Análise de conjuntura ?· Análise de Conjuntura – Julho 2012 1 Indiccaaddoorr cddee cSSeennttiimmeennttoo…

Download Análise de conjuntura ?· Análise de Conjuntura – Julho 2012 1 Indiccaaddoorr cddee cSSeennttiimmeennttoo…

Post on 19-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Julho 2012

Anlise de Conjuntura Julho 2012

1

IInnddiiccaaddoorr ddee SSeennttiimmeennttoo EEccoonnmmiiccoo

O indicador de sentimento econmico em Junho manteve-se inalterado na Unio Europeia e

desceu 0.6 pontos na rea Euro.

A avaliao menos favorvel efectuada na rea Euro resulta sobretudo da apreciao mais

negativa efectuada pelas empresas da indstria e dos servios. Os consumidores apresentam

tambm uma apreciao menos positiva que a efectuada no ms anterior. As empresas do

comrcio a retalho e da construo apresentam uma avaliao menos negativa.

Em Portugal, o indicador de sentimento econmico de Junho melhorou 0.9 pontos. Na

apreciao efectuada apenas as empresas dos servios apresentam uma avaliao mais

negativa que a efectuada em Maio.

nnddiiccee ddee PPrroodduuoo IInndduussttrriiaall

O ndice de produo industrial registou uma taxa de variao homloga negativa em Maio de

-6.7% (-4.4% na indstria transformadora).

60

70

80

90

100

110

120

Ju

n-0

2

Ju

n-0

3

Ju

n-0

4

Ju

n-0

5

Ju

n-0

6

Ju

n-0

7

Ju

n-0

8

Ju

n-0

9

Ju

n-1

0

Ju

n-1

1

Ju

n-1

2

Portugal

rea Euro

Indicador de Sentimento Econmico

Fonte: Comisso Europeia

Anlise de Conjuntura Julho 2012

2

A variao mdia anual da produo nos ltimos 12 meses terminados em Maio foi de -4.4%

na indstria em geral e de -2.6% na indstria transformadora. Por grandes agrupamentos

industriais verifica-se que apenas a produo de bens de investimento regista uma variao

positiva (4.3%).

nnddiiccee ddee NNoovvaass EEnnccoommeennddaass nnaa IInnddssttrriiaa

No trimestre Maro/Maio de 2012, as novas encomendas Indstria1 registaram uma quebra

homloga de -3.4%. Nas encomendas no mercado nacional registou-se uma quebra de -11.3%

tendo as encomendas do mercado externo registado uma variao de +2.6%.

1 O ndice das novas encomendas inclui os seguintes sectores: txteis e vesturio, produtos farmacuticos de base,

metalurgia e produtos metlicos, equipamento elctrico e de ptica, mquinas e equipamentos e material de transporte.

-18%

-14%

-10%

-6%

-2%

2%

6%IT

-09

IIT

-09

IIIT

-09

IVT

-09

IT-1

0

IIT

-10

IIIT

-10

IVT

-10

IT-1

1

IIT

-11

IIIT

-11

IVT

-11

Ja

n 1

2

Fe

v 1

2

IT-1

2

Ab

r-1

2

Ma

i-1

2

Variao homloga trimestral Variao mdia ltimos 12 meses

-9,9

+2,0

-0,9

Total

Bens de consumo -5.2%

Bens intermdios -2.6%

Bens de investimento +4.3%

Energia -11.7%

Indstria Transformadora -2.6%

Indstria -4.4%

Fonte: INE

ndice de Produo Industrial - Maio 2012

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

ndice de Produo Industrial na Indstria Transformadora

Fonte: INE

Anlise de Conjuntura Julho 2012

3

A variao mdia nos ltimos 12 meses terminados em Maio do ndice de novas encomendas

na indstria foi de -0.6% (+5.0% no mercado externo; -7.6% no mercado nacional). De

salientar, o crescimento das encomendas de bens de investimento do mercado externo

(+18.6%) e a quebra de encomendas de bens de consumo (-10.8%) e de bens de

investimento (-15.4%) do mercado nacional.

nnddiiccee ddee VVoolluummee ddee NNeeggcciiooss nnaa IInnddssttrriiaa

O volume de negcios na indstria ter registado em Maio uma quebra homloga de -1.3%.

