Caros ouvintes: os 60 anos do rádio em Florianópolis

Download Caros ouvintes: os 60 anos do rádio em Florianópolis

Post on 01-Jan-2017

217 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>CAROS OUVINTES</p> <p>II Encontro Nacional da Rede Alfredo de Carvalho</p> <p>Florianpolis, de 15 a 17 de abril de 2004</p> <p>GT Histria da Mdia SonoraCoordenao: Prof. Ana Baum (UFF)</p> <p>CAROS OUVINTES : Os 60 anos do Rdio em FlorianpolisAntunes Severo</p> <p>RESUMO</p> <p>Este texto fala do tema do livro Caros Ouvintes Os 60 anos do Rdio em Florianpolis que est sendo escrito pelos radialistas Antunes Severo e Ricardo Medeiros.</p> <p>Palavras chave: Reportagem, histria, radiodifuso.</p> <p>INTRODUO</p> <p>O servio de radiodifuso em Florianpolis comea na fase urea da radiofonia brasileira. o tempo do rdio empresarial e dos grandes espetculos artsticos e musicais. tambm o rdio que ainda conserva a ingenuidade e o romantismo da dcada de 1920, com os programas literrios, os concertos, o teatro, as crnicas e as dedicatrias musicais. Enfim, a ternura que vem da alma de quem faz e de quem ouve o mais ntimo e envolvente meio de comunicao moderno. </p> <p>Mil novecentos e quarenta marca o incio da Era de Ouro da radiodifuso no Brasil, um misto de sonho artstico alimentado pelos interesses de dominao poltica de um governo ditatorial e sustentado pelas verbas publicitrias da primeira gerao de multinacionais que aqui chegaram, como Nestl, Palmolive, Sidney Ross e Esso, entre outras.</p> <p>O sonho de Roquette-Pinto do rdio-escola, educao e cultura - morre em 1932 com a liberao da propaganda comercial nas emissoras de rdio. Mas, o rdio mesmo servindo fundamentalmente a outros ideais, cresce em audincia e importncia porque se identifica com a realidade social e com os anseios e fantasias dos ouvintes.</p> <p>Este o tema do livro Caros Ouvintes Os 60 anos do Rdio em Florianpolis a ser lanado em dois volumes em setembro prximo. Trata-se de uma obra de valor histrico, bibliogrfico e afetivo, contando o cotidiano da cidade, ao som das msicas, notcias e programas, trazidos de volta, dcada por dcada, com as situaes, fatos e personagens que moldaram o imaginrio de vrias geraes.</p> <p>Caros Ouvintes Os 60 anos do Rdio em Florianpolis, a memria recuperada de um dos mais importantes meios de comunicao, fruto de pesquisa cuidadosa e cientificamente qualificada. Apresenta como pano de fundo o dia-a-dia de Florianpolis dos anos 40, a histria das emissoras, os relatos e detalhes da programao, as figuras de destaque, as lembranas de ouvintes e os fatos marcantes mediados pelo rdio.</p> <p>O livro enriquecido por trs CDs, trar a produo em udio de trechos de depoimentos de personalidades que fizeram a historia do rdio, e de programas noticiosos, esportivos, musicais, de variedades, novelas e auditrio, alm dos principais comerciais, em forma de spots e jingles da poca. Caros Ouvintes cobrir no primeiro volume os anos de 1940, 1950 e 1960. E no segundo, sem data de lanamento ainda prevista, relatar o que aconteceu no rdio em Florianpolis a partir de 1970 at 2003.</p> <p>UM POUCO DE HISTRIA</p> <p>Florianpolis, na primeira metade do sculo XX uma cidade marcada pelo isolamento. Glauco Carneiro se refere ao fato assinalando que Em 1900, o municpio aparecia com 32.220 habitantes e, em 1920, com 41.338. E em trinta anos, at 1950, o aumento registrado foi de apenas 10.000 habitantes, demonstrando como o municpio custou a crescer em populao, por razes decorrentes do isolamento da ilha e do litoral em relao ao interior do Estado.</p> <p>Na pesquisa realizada para Caros Ouvintes, depois de se referir ao dolce far niente em que vivia a cidade, Celestino Sachet registra que o sbado, 24 de fevereiro de 1940 pode ser marcado como o primeiro passo para a instalao de uma emissora de rdio na Capital. Nessa data o jornal A Gazeta publica matria anunciando a transmisso do jogo entre brasileiros e argentinos, em disputa da Copa Roca, no Parque Antrtica, em So Paulo. A promoo do prprio jornal e da firma Gerher e Cia, representante dos rdios Philips e se constitui na colocao de aparelhos receptores nos pontos centrais da cidade. </p> <p>Em setembro desse mesmo ano de 1940, nasce a possibilidade de ser instalada em Florianpolis, uma estao radiodifusora com o compromisso de ser uma das maiores e mais modernas do Brasil. A estao, segundo a notcia do jornal, ter as seguintes caractersticas tcnicas: raio mnimo de ao, 1.000 quilmetros; potncia de 2.000 watts na antena; com multiplicao de modulao AM para at oito mil watts e freqncia de trabalho em 1.420 quilociclos. </p> <p>A concesso pertence Radiodifuso Brasileira S.A e a montagem e instalao esto a cargo da Sociedade Tcnica Paulista Ltda, firma brasileira, especializada no assunto que j implantara na Capital os transmissores e rdio-faris da VASP e da Base de Aviao Naval.