Ato Cotepe 14-09 - Manual Da Contingencia

Download Ato Cotepe 14-09 - Manual Da Contingencia

Post on 25-Nov-2015

22 views

Category:

Documents

1 download

TRANSCRIPT

  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Projeto Nota Fiscal Eletrônica Manual de Emissão da NF-e em Contingência Versão 1.01 Março 2009
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 2 / 52 Controle de Versões Versão Data 1.00 03/03/2009 â SP 1.01 11/03/2009 â ENCAT PE
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 3 / 52 Identificação e vigência do Manual Versão do manual 1.01 Data de divulgação do manual Março/2009 Pacote de liberação de Schemas XML PL_DPEC_101 Data de início de vigência no ambiente de homologação 21/12/08 Data de início de vigência no ambiente de produção 19/01/09 Versões de leiautes do PL_DPEC_101 Leiaute versão Schema XML Observação consDPEC 1.01 consDPEC_v1.01.xsd Mensagem de consulta de DPEC registrado envDPEC 1.01 envDPEC_v1.01.xsd Mensagem de envio de DPEC leiauteDPEC 1.01 leiauteDPEC_v1.00.xsd Repositório de tipos utilizados no pacote retDPEC 1.01 retDPEC_v1.00.xsd Mensagem de retorno de processamento da DPEC retConsDPEC 1.01 retConsDPEC_v1.00.xsd Mensagem de retorno da consulta de DPEC registrado xmldsig-core-schema 1.01 xmldsig-core-schema_v1.01.xsd Schema da assinatura digital
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 4 / 52 Ãndice 1. Introdução ............................................................................................................................. 6 2. Modelo Operacional de emissão da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e ........................................ 7 2.1 Modalidades de Emissão de NF-e ....................................................................................... 9 2.1.1 Emissão Normal .............................................................................................................. 9 2.1.2 Contingência em Formulário de Segurança - FS ........................................................... 10 2.1.3 Contingência SCAN ...................................................................................................... 12 2.1.4 Contingência Eletrônica com o uso da Declaração Prévia de Emissão em Contingência â SCE/DPEC ............................................................................................................................. 14 2.1.5 Contingência em Formulário de Segurança para impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico â FS-DA ....................................................................................... 16 2.1.6 Quadro Resumo das modalidades de emissão da NF-e ............................................... 17 2.2 Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica - DANFE ..................................................... 18 2.3 Ações que devem ser tomadas após a recuperação da falha ............................................ 22 2.3.1 Registro da Contingência no RUDFTO.......................................................................... 22 2.3.2 Transmissão das NF-e emitidas em Contingência ........................................................ 22 2.3.3 Rejeição de NF-e emitidas em Contingência ................................................................. 22 2.3.4 NF-e Pendentes de Retorno .......................................................................................... 22 3. Arquitetura do Sistema Eletrônico de Contingência ............................................................ 24 3.1 Modelo Conceitual do SCE ................................................................................................ 24 3.2 Padrões Técnicos .............................................................................................................. 24 3.2.1 Padrão de documento XML ........................................................................................... 24 3.2.2 Padrão de Comunicação ............................................................................................... 25 3.2.3 Padrão de Certificado Digital ......................................................................................... 26 3.2.4 Resumo dos Padrões Técnicos ..................................................................................... 26 3.3 Padrão de mensagens dos Web Services .......................................................................... 27 3.3.1 Informação de controle e área de dados das mensagens ............................................. 27 3.3.2 Validação da estrutura XML das Mensagens dos Web Services ................................... 27 3.3.3 Schemas XML das Mensagens dos Web Services ....................................................... 28 3.4 Versão dos Schemas ......................................................................................................... 28 3.4.1 Liberação das versões dos Schemas para o WS do Sistema de Contingência Eletrônico 29 3.4.2 Pacote de Liberação Preliminar .................................................................................... 29 3.4.3 Pacote de Liberação de Homologação e Pacote de Liberação definitivo ....................... 29 3.4.4 Correção de Pacote de Liberação ................................................................................. 30 3.4.5 Divulgação de novos Pacotes de Liberação .................................................................. 30 3.4.6 Controle de Versão ....................................................................................................... 30 4. Web Services ...................................................................................................................... 31 4.1 Serviço de Recepção de DPEC ......................................................................................... 32 4.1.1 Web Service â SCERecepcaoRFB ................................................................................ 32 4.1.2 Leiaute Mensagem de Entrada ..................................................................................... 32 4.1.3 Leiaute Mensagem de Retorno ..................................................................................... 34 4.1.4 Descrição do Processo de Geração da Declaração Prévia de Emissão em Contingência - DPEC 36 4.1.5 Descrição do Processo de Recepção da Declaração Prévia de Emissão em Contingência .............................................................................................................................. 36 4.1.6 Validação do Certificado de Transmissão ..................................................................... 37 4.1.7 Validação Inicial da Mensagem no Web Service ........................................................... 37 4.1.8 Validação das informações de controle da chamada ao Web Service ........................... 37 4.1.9 Validação da área de Dados ......................................................................................... 38 4.1.10 Final do Processamento do Lote ................................................................................... 39 4.2 Serviço de Consulta de DPEC ........................................................................................... 43 4.2.1 Web Service â SCEConsultaRFB .................................................................................. 43 4.2.2 Leiaute Mensagem de Entrada ..................................................................................... 43 4.2.3 Leiaute Mensagem de Retorno ..................................................................................... 44 4.2.4 Descrição do Processo de Consulta de DPEC .............................................................. 46
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 5 / 52 4.2.5 Descrição do Processo de Consulta DPEC .................................................................. 46 4.2.6 Validação do Certificado de Transmissão ..................................................................... 46 4.2.7 Validação Inicial da Mensagem no Web Service .......................................................... 47 4.2.8 Validação das informações de controle da chamada ao Web Service .......................... 47 4.2.9 Validação da área de Dados ......................................................................................... 47 4.2.10 Processamento da consulta .......................................................................................... 48 5. Web Services â Informações Adicionais ............................................................................. 49 5.1 Regras de validação .......................................................................................................... 49 5.1.1 Tabela de códigos de erros e descrições de mensagens de erros ................................ 49 6. Consumo dos Web Services através de páginas WEB ....................................................... 51 6.1 Envio de DPEC via página WEB ....................................................................................... 51 6.2 Consulta de DPEC por página WEB .................................................................................. 52
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 6 / 52 1. Introdução Este documento tem o objetivo de orientar a emissão de NF-e em contingência, descrever e distinguir os diversos tipos de emissão em contingência, destacar as diferenças entre os dois tipos de formulários de segurança empregados para a impressão do DANFE e, especificamente, estabelecer as especificações e critérios técnicos necessários para implementação da modalidade Contingência Eletrônica da NF-e com o registro prévio do resumo da Nota Fiscal Eletrônica no Ambiente Nacional por meio de do envio da Declaração Prévia de Emissão em Contingência â DPEC para o Sistema de Contingência Eletrônica - SCE. Este documento substituiu o Manual de Contingência â Contribuinte â v 6.0.2 e o Manual do Sistema de Contingência Eletrônica â DPEC â versão 1.00 de 25/08/2008.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 7 / 52 2. Modelo Operacional de emissão da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e O Projeto da NF-e é baseado no conceito de documento fiscal eletrônico: um arquivo eletrônico com as informações fiscais da operação comercial que tenha a assinatura digital do emissor. A validade de uma NF-e e do respectivo DANFE está condicionada à existência de uma autorização de uso da Nota Fiscal Eletrônica NF-e concedida pela Secretaria de Fazenda de localização do emissor ou pelo órgão por ela designado para autorizar a NF-e em seu nome, como são os casos da SEFAZ Virtual do Ambiente Nacional, da SEFAZ Virtual do Rio Grande do Sul e do Sistema de Contingência do Ambiente Nacional - SCAN. A obtenção da autorização de uso da NF-e é um processo que envolve diversos recursos de infra- estrutura, hardware e software. O mau funcionamento ou a indisponibilidade de qualquer um destes recursos pode prejudicar o processo de autorização da NF-e, com reflexos nos negócios do emissor da NF-e que fica impossibilitado de obter a prévia autorização de uso da NF-e exigida na legislação para a emissão do DANFE para acompanhar a circulação da mercadoria. A alta disponibilidade é uma das premissas básicas do sistema da NF-e e os sistemas de recepção de NF-e das UFs foram construídos para funcionar em regime de 24x7, contudo, existem diversos outros componentes do sistema que podem apresentar falhas e comprometer a disponibilidade dos serviços, exigindo alternativas de emissão da NF-e em contingência. Atualmente existem as seguintes modalidades de emissão de NF-e: a) Normal â é o procedimento padrão de emissão da NF-e com transmissão da NF-e para a Secretaria de Fazenda de origem do emissor para obter a autorização de uso, o DANFE será impresso em papel comum após o recebimento da autorização de uso da NF-e;
