais, dezenas feitas de bar-ro, caixas de madeira, canetas MJM e bebidas (cafs, caipirinhas, ginjinha etc). A estes produtos juntam-se tambm pulseiras e blocos de notas MJM disponveis em vrias cores.

    Mas as novidades no ficam por aqui! Deste leque

    de produtos MJM (continuadamente venda), faz tambm parte, a fantstica T-shirt com a frase de apoio (escolhida pelo grupo):

    Keep hope and go see the pope

    (Confia e vai ver o Papa).

    A nossa presena no arraial permitiu uma anga-riao de fundos para a nossa peregrinao Jor-nada Mundial da Juventude na Polnia em 2016. Faltam menos de 400 dias e ainda temos muito trabalho pela frente! Ajude-nos a ir ver o Papa, comprando a nossa T-shirt ou alguns dos outros produtos MJM!

    Vanessa Teixeira e Diana Ribeiro

    O Movimento Juvenil de Massam for-mado por jovens crismados, cheios de alegria e vontade de crescer na f, no

    seio da nossa comunidade da Parquia de So Bento de Massam: www.facebook.com/movjm

    Vem rezar connosco dia 22 Julho,

    4 quarta-feira de cada ms

    s 21h30!

  • No passado dia 12 de junho do ano em curso, algunss jovens do Movimento Juvenil de Massam (MJM) reali-zaram uma visita ao Hospital Prisional de So Joo de Deus, em Caxias, cujo objetivo era animar a Eucaris-tia. A Eucaristia foi presidida pelo Bispo Dom Joaquim Mendes.

    No decurso da visita, os membros do MJM, procura-ram chegar a todos os reclusos de forma a confraterni-zar com estes, tentando, sobretudo, transmitir-lhes a importncia da sua prpria vida acima de tudo, que cada um de ns transporta uma luz dentro de si, atravs de simples troca de palavras, sempre com o intuito de os fazerem sentir felizes, amados e teis para a socieda-de. de extrema relevncia o reencontro de Cristo em cada um de ns, o reencontro das ovelhas perdidas fazendo com que estas voltem ao seu Pastor.

    A visita foi bastante interessante e sinto que o objeti-vo do desafio foi cumprido. de salientar que foi um

    momento de partilha muito rico, uma vez que todos os reclusos se sentiram parte do MJM, tendo participado ativamente do incio ao fim da Eucaristia. Portanto, pos-so dizer que o impacto da visita foi muito positivo. esta partilha de um bocado de ns que d mais valor vida. Gostaria ainda de destacar uma frase escrita por um dos reclusos e que me tocou bastante, que passo a citar: A MINHA LUTA COMEA QUANDO A DOS OU-TROS TERMINAR NO CHO. Esta frase fez-me refletir e por fim entendi que ele tinha esperana e manteve sempre dentro de si a f.

    Lano o desafio a todos os elementos da comunidade para visitarem o estabelecimento prisional, pelo me-nos nas festas (Natal ou Pscoa) ou uma vez semestral-mente, para partilharem a alegria com os prisioneiros (doentes), fazendo-lhes sentirem parte da famlia de Cristo e refletirem na mensagem deles.

    Higino da Silva

    Dia 5 foi um dia diferente! Comeou com uma ora-o antes da partida para a descoberta. Iramos fi-nalmente conhecer as pessoas com quem h uns bons meses andvamos a trocar correspondncia.

    Num ambiente de secretismo atravs da escrita de cartas fomos conhecendo aos poucos e poucos o psi-colgico de um amigo secreto, de algum como ns, que acredita nas nossas convices, que tem a nossa fque acredita em Deus, tal como ns!

    Fomos ao encontro deles em Santa Cruz e, chegan-do l, fizemos um pequeno jogo em que tnhamos que encontrar a nossa carta metade, para descobrir quem era o nosso amigo(a). Depois disso vieram as apresentaes de ambos os grupos de jovens e cada um ficou a conhecer pessoalmente e mais afincada-mente o seu amigo. Para surpresa de todos celebra-mos a Eucaristiaao ar livre, no meio de um pinhal, no qual montmos um pequeno altar, que foi presidida pelo Padre Marcelo, da Parquia do Sobral.

    Aps o almoo e convvio no pinhal, fomos para per-to da praia para fazermos uma atividade de reflexo sobre um texto que nos deram. E depois dramatizar ou discursar sobre o refletido e as concluses tiradas. Da resultaram teatros muito engraados e todos, co-mo esperado, com a mesma base de concluso: S se ama o que se conhece. S se conhece o que se ama. O encontro acabou assim com estas apresen-taes e com alguns aos mergulhos no mar e em convivncia na praia e na vila.

    Termino dizendo que esta experincia s teve um efeito total porque s nos demos a conhecer pessoalmente, ou se-ja, o nosso exterior, no final da atividade. Comeando assim, por escrito, a cativar os outros, fazendo-os gostar (ou no) por aquilo que realmente somos e no apenas pelo ideal do nosso ser, mostrando primeiro a nossa personalidade e ca-rcter. Assim pde surgir um verdadeiro gostar, que apenas surge se conhecermos totalmente a realidade.

    Joana Palmeiro e Tiago Carvalho