iob - icms/ipi - alagoas - nº29/2016 - 3ª sem julho

Download IOB - ICMS/IPI - Alagoas - nº29/2016 - 3ª Sem Julho

Post on 05-Aug-2016

219 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

IOB ICMS-IPI, Alagoas,29-2016,3a Sem Julho

TRANSCRIPT

  • Acesse a verso eletrnica deste fascculo em www.iob.com.br/boletimiobeletronico

    Boletimj

    Manual de Procedimentos

    Veja nos Prximos Fascculos

    a IPI - Registro de Apurao do IPI

    a ICMS - Fornecimento de refeio

    a ICMS - Substituio tributria nas operaes com materiais de limpeza

    ICMS - IPI e OutrosFascculo No 29/2016

    Alagoas

    /a FederalIPIConserto, restaurao ou recondicionamento de produtos usados . . . 01

    /a EstadualICMSSubstituio tributria nas operaes com aparelhos celulares . . . . . 04

    /a IOB SetorialFederalTaxista - IPI/IOF - Iseno - Formulrios digitais alternativos - Insti-tuio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

    /a IOB ComentaEstadualICMS - Identificao das mercadorias ou prestaes no ECF . . . . . . . 11

    /a IOB Perguntas e RespostasICMSSped - EFD - Assinatura digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    Sped - MDF-e - Emisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    ICMS/ALDiferimento - Conceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    EFD - Tabelas e cdigos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

  • 2016 by SAGE | IOB

    Capa:Marketing SAGE | IOB

    Editorao Eletrnica e Reviso: Editorial SAGE | IOB

    Telefone: (11) 2188-7900 (So Paulo)0800-724-7900 (Outras Localidades)

    Todos os direitos reservados. expressamente proibida a reproduo total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem prvia autorizao do autor (Lei no 9.610, de 19.02.1998, DOU de 20.02.1998).

    Impresso no BrasilPrinted in Brazil Bo

    letim

    IOB

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP) (Cmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

    ICMS, IPI e outros : IPI : conserto, restaurao ou recondicionamento.... -- 12. ed. -- So Paulo : Sage - IOB, 2016. -- (Coleo manual de procedimentos)

    ISBN 978-85-379-2754-0

    1. Imposto sobre Produtos Industrializados - Brasil 2. Tributos - Brasil I. Srie.

    16-04569 CDU-34:336.223(81)

    ndices para catlogo sistemtico:

    1. Brasil : Imposto sobre Produtos Industrializados : IPI : Direito tributrio 34:336.223(81)

  • Manual de ProcedimentosICMS - IPI e Outros

    Boletimj

    29-01Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jul/2016 - Fascculo 29 AL

    a FederalIPI

    Conserto, restaurao ou recondicionamento de produtos usados SUMRIO 1. Introduo 2. Operaes excludas do conceito de industrializao 3. Entrada do produto a ser consertado 4. Sada do produto consertado (retorno ao encomendante) 5. Estorno de crdito 6. Aplicao de componentes normais do estoque 7. Produtos usados 8. Consideraes quanto ao ICMS e ao ISS 9. Solues de consulta da Receita Federal do Brasil (RFB)

    1. INTRODUO Considera-se como industrializa-

    o, entre outras hipteses, a ope-rao que exercida sobre produto usado ou parte remanescente de produto inutilizado ou deterio-rado renove ou restaure o pro-duto para utilizao (renovao ou recondicionamento).

    Observa-se, portanto, que a caracterizao da operao como industrializao e a consequente sujeio ao Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) esto diretamente ligadas destinao a ser dada ao produto obtido por meio das operaes de conserto, restaurao ou recondicionamento, conforme examinaremos nos itens seguintes, com fundamento no Regulamento do IPI (RIPI), aprovado pelo Decreto n 7.212/2010.

    (RIPI/2010, arts. 4, 5, 38, 194, 254, 407 e 434)

    2. OPERAES EXCLUDAS DO CONCEITO DE INDUSTRIALIZAO

    A operao de conserto, restaurao ou recondi-cionamento de produtos usados no considerada industrializao quando:

    a) os produtos se destinem ao uso da prpria empresa executora; ou

    b) os produtos no se destinem ao comrcio pelo estabelecimento encomendante.

    Alm desses casos, tambm so excludas do conceito de industrializao as operaes que consistam no preparo de partes ou peas pelo con-sertador, restaurador ou recondicionador, destinadas e empregadas exclusiva e especificamente naquelas operaes.

    Entretanto, se o produto for destinado a revenda (pelo executor da operao ou pelo encomendante),

    sua sada estar sujeita incidncia do IPI.

    (RIPI/2010, art. 5, XI)

    2.1 Substituio de peas, restaurao de pintura, pequenos consertos, etc.

    Para efeito de incidncia do IPI, no so consideradas indus-

    trializao (renovao ou recondi-cionamento) a simples substituio de

    peas, a restaurao de pintura, a desmontagem, a limpeza, a lubrificao, etc.