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 8 / 52 b) FS - Contingência com uso do Formulário de Segurança â é a alternativa mais simples para a situação em que exista algum impedimento para obtenção da autorização de uso da NF-e, como por exemplo, um problema no acesso à internet ou a indisponibilidade da SEFAZ de origem do emissor. Neste caso, o emissor pode optar pela emissão da NF-e em contingência com a impressão do DANFE em Formulário de Segurança. O envio das NF-e emitidas nesta situação para SEFAZ de origem será realizado quando cessarem os problemas técnicos que impediam a sua transmissão. Somente as empresas que possuam estoque de Formulário de Segurança poderão utilizar este impresso fiscal para a emissão do DANFE, pois o Convênio ICMS 110/08 criou o impresso fiscal denominado Formulário de Segurança para impressão de Documento Auxiliar do Documento Fiscal eletrônico â FS-DA, não sendo mais possível a aquisição do Formulário de Segurança â FS para impressão do DANFE, a partir de 1º de agosto de 2009; c) FS-DA - Contingência com uso do Formulário de Segurança para impressão de Documento Auxiliar do Documento Fiscal eletrônico â FS-DA â é um modelo operacional similar ao modelo operacional da contingência com uso de Formulário de Segurança â FS, A única diferença é a substituição do FS pelo FS-DA. O FS-DA foi criado para aumentar a capilaridade dos pontos de venda do Formulário de Segurança com a criação da figura do estabelecimento distribuidor do FS-DA que poderá adquirir FS-DA dos fabricantes para distribuir para os emissores de NF-e de sua região; d) SCAN â Sistema de Contingência do Ambiente Nacional â é a alternativa de emissão da NF-e em contingência com transmissão da NF-e para o Sistema de Contingência do Ambiente Nacional (SCAN), nesta modalidade de contingência o DANFE pode ser impresso em papel comum e não existe necessidade de transmissão da NF-e para SEFAZ de origem quando cessarem os problemas técnicos que impediam a transmissão. Além do uso de série específica reservada para o SCAN (série 900-999), o Sistema de Contingência do Ambiente Nacional depende de ativação da SEFAZ de origem, o que significa dizer que o SCAN só entra em operação quando a SEFAZ de origem estiver com problemas técnicos que impossibilitam a recepção da NF-e; e) DPEC â Declaração Prévia de Emissão em Contingência â é alternativa de emissão de NF-e em contingência com o registro prévio do resumo das NF-e emitidas. O registro prévio das NF-e permite a impressão do DANFE em papel comum. A validade do DANFE está condicionada à posterior transmissão da NF-e para a SEFAZ de Origem.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 9 / 52 2.1 Modalidades de Emissão de NF-e O AJUSTE SINIEF 07/05 e as legislações específicas de cada UF disciplinam e detalham as modalidades de emissão de NF-e que serão descritos de forma simplificada a seguir. Em um cenário de falha que impossibilite a emissão da NF-e na modalidade normal, o emissor deve escolher a modalidade de emissão de contingência que lhe for mais conveniente, ou até mesmo aguardar a normalização da situação para voltar a emitir a NF-e na modalidade normal, caso a emissão da NF-e não seja premente. Como não existe precedência ou hierarquia nas modalidades de emissão da NF-e em contingência, o emissor pode adotar uma, algumas ou todas as modalidades que tiver à sua disposição, ou não adotá-las. 2.1.1 Emissão Normal O processo de emissão normal é a situação desejada e mais adequada para o emissor, pois é a situação em que todos os recursos necessários para a emissão da NF-e estão operacionais e a autorização de uso da NF-e é concedida normalmente pela SEFAZ. Nesta situação a emissão das NF-e é realizada normalmente com a impressão do DANFE em papel comum, após o recebimento da autorização de uso da NF-e.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 10 / 52 2.1.2 Contingência em Formulário de Segurança - FS A contingência com o uso do formulário de segurança é o processo mais simples de implementar, sendo o processo de contingência que tem a menor dependência de recursos de infra-estrutura, hardware e software para ser utilizado. Sendo identificada a existência de qualquer incidente que prejudique ou impossibilite a transmissão das NF-e e/ou obtenção da autorização de uso da SEFAZ, a empresa pode adotar a Contingência com formulário de segurança que requer os seguintes procedimentos do emissor: ⢠geração de novo arquivo XML da NF-e com o campo tp_emis alterado para â2â; ⢠impressão de pelo menos duas vias do DANFE em formulário de segurança constando no corpo a expressão âDANFE em Contingência - impresso em decorrência de problemas técnicosâ, tendo as vias a seguinte destinação: I - uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; II - outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. ⢠lavrar termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência â RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV â identificar a modalidade de contingência utilizada. ⢠transmitir as NF-e imediatamente após a cessação dos problemas técnicos que impediam a transmissão da NF-e, observando o prazo limite de transmissão na legislação; ⢠tratar as NF-e transmitidas por ocasião da ocorrência dos problemas técnicos que estão pendentes de retorno. Nota: Esta alternativa de contingência poderá ser utilizada até o término do estoque de Formulários de Segurança â FS autorizados, mediante PAFS, até 31/07/09,, desde que o Formulário de Segurança â FS tenha tamanho A4 e seja lavrado termo no livro RUDFTO, conforme dispõe a cláusula décima segunda do Convênio ICMS 110/08, a seguir transcrito:
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 11 / 52 âCláusula décima segunda Os formulários de segurança, obtidos em conformidade com o Convênio ICMS 58/95 e Ajuste SINIEF 07/05, em estoque, poderão ser utilizados pelo contribuinte credenciado como emissor de documento fiscal eletrônico, para fins de impressão dos documentos auxiliares dos documentos eletrônicos relacionados no § 1º da cláusula primeira, desde que: I - o formulário de segurança tenha tamanho A4 para todas as vias; II - seja lavrado, previamente, termo no livro Registro de Uso de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência - RUDFTO, modelo 6, contendo as informações de numeração e série dos formulários e, quando se tratar de formulários de segurança obtidos por regime especial, na condição de impressão autônomo, a data da opção pela nova finalidade. Parágrafo único. Os formulários de segurança adquiridos na condição de impressor autônomo e que tenham sido destinados para impressão de documentos auxiliares de documentos fiscais eletrônicos, nos termos do item II acima, somente poderão ser utilizados para impressão de documentos auxiliares de documentos fiscais eletrônicos.â
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 12 / 52 2.1.3 Contingência SCAN O Sistema de Contingência do Ambiente Nacional â SCAN é administrada pela Receita Federal do Brasil que pode assumir a recepção e autorização das NF-e de qualquer unidade da federação, quando solicitado pela UF interessada. O SCAN somente tratará NF-e emitidas com numeração nas séries 900 a 999, inclusive. Esta regra aplica-se a todos os serviços (autorização, cancelamento, inutilização e consulta situação da NF-e). Com esta restrição elimina-se a possibilidade de que, após a recuperação de uma falha, uma mesma NF-e tenha sido autorizada pelo SCAN e pela SEFAZ origem. Da mesma forma, a SEFAZ origem não autorizará, cancelará ou inutilizará numeração de NF-e nestas séries reservadas ao SCAN. A exceção a esta regra é o serviço de consulta à situação da NF-e, uma vez que a SEFAZ origem poderá responder à consulta de situação das NF-e das séries 900-999 que estejam em sua base de dados. A recepção das NF-e pelo SCAN é ativado pela UF interessada e uma vez acionada passa a recepcionar as NF-e de série 900 a 999 dos emissores credenciados para emitir NF-e na UF. Eventualmente um emissor credenciado recentemente pode não estar autorizado a emitir NF-e no SCAN caso o Cadastro Nacional de Emissores não tenha sido atualizado pela UF interessada. Ocorrendo a indisponibilidade, a SEFAZ origem acionará o SCAN para que ative o serviço de recepção e autorização de NF-e em seu lugar. Finda a indisponibilidade, a SEFAZ origem acionará novamente o SCAN, agora para desativar o serviço. A desativação do serviço de recepção e autorização de NF-e pelo SCAN será precedida por um período de 15 minutos, em que ambos os ambientes estarão simultaneamente disponíveis, de forma a minimizar o impacto da mudança para o Contribuinte. Inicialmente, o acionamento para ativação/desativação será baseado em interação humana, entre a operação da SEFAZ origem e a operação do SCAN. Apenas o serviço de recepção e autorização de NF-e pelo SCAN seguirá a sistemática de ativação/desativação. Os demais serviços (cancelamento, inutilização, consulta status de NF-e e consulta status do serviço) ficarão permanentemente ativos. Com isso o Contribuinte poderá, a qualquer momento, executar os cancelamentos, inutilizações e consultas necessárias à manutenção da integridade da seqüência de numeração das emissões de NF-e nas séries reservadas ao SCAN. Após a recuperação da falha pela SEFAZ origem, as NF-e recebidas pelo SCAN (séries 900 a 999) serão transmitidas pelo Ambiente Nacional para a SEFAZ origem, de forma que, como as demais NF-e, elas ficarão disponíveis para consulta nos dois ambientes. A contingência SCAN deverá ser ativada com maior freqüência nas situações em que a indisponibilidade da recepção de NF-e pela SEFAZ de origem seja previsível e de longa duração como é o caso das interrupções programadas para manutenção preventiva da infra-estrutura de recepção da SEFAZ de origem. A identificação de que o SCAN foi ativado pela SEFAZ será através do serviço Consulta ao Status do SCAN e somente neste caso a empresa pode acionar o SCAN, devendo adotar os seguintes procedimentos: ⢠Identificação de que o SCAN foi acionado pela SEFAZ; ⢠geração de novo arquivo XML da NF-e com o campo tp_emis alterado para â3â; ⢠alteração da série da NF-e para a faixa de uso exclusivo do SCAN (900 a 999), a alteração da série implica na adoção da numeração em uso da série escolhida o que implica na alteração do número da NF-e também; ⢠transmissão da NF-e para o SCAN e obtenção da autorização de uso;
