apostila biodiversidade e conservacao

Download Apostila   biodiversidade e conservacao

Post on 24-Jul-2015

45 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Alexandre Bastos OrnellasBilogo Doutor em Ecologia (UFRJ)

    Instrutor de Mergulho (CMAS) e Fotgrafo

    Biodiversidade e Conservao

  • Ameaas Diversidade Biolgica

  • Padres de Biodiversidade* Quantas espcies de seres vivos existem? (10, 15, 30 milhes?)

    * Esses valores perfazem apenas 0,1% do nmero de espcies que j

    habitaram a Terra em todas as pocas (Raup, 1991).

    Percentagem do total de 1,4 milho de espcies

    53%

    3%

    18%

    26%Insetos

    Vertebrados

    Plantas

    Invertebrados

  • O mais importante indcio do gradiente latitudinal de diversidade o aumento

    de espcies ao viajarmos dos plos em direo ao equador (Wilson, 1992)

    Teoria Energia - Estabilidade - rea

    Energia Solar Estabilidade do Clima rea Extensa Biodiversidade.

  • Por isso tudo, o Brasil o pas com a maior diversidade (riqueza)

    de vertebrados e plantas do planeta. Veja abaixo os pases "mega

    diversos", que possuem, em conjunto, mais de dois teros da

    biodiversidade da Terra.

    1. Austrlia 10. Malsia

    2. Brasil 11. Mxico

    3. China 12. Peru

    4. Colmbia 13. Filipinas

    5. Congo 14. frica do Sul

    6. Equador 15. Papua Nova Guin

    7. ndia 16. Estados Unidos

    8. Indonsia 17. Venezuela

    9. Madagascar

  • O Brasil o pas com maior biodiversidade no Planeta.

    E foi o primeiro signatrio da Conveno sobre a Diversidade Biolgica.

    A biodiversidade de um pas pode ser qualificada

    pela diversidade em:

    - Ecossistemas

    - Espcies

    - Endemismo

    - Patrimnio gentico (pool gnico).

    Devido a dimenso continental e variao climtica e geo-morfolgica,

    o Brasil abriga 7 tipos de biomas e 49 eco-regies.

    RIO 92 (Conferncia sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento).

    - Agenda 21

    - Educao Ambiental

  • Ecossistemas Recifais

    So os recifes de corais e costes rochosos.

    Esses ambientes ocupam uma nfima porcentagem do

    leito dos oceanos, mas so habitados por 25% de todas

    espcies marinhas descritas.

    Possuem papel fundamental como hbitat e berrio

    para cerca de 20% de todo pescado marinho mundial

    (Eakin et al., 1996).

    Sustentam uma alta biodiversidade, e possuem comunidades muito produtivas.

    Eles esto intimamente conectados mangues, bancos de gramneas e

    oceano por meio de correntes marinhas que transportam larvas,

    plantas, animais, nutrientes e material orgnico (Johannes, 1975).

  • Historicamente, os recursos marinhos pesqueiros eram considerados ilimitados;

    E pensava-se que a pesca tinha pouco impacto nos estoques de peixes e

    ecossistemas marinhos.

    Entretanto, nas ltimas dcadas, a conscincia tm aumentado.

    Especialistas em pesca comercial e pescadores recreativos reconhecem que a

    pesca pode afetar profundamente os estoques marinhos e os ecossistemas.

    Considera-se nos dias atuais que 90% dos estoques de peixes ao redor do

    mundo esto no seu ponto de explorao mxima (sobrepesca) ou

    severamente afetados (Robinson, 1999).

    Ecossistemas recifais que incluem, recifes de corais, recifes de pedra e costes

    rochosos, ocupam uma nfima porcentagem do leito dos oceanos, mas so

    habitados por pelo menos 25% de todas espcies marinhas descritas.

  • Principais Ameaas a Biodiversidade

    As atividades humanas diretas e indiretas, como:

    - Pesca (com prticas destrutivas);

    - Poluio;

    - Turismo;

    - Coleta de organismos para Aquariofilia;

    Tm levado os ecossistemas a uma perda de diversidade e

    desestruturao da teia trfica e consequente desequilbrio

    ecolgico (Salvat, 1987).

  • Tcnicas de Pesca

  • Sobrepesca da Baleia Azul

  • Espcies (Cetceos) Nome Vulgar Permanente Frequente Ocasional Acidental

    1- Delphinus delphis (Linnaeus, 1758) Golfinho X

    2- Globicephala melas (Traill, 1809) Boto X

    3- Grampus griseus (Cuvier, 1823) Boto X

    4- Orcinus orca (Linnaeus, 1758) Orca X

    5- Pseudorca crassidens (Owen, 1846) Boto X

    6- Sotalia fluviatilis (Gervais, 1844) Boto X

    7- Stenella longirostris (Gray, 1828) Golfinho X

    8- Stenella clymene (Gray, 1850) Golfinho X

    9- Stenella frontalis (Cuvier, 1823) Golfinho X

    10- Steno bredanensis (Lesson, 1826) Toninha X

    11- Tursiops truncatus (Montagu, 1821) Toninha X

    12- Phocoena spinipinnis (Burmeister, 1865) Boto X

    13- Kogia breviceps (Blainville, 1838) Cachalote peq. X

    14- Physeter macrocephalus (Linnaeus, 1758) Cachalote X

    15- Hyperoodon planifrons (Flower, 1882) Baleote X

    16- Mesoplodon densirostris (Blainville, 1838) Baleote X

    17- Balaenoptera acutorostrata (Lacepede, 1804) Baleote X

    18- Balaenoptera edeni (Lesson, 1826) Baleia-de-Bryde X

    19- Balaenoptera musculus (Linnaeus, 1758) Baleia Azul X

    20- Balaenoptera physalus (Linnaeus, 1758) Baleia Fin X

    21- Megaptera novaeangliae (Borowski, 1781) Baleia Jubarte X

    22- Eubalaena australis (Desmoulins, 1822) Baleia Franca X

  • * Temos o dever moral de passar em boas condies o nosso planeta para s

    geraes futuras.