    Segundo o Parecer Normativo CST n 214/1972, item 3:

    Para que se caracterize o recondicionamento ou renova-o, no basta que sejam efetuados pequenos consertos, mesmo com substituio de peas, mas necessrio que a operao restitua ao produto condies de funcionamento como se fosse novo. Assim, a desmontagem, limpeza e lubrificao, a eventual substituio de peas e a restau-rao da pintura no caracterizam o recondicionamento.

    (RIPI/2010, art. 5, XI; Parecer Normativo CST n 214/1972, item 3)

    Para efeito de

    incidncia do IPI, no so consideradas industrializao

    (renovao ou recondicionamento) a simples substituio de peas,

    a restaurao de pintura, a desmontagem, a limpeza, a

    lubrificao, etc.

  • 29-02 AL Manual de Procedimentos - Jul/2016 - Fascculo 29 - Boletim IOB

    Manual de Procedimentos

    ICMS - IPI e Outros

    2.2 Reparo de produto com defeito de fabricao

    Tambm esto excludas do conceito de industriali-zao as operaes de reparo de produto com defeito de fabricao, inclusive mediante substituio de partes e peas, quando referidas operaes forem executadas gratuitamente, ainda que por concessionrios ou repre-sentantes, em virtude de garantia dada pelo fabricante.

    (RIPI/2010, art. 5, XII)

    2.2.1 Exceo

    Convm salientar que nas operaes de reparo efetuadas aps o prazo de garantia as partes ou peas empregadas passam a submeter-se inci-dncia normal do IPI.

    o que esclarece o Ato Declaratrio Normativo CST n 9/1983, segundo o qual:

    [...] nos reparos ou manutenes de mquinas e equipa-mentos no h incidncia do IPI nas sadas de partes e peas de reposio preparadas pelo executor para subs-tituio de outras no perodo de vigncia de garantia de funcionamento das mquinas e equipamentos nos quais so aplicadas. Aps o vencimento da garantia contratada, esto sujeitas incidncia do imposto no somente as partes e peas novas, mas, tambm, aquelas renovadas.

    (RIPI/2010, art. 5, XII; Ato Declaratrio Normativo CST n 9/1983)

    2.3 Produtos destinados locao ou ao arrendamento

    2.3.1 Sada sujeita ao IPI - Exceo

    O estabelecimento que promove a locao ou o arrendamento de produtos de fabricao prpria ou importados diretamente considerado contribuinte do IPI.

    Portanto, na primeira sada a ttulo de locao ou arrendamento do produto do estabelecimento que o fabricou ou o importou diretamente, ocorre o fato gera-dor do imposto, ou seja, h a tributao normal do IPI.

    (RIPI/2010, art. 35, I e II)

    2.3.2 Sada no sujeita ao IPI

    As sadas subsequentes primeira no constituem fato gerador, salvo se o produto tiver sido submetido nova industrializao.

    Como se v, a condio bsica para que as sadas subsequentes primeira no sejam consideradas como fato gerador do IPI que o produto no tenha sido submetido nova industrializao.

    Caso contrrio, a operao (sada subsequente primeira) poder ficar novamente sujeita incidncia do IPI, observadas as orientaes de que trata o subitem 2.1.

    Outro aspecto a registrar que, nos termos do Parecer Normativo CST n 214/1972 (citado no subitem 2.1), a expresso uso da prpria empresa (exigida para que a operao de conserto, restaurao ou recondicionamento no se configure como industria-lizao) no se aplica nos casos em que referidas operaes sejam realizadas em bens destinados a locao ou arrendamento.

    (RIPI/2010, arts. 5, XI, e 38, II, a; Parecer Normativo CST n 214/1972)

    3. ENTRADA DO PRODUTO A SER CONSERTADO

    3.1 Nota fiscal relativa entrada - Hiptese de emisso

    Como regra, o produto enviado para conserto, restaurao ou recondicionamento deve estar acom-panhado de nota fiscal emitida pelo remetente, se este for obrigado emisso do documento fiscal.

    Caso o remetente no esteja obrigado emisso de documentos fiscais, o estabelecimento que receber produtos para conserto, restaurao ou recondiciona-mento estar obrigado a emitir nota fiscal relativa entrada dos produtos.

    (RIPI/2010, arts. 396, I, e 434, IV)

    3.2 Escriturao fiscal

    O lanamento nos registros fiscais de entradas dever ser efetuado com base no documento fiscal emi-tido pelo remetente ou na nota fiscal relativa entrada emitida pelo executor da encomenda, conforme o caso.

    (RIPI/2010, art. 456)

    4. SADA DO PRODUTO CONSERTADO (RETORNO AO ENCOMENDANTE)

    No retorno do produto ao encomendante, o estabe-lecimento executor da operao deve emitir nota fiscal com todos os requisitos exigidos, no se cogitando, natu-ralmente, de lanamento do IPI neste documento fiscal.

    Essa nota fiscal deve conter, em especial, os dados da nota fiscal relativa entrada, emitida por ocasio do recebimento do produto remetido por pessoas fsicas ou jurdicas no obrigadas emisso de documentos fiscais.

  • 29-03Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jul/2016 - Fascculo 29 AL

    ICMS - IPI e Outros

    Manual de Procedimentos

    No caso d