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 13 / 52 ⢠impressão do DANFE em papel comum; ⢠lavratura de termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência â RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV â identificar a modalidade de contingência utilizada. ⢠tratamento dos arquivos de NF-e transmitidos antes da ocorrência dos problemas técnicos e que estão pendentes de retorno, cancelando aquelas NF-e autorizadas e que foram substituídas pela seriação do SCAN ou inutilizando a numeração de arquivos não recebidos ou processados. WebServices do ambiente de Homologação do SCAN: ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCAN/NfeCancelamento/NfeCancelamento.asmx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCAN/NfeConsulta/NfeConsulta.asmx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCAN/NfeInutilizacao/NfeInutilizacao.asmx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCAN/NfeRecepcao/NfeRecepcao.asmx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCAN/NfeRetRecepcao/NfeRetRecepcao.asmx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCAN/NfeStatusServico/NfeStatusServico.asmx WebServices do ambiente de produção do SCAN: ⢠https://www.scan.fazenda.gov.br/NfeCancelamento/NfeCancelamento.asmx ⢠https://www.scan.fazenda.gov.br/NfeConsulta/NfeConsulta.asmx ⢠https://www.scan.fazenda.gov.br/NfeInutilizacao/NfeInutilizacao.asmx ⢠https://www.scan.fazenda.gov.br/NfeRecepcao/NfeRecepcao.asmx ⢠https://www.scan.fazenda.gov.br/NfeRetRecepcao/NfeRetRecepcao.asmx ⢠https://www.scan.fazenda.gov.br/NfeStatusServico/NfeStatusServico.asmx
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 14 / 52 2.1.4 Contingência Eletrônica com o uso da Declaração Prévia de Emissão em Contingência â SCE/DPEC O modelo de Contingência Eletrônica foi idealizado como alternativa que permita a dispensa do uso do formulário de segurança para impressão do DANFE e a não alteração da série e numeração da NF-e emitida em contingência. Esta modalidade de contingência é baseada no conceito de Declaração Prévia de Emissão em Contingência â DPEC, que contem as principais informações da NF-e que serão emitidas em contingência, que será prestada pelo emissor para SEFAZ. A Contingência Eletrônica poderá ser adotada por qualquer emissor que esteja impossibilitado de transmissão e/ou recepção das autorizações de uso de suas NF-e, adotando os seguintes passos: ⢠alterar o tp_Emis das NF-e que deseja emitir para â4â; ⢠regerar as notas fiscais e os lotes de NF-e; ⢠gerar o arquivo XML de Declaração Prévia de Emissão em Contingência â DPEC, com as seguintes informações das NF-e que compõe um lote de NF-e: o chave de acesso; o CNPJ ou CPF do destinatário; o UF de localização do destinatário; o Valor Total da NF-e; o Valor Total do ICMS; o Valor Total do ICMS retido por Substituição Tributária. ⢠completar o arquivo gerado com outras informações de controle como o CNPJ, a IE e a UF de localização do contribuinte emissor e assinar o arquivo com o certificado digital do seu emissor; ⢠enviar o arquivo XML da DPEC para a Receita Federal do Brasil via Web Service ou via upload através de página WEB do Portal Nacional da NF-e; ⢠impressão dos DANFE das NF-e que constam da DPEC enviado ao SCE em papel comum, constando no corpo a expressão âDANFE impresso em contingência - DPEC regularmente recebida pela Receita Federal do Brasilâ, tendo as vias a seguinte destinação: I - uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; II - outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. ⢠lavrar termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência â RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; NF-e DPEC Sistema de Recepção de NF-e da SEFAZ Sistema de Contingência Eletrônica Emissor de NF-e Impossibilidade de transmissão SEFAZ Transmissão da DPEC ao SCE Sistema de Contingência Eletrônica â SCE â visão geral Gerar DPEC
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 15 / 52 III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV â identificar a modalidade de contingência utilizada. ⢠Adotar as seguintes providências, após a cessação dos problemas técnicos que impediam a transmissão da NF-e para UF de origem: o transmitir as NF-e emitidas em Contingência Eletrônica para a SEFAZ de origem, observando o prazo limite de transmissão na legislação; o tratar as NF-e transmitidas por ocasião da ocorrência dos problemas técnicos que estão pendentes de retorno; WS da DPEC do ambiente de homologação: ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCERecepcaoRFB/SCERecepcaoRFB.asmx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCEConsultaRFB/SCEConsultaRFB.asmx Página Web da DPEC do ambiente de homologação: ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/PORTAL/DPEC/ConsultaDPEC.aspx ⢠https://hom.nfe.fazenda.gov.br/PORTAL/DPEC/UploadDPEC.aspx WS de DPEC do ambiente de produção: ⢠https://www.nfe.fazenda.gov.br/SCERecepcaoRFB/SCERecepcaoRFB.asmx ⢠https://www.nfe.fazenda.gov.br/SCEConsultaRFB/SCEConsultaRFB.asmx Página Web da DPEC do ambiente de produção: ⢠https://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/DPEC/ConsultaDPEC.aspx ⢠https://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/DPEC/UploadDPEC.aspx
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 16 / 52 2.1.5 Contingência em Formulário de Segurança para impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico â FS-DA Este procedimento de contingência será adotado pelos emissores que adquirirem o Formulário de Segurança para impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal â FS-DA, e substitui a contingência com o uso do formulário de segurança. Sendo identificada a existência de qualquer fator que prejudique ou impossibilite a transmissão das NF-e e/ou obtenção da autorização de uso da SEFAZ, a empresa pode acionar a Contingência com FS-DA, adotando os seguintes passos: ⢠gerar novo arquivo XML da NF-e com o campo tp_emis alterado para â5â; ⢠imprimir o DANFE em pelo menos duas vias do FS-DA constando no corpo a expressão âDANFE em Contingência - impresso em decorrência de problemas técnicosâ, tendo as vias a seguinte destinação: I - uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; II - outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. ⢠lavrar termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência â RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV â identificar a modalidade de contingência utilizada. ⢠transmitir as NF-e imediatamente após a cessação dos problemas técnicos que impediam a transmissão da NF-e, observando o prazo limite de transmissão na legislação; ⢠tratar as NF-e transmitidas por ocasião da ocorrência dos problemas técnicos que estão pendentes de retorno.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 17 / 52 2.1.6 Quadro Resumo das modalidades de emissão da NF-e A seguir resumimos os principais procedimentos necessários para adequar a NF-e para a modalidade de emissão desejada.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 18 / 52 2.2 Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica - DANFE O DANFE é um documento fiscal auxiliar que tem a finalidade de acobertar a circulação da mercadoria e não se confunde com a NF-e da qual é mera representação gráfica. A sua validade está condicionada à existência da NF-e que representa devidamente autorizada na SEFAZ de origem. O DANFE deverá ser impresso em papel, exceto papel jornal, no tamanho mínimo A4 (210 x 297 mm) e máximo ofício 2 (230 x 330 mm), podendo ser utilizadas folhas soltas, formulário de segurança, Formulário de Segurança para Impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico (FS-DA), formulário contínuo ou formulário pré-impresso. As folhas soltas, formulário contínuo ou formulário pré-impresso são considerados papel comum e a sua aquisição ou confecção não está sujeito ao controle do fisco como ocorre com o formulário de segurança que é um impresso fiscal com normas rígidas de aquisição, controle e utilização. 2.2.1 Formulários de Segurança para Impressão do DANFE Atualmente existem os seguintes tipos de formulários de segurança: ⢠Formulário de Segurança â FS:, disciplinado pelos Convênios ICMS 58/95 e 131/95; ⢠Formulário de Segurança para Impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico - FS-DA: disciplinado pelo Convênio ICMS 110/08 e Ato COTEPE 35/08. O uso do formulário de segurança - FS será permitido apenas para consumir os estoques existentes, pois sua aquisição para impressão de DANFE não será mais autorizada a partir de 01/08/2009. O FS e o FS-DA podem ser fabricados por estabelecimento industrial gráfico previamente credenciado junto à COTEPE/ICMS, porém somente este último tem a possibilidade de ser distribuído através de estabelecimento gráfico credenciado como distribuidor junto à UF de interesse, mediante a obtenção de credenciamento, concedido por regime especial, Os formulários de segurança são confeccionados com requisitos de segurança com o objetivo de dificultar falsificação e fraudes. Estes requisitos são adicionados ou por ocasião da fabricação do papel de segurança produzido pelo processo "mould made"ou por ocasião da impressão no caso do FS fabricado com papel dotado de estampa fiscal, com recursos de segurança impressos. Assim, a legislação tributária permite o uso de formulários de segurança que atendam os seguintes requisitos: ⢠FS com Estampa Fiscal â impresso com calcografia com microtexto e imagem latente na área reservado ao fisco, o impresso deverá ter fundo numismático com tinta reagente a produtos químicos combinado com as Armas da República; ⢠FS em Papel de Segurança - com filigrana (marca dâágua) produzida pelo processo "mould made", fibras coloridas e luminescentes, papel não fluorescente, microcápsulas de reagente químico e microporos que aumentem a aderência do toner ao papel. Todos os formulários de segurança terão o número de controle do formulário com numeração sequencial de 000.000.001 a 999.999.999 e seriação de "AA" a "ZZ", impresso no quadro reservado ao fisco. A identificação do formulário de segurança com calcografia é mais simples pela existência da estampa fiscal localizada no quadro reservado ao fisco e pelo fundo numismático com cor característica associada ao brasão das Armas da República no corpo do formulário.