Na indstria transformadora a quebra ter sido de -2.3%, registando-se, no entanto, um

aumento das vendas para o mercado externo, de +6.2%, e uma quebra para o mercado

nacional, de -8.9%.

-20,9%

10,1%9,6%

-17,3%

1,7% 2,5%

-24,1%

18,5%15,7%

2009 2010 2011

Total Mercado Nacional Mercado Externo

-10%

0%

10%

20%

30%

Mai-

11

Ju

n-1

1

Ju

l-11

Ag

o-1

1

Set-

11

Ou

t-11

No

v-1

1

Dez-1

1

Jan

-12

Fev-1

2

Mar-

12

Ab

r-12

Mai-

12

Fonte: INE

Total Mercado Nacional Mercado Externo

Bens de consumo -4.6% -10.8% -0.4%

Bens intermdios -2.5% -2.6% -2.4%

Bens de investimento +4.7% -15.4% +18.6%

Indstria -0.6% -7.6% +5.0%

Fonte: INE

ndice de Novas Encomendas na Indstria - Maio 2012

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

ndice de Novas Encomendas na Indstria

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

(Principais contributos para a variao do ndice (-

9.2 p.p.) por ramos Maio 2009)

Anlise de Conjuntura Julho 2012

4

A variao mdia do ndice de volume de negcios na indstria nos ltimos 12 meses

terminados em Maio foi de +0.6% (+0.9% na indstria transformadora). Neste perodo, o

ndice de volume de negcios no mercado externo cresceu +10.2% (+10.9% na indstria

transformadora) enquanto o do mercado nacional diminuiu -5.2% (-6.2% na indstria

transformadora).

nnddiiccee ddee PPrroodduuoo nnaa CCoonnssttrruuoo

A produo no sector da construo ter registado uma reduo de -17.3% no trimestre

Maro/Maio de 2012, comparativamente a igual trimestre de 2011. Para a quebra verificada, o

contributo do segmento construo de edifcios foi de -7.9 p.p. e do segmento obras de

engenharia civil de -9.4 p.p.. A variao homloga registada no ndice de produo destes

segmentos foi similar, com a construo de edifcios a registar uma diminuio de 17,4% e

as obras de Engenharia Civil de -17,2%.

-17,9%

9,3%5,7%

-15,2%

4,7%

-0,6%

-21,9%

16,7%14,9%

2009 2010 2011

Fonte: INETotal Mercado Nacional Mercado Externo

-10%

0%

10%

20%

Total Mercado Nacional Mercado Externo

Bens de consumo -2.4% -5.2% +2.5%

Bens intermdios -2.7% -9.0% +5.1%

Bens de investimento -1.2% -13.7% +7.5%

Indstria Transformadora +0.9% -6.2% +10.9%

Indstria +0.6% -5.2% +10.2%

Fonte: INE

ndice de Volume de Negcios na Indstria - Maio 2012

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

ndice de Volume de Negcios na Indstria Transformadora

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

(Principais contributos para a variao do ndice (-9.2 p.p.) por

ramos Maio 2009)

Anlise de Conjuntura Julho 2012

5

O valor mdio de produo no sector da construo no ano terminado em Maio de 2012 ter

registado uma quebra homloga de -13.1% (de -14.1% na construo de edifcios e -12.3%

nas obras de engenharia civil.

nnddiiccee ddee VVoolluummee ddee NNeeggcciiooss nnooss SSeerrvviiooss

O volume de negcios nos servios ter registado uma quebra homloga de -10.1% em Maio

(-12.0% em Abril). Todas as seces que compem o ndice, e para as quais existe

informao, apresentaram taxas de variao homlogas negativas, sendo a seco comrcio

por grosso; reparao de veculos automveis e motociclos a que apresenta a variao mais

negativa (-11.8%).

