matriz extracelular

Download MATRIZ EXTRACELULAR

Post on 04-Jul-2015

256 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

uma mistura complexa de material no vivo que rodeia as clulas. a substancia fundamental do tecido conjuntivo. Corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estveis, formados por molculas de diferentes naturezas que so produzidas, exportadas e complexadas pelas clulas, modulando a estrutura, fisiologia e biomecnica dos tecidos. o agrupamento de elementos intercelulares dos organismos multicelulares. uma associao de colgenos, glicoprotenas no-colagnicas e proteoglicanos que circundam as clulas do tecido conjuntivo.

especialmente abundante nos tecidos conjuntivos, apresenta papel fundamental tambm nos demais tecidos.

mas

Nos tecidos conjuntivos, as clulas se encontram dispersas em meio abundante matriz extracelular. Nos epitlios, as clulas podem estar aderidas sem matriz extracelular que as separe, j nos epitlios de revestimento existe uma delgada matriz extracelular, chamada lamina basal, interposta entre as clulas e o tecido conjuntivo sobre o qual se apiam.

Preencher os espaos no ocupados pelas clulas; Resistncia aos tecidos; Meio por onde chegam os nutrientes e sejam eliminados os dejetos celulares; Ancoragem para as clulas; Veculo de migrao das clulas; Meio para transporte de sinais intercelulares.

Protenas estruturais Colgeno Elastina Protenas especializadas Fibronectina Laminina Proteoglicanas e glicosaminoglicanas

As protenas colagnicas so os constituintes mais abundantes da MEC da maioria dos tecidos. Existem 24 tipos de colgenos, e cada um deles apresenta caractersticas prprias, tanto em natureza qumica como no padro de organizao estrutural. Alguns tipos de colgenos agregam-se formando fibrilas, fibras e feixes. O colgeno constitui cerca de 80 a 90% da massa de tendes. Ex.: Os tendes possuem alto contedo de colgeno, desta forma essas molculas possuem grande importncia em fornecer resistncia mecnica aos tecidos.

No s na fora mecnica dos tecidos o colgeno est envolvido, tb esto envolvidos de forma direta ou indireta na adeso e diferenciao celulares, quimiotaxia e outras funes importantes para o desenvolvimento e funcionamento do organismo. As molculas de colgeno so constitudas, em sua maioria, por 3 cadeias, arranjadas de tal forma que aproximadamente 95% da molcula correspondem a uma tripla hlice. As extremidades geralmente no esto em conformao helicoidal, favorecendo a ocorrncia de ligaes cruzadas. Cada cadeia contm repeties de uma seqncia caracterstica de aminocidos, formada por GLY-X-Y, onde X e Y podem ser qualquer aminocido, mas X , freqentemente, uma prolina e Y, uma hidroxiprolina.

Alguns tipos de colgeno so capazes de formar fibrilas espontneamente. Esse processo inicia-se medida que as molculas de procolgeno passam para o meio extracelular e sofrem a ao de peptidases, que removem os N- e Cpropetdeos. Esses propeptdeos impedem que as molculas de prcolgeno associem-se em agregados no interior da clula, permitindo a sua secreo controlada.

Encontra-se como fibras conjuntivas nos tendes, pele e cartilagens e fibrilas mais finas, as fibras de reticulina existentes nas membranas e nas paredes vasculares. Os seus principais aminocidos so a glicina, prolina, alanina e hidroxiprolina e em menor quantidade lisina e hidroxilisina. Tem pouca cistena.

Osteognese imperfecta (OI): ossos quebradios,pele fina, tendo fraco e perda de audio. Sndrome de Eherles-Danlos do tipo VII: mutaes no gene do colgeno tipo I. Condrodisplasias: alteraes que ocorrem nas cartilagens; mutaes levam a deformidades esquelticas. Doena distrfica da epidermlise bolhosa: formao de bolhas e feridas na pele aps pequena injria.

Condrodisplasia metafiseal de Schimidt: encurtamento dos membros e curvatura das pernas.

Tem propriedades anlogas s da borracha, podendo ser esticada vrias vezes o seu tamanho e depois voltar sua dimenso inicial. Encontra-se no tecido elstico dos pulmes e dos grandes vasos e nos ligamentos elsticos. Tem duas protenas, a elastina e a fibrilhina A elastina contm particularmente aminocidos pequenos e no polares nomeadamente glicina, alanina, valina e prolina.

Ancora as superfcies celulares lmina basal um trmero de subunidades diferentes com arranjo cruciforme Codificada pelo menos por trs genes Tem domnios de ligao especficos para o colgeno tipo IV, sulfato de heparana e um domnio de ligao celular Servem de ponte entre a clula e a matriz extracelular.

So glicanas contendo radicais urnicos e hexosamina. So polmeros lineares (no ramificados) de dissacardeo, um dos quais tem sempre um radical amino, sendo o outro um cido urnico: cido hialurnico, dermatansulfato, condroitinsulfato, heparansulfato. Apresentam radicais carboxila (do cido urnico) com exceo do cido hialurnico, tambm radicais sulfato. Molcula com carga (+), capacidade de atrair nuvem de ctions (principalmente Na+) que osmoticamente ativa, atraindo gua, o que explica a alta hidrofilia desses compostos e a formao de um gel na matriz extracelular. Admite-se que esse gel seja importante nos processos de desenvolvimento embrionrio, regenerao de tecido, cicatrizao e interao com o colgeno

Controlam as funes biolgicas dos proteoglicanos atravs de ligaes de estabilizao com os componentes da superfcie celular, fatores de crescimento e outros constituintes da MEC

Os agregados de proteoglicanos esto entre os principais componentes da MEC. Cada proteoglicano formado glicosaminoglicanos (GAGs). pela associao de

Possuem elevada densidade de cargas e, conseqentemente, uma significativa presso osmtica. Os vasos umbilicais, elementos cruciais nas trocas de fluidos materno-fetais, gases e nutrientes, so circundados por um tipo de tecido conjuntivo rico em proteoglicanos resistentes compresso.

A molcula de cido hialurnico o eixo de um agregado de proteoglicanos. Diferentes tipos de GAGs esto ligados a uma protena central para formar um proteoglicano. A protena central, por sua vez, est ligada a uma molcula de cido hialurnico por uma protena de ligao. Os proteoglicanos so designados de acordo com o GAG predominante. Ex: proteoglicano de condroitino-sulfato, de dermatan-sulfato, etc.

Fibronectina e laminina: servem de ponte entre a clula e a MEC. Fibronectina: importante no desenvolvimento embrionrio. Ex.: Durante a gastrulao de anfbios, orienta a migrao das clulas que vo gerar o mesoderma. Integrinas: So protenas transmembranas com uma extremidade externa que se prende a componentes da matriz e uma extremidade citoplasmtica que se liga, por intermdio da protena Talina poro do citoesqueleto constitudo de actina. Fibras elsticas: Abundantes na pele, artria e pulmes, proporcionam elasticidade a esses orgos.

Fim !

Recommended

View more >