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 19 / 52 A diferenciação entre o FS e FS-DA produzidos por calcografia é estabelecida simultaneamente pela cor utilizada no fundo numismático, pela estampa fiscal, pelas Armas da República e pelo logotipo característico de formulário destinado a impressão de documento fiscal eletrônico. O FS tem o fundo numismático impresso na cor de tonalidade predominante esverdeada combinada com as Armas da República e estampa fiscal na cor azul pantone. O FS-DA tem o fundo numismático impresso na cor de tonalidade predominante Salmão pantone nº 155 combinada com as Armas da República ao lado do logotipo que caracteriza o Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico e estampa fiscal na cor Vinho Pantone, conforme exemplos visualizados na figura abaixo. Exemplo de FS Exemplo de FS-DA A identificação do formulário de segurança fabricado em papel de segurança não é tão evidente como é o formulário com calcografia, pois a primeira vista é um papel branco facilmente confundido com um papel comum. A distinção deste papel de segurança deve ser feito pela filigrana (marca dâágua) existente no seu corpo; pela seriação composta por duas letras e numeração seqüencial de nove números aposta no espaço normalmente reservado ao fisco; pela impressão da identificação do adquirente e pelo códigos de barras impressos no rodapé inferior. O FS possui filigrana caracterizada com o brasão de Armas da República intercalada com a expressão âNOTA FISCALâ, enquanto que o FS-DA possui filigrana caracterizada pelo brasão das Armas da República intercalada com o logotipo do Documento Auxiliar de Documentos Fiscais Eletrônicos. Estas filigranas somente se tornam visíveis contra a luz, conformes exemplos e modelos reproduzidos nas figuras abaixo Ex. FS com os detalhes da filigrana que só é visível contra luz. No FS-DA teremos o logotipo do Documento Auxiliar de Documentos Fiscais Eletrônicos no lugar da expressão âNOTA FISCALâ.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 20 / 52 Modelo da filigrana característica do papel de segurança exclusivo para o FS-DA Modelo das dimensões e posicionamento das filigranas no papel de segurança para FS-DA 2.2.2 localização da Estampa Fiscal no FS -DA A estampa fiscal é impressa na área reservado ao fisco que está localizada no canto inferior direito do formulário de segurança. Nesta mesma área também é impresso a série e o número de controle do impresso, assim, o emissor deve tomar os cuidados necessários para que o recibo do canhoto de entrega não utilize o espaço de 40 mm x 85 mm do canto inferior do impresso, deslocando-o para a parte superior do formulário
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 21 / 52 Ex. de DANFE com recibo deslocado para a parte superior. Importante destacar que o FS-DA tem um código de barras com a identificação da sua origem e seu usuário pré-impresso no rodapé inferior, que deve ser preservado, pois será utilizado na fiscalização de trânsito. 2.2.3 Impressão do DANFE em Contingência com Formulário de Segurança Quando a modalidade emissão de contingência for baseada no uso de formulário de segurança, o DANFE deve ser impresso no mesmo tipo de formulário de segurança declarado no campo tp_emis da NF-e. Nos casos de contingência com uso de formulário de segurança, a impressão do DANFE em papel comum contraria a legislação e ocasiona graves conseqüências ao emitente, pelo descumprimento de obrigação acessória, caracterizando ainda a inidoneidade do DANFE para efeito de circulação da mercadoria e de escrituração e aproveitamento do crédito pelo seu destinatário. O formulário de segurança pode ser utilizado para impressão do DANFE em qualquer modalidade de emissão, contudo, o emissor deverá formalizar a opção pelo uso do formulário de segurança em todas as operações no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência â RUDFTO, modelo 6. Impressão do DANFE Modalidade de emissão da NF-e Normal FS FS-DA SCAN DPEC em papel comum em FS (Convênio ICMS 58/57) em FS-DA (Convênio ICMS 110/08)
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 22 / 52 DANFE regular / DANFE irregular / DANFE regular, mas requer opção do emissor 2.3 Ações que devem ser tomadas após a recuperação da falha A emissão de NF-e em contingência é um procedimento de exceção e existem algumas ações que devem ser tomadas após a recuperação da falha, a principal delas é a transmissão das NF-e emitidas em contingência para que sejam autorizadas. 2.3.1 Registro da Contingência no RUDFTO Qualquer que seja a hipótese de contingência, é necessário lavrar termo circunstanciado no livro Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência â RUDFTO, modelo 6, para registro da contingência, informando: I - o motivo da entrada em contingência; II - a data, hora com minutos e segundos do seu início e seu término; III - a numeração e série da primeira e da última NF-e geradas neste período; IV â identificar a modalidade de contingência utilizada. 2.3.2 Transmissão das NF-e emitidas em Contingência As notas fiscais emitidas em contingência FS, FS-DA e DPEC devem ser transmitidas imediatamente após a cessação dos problemas técnicos que impediam a transmissão da NF-e, observando o prazo limite de transmissão estabelecido na legislação. As NF-e emitidas no SCAN não precisam ser transmitidas para a SEFAZ de origem. 2.3.3 Rejeição de NF-e emitidas em Contingência Caso ocorra a rejeição de alguma NF-e emitida em contingência, o contribuinte deverá: I - gerar novamente o arquivo com a mesma numeração e série, sanando a irregularidade desde que não se altere: a) as variáveis que determinam o valor do imposto tais como: base de cálculo, alíquota, diferença de preço, quantidade, valor da operação ou da prestação; b) a correção de dados cadastrais que implique mudança do remetente ou do destinatário; c) a data de emissão ou de saída; II - solicitar Autorização de Uso da NF-e; III - imprimir o DANFE correspondente à NF-e autorizada, no mesmo tipo de papel utilizado para imprimir o DANFE original; IV - providenciar, junto ao destinatário, a entrega da NF-e autorizada bem como do novo DANFE impresso nos termos do item III, caso a geração saneadora da irregularidade da NF-e tenha promovido alguma alteração no DANFE. 2.3.4 NF-e Pendentes de Retorno Quando ocorrer uma falha, seja ela no ambiente do Contribuinte, no ambiente da SEFAZ origem ou no ambiente do SCAN, há a probabilidade de existirem NF-e transmitidas pelo contribuinte e para as quais ele ainda não obteve o resultado do processamento. Estas NF-e são denominadas de âNF-e Pendentes de Retornoâ.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 23 / 52 As NF-e Pendentes de Retorno podem não ter sido recebidas pela SEFAZ origem, estar na fila aguardando processamento, estar em processamento ou o processamento pode já ter sido concluído. Caso a falha tenha ocorrido na SEFAZ origem, ao retornar à operação normal, é possível que as NF-e que estavam em processamento sejam perdidas, e que as que estavam na fila tenham o seu processamento concluído normalmente. Cabe à aplicação do contribuinte tratar adequadamente a situação das NF-e Pendentes de Retorno e executar, imediatamente após o retorno à operação normal, as ações necessárias à regularização da situação destas NF-e, a saber: a) Cancelar as NF-e Pendentes de Retorno que tenham sido autorizadas pela SEFAZ origem, mas que tiveram as operações comerciais correspondentes registradas em NF-e emitidas em contingência. b) Inutilizar a numeração das NF-e Pendentes de Retorno que não foram autorizadas ou denegadas.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 24 / 52 3. Arquitetura do Sistema Eletrônico de Contingência 3.1 Modelo Conceitual do SCE O Sistema de Contingência Eletrônica â SCE é o modelo de registro de Declaração Prévia de Emissão em Contingência - DPEC emitida pelo Emissor de NF-e em contingência. Esta modalidade de contingência prevê a elaboração de uma Declaração Prévia de Emissão em Contingência - DPEC que contem os resumos das NF-e emitidas pelo interessado e a emissão do DANFE em papel comum sem alteração da série da NF-e. Como a DPEC é um resumo das NF-e, o seu tamanho é bastante reduzido em comparação com a NF-e, sendo viável a transmissão para o Web Service do SCE por acesso discado ou através de upload em página WEB do Portal Nacional da NF-e (Ambiente Nacional). A opção de upload de arquivo é interessante por dispensar a exigência de uma aplicação cliente para consumir o Web Service, permitindo a transmissão da DPEC de qualquer equipamento que tenha acesso a Internet via browser. A consulta da DPEC existente no Sistema de Contingência Eletrônica â SCE poderá ser feita através de Web Service pelo emissor. A consulta pela chave de acesso da NF-e deverá disponibilizar as informações básicas da NF-e dando uma maior segurança para todos os envolvidos no processo de emissão da NF-e. 3.2 Padrões Técnicos 3.2.1 Padrão de documento XML a) Padrão de Codificação A especificação do documento XML adotada é a recomendação W3C para XML 1.0, disponível em www.w3.org/TR/REC-xml e a codificação dos caracteres será o UTF-8, assim todos os documentos XML serão iniciados com a seguinte declaração: OBS: Lembrando que cada arquivo XML somente poderá ter uma única declaração . Nas situações em que um documento XML pode conter outros documentos XML, como ocorre com o documento XML de retorno da DPEC, deve-se tomar o cuidado para que exista uma única declaração no início do arquivo. b) Declaração namespace O documento XML deverá ter uma única declaração de namespace no elemento raiz do documento com o seguinte padrão: (exemplo para o XML de envio da DPEC) O uso de declaração namespace diferente do padrão estabelecido é vedado. A declaração do namespace da assinatura digital deverá ser realizada na própria tag , conforme exemplo abaixo. Cada documento XML deverá ter o seu namespace individual em seu elemento raiz. No caso específico do arquivo de retorno da DPEC, a DPEC enviada e o arquivo de retorno terão seu
