Movimento Juvenil (Setembro 2014)

Download Movimento Juvenil (Setembro 2014)

Post on 04-Apr-2016

214 views

Category:

Documents

0 download

DESCRIPTION

O Movimento Juvenil de Massam (MJM) formado por jovens crismados, cheios de alegria e vontade de crescer na f, no seio da nossa comunidade da Parquia de So Bento de Massam.

TRANSCRIPT

  • Nos primeiros dias deste ms, alguns jovens do Movimento Juvenil de Mas-sam estiveram na casa de retiros da Praia do Seixo em Santa Cruz, Torres Vedras. Foram 5 dias de muita alegria, amizade, orao, reflexo, brincadeira e unio.

    Foi possvel encontrarmos Deus em cada um de ns, em cada dinmica, em cada pessoa, em cada orao. Foi possvel ver Deus no senhor da boina com ar severo que sorriu quando qui-semos tirar uma foto com ele. Foi pos-svel ver Deus na fogueira, na viglia da praia. Foi possvel Deus no mercado, entre legumes, fruta, peixe e pessoas simples s gargalhadas. Foi possvel ver Deus nas crianas a brincar na areia. Foi possvel ver Deus quando estivemos vendados procura do ca-

    Parquia So Bento Massam

    Quem da luz no mostra a sua religio, e sim,

    o seu amor.

    Papa Francisco

    Fala de Cristo apenas quan-do te perguntarem! Mas

    vive de tal maneira que te perguntem por Cristo!

    Paul Claudel

    Se fosses preso por ser cris-to, haveria provas suficien-tes para seres condenado?

    David Otis Fuller

    No se preocupem com as coisas de Jesus, mas com o

    Jesus das coisas.

    Pe. Rui Pedro

    S sacrrio do Senhor que te escolheu e habita em ti.

    Pe. Z Miguel

    Quando a vida interior se fecha nos prprios interes-ses, deixa de haver espao

    para os outros.

    Papa Francisco

    No falem de Jesus de cor, mas falem de Jesus em vs

    Pe. Rui Pedro

    Deus nunca se cansa de perdoar, somos ns que nos

    cansamos de pedir a sua misericrdia.

    Exortao Apostlica

    Evangelii Gaudium do

    Santo Padre Francisco

    Na ltima noite em Santa Cruz, centrmos a nossa orao no tema A fora do amor. Quantas provas de amor exigimos a quem nos rodeia? E a Deus? Pedimos que nos acuda, imploramos por um sinal. Uma resposta. Uma prova de amor.

    E ser que nos lembramos que tambm devemos dar testemunho desse amor que afirmamos sentir pelo Pai?

    Todos os dias somos testa-dos. Desafiados a ultrapas-sar obstculos e vicissitudes,

    incentivados a demonstrar a verdadeira essncia do cristo, capaz de amar e perdoar.

    Iluminados pelo Esprito Santo, rezmos para que, semelhana da parbola do Filho prdigo (Lc 15, 11-32), tambm ns sai-bamos olhar uns para os outros que compreender que to errado pecar como no saber perdoar. E uma mo repleta de amor pode ser o primeiro passo para a reconverso.

    O amor a nica fora capaz de mudar o cora-o do homem e a huma-nidade inteira, tornando proveitosas as relaes entre homens e mulheres, entre ricos e pobres, entre povos e civilizaes.

    (Papa Bento XVI)

    Os jovens que participa-ram nestas frias do MJM rezaram por toda a comu-nidade e por aqueles que no puderam estar pre-sentes.

    Vanessa Silva

    Setembro 2014 Boletim n 22

    O Movimento Juvenil de Massam formado por jovens crismados, cheios de alegria e vontade de crescer na f, no seio da nossa comunidade da

    Parquia de So Bento de Massam. www.facebook.com/movjm

    Santa Cruz, 2014

    minho, confiando cegamente em quem nos guiava. Foi possvel ver Deus nas lgrimas e nas gargalhadas.

    S vemos Deus quando abrimos o corao simples e humilde, sem preconceitos.

    Neste boletim mostramos alguns dos temas trabalhados nessas frias e convidamo-vos a refletir sobre onde podem ver Deus...