    * O administrador trata do bem-estar das populaes e o empresrio

    discute tudo com base no lucro financeiro imediato.

    * Mas eles no foram treinados para entender a relao fundamental entre

    a diversidade e a estabilidade de uma comunidade biolgica (May, 1992).

    No o conceito da diversidade que deve ser

    compreendido pelos habitantes de uma regio,

    mas o sentido da utilidade.

    Conceito de Diversidade e Utilidade

  • * A destruio desses hbitats tem levado a uma reduo da fauna econsequentemente ao aumento do nmero de espcies ameaadas de extino.

    * A lista oficial de espcies da fauna ameaadas foi revista recentemente e onmero de componentes da lista cresceu de 218 espcies para 395, sem contudocomputar os grupos de invertebrados aquticos e peixes, ainda em anlise peloIbama (fonte www.biodiversitas.org.br).

    * Para reverter esse quadro desenvolveu-se modelos de conservao utilizado em

    diversas regies do Brasil.

    * O modelo tem como base a pesquisa da biodiversidade regional com foco nas espcies ameaadas de extino.

    * A partir desse conhecimento possvel proteger o habitat, negociar com as comunidades uma troca das atividades danosas por atividades mais sustentveis,

    que ao mesmo tempo promovam uma melhoria da qualidade de vida.

    * Com essas aes possvel tambm que haja um planejamento da paisagem e mudanas nas polticas pblicas que comprometam o meio ambiente.

    * Isso precisa ocorrer de forma participativa, com a presena dos diversos atores sociais.

  • Conservao e Desenvolvimento Sustentvel

  • Conservar diferente de Preservar.

    No so considerados sinnimos em Gesto Ambiental.

    Conservao: a utilizao racional de um recurso, de modo a obter um

    rendimento estvel, e considerado bom, e garantir a renovao do estoque

    e manejo sustentvel dos recursos explorados dos ecossistemas.

    Preservao: Significa a ao de proteger

    contra a destruio e qualquer forma de dano

    ou degradao; um ecossistema, uma rea

    geogrfica definida ou espcies animais e

    vegetais ameaadas de extino.

    (Feema, 1990)

  • ECOLGICA:

    "O desenvolvimento compatvel com a manuteno dos processos ecolgicos essenciais, diversidade de espcies e recursos biolgicos.

    SOCIAL E CULTURAL:

    "O desenvolvimento e o controle sobre as prprias vidas; torna-se compatvel com a cultura e os valores das pessoas atingidas, aumentando e fortalecendo a identidade da comunidade".

    ECONMICA:

    "O desenvolvimento economicamente eficiente e os recursos so geridos de forma que suportem geraes futuras".

    Sustentabilidade

  • SOLOS

    AR SISTEMAS BIOLGICOS

    GUA

    O DESENVOLVIMENTO NO DEVE DESTRUIR OS QUATRO SISTEMAS BSICOS QUE SUSTENTAM A

    VIDA NO NOSSO PLANETA : A GUA, O AR, O SOLO E OS SISTEMAS BIOLGICOS.

    (BRUNDTLAND, 1998)

  • Ser possvel a sustentabilidade na explorao

    dos recursos naturais renovveis?

    Interesses econmicos

    Novas fontes de energia

    Reservas extrativistas

    Investimento

    Responsabilidade de todos

  • Plano de ao em prol da sobrevivncia:

    Conservao da diversidade biolgicaremanescente;

    Criao de riqueza de produtos biolgicos

    (frmacos, alimentos, etc.);

    Promoo de desenvolvimento sustentvel;

    Restaurao dos ecossistemas em regies

    que foram devastadas e poludas.

  • ECOSSISTEMAS

    RESTAURAO

    SUSTENTABILIDADE TECNOLOGIA

    Ser possvel? CUSTOS ELEVADOS

  • Impactos Humanos sobre os Ecossistemas

  • A natureza representa recursos para os seres humanos:

    Animais - gua - Ar - Minerais - Plantas.

    Recursos Naturais: So os elementos naturais biticos e abiticos que o

    homem utiliza para satisfazer suas necessidades econmicas, socias e

    culturais.

    Os Impactos

    Utilizando conhecimentos geolgicos e paleontolgicos, observa-se que a

    natureza est em permanente evoluo.

    a diversificao biolgica que ocorre desde o surgimento da vida.

    Os organismos individuais no somente se adaptam ao ambiente fsico,

    mas tambm adaptam o ambiente geoqumico segundo as suas necessidades

    biolgicas.

  • O petrleo h menos de 200 anos atrs era utilizado apenas por

    curandeiros como remdio (Sneca Oil). E tambm em pequena escala,

    na iluminao (lamparinas por U$ 0.75 / barril).

    O planeta passa a sofrer modificaes com origem nas atividades humana