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 25 / 52 namespace individual, para possibilitar que a extração da DPEC enviada da mensagem de retorno se necessário. Segue abaixo um exemplo: ... ] ... ] ... ] c) Prefixo de namespace Não é permitida a utilização de prefixos de namespace. Essa restrição visa otimizar o tamanho do arquivo XML. Assim, ao invés da declaração: (exemplo para o XML de NF-e com prefixo nfe) deverá ser adotado a declaração: d) Validação de Schema Para garantir minimamente a integridade das informações prestadas e a correta formação dos arquivos XML, as mensagens XML deverão ser submetidas ao respectivo Schema XML (XSD â XML Schema Definition). 3.2.2 Padrão de Comunicação A comunicação será baseada em Web Services disponibilizados pelo Sistema de Contingência Eletrônica. O meio físico de comunicação utilizado será a Internet, com o uso do protocolo SSL versão 3.0, com autenticação mútua, que além de garantir um duto de comunicação seguro na Internet, permite a identificação do servidor e do cliente através de certificados digitais, eliminando a necessidade de identificação do usuário através de nome ou código de usuário e senha. O modelo de comunicação segue o padrão de Web Services definido pelo WS-I Basic Profile.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 26 / 52 A troca de mensagens entre os Web Services do Ambiente Nacional e o aplicativo da administração tributária interessada será realizada no padrão SOAP versão 1.2, com troca de mensagens XML no padrão Style/Enconding: Document/Literal. A chamada de diferentes Web Services do Sistema de Contingência Eletrônica é realizado com o envio de uma mensagem XML através do parâmetro sceDadosMsg. A versão do leiaute da mensagem XML contida no parâmetro sceDadosMsg será informado no elemento versaoDados do tipo string localizados no elemento sceCabecMsg do SOAP Header. Exemplo de uma mensagem requisição padrão SOAP: string xml Exemplo de uma mensagem de retorno padrão SOAP: string xml 3.2.3 Padrão de Certificado Digital O certificado digital utilizado no estabelecimento da conexão segura com autenticação mútua será emitido por Autoridade Certificadora credenciada pela Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira â ICP-Brasil, tipo A1 ou A3, devendo conter o CNPJ da pessoa jurídica titular do certificado digital no campo otherName OID =2.16.76.1.3.3 e ter a extensão Extended Key Usage com permissão de "Autenticação Cliente". 3.2.4 Resumo dos Padrões Técnicos A tabela a seguir resume os principais padrões de tecnologia utilizados:
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 27 / 52 3.3 Padrão de mensagens dos Web Services As chamadas dos Web Services disponibilizados pelo Ambiente Nacional e os respectivos resultados do processamento são realizadas através das mensagens com o seguinte padrão: ⢠versaoDados - versão do leiaute da estrutura XML informado na área de dados. ⢠Ãrea de Dados â estrutura XML variável definida na documentação do Web Service acessado. 3.3.1 Informação de controle e área de dados das mensagens A identificação da versão da mensagem XML submetida ao Web Service será realizada através do campo versaoDados informado no elemento sceCabecMsg do SOAP Header: string A informação armazenada na área de dados é um documento XML que deve atender o leiaute definido na documentação do Web Service acessado: xml 3.3.2 Validação da estrutura XML das Mensagens dos Web Services As informações são enviadas ou recebidas dos Web Services através de mensagens no padrão XML definido na documentação de cada Web Service. As alterações de leiaute e da estrutura de dados XML realizadas nas mensagens são controladas através da atribuição de um número de versão para a mensagem. Um Schema XML é uma linguagem que define o conteúdo do documento XML, descrevendo os seus elementos e a sua organização, além de estabelecer regras de preenchimento de conteúdo e de obrigatoriedade de cada elemento ou grupo de informação. A validação da estrutura XML da mensagem é realizada por um analisador sintático (parser) que verifica se a mensagem atende as definições e regras de seu Schema XML. Qualquer divergência da estrutura XML da mensagem em relação ao seu Schema XML, provoca um erro de validação do Schema XML. Estrutura XML definida na documentação do Web Service Padrão de Mensagem de chamada/retorno de Web Service Elemento sceCabecMsg (SOAP Header) Ãrea de dados (SOAP Body) versaoDados
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 28 / 52 A primeira condição para que a mensagem seja validada com sucesso é que ela seja submetida ao Schema XML correto. Assim, os aplicativos clientes devem estar preparados para gerar as mensagens no leiaute em vigor, devendo ainda informar a versão do leiaute da estrutura XML da mensagem no campo versaoDados do elemento sceCabecMsg do SOAP Header. 1.00 3.3.3 Schemas XML das Mensagens dos Web Services Qualquer alteração de leiaute das mensagens dos Web Services implica na atualização do seu respectivo Schema XML. A identificação da versão dos Schemas será realizada com o acréscimo do número da versão no nome do arquivo precedida da literal â_vâ, como segue: envDPEC_v1.00.xsd (Schema XML da mensagem de envio da DPEC, versão 1.00); leiauteDPEC_v10.15.xsd (Schema XML dos tipos básicos da DPEC, versão 10.15). A maioria dos Schemas XML do Sistema de Contingência Eletrônica utiliza as definições de tipos básicos ou tipos complexos que estão definidos em outros Schemas XML (ex.: leiauteDPEC_v1.00.xsd, etc.), nestes casos, a modificação de versão do Schema básico será repercutida no Schema principal. Por exemplo, o tipo numérico de 15 posições com 2 decimais é definido no Schema leiuateDPEC_v1.00.xsd, caso ocorra alguma modificação na definição deste tipo, todos os Schemas que utilizam este tipo básico devem ter a sua versão atualizada e as declarações âimportâ ou âincludeâ devem ser atualizadas com o nome do Schema básico atualizado. Exemplo de Schema XML mensagem de envio de DPEC As modificações de leiaute das mensagens dos Web Services podem ser causadas por necessidades técnicas ou em razão da modificação de alguma legislação. As modificações decorrentes de alteração da legislação deverão ser implementadas nos prazos previstos no ato normativo que introduziu a alteração. As modificações de ordem técnica serão divulgadas pela Coordenação Técnica do ENCAT e poderão ocorrer sempre que se fizerem necessárias. 3.4 Versão dos Schemas
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 29 / 52 3.4.1 Liberação das versões dos Schemas para o WS do Sistema de Contingência Eletrônico Os schemas válidos para o WS do Sistema de Contingência Eletrônico serão disponibilizados no sítio nacional do Projeto (www.nfe.fazenda.gov.br), e serão liberados após autorização da Coordenação Técnica do Projeto. A cada nova liberação será disponibilizado um arquivo compactado contendo o conjunto de schemas a serem utilizados pelos emissores de NF-e para a geração dos arquivos XML. Este arquivo será denominado âPacote de Liberaçãoâ e terá a mesma numeração da versão do Manual que lhe é compatível. Os pacotes de liberação serão identificados pelas letras âPL_SCEâ, seguida do número da versão do Manual do Sistema de Contingência Eletrônica correspondente. Exemplificando: O pacote PL_SCE_1.00.zip representa o âPacote de Liberaçãoâ de schemas do WS do Sistema de Contingência Eletrônica compatíveis com o Manual de Sistema de Contingência Eletrônica â versão 1.00. Os schemas XML das mensagens XML do projeto são identificados pelo seu nome, seguido da versão do respectivo schema. Assim, para o schema XML de âEnvio de Declaração Prévia de Emissão em Contingênciaâ, corresponderá um arquivo com a extensão â.xsdâ, que terá o nome de âenvDPEC_v9.99.xsdâ, onde v9.99, corresponde à versão do respectivo schema. Para identificar quais os schemas que sofreram alteração em um determinado pacote liberado, deve- se comparar o número da versão do schema deste pacote com o do pacote anterior. Exemplificando: PACOTE PL_ SCE_ 1.00.ZIP PL_SCE_ 1.01.ZIP DATA LIBERAÃÃO 01/09/2008 01/10/2009 SCHEMAS envDPEC_v1.00.xsd envDPEC_v1.30.xsd retDPEC_v1.00.xsd retDPEC_v1.00.xsd leiauteDPEC_v1.00.xsd leiauteDPEC_v1.01.xsd 3.4.2 Pacote de Liberação Preliminar Após a divulgação de uma nova versão do Manual de Sistema de Contingência Eletrônica, será divulgado um pacote de liberação preliminar com vigência limitada até o início da fase de disponibilização do ambiente de homologação. Durante este período, os novos Schemas XML serão avaliados e testados para a identificação de eventuais falhas de implementação das alterações realizadas na nova versão do Manual de Sistema de Contingência Eletrônica. O PL preliminar será identificado com o acréscimo do literal âpreâ na identificação do pacote, como por exemplo: PL_SCE_1.00pre.zip. 3.4.3 Pacote de Liberação de Homologação e Pacote de Liberação definitivo Para o ambiente de homologação será divulgado um pacote de liberação de homologação identificado com o acréscimo da literal âhomâ na identificação do pacote, como por exemplo: PL_SCE_100hom.zip. A principal característica do pacote de liberação de homologação é seu uso estar restrito ao ambiente de homologação por aceitar somente mensagens XML com tpAmb=2-homologação.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 30 / 52 O pacote de liberação definitivo será divulgado na véspera da data de início da vigência do ambiente de produção. 3.4.4 Correção de Pacote de Liberação Em algumas situações pode surgir a necessidade de correção de um Schema XML por um erro de implementação de regra de validação, obrigatoriedade de campo, nome de tag divergente do definido no leiaute da mensagem, que não modifica a estrutura do Schema XML e nem exige a alteração dos aplicativos da SEFAZ. Nesta situação, divulgaremos um novo pacote de liberação com o Schema XML corrigido, sem modificar o número da versão do PL para manter a compatibilidade com o Manual de Sistema de Contingência Eletrônica vigente. A identificação dos pacotes mais recentes se dará com o acréscimo de letra minúscula do alfabeto, como por exemplo: PL_SCE_1.00a.ZIP, indicando que se trata da primeira versão corrigida do PL_SCE_1.00.ZIP 3.4.5 Divulgação de novos Pacotes de Liberação A divulgação de novos pacotes de liberação ou atualizações de pacote de liberação será realizada através da publicação de Notas Técnicas pela Coordenação do ENCAT com as informações necessárias para a implementação dos novos pacotes de liberação. 3.4.6 Controle de Versão O controle de versão de cada um dos schemas válidos para o WS do Sistema de Contingência Eletrônica compreende uma definição nacional sobre: ⢠qual a versão vigente (versão mais atualizada); ⢠quais são as versões anteriores ainda suportadas. Este controle de versões permite a adaptação dos sistemas de informática dos emissores em diferentes datas. Ou seja, alguns emissores poderão estar com uma versão de leiaute mais atualizada, enquanto outros poderão ainda estar operando com mensagens em um leiaute anterior. Mensagens recebidas com uma versão de leiaute não suportada serão rejeitadas com uma mensagem de erro específica na versão do leiaute de resposta mais recente em uso.