-16,0

-14,0

-12,0

-10,0

-8,0

-6,0

-4,0

-2,0

Mai

-10

Jul-

10

Set-

10

Nov

-10

Jan

-11

Ma

r-1

1

Ma

i-1

1

Jul-

11

Se

t-1

1

No

v-1

1

Jan

-12

Mar

-12

Mai

-12

Total Construo de edifcios Engenharia civil

-6,6

-8,4

-10,7-10,7

-12,4 -12,8

-2,4

-4,6

-8,9

-14,0

-12,0

-10,0

-8,0

-6,0

-4,0

-2,0

0,0

2009 2010 2011

Total Construo de edifcios Engenharia civil

-11,9%

2,2%

-7,2%

2009 2010 2011

-12,0

-10,0

-8,0

-6,0

-4,0

-2,0

0,0

Fonte: INE

Fonte: INE

ndice de Produo na Construo (variao mdia nos ltimos 12 meses)

Fonte: INE

ndice de Volume de Negcios nos Servios (variao mdia nos ltimos 12 meses)

- var

(Principais contributos para a variao do ndice (-

9.2 p.p.) por ramos Maio 2009)

Anlise de Conjuntura Julho 2012

6

A variao mdia anual do volume de negcios nos servios no ano terminado em Maio de

2012 foi de -9.6%.

nnddiiccee ddee VVoolluummee ddee NNeeggcciiooss nnoo CCoommrrcciioo aa RReettaallhhoo

Em Maio de 2012, o volume de negcios, a preos correntes, no comrcio a retalho registou

uma diminuio de -4.3% (de -3.9%, excluindo os combustveis).

A variao mdia anual do volume de negcios no comrcio a retalho no ano terminado em

Maio foi de -5.7%, menos significativa nos produtos alimentares (-2.0%) que nos produtos

no alimentares (-9.4%). Excluindo os combustveis, esta variao foi de -6.1%.

Comrcio por Grosso; reparao de veculos automveis e motociclos -12.0%

Transportes e armazenagem 0,0%

Alojamento, restaurao e similares x

Actividades de informao e de comunicao -7.0%

Actividades imobilirias x

Actividades de consultoria, cientficas, tcnicas e similares -7.7%

Actividades administrativas e dos servios de apoio -8.8%

Servios -9.6%

x No Disponvel

Fonte: INE

ndice de Volume de Negcios nos Servios (por seces) - Maio 2012

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

-5,7%

0,2%

-5,5%

-1,5%

1,9%

-1,2%

-9,1%

-1,3%

-9,6%

2009 2010 2011

Geral Alimentar No Alimentar

-12%

-10%

-8%

-6%

-4%

-2%

0%

2%

ndice de Volume de Negcios no Comrcio a Retalho

(variao mdia nos ltimos 12 meses)

- var

(Principais contributos para a variao do ndice (-9.2 p.p.) por ramos Maio

2009)

Fonte: INE

Anlise de Conjuntura Julho 2012

7

CCoommrrcciioo IInntteerrnnaacciioonnaall

De acordo com as estatsticas do comrcio internacional do INE (resultados preliminares), no

perodo de Janeiro a Maio de 2012, as exportaes de bens atingiram 18.9 mil milhes de

euros e as importaes 23.6 mil milhes de euros. Face a perodo homlogo, as exportaes

tero crescido +9.0% e as importaes diminudo -5.6%.

No comrcio intra-comunitrio, as sadas de bens (13.6 mil milhes de euros) registaram

uma variao homloga de +3.0% e as entradas (16.9 mil milhes de euros) de -8.2%. No

comrcio extra-comunitrio atingiu-se 5.3 mil milhes de euros de exportaes de bens

(+27.9%) e 6.8 mil milhes de euros de importaes (+1.6%).

Neste perodo, no considerando o comrcio de combustveis e lubrificantes as exportaes

cresceram, a preos correntes, cerca de +6.7% e as importaes diminuram -10.6%.

Segundo o Banco de Portugal (valores da balana de pagamentos), no perodo entre Janeiro e

Maio de 2012, as exportaes de servios atingiram 7.0 mil milhes de euros e as importaes

4.3 mil milhes de euros. Comparativamente a igual perodo de 2011, verifica-se um aumento

de 0.6% nas exportaes e uma diminuio de 7.8% nas importaes.

nnddiiccee ddee PPrreeooss nnoo CCoonnssuummiiddoorr

O ndice de preos no consumidor em Junho apresenta uma variao homloga igual

registada no ms anterior (+2.7%). A classe habitao, gua, electricidade, gs e outros

combustveis apresenta a contribuio positiva mais significativa para a variao homloga

registada, seguindo-se, ainda que com menor significado, as classes dos produtos alimentares