    Sara Gomes

  • O mais importante no

    eu procurar-Te, mas sim que Tu me procuras

    por todos os caminhos (Gen 3,9);

    eu chamar-Te pelo Teu nome,

    mas sim que Tu tens o meu nome marcado na palma da

    Tua mo (Is 49, 16); eu gritar-Te quando nem

    palavras tenho, mas sim que Tu entras suave-

    mente em mim com o Teu grito (Rom 8, 26);

    ...eu ter projetos para Ti, mas sim que Tu me convidas a caminhar contigo em direo

    ao futuro (Mc 1,17);

    eu compreender-Te, mas sim que Tu me compreen-des at ao meu ltimo segredo

    (1 Cor 13, 12);

    eu falar de Ti com sabedoria,

    mas sim que Tu vives em mim e Te aproximes Tua maneira

    (2 Cor 4, 10); eu guardar-Te na minha

    caixa de segurana, mas sim que eu sou como uma esponja no fundo do Teu ocea-

    no (EE 335);

    eu amar-Te com todo o meu corao e todas as minhas

    foras, mas sim que Tu me amas com todo o Teu corao e com to-das as Tuas foras (Jo 13, 1);

    eu consolar-me e planificar, mas sim que o Teu fogo arde

    dentro dos meus ossos (Jer 20,9);

    Porque, como que eu seria capaz de procurar-Te, chamar-Te, amar-Te

    Se Tu no me procurasses, chamasses e me amasses

    primeiro?

    O silncio agradecido a mi-nha ltima palavra e a melhor

    maneira de estar para Te encontrar.

    perfeito; e, por ltimo, ns humanos somos criados por Deus sua imagem e seme-lhana, mas somos imperfeitos. Portanto, usando um racioci-no lgico, percebemos que o mundo quase perfeito a perfeio s a encontraremos na vida eterna e na plenitude com Deus. O que tornou o mundo to imperfeito foi o pecado do Homem, na vida longe da verdadeira comu-nho com Deus. Este mesmo pecado levou o Homem a criar guerras, desigualdades, fome. Mas, a arrogncia humana culpa Deus e o mundo, porque mais fcil do que olhar para o seu prprio pecado. No ter sido a ganncia humana a gerar o capitalismo, o consu-mismo, este mundo onde h poucos com muito e muitos com pouco? E o que fazemos

    Todos ns, como seres racio-nais que somos, gostamos de questionar tudo, desde o mais simples, Porque tenho de ir escola? , ao mais complexo, Qual o sentido da vida? ou Deus existe mesmo?. No meio destas questes existncias, surge-nos uma, que nestas frias do MJM, tam-bm nos foi colocada: Porque o mundo imperfeito?. O nosso grande desafio era estar no lugar de Deus e criar, de raiz, um mundo novo que fosse perfeito. Mas desta reflexo s chegmos a uma concluso: toda a nossa capacidade racio-nal no nos permite cri-lo, pois, esta mesma capacidade torna-o imperfeito. Isto por-que nos faltam trs premissas, ou esquecemo-nos delas: em primeiro, o mundo foi criado por Deus; em segundo, Deus

    ns para mudar isto? Ns real-mente queremos mudar ou simplesmente vivemos no con-formismo, culpando o mundo e at mesmo Deus? Para mim, a nica concluso possvel que, se ns quiser-mos, podemos melhorar este mundo, desde que vejamos Deus nos outros, sobretudo naqueles que esto mais prxi-mos, porque se todos pensar-mos assim, faremos deste mundo um mundo muito me-lhor. Deixemos de pensar que isto um pensamento utpico e saibamos ser mais imagem e semelhana de Jesus, tendo um esprito mais humilde e pronto a ajudar todos. Sai-bamos, sobretudo, ser Cris-tos!

    Joo Dias

    Patetices? Que patetices que nos condenam? Bem, so aquelas coisas que ns fazemos.ou deixamos por fazer. Por causa do medo, da preguia, do ser social, no conseguimos chegar onde queremos e onde precisamos.

    Desafio-te a pensar nos teus grandes objetivos de vida. E nos pequenos tambm. Nas metas.

    E agora pensa naquilo que tu fazes (ou no fazes) que te afasta do que mesmo importante.

    difcil assumir essas falhas e voltar ao caminho? difcil mantermo-nos fieis aos nossos so-nhos? A culpa de quem? Dos outros que nos influenciam? Do cansao? Do medo?

    Agora reflete se Deus est nessas metas. E no caminho? Quantas vezes colocas Deus tua frente a guiar-te? Quantas vezes te libertas do medo e te entregas vida?

    s o grande responsvel pelas correntes que te impedem de ir mais longe, que te afastam do amor de Deus e dos outros. Liberta-te e segue o teu caminho...vive a vida em plenitude!

    Acolhe a vida,

    Deixa Deus entrar.

    Ele o Caminho,

    Deixa-te guiar.

    No tenhas medo,

    A Vida s quer que tu sejas feliz. Santa Cruz, 2014