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 31 / 52 4. Web Services Os Web Services disponibilizam os serviços que serão utilizados pelos aplicativos dos emissores de NF-e que desejam emitir a NF-e em contingência pelo Sistema de Contingência Eletrônica. O mecanismo de utilização dos Web Services segue as seguintes premissas: a) Será disponibilizado um Web Service por serviço, existindo um método para cada tipo de serviço; b) O envio da solicitação e a obtenção do retorno serão realizados na mesma conexão através de um único método. c) As URL dos Web Services serão publicadas no portal do Ambiente Nacional. Acessando a URL pode ser obtido o WSDL (Web Services Description Language) de cada Web Service. d) O processo de utilização dos Web Services sempre é iniciado pelo emissor da NF-e enviando uma mensagem nos padrões XML e SOAP, através do protocolo SSL com autenticação mútua. e) A ocorrência de qualquer erro na validação dos dados recebidos interrompe o processo com a disponibilização de uma mensagem contendo o código e a descrição do erro.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 32 / 52 4.1 Serviço de Recepção de DPEC O Serviço de Recepção de DPEC é o serviço oferecido pelo WS do Sistema de Contingência Eletrônica para atualização do repositório de Declaração Prévia de Emissão em Contingência - DPEC emitidos por emissores de NF-e que emitam NF-e pelo Sistema de Contingência Eletrônica. 4.1.1 Web Service â SCERecepcaoRFB Função: serviço destinado à recepção de mensagens de envio de DPEC. Processo: síncrono. Método: sceRecepcaoDPEC 4.1.2 Leiaute Mensagem de Entrada Entrada: Estrutura XML com a Declaração Prévia Emissão em Contingência - DPEC Schema XML: envDPEC_v9.99.xsd # Campo Ele Pai Tipo Ocor. Tam. Dec. Descrição/Observação AP01 envDPEC Raiz - - - - TAG raiz AP02 versao A AP01 N 1-1 1-4 2 Versão do leiaute AP03 infDPEC G AP01 1-1 Tag de grupo com Informações da Declaração Prévia de Emissão em Contingência AP04 Id E AP03 C 1-1 14 Grupo de Identificação da TAG a ser assinada. Informar com a literal âDPECâ + CNPJ do emissor. AP05 ideDec G AP03 1-1 - Grupo de Identificação do Declarante, deve ser informado com os dados do emissor das NF-e emitidas em contingência eletrônica AP06 cUF E AP05 N 1-1 2 Código da UF do emitente do Documento Fiscal. Utilizar a Tabela do IBGE. AP07 tpAmb E AP05 N 1-1 1 Identificação do Ambiente: 1 - Produção 2 - Homologação AP08 verProc E AP05 C 1-1 1-20 versão do aplicativo utilizado no processo de emissão da DPEC AP09 CNPJ E AP05 N 1-1 14 Número do CNPJ do emitente, vedada a formatação do campo. Recepção Sistema de Contingência Eletrônica Ret Emissor NF-e Cliente Receita Federal do Brasil Aplicação SCE Recepção Envio de Declaração Prévia de Emissão em Contingência Retorno sceRecepcaoDPEC Web Service : SCERecepcaoRFB Proc.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 33 / 52 # Campo Ele Pai Tipo Ocor. Tam. Dec. Descrição/Observação AP10 IE E AP05 N 1-1 2-14 Número da Inscrição Estadual do emitente, vedada a formatação do campo AP11 resNFe G AP03 1-50 Resumo das NF-e emitidas no Sistema de Contingência Eletrônica (até 50 NF-e com tpEmiss = "4") AP12 chNFe E AP11 N 1-1 44 Chave de Acesso da NF-e emitida em contingência eletrônica AP13 CNPJ CE AP11 N 1-1 14 Informar o CNPJ ou o CPF do destinatário da NF-e, em caso de destinatário ou remetente estabelecido no exterior deverá ser informado a tag CNPJ sem conteúdo. AP14 CPF CE AP11 N 1-1 11 AP15 UF E AP11 C 1-1 2 Sigla da UF de destino da mercadoria AP16 vNF E AP11 N 1-1 15 2 Valor total da NF-e AP17 vICMS E AP11 N 1-1 15 2 Valor Total do ICMS da operação própria AP18 vST E AP11 N 1-1 15 2 Valor Total do ICMS retido por Substituição Tributária AP19 Signature G AP01 G 1-1 Assinatura Digital do documento XML, a assinatura deverá ser aplicada no elemento infDPEC. Diagrama simplificado do Schema XML: envDPEC_v9.99.xsd
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 34 / 52 4.1.3 Leiaute Mensagem de Retorno Retorno: Estrutura XML com a mensagem do resultado da transmissão. Schema XML: retDPEC_v9.99.xsd # Campo Ele Pai Tipo Ocor. Tam. Dec. Descrição/Observação AR01 retDPEC Raiz - - - - TAG raiz do Resultado da Transmissão AR02 versao A AR01 N 1-1 1-4 2 Versão do leiaute AR03 infDPECReg G AR01 1-1 Grupo de informações do resultado da transmissão da DPEC AR04 Id E AR03 C 1-1 14 Grupo de Identificação da TAG a ser assinada. Informar com a literal âRETDPECâ + CNPJ do emissor. AR05 tpAmb E AR03 N 1-1 1 Identificação do Ambiente: 1 â Produção / 2 - Homologação AR06 verAplic E AR03 C 1-1 1-20 Versão da aplicação do AN. AR07 cStat E AR03 N 1-1 3 Código do status da resposta (vide item 5.1.1) AR08 xMotivo E AR03 C 1-1 1-255 Descrição literal do status da resposta As tags AR09, AR10 e AR11 só existirão se a DPEC for processada com sucesso AR09 dhRegDPEC E AR03 D 1-1 - Data e Hora de registro da DPEC AR10 nRegDPEC E AR03 N 1-1 15 Número de registro da DPEC AR11 envDPEC G AR03 xml 1-1 Mensagem de Declaração Prévia de Emissão em Contingência transmitida A tag chNFe só existirá no caso de DPEC inconsistente por falha na validação da chave de acesso da NF-e AR12 chNFe E AR03 N 1-1 44 Chave de Acesso da 1ª NF-e que provocou o erro de validação AR13 Signature G AR01 G 1-1 Assinatura Digital do documento XML, a assinatura deverá ser aplicada no elemento infDPECReg.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 35 / 52 Diagrama Simplificado do retorno
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 36 / 52 4.1.4 Descrição do Processo de Geração da Declaração Prévia de Emissão em Contingência - DPEC Ao optar por adotar o uso do Sistema de Contingência Eletrônica, o emissor de NF-e deve executar os seguintes procedimentos: a) Geração da DPEC ⢠alterar o tp_Emis das NF-e que deseja emitir em Sistema de Contingência Eletrônica para â4â; ⢠regerar as notas fiscais e os lotes de NF-e; ⢠gerar o arquivo XML de Declaração Prévia de Emissão em Contingência â DPEC, com as seguintes informações das NF-e que compõe um lote de NF-e: o chave de acesso; o CNPJ ou CPF do destinatário; o UF de localização do destinatário; o Valor Total da NF-e; o Valor Total do ICMS; o Valor Total do ICMS ST; o o arquivo gerado deve ser complementado com outras informações de controle como o CNPJ, a IE e a UF de localização do contribuinte e assinado digitalmente com o certificado digital do emissor dos documentos contidos no arquivo; A adoção do mesmo critério de formação de lotes para formar a Declaração Prévia de Emissão em Contingência é recomendada para facilitar a posterior transmissão da NF-e. O contribuinte deve manter um rígido controle de transmissão das NF-e emitidas no Sistema de Contingência Eletrônica, para evitar que venha a ser penalizado pela não transmissão das NF-e emitidas em contingência. b) Informações de controle A informação da versão do leiaute dos dados será informada no elemento sceCabecMsg do SOAP Header (para maiores detalhes vide item 3.4). c) envio das informações A mensagem do lote será transmitida através do Web Service do Sistema de Contingência Eletrônica. URL de Envio de DPEC do ambiente de homologação: https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCERecepcaoRFB/SCERecepcaoRFB.asmx URL de Envio de DPEC do ambiente de produção: https://www.nfe.fazenda.gov.br/SCERecepcaoRFB/SCERecepcaoRFB.asmx 4.1.5 Descrição do Processo de Recepção da Declaração Prévia de Emissão em Contingência O WS do Sistema de Contingência Eletrônica é acionado pelo emissor ou pela aplicação Web da Receita Federal (opção de envio da DPEC via formulário WEB) que devem enviar uma Declaração Prévia de Emissão em Contingência que atenda os padrões estabelecidos neste manual.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 37 / 52 4.1.6 Validação do Certificado de Transmissão Validação do Certificado Digital do Transmissor (protocolo SSL # Regra de Validação Crítica Msg Efeito A01 Certificado de Transmissor Inválido: - Certificado de Transmissor inexistente na mensagem - Versão difere "3" - Se informado o Basic Constraint deve ser true (não pode ser Certificado de AC) - KeyUsage não define "Autenticação Cliente" Obrig. 280 Rej. A02 Validade do Certificado (data início e data fim) Obrig. 281 Rej. A03 Verifica a Cadeia de Certificação: - Certificado da AC emissora não cadastrado na SEFAZ - Certificado de AC revogado - Certificado não assinado pela AC emissora do Certificado Obrig. 283 Rej. A04 LCR do Certificado de Transmissor - Falta o endereço da LCR (CRL DistributionPoint) - LCR indisponível - LCR inválida Obrig. 286 Rej. A05 Certificado do Transmissor revogado Obrig. 284 Rej. A06 Certificado Raiz difere da "ICP-Brasil" Obrig. 285 Rej. A07 Falta a extensão de CNPJ no Certificado (OtherName - OID=2.16.76.1.3.3) Obrig. 282 Rej. As validações de A01, A02, A03, A04 e A05 são realizadas pelo protocolo SSL e não precisam ser implementadas. A validação A06 também pode ser realizada pelo protocolo SSL, mas pode falhar se existirem outros certificados digitais de Autoridade Certificadora Raiz que não sejam âICP-Brasilâ no repositório de certificados digitais do servidor de Web Service do Ambiente Nacional. 4.1.7 Validação Inicial da Mensagem no Web Service Validação Inicial da Mensagem no Web Service # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito B01 Tamanho do XML de Dados superior a 50 KB Obrig. 214 Rej. B02 XML de Dados Mal Formado Obrig. 243 Rej. B03 Verifica se o Servidor de Processamento está Paralisado Momentaneamente Obrig. 108 Rej. B04 Verifica se o Servidor de Processamento está Paralisado sem Previsão Obrig. 109 Rej. A mensagem será descartada se o tamanho exceder o limite previsto (50 KB). A aplicação do Emissor não poderá permitir a geração de mensagem com tamanho superior a 50 KB. Caso isto ocorra, a conexão poderá ser interrompida sem retorno da mensagem de erro se o controle do tamanho da mensagem for implementado por configurações do ambiente de rede do Sistema de Contingência Eletrônica (ex.: controle no firewall). No caso do controle de tamanho ser implementado por aplicativo teremos a devolução da mensagem de erro 214. Caso o Web Service fique disponível, mesmo quando o serviço estiver paralisado, deverão implementar as verificações 108 e 109. Estas validações poderão ser dispensadas se o Web Service não ficar disponível quando o serviço estiver paralisado. 4.1.8 Validação das informações de controle da chamada ao Web Service Validação das informações de controle da chamada ao Web Service