Comrcio Internacional de Bens - Janeiro / Maio 2012

-5,6-8,2

1,6

9,0

3,0

27,9

-14,0

-10,0

-6,0

-2,0

2,0

6,0

10,0

14,0

18,0

22,0

26,0

30,0

Total Intracomunitrio Extracomunitrio

% (variao homloga)

Importaes Exportaes

Fonte: INEFonte: INE

Anlise de Conjuntura Julho 2012

8

e bebidas no alcolicas, dos Restaurantes e hotis e dos Transportes. Das classes que

registaram contribuies negativas, a classe do vesturio e calado foi a mais significativa.

O ndice de preos no consumidor sem energia e bens alimentares no transformados (inflao

subjacente) regista uma variao homloga de +1.5%, inferior em 0.1 p.p. verificada em

Maio.

A variao mdia do IPC nos ltimos 12 meses reduziu-se para 3.3% (3.4% em Maio).

nnddiiccee HHaarrmmoonniizzaaddoo ddee PPrreeooss nnoo CCoonnssuummiiddoorr

Em Junho, a variao homloga do ndice harmonizado de preos no consumidor (IHPC) foi

igual registada em Maio, quer em Portugal (2.7%) quer na rea Euro (2.4%).

Nos ltimos 12 meses a variao mdia do IHPC reduziu-se para 3.2% em Portugal e

manteve-se em 2.7% na rea Euro, tendo a diferena entre as taxas de inflao em Portugal e

na rea Euro se reduzido para +0.5 p.p..

-2,0

-1,0

0,0

1,0

2,0

3,0

4,0

5,0

Ju

n-0

9

Ag

o-0

9

Ou

t-09

Dez-0

9

Fev-1

0

Ab

r-10

Ju

n-1

0

Ag

o-1

0

Ou

t-10

Dez-1

0

Fev-1

1

Ab

r-11

Ju

n-1

1

Ag

o-1

1

Ou

t-11

Dez-1

1

Fev-1

2

Ab

r-12

Ju

n-1

2

(%)

IPC Total IPC excepto produtos alimentares no tranformados e energticos

ndice de Preos no Consumidor Variao homloga mensal

(Principais contributos para a variao do ndice (-9.2 p.p.) por ramos

Maio 2009)

Fonte: INE

Anlise de Conjuntura Julho 2012

9

nnddiiccee ddee PPrreeooss nnaa PPrroodduuoo IInndduussttrriiaall

Os preos na produo industrial aumentaram +2.7% em Junho (-0.5 p.p. que o aumento

verificado em Maio). Na indstria transformadora os preos registaram uma variao de

+0.9% (+1.5% no ms anterior).

A variao mdia dos preos na produo industrial no ano terminado em Junho foi de +4.5%

(+3.6% na indstria transformadora). O crescimento dos preos no agrupamento energia foi

de +10.5%, enquanto que os preos de produo de bens de consumo (+2.3%), intermdios

(+1.6%) e de investimento (+0.4%) registaram variaes menos significativas.

-1,0

0,0

1,0

2,0

3,0

4,0

Ju

n-0

9

Ag

o-0

9

Ou

t-09

Dez-0

9

Fev-1

0

Ab

r-10

Ju

n-1

0

Ag

o-1

0

Ou

t-10

Dez-1

0

Fev-1

1

Ab

r-11

Ju

n-1

1

Ag

o-1

1

Ou

t-11

Dez-1

1

Fev-1

2

Ab

r-12

Ju

n-1

2

Portugal rea Euro Fonte: Eurostat

6,25,1

2,1

12,211,1

10,0

1s

em

2s

em

1s

em

1s

em

2s

em

1s

em

2011 2012 2011 2012

0

2

4

6

8

10

12

14

Jan

12

Fev 1

2

Mar 12

Ab

r 12

Mai 1

2

Ju

n 1

2

(%)

Ind. Transf.-VM12 Energia-VM12

Ind. Transf.-VH Energia-VHFonte: INE

Fonte: Eurostat

ndice de Preos na Produo Industrial

ndice Harmonizado de Preos no Consumidor - Variao mdia ltimos 12 meses -

(Principais contributos para a variao do ndice (-9.2

p.p.) por ramos Maio 2009)

Anlise de Conjuntura Julho 2012

10

PPrreeoo MMddiioo ddoo PPeettrrlleeoo

O preo mdio do petrleo Brent Spot em Junho foi de 95.16 dlares/barril (75.97

euros/barril). Face ao ms anterior, regista-se uma reduo no preo em 15.2 dlares (10.2

euros/barril).