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 38 / 52 # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito C01 Elemento sceCabecMsg inexistente no SOAP Header Obrig. 409 Rej. C02 Campo versaoDados inexistente no elemento nfeCabecMsg do SOAP Header Obrig. 412 Rej. C03 Versão dos Dados informada é superior à versão vigente Facult. 238 Rej. C04 Versão dos Dados não suportada Obrig. 239 Rej. A informação da versão do leiaute da DPEC é informada no elemento sceCabecMsg do SOAP Header (para maiores detalhes vide item 3.4). A aplicação deverá validar o campo de versão da mensagem (versaoDados), rejeitando a solicitação recebida em caso de informações inexistentes ou inválidas. 4.1.9 Validação da área de Dados a) Validação de forma da área de dados A validação de forma da área de dados da mensagem é realizada com a aplicação da seguinte regra: Validação da área de dados da mensagem # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito D01 Verifica Schema XML da Ãrea de Dados Obrig. 215 Rej. D02 Verifica o uso de prefixo no namespace Obrig. 404 Rej. D03 XML utiliza codificação diferente de UTF-8 Obrig. 402 Rej. Como a validação do Schema XML é realizada em toda mensagem de entrada, a existência de um erro em um dos Resumos de NF-e implica na rejeição de toda a DPEC. b) Validação do Certificado Digital de Assinatura A seguir será validada a assinatura digital da DPEC: Validação do Certificado Digital utilizado na Assinatura Digital da DPEC # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito E01 Certificado de Assinatura inválido: - Certificado de Assinatura inexistente na mensagem (*validado também pelo Schema) - Versão difere "3" - Se informado o Basic Constraint deve ser true (não pode ser Certificado de AC) - KeyUsage não define "Assinatura Digital" e âNão Recusaâ Obrig. 290 Rej. E02 Validade do Certificado (data início e data fim) Obrig. 291 Rej. E03 Falta a extensão de CNPJ no Certificado (OtherName - OID=2.16.76.1.3.3) Obrig. 292 Rej. E04 Verifica Cadeia de Certificação: - Certificado da AC emissora não cadastrado na SEFAZ - Certificado de AC revogado - Certificado não assinado pela AC emissora do Certificado Obrig. 293 Rej. E05 LCR do Certificado de Assinatura: - Falta o endereço da LCR (CRLDistributionPoint) - Erro no acesso a LCR ou LCR inexistente Obrig. 296 Rej.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 39 / 52 E06 Certificado de Assinatura revogado Obrig. 294 Rej. E07 Certificado Raiz difere da âICP-Brasilâ Obrig. 295 Rej. c) Validação da Assinatura Digital Validação da Assinatura Digital da DPEC # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito F01 Assinatura difere do padrão do Projeto: - Não assinado o atributo "ID" (falta "Reference URI" na assinatura) (*validado também pelo Schema) - Faltam os "Transform Algorithm" previstos na assinatura ("C14N" e "Enveloped") Estas validações são implementadas pelo Schema XML da Signature Obrig. 298 Rej. F02 Valor da assinatura (SignatureValue) difere do valor calculado Obrig. 297 Rej. F03 CNPJ-Base do Emitente difere do CNPJ-Base do Certificado Digital Obrig. 213 Rej. F04 CNPJ do Certificado Digital difere do CNPJ da Matriz e do CNPJ do Emitente Facult. 244 Rej. d) Validação de regras de negócios da DPEC Validação da DPEC â Regras de Negócios # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito G01 Tipo do ambiente da DPEC difere do ambiente do Web Service Obrig. 252 Rej. G02 CNPJ do emitente informado inválido (DV ou zeros) Obrig. 207 Rej. G03 IE do emitente informado inválido (DV ou zeros) Obrig. 209 Rej. G04 Emitente não credenciado como emissor da NF-e na UF informada Obrig. 203 Rej. G05 IE do emitente não vinculado ao CNPJ Obrig. 231 Rej. G06 Emissor em situação irregular perante o fisco Obrig. 479 Rej. G07 CNPJ da Chave de acesso da NF-e informada diverge do CNPJ do emitente Obrig. 480 Rej. G08 UF da Chave de acesso diverge do código da UF informada Obrig. 481 Rej. G09 AA da Chave de acesso inválida (valores válidos: ano atual ou ano atual â 1, se mês atual = 01) Obrig. 482 Rej. G10 MM da chave de acesso inválido (valores válidos: mês atual ou mês atual -1, se dia atual = 01) Obrig. 483 Rej. G11 DV da Chave de acesso inválida Obrig. 484 Rej. G12 CNPJ do destinatário inválido Obrig. 208 Rej. G13 Chave de acesso já existe no cadastro de DPEC Obrig. 485 Rej. A existência de um erro na chave de acesso da NF-e de qualquer um dos Resumos de NF-e, interrompe a validação dos Resumos de NF-e, resultando na rejeição de todos os Resumos de NF-e existentes na DPEC. 4.1.10 Final do Processamento do Lote A validação da DPEC poderá resultar em: ⢠Rejeição â a DPEC será descartado, com retorno do código do status do motivo da rejeição - o motivo da rejeição poderá ser de forma (validações dos blocos A, B, C, D, E, F e G01 a G06) ou violação das regras de negócios dos resumos da NF-e (validações G07 a G13);
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 40 / 52 ⢠Recebido pelo Sistema de Contingência Eletrônica â a DEPC será armazenado na repositório do Sistema de Contingência Eletrônica (cStat=124); O Sistema de Contingência Eletrônica deve atribuir um número de Registro d DPEC (nRegDPEC) para todos os DPEC recepcionados, independentemente da forma de recepção (WS do Sistema de Contingência Eletrônica ou Página WEB de upload da DPEC). A regra de formação do número de Registro de DPEC é: 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 Tipo de Autorizador ano seqüencial de 12 posições ⢠1 posição com o Tipo de Autorizador (9-Sistema de Contingência Eletrônica); ⢠2 posições para ano; ⢠12 posições para o seqüencial no ano. Importante ressaltar que o serviço de consulta das DPECs poderá ser feito pelo número de Registro da DPEC ou pela chave de acesso das NF-e vinculadas à DPEC. A mensagem de retorno do processamento será sempre assinada digitalmente pelo Sistema de Contingência Eletrônico e nos casos de DPEC ser aceita pelo Sistema de Contingência Eletrônica, a mensagem de envio da DPEC fará parte da mensagem de retorno da DPEC recebida. Diagrama Simplificado do retorno em caso de Falha na validação do Schema XML, Assinatura Digital, etc. (validações dos blocos A, B, C, D, E, F e G01 a G06)
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 41 / 52 Diagrama simplificado de retorno na Falha na validação das regras de negócios relacionadas com o resumo da NF-e contidas na DPEC (regras G07 a G13)
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 42 / 52 Diagrama simplificado do retorno da DPEC processada com sucesso
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 43 / 52 4.2 Serviço de Consulta de DPEC O Serviço de Consulta de DPEC é o serviço oferecido pelo Sistema de Contingência Eletrônica que permite a consulta das DPEC existentes no Sistema de Contingência Eletrônica. A DPEC poderá ser consultada pelo um número de Registro de DPEC (nRegDPEC) ou pela chave de Acesso da NF-e. 4.2.1 Web Service â SCEConsultaRFB Função: serviço destinado à consulta de DPEC. Processo: síncrono. 4.2.2 Leiaute Mensagem de Entrada Entrada: Estrutura XML com o pedido de consulta de DPEC Schema XML: distNFe_v9.99.xsd # Campo Ele Pai Tipo Ocor. Tam. Dec. Descrição/Observação BP01 consDPEC Raiz - - - - TAG raiz BP02 versao A BP01 N 1-1 1-4 2 Versão do leiaute BP03 tpAmb E BP01 N 1-1 1 Identificação do Ambiente: 1 - Produção 2 â Homologação BP04 verAplic E BP01 C 1-1 1-20 Versão do Aplicativo que solicitou a consulta BP05 chNFe CE BP01 N 1-1 44 Chave de Acesso da NF-e BP06 nRegDPEC CE BP01 N 1-1 15 Número de registro da DPEC Consulta do Sistema de Contingência Eletrônica Ret Emissor NF-e Cliente Receita Federal do Aplicação SCE Consulta Solicitação de Consulta de DPEC Retorno (DPEC) sceConsultaDPEC Web Service : SCEConsultaRFB Proc.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 44 / 52 Diagrama simplificado do Schema XML: consNFe_v9.99.xsd 4.2.3 Leiaute Mensagem de Retorno Retorno: Estrutura XML de retorno, pode conter uma DPEC localizada. Schema XML: retConsDPEC_v9.99.xsd # Campo Ele Pai Tipo Ocor. Tam. Dec. Descrição/Observação BR01 retDistNFe Raiz - - - - TAG raiz da Resposta BR02 versao A BR01 N 1-1 1-4 2 Versão do leiaute BR03 tpAmb E BR01 N 1-1 1 Identificação do Ambiente: 1 â Produção / 2 - Homologação BR04 verAplic E BR01 C 1-1 1-20 Versão do Aplicativo do SCE. BR05 cStat E BR01 N 1-1 3 Código do status da resposta BR06 xMotivo E BR01 C 1-1 1-255 Descrição literal do status da resposta BR07 DPEC G BR01 Xml 0-1 DPEC localizado tem a mesma estrutura do retDPEC
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 45 / 52 Diagrama simplificado do Schema XML: retConsDPEC_v9.99.xsd
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 46 / 52 4.2.4 Descrição do Processo de Consulta de DPEC Este serviço pode ser consumido por qualquer UF que desejar acessar as DPEC existentes no Sistema de Contingência Eletrônico e pelo emissor de NF-e que gerou a DPEC. a) Geração do pedido de Consulta A aplicação cliente do WS deve gerar uma mensagem informando o número de registro da DPEC ou a chave de acesso da NF-e. b) Informações de controle A versão do leiaute dos dados será informada no elemento nfeCabecMsg do SOAP Header (para maiores detalhes vide item 3.4). c) Envio das informações O pedido de consulta será transmitido através de requisição SOAP, com autenticação mútua, sendo necessário que o CNPJ utilizado na transmissão pela SEFAZ interessada esteja previamente cadastrada no Sistema de Contingência Eletrônica caso o CNPJ seja divergente do emissor da DPEC. URL de Consulta de DPEC do ambiente de homologação: https://hom.nfe.fazenda.gov.br/SCEConsultaRFB/SCEConsultaRFB.asmx URL de Consulta de DPEC do ambiente de produção: https://www.nfe.fazenda.gov.br/SCEConsultaRFB/SCEConsultaRFB.asmx 4.2.5 Descrição do Processo de Consulta DPEC O WS do Ambiente Nacional é acionado pelo interessado na consulta que deve enviar uma consulta DPEC por Número de Registro da DPEC ou chave de acesso da NF-e que atenda os padrões estabelecidos neste manual. 4.2.6 Validação do Certificado de Transmissão Validação do Certificado Digital do Transmissor (protocolo SSL) # Regra de Validação Crítica Msg Efeito A01 Certificado de Transmissor Inválido: - Certificado de Transmissor inexistente na mensagem - Versão difere "3" - Se informado o Basic Constraint deve ser true (não pode ser Certificado de AC) - KeyUsage não define "Autenticação Cliente" Obrig. 280 Rej. A02 Validade do Certificado (data início e data fim) Obrig. 281 Rej. A03 Verifica a Cadeia de Certificação: - Certificado da AC emissora não cadastrado na SEFAZ - Certificado de AC revogado - Certificado não assinado pela AC emissora do Certificado Obrig. 283 Rej. A04 LCR do Certificado de Transmissor - Falta o endereço da LCR (CRL DistributionPoint) - LCR indisponível - LCR inválida Obrig. 286 Rej.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 47 / 52 A05 Certificado do Transmissor revogado Obrig. 284 Rej. A06 Certificado Raiz difere da "ICP-Brasil" Obrig. 285 Rej. A07 Falta a extensão de CNPJ no Certificado (OtherName - OID=2.16.76.1.3.3) Obrig. 282 Rej. As validações de A01, A02, A03, A04 e A05 são realizadas pelo protocolo SSL e não precisam ser implementadas. A validação A06 também pode ser realizada pelo protocolo SSL, mas pode falhar se existirem outros certificados digitais de Autoridade Certificadora Raiz que não sejam âICP-Brasilâ no repositório de certificados digitais do servidor de Web Service do Ambiente Nacional. 4.2.7 Validação Inicial da Mensagem no Web Service Validação Inicial da Mensagem no Web Service # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito B01 Tamanho do XML de Dados superior a 10 KB Obrig. 214 Rej. B02 XML de Dados Mal Formado Obrig. 243 Rej. B03 Verifica se o Servidor de Processamento está Paralisado Momentaneamente Obrig. 108 Rej. B04 Verifica se o Servidor de Processamento está Paralisado sem Previsão Obrig. 109 Rej. A mensagem será descartada se o tamanho exceder o limite previsto (10 KB). A aplicação da Secretaria de Fazenda não poderá permitir a geração de mensagem com tamanho superior a 10 KB. Caso isto ocorra, a conexão poderá ser interrompida sem retorno da mensagem de erro se o controle do tamanho da mensagem for implementado por configurações do ambiente de rede do Ambiente Nacional (ex.: controle no firewall). No caso do controle de tamanho ser implementado por aplicativo teremos a devolução da mensagem de erro 214. Caso o Web Service fique disponível, mesmo quando o serviço estiver paralisado, deverão implementar as verificações 108 e 109. Estas validações poderão ser dispensadas se o Web Service não ficar disponível quando o serviço estiver paralisado. 4.2.8 Validação das informações de controle da chamada ao Web Service Validação das informações de controle da chamada ao Web Service Validação das informações de controle da chamada ao Web Service # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito C01 Elemento nfeCabecMsg inexistente no SOAP Header Obrig. 409 Rej. C02 Campo versaoDados inexistente no elemento nfeCabecMsg do SOAP Header Obrig. 412 Rej. C03 Versão dos Dados informada é superior à versão vigente Facult. 238 Rej. C04 Versão dos Dados não suportada Obrig. 239 Rej. A informação da versão do leiaute do lote será informada no elemento sceCabecMsg do SOAP Header (para maiores detalhes vide item 3.4). 4.2.9 Validação da área de Dados a) Validação de forma da área de dados A validação de forma da área de dados da mensagem é realizada pelo WS do Ambiente Nacional com a aplicação da seguinte regra:
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 48 / 52 Validação da área de dados da mensagem Validação da área de dados da mensagem # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito D01 Verifica Schema XML da Ãrea de Dados Obrig. 215 Rej. D02 Verifica o uso de prefixo no namespace Obrig. 404 Rej. D03 XML utiliza codificação diferente de UTF-8 Obrig. 402 Rej. b) Validação de regras de negócios da Consulta DPEC Validação da Consulta DPEC â Regras de Negócios # Regra de Validação Aplic. Msg Efeito H01 Tipo do ambiente do SCE difere do ambiente do Web Service Obrig. 252 Rej. H02 Validar DV da Chave de Acesso da DPEC Obrig 484 Rej. H03 se informado o número do registro da DPEC como argumento de pesquisa - Consultar DPEC por número do registro da DPEC Obrig 486 Rej. H04 se informada chave de acesso da NF-e como argumento de pesquisa â Consultar DPEC por chave de acesso da NF-e Obrig 487 Rej. H05 se solicitante da consulta não for órgão conveniado (vide Anexo I - Tabela de órgãos conveniados), validar se o CNPJ do requisitante da consulta é o emissor da DPEC Obrig 488 Rej. 4.2.10 Processamento da consulta A aplicação deve localizar a DPEC pela chave de acesso da NF-e ou pelo número de registro da DPEC. Após a localização da DPEC, verificar se o CNPJ do solicitante tem o mesmo CNPJ do emissor da DPEC, em caso negativo, verificar se o CNPJ pertence a um órgão conveniado (vide Anexo I - Tabela de órgãos conveniados). A resposta do WS do Ambiente Nacional pode ser: ⢠rejeição - com a devolução da mensagem com o motivo da falha informado no cStat. ⢠DPEC não localizado â não existe DPEC para o número de registro de DPEC informado â cStat = 126 ou não existe DPEC para a chave de acesso da NF-e informada â cStat = 127. ⢠DPEC localizado â com a devolução da DPEC encontrado â cStat = 125;
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 49 / 52 5. Web Services â Informações Adicionais 5.1 Regras de validação As regras de validação aplicadas nos Web Services estão agrupadas da seguinte forma: Grupo Aplicação A Validação do Certificado Digital utilizada no protocolo SSL geral B Validação da Mensagem geral C Validação das informações de controle da chamada ao Web Service geral D Validação da área de dados da Mensagem XML geral E Validação do Certificado Digital utilizada na Assinatura Digital geral F Validação da Assinatura Digital geral G Validação do Lote de DF-e específica H Validação do Pedido de Distribuição de DF-e específica As regras do grupo A, B, C, D, E e F são de aplicação geral e aplicadas em todos os Web Services existentes, as regras do grupo G, H são específicos de cada Web Service existente. 5.1.1 Tabela de códigos de erros e descrições de mensagens de erros CÃDIGO RESULTADO DO PROCESSAMENTO DA SOLICITAÃÃO 108 Serviço Paralisado Momentaneamente (curto prazo) 109 Serviço Paralisado sem Previsão 124 DPEC recebido pelo Sistema de Contingência Eletrônica 125 DPEC localizado 126 Inexiste DPEC para o número de registro de DPEC informado 127 Inexiste DPEC para a chave de acesso da NF-e informada CÃDIGO MOTIVOS DE NÃO ATENDIMENTO DA SOLICITAÃÃO 203 Rejeição: Emissor não habilitado para emissão d NF-e 207 Rejeição: CNPJ do emitente inválido 208 Rejeição: CNPJ do destinatário inválido 209 Rejeição: IE do emitente inválida 213 Rejeição: CNPJ-Base do Emitente difere do CNPJ-Base do Certificado Digital 214 Rejeição: Tamanho da mensagem excedeu o limite estabelecido 215 Rejeição: Falha no schema XML 238 Rejeição: Cabeçalho - Versão do arquivo XML superior a Versão vigente 239 Rejeição: Cabeçalho - Versão do arquivo XML não suportada 243 Rejeição: XML Mal Formado 244 Rejeição: CNPJ do Certificado Digital difere do CNPJ da Matriz e do CNPJ do Emitente 252 Rejeição: Ambiente informado diverge do Ambiente de recebimento 280 Rejeição: Certificado Transmissor inválido 281 Rejeição: Certificado Transmissor Data Validade 282 Rejeição: Certificado Transmissor sem CNPJ 283 Rejeição: Certificado Transmissor - erro Cadeia de Certificação 284 Rejeição: Certificado Transmissor revogado 285 Rejeição: Certificado Transmissor difere ICP-Brasil 286 Rejeição: Certificado Transmissor erro no acesso a LCR 290 Rejeição: Certificado Assinatura inválido 291 Rejeição: Certificado Assinatura Data Validade 292 Rejeição: Certificado Assinatura sem CNPJ 293 Rejeição: Certificado Assinatura - erro Cadeia de Certificação 294 Rejeição: Certificado Assinatura revogado 295 Rejeição: Certificado Assinatura difere ICP-Brasil 296 Rejeição: Certificado Assinatura erro no acesso a LCR
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 50 / 52 297 Rejeição: Assinatura difere do calculado 298 Rejeição: Assinatura difere do padrão do Projeto 402 Rejeição: XML da área de dados com codificação diferente de UTF-8 404 Rejeição: Uso de prefixo de namespace não permitido 409 Rejeição: Elemento nfeCabecMsg inexistente no SOAP Header 412 Rejeição: Campo versaoDados inexistente no elemento nfeCabecMsg do SOAP Header 479 Rejeição: Emissor em situação irregular perante o fisco 480 Rejeição: CNPJ da Chave de acesso da NF-e informada diverge do CNPJ do emitente 481 Rejeição: UF da Chave de acesso diverge do código da UF informada 482 Rejeição: AA da Chave de acesso inválida 483 Rejeição: MM da chave de acesso inválido 484 Rejeição: DV da Chave de acesso inválida 485 Rejeição: Chave de acesso já existe no cadastro de DPEC 486 Rejeição: DPEC não localizada para o número de registro de DPEC informado 487 Rejeição: Nenhuma DPEC localizada para a chave de acesso informada 488 Rejeição: Requisitante de Consulta não tem o mesmo CNPJ base do emissor da DPEC OBS.: 1. Recomendamos a não utilização de caracteres especiais ou acentuação nos textos das mensagens de erro. 2. Recomendamos que o campo xMotivo da mensagem de erro para o código 999 seja informado com a mensagem de erro do aplicativo ou do sistema que gerou a exceção não prevista.
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 51 / 52 6. Consumo dos Web Services através de páginas WEB O Sistema de Contingência Eletrônica â SCE deverá oferecer a possibilidade de consumir os Web Services através de páginas WEB para permitir que um emissor consiga transmitir ou consultar a DPEC em qualquer ambiente que ofereça acesso WEB. 6.1 Envio de DPEC via página WEB O envio de DPEC por página WEB será viabilizado com o oferecimento de uma página WEB que permitirá realizar o envio da DPEC elaborado nos padrões descritos neste manual. A aplicação deve permitir a indicação de um dispositivo para leitura do arquivo DPEC e realizar o envio deste arquivo para o Web Service de recepção de DPEC, mostrando a mensagem de resultado do processamento da DPEC. O resultado do processamento será apresentado na tela e haverá uma opção para gravar o resultado do processamento no padrão XML definido no projeto no dispositivo de gravação que o usuário indicar. Não será necessário realizar a autenticação do usuário, pois a autoria do documento será verificada pela assinatura digital da DPEC, sendo requerido apenas o uso de Código de Verificação (CAPCHA ) para restringir a consulta por robôs. URL da página web para envio de DPEC do ambiente de homologação: https://hom.nfe.fazenda.gov.br/PORTAL/DPEC/UploadDPEC.aspx URL da página web para envio de DPEC do ambiente de produção: https://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/DPEC/UploadDPEC.aspx
  • Nota Fiscal eletrônica Manual de Emissão de NF-e em Contingência Pág. 52 / 52 6.2 Consulta de DPEC por página WEB O controle de acesso à consulta de DPEC por página WEB será realizado através da exigência do certificado digital do usuário. A verificação da legitimidade da consulta será realizada através da comparação do CNPJ base do certificado digital utilizado com o CNPJ base do emissor da DPEC consultado. A consulta poderá ser realizada por número de registro da DPEC ou pela chave de acesso da NF-e. No caso de consulta por chave de acesso da NF-e, a aplicação WEB deverá verificar se o CNPJ base da chave de acesso da NF-e consultada e o CNPJ base do titular do certificado digital utilizado na autenticação do usuário são iguais. URL da página web para consulta de DPEC do ambiente de homologação: https://hom.nfe.fazenda.gov.br/PORTAL/DPEC/ConsultaDPEC.aspx URL da página web para consulta de DPEC do ambiente de produção: https://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/DPEC/ConsultaDPEC.aspx