Em Junho de 2011, a cotao do petrleo Brent Spot era superior, registando-se nesse ms

um valor mdio de 113.8 dlares (79.1 euros)/barril.

No perodo entre o dia 2 e o dia 17 de Julho, o preo do barril de petrleo (Brent Spot) tem

vindo a subir, de 95.3 dlares/barril registado no dia 2 para 104.2 dlares/barril no dia 17 de

Julho. No mesmo perodo, o preo do petrleo em euros passou de 75.7 euros/barril para 84.9

euros/barril, em resultado da desvalorizao registada nesta moeda.

TTaaxxaass ddee JJuurroo ddoo MMeerrccaaddoo MMoonneettrriioo

Em Junho de 2012, as taxas de juro Euribor voltam a descer. Neste ms, o valor mdio da

taxa Euribor a 3 meses foi de 0.659%, da Euribor a 6 meses de 0.935% e a Euribor a 12

meses de 1.219%. Face aos valores registados no ms anterior regista-se uma reduo de

0.026 p.p., 0.035 p.p. e 0.047 p.p., respectivamente.

Em Junho de 2011, o valor mdio das taxas Euribor era bastante superior, com a Euribor a 3

meses a apresentar um valor mdio de 1.489%, a Euribor a 6 meses de 1.749% e a Euribor a

12 meses de 2.144%.

40

55

70

85

100

115

130

Ju

n-1

0

Ju

l-10

Ag

o-1

0

Set-

10

Ou

t-10

No

v-1

0

Dez-1

0

Jan

-11

Fev-1

1

Mar-

11

Ab

r-11

Mai-

11

Ju

n-1

1

Ju

l-11

Ag

o-1

1

Set-

11

Ou

t-11

No

v-1

1

Dez-1

1

Jan

-12

Fev-1

2

Mar-

12

Ab

r-12

Mai-

12

Ju

n-1

2

USD / barril

Euros / barrilFonte: EIA

Preo do Petrleo (Brent Spot) (Variao mdia do perodo)

Fonte: EIA

Anlise de Conjuntura Julho 2012

11

Entre os dias 2 e 19 de Julho de 2012, as taxas Euribor nas maturidades referidas continuaram

a descer. No dia 19, Euribor a 3 meses registava uma taxa de 0.458%, a Euribor a 6 meses de

0.743% e Euribor a doze meses de 1.021%.

TTaaxxaass ddee JJuurroo AAccttiivvaass

O valor mdio das taxas de juro dos saldos de emprstimos concedidos a sociedades no

financeiras volta a descer ligeiramente em Maio de 2012 face ao registado no ms anterior. A

taxa de juro no saldo de emprstimos com prazo inferior a 1 ano foi de 6.45%, no prazo entre

1 a 5 anos de 5.20% e no saldo de emprstimos a mais de cinco anos de 3.97%, sendo a

reduo verificada de 0.03 p.p., 0.04 p.p. e 0.07 p.p., respectivamente.

O valor mdio das taxas de juro dos saldos de emprstimos em Maio de 2011 era inferior,

registando-se um valor de 5.45% no saldo de emprstimos com prazo inferior a um ano,

4.30% no prazo entre um a cinco anos e de 3.65% com prazo superior a cinco anos.

TTaaxxaa ddee CCmmbbiioo ddoo EEuurroo

Em Junho de 2012, a cotao mdia mensal do euro face ao dlar americano foi de 1.253

USD/EUR (1.279 USD/EUR no ms anterior).

0,0

1,0

2,0

3,0

4,0

5,0

6,0

7,0

Mai-

10

Ju

l-10

Set-

10

No

v-1

0

Jan

-11

Mar-

11

Mai-

11

Ju

l-11

Set-

11

No

v-1

1

Jan

-12

Mar-

12

Mai-

12

Sociedades : at 1 ano (saldo emprstimos)Sociedades : + de 5 anos (saldo emprstimos)Euribor 6 meses

(%)Taxas de juro activas e Euribor

Fonte: Banco de Portugal

Anlise de Conjuntura Julho 2012

12

No mercado de futuros, a 25 de Junho, a taxa de cmbio entre o euro e o dlar americano a

12 meses, era de 1.26 USD/EUR.

Em Junho de 2012, comparativamente ao cmbio mdio do ms anterior, o euro registou uma

desvalorizao nominal em relao ao iene (-2.7%) e ao dlar americano (-2.1%). Nas

restantes taxas de cmbio em anlise verificou-se uma valorizao em relao ao real

brasileiro (+1.2%), libra esterlina (+0.3%) e uma variao nula em relao ao franco suo.

O ndice de taxa de cmbio efectiva nominal do euro2 em Junho de 2012 registou uma variao

mdia de -7.4% em relao a Junho de 2011 e uma variao mdia nos ltimos 12 meses de

-2.3%. No 2 trimestre de 2012 a variao homloga registada foi de -6.6%.

Em Junho, o ndice cambial efectivo nominal para Portugal apresenta uma variao homloga

de -1.9% e uma variao mdia nos ltimos 12 meses de -0.6%.

2 rea Euro passou a incluir a Estnia desde 1 de Janeiro de 2011.

0,80

0,90

1,00

1,10

1,20

1,30

1,40

1,50

1,60

1,70D

ez-0

0

Dez-0

1

Dez-0

2

Dez-0

3

Dez-0

4

Dez-0

5

Dez-0

6

Dez-0

7

Dez-0

8

Dez-0

9

Dez-1

0

Dez-1

1

Min - 0,82526 Outubro 2000

Max - 1,59915 Julho 2008

0,80

0,90

1,00

1,10

1,20

1,30

1,40

1,50

1,60

1,70

Ju

n-1

1

Ju

l-11

Ag

o-1

1

Set-

11

Ou

t-11

No

v-1

1

Dez-1

1

Jan

-12

Fev-1

2

Mar-

12

Ab

r-12

Mai-

12

Ju

n-1

2

18 Julho 2012: 1,223

Fonte: Banco de Portugal

2010 2011 Var. % Jun-11 Jun-12 Var. %

USD/EUR 1,326 1,392 +5.0% 1,439 1,253 -12.9%

JPY/EUR 116,2 110,9 -4.6% 115,8 99,3 -14.2%

GBP/EUR 0,858 0,868 +1.2% 0,887 0,806 -9.2%

BRL/EUR 2,331 2,327 -0.2% 2,285 2,566 +12.3%

CHF/EUR 1,380 1,233 -10.7% 1,209 1,201 -0.7%

Taxas de cmbio do euro

Mdias Anuais Mdias Mensais

Fonte: Banco de Portugal

Taxas de Cmbio Dlar / Euro

(Principais contributos para a variao do ndice (-

9.2 p.p.) por ramos Maio 2009)

Anlise de Conjuntura Julho 2012

13

nnddiiccee BBoollssiissttaa

Em Junho de 2012, o ndice PSI-20 registou uma valorizao de 4.1% em relao a Maio de

2012 e uma quebra 35.9% face ao ms homlogo (valores fim de perodo).

Entre 2 de Janeiro e 18 de Julho, o ndice PSI-20 registou uma desvalorizao de 13.4%.

(Elaborada com informao disponvel at 19 de Julho de 2012)

4000

6000

8000

10000

12000

14000

Dez-

00

Dez-

01

Dez-

02

Dez-

03

Dez-

04

Dez-

05

Dez-

06

Dez-

07

Dez-

08

Dez-

09

Dez-

10

Dez-

11

Max - 14 8223 Maro 2000

Min - 5 083 23 Outubro 2002

4000

6000

8000

10000

12000

14000

Jun

-11

Jul-

11

Ag

o-1

1

Set-

11

Out-

11

No

v-1

1

Dez-

11

Jan

-12

Fev-1

2

Mar-

12

Abr-

12

Mai-

12

Jun

-12

18 Julho 2012: 4860,81

Fonte: Euronext

ndice PSI-20

(Principais contributos para a variao do ndice (-

9.2 p.p.) por ramos Maio 2009)

ndice PSI-20

Recommended

View more >