</p> <p>Para um entendimento com as autoridades civis e militares do Estado e escolha do local da instalao dos estdios e transmissores, estiveram na Capital, o diretor-presidente da Radiodifuso Brasileira, J. C. Matos Penteado e Itajibe Santiago, diretor da Sociedade Tcnica Paulista Ltda. O gerente escolhido da Rdio Difusora de Florianpolis Guilherme Stagnet. A inaugurao da primeira emissora de rdio da Capital ocorrer dentro de 120 dias. Mas a notcia da inaugurao morreu nas pginas no escritas da histria do rdio em Florianpolis, embora em 21 de maio de 1941, A Gazeta noticiasse que fora autorizado o funcionamento da nova emissora.</p> <p>Na prtica as coisas aconteceram em outro ritmo. A primeira emissora da Capital, a Rdio Guaruj foi ao ar clandestinamente no primeiro semestre de 1943. Com o fato consumado o seu idealizador, Ivo Serro Vieira, conseguiu sensibilizar o interventor Nereu Ramos a legalizar o funcionamento da emissora. Isso foi possvel porque a concesso j existente, mencionada na reportagem de A Gazeta, no havia sido instalada no prazo previsto que era de dois anos. Portanto, a Radiodifuso Brasileira S.A. havia perdido o direito de concesso. </p> <p>A VOZ DO POSTE</p> <p> A concesso de um canal de rdio AM em Florianpolis para o visionrio Ivo Serro Vieira cai, na verdade, como prmio ao seu desprendimento, ousadia e tenacidade. Esta histria contada em reportagem no site da Famecos da PUC de Porto Alegre que revive assim a senda trilhada.</p> <p>Em 1943, com destino incerto, Serro Vieira decide acompanhar os pais na mudana para Florianpolis. Chegando l, percebe que a cidade no possui uma emissora prpria de rdio. Faz sociedade com dois amigos de Porto Alegre. Arrecada o dinheiro necessrio para comprar equipamentos e com a ajuda de seu tio Rogrio Vieira, que era prefeito da capital catarinense, consegue, com facilidade, a licena para instalar alto-falantes nos postes da rua principal da cidade. Em 14 de maio de 1943, Serro Vieira inaugura o Servio de Alto-Falantes Guaruj Ltda, tambm conhecido como A Voz do Poste.</p> <p>O projeto obtm sucesso de imediato entre os moradores. Um barbeiro muito influente trata de divulgar a novidade entre seus ilustres clientes, sendo um deles o governador do Estado, Nereu Ramos. O comandante do Aero Clube de Santa Catarina e chefe da Casa Militar, capito Asteride, torna-se grande incentivador da Guaruj. </p> <p> A amizade com o capito Asteride resulta em uma audincia com o governador Nereu Ramos, que j ouvira do barbeiro comentrios sobre a Guaruj. Contudo, Serro Vieira no encontra o governador num bom dia. Nereu Ramos nem o cumprimenta e logo aps ouvir seus argumentos, afirma que s apoiaria uma estao de 50 Kw. E acrescenta: "Ademais, se eu tivesse sido ouvido, o Senhor no teria instalado essas bocas de jacar por a, atormentando quem passa na rua". </p> <p> Serro no desiste. Coloca "A Voz do Poste", clandestinamente, no ar. No dia da despedida da Fora Expedicionria Brasileira, pede a instalao de uma linha telefnica no palanque oficial e transmite de l, ao lado do governador, o acontecimento. No dia seguinte, Nereu Ramos o nomeia locutor oficial do Departamento Estadual de Imprensa e Propaganda, cargo que at aquele momento no havia sido criado. Agora, Serro Vieira funcionrio pblico, sem prestar concurso, como seus irmos haviam feito (Ney e Ruy eram funcionrios do Banco do Brasil). </p> <p> Quatro meses depois, em 1944, Serro chamado ao palcio pelo governador que lhe diz: "O senhor embarca para o Rio de Janeiro amanh. O doutor Getlio Vargas vai assinar um decreto considerando caduca uma concesso que o senhor Assis Chateaubriand tem para montar uma rdio em Florianpolis e nunca o fez, e uma semana depois ele vai assinar um decreto concedendo a Rdio Guaruj Ltda, um canal de radiodifuso com mil watts de potncia". Tudo aconteceu exatamente como ele dissera. </p> <p>Trs anos depois, Serro Vieira sente-se limitado profissionalmente em Florianpolis, vende sua parte para os outros scios e volta para Porto Alegre. </p> <p>Esse depoimento de Serro Vieira deve ser complementado com os dados do relatrio apresentado ao Conselho Fiscal da empresa pelo ento diretor Ivo Serro Vieira em 30 de abril de 1948. Segundo pesquisa do jornalista Luiz Henrique Tancredo para o livro Caros Ouvintes, o servio de alto-falantes Guaruj fundado (data da constituio da firma) em 15 de fevereiro de 1943 foi sucedido pela firma Sociedade Rdio Guaruj Limitada, para fins de servio de radiodifuso, em 24 de julho de 1945. Nessa transformao modifica-se a situao acionria da empresa permanecendo apenas Ivo Serro Vieira dos scios iniciais e incluindo-se os novos scios Ney Serro Vieira, Ruy Serro Vieira, Joo Machado da Rosa, Flvio Ferrari, Pedro Lopes Vieira, Oswaldo Goulart, Ruben Lyra, Walter Lange Jnior e Epaminondas dos Santos Jnior.</p> <p>DOMNIO POLTICO</p> <p> De empresa comercial, sem vinculaes poltico-partidrias a Rdio Guaruj, ainda operando sem licena formal, passa s mos do grupo poltico liderado por Aderbal Ramos da Silva que leva o empreendimento realizao do sonho de ter um canal funcionando legalmente em Florianpolis. Em 22 de janeiro de 1946 registrada na Junta Comercial nova alterao contratual (n 6.750), atravs da qual se oficializava a admisso de novos scios: Aderbal Ramos da Silva, Rogrio Vieira, Jos Durval de Souza e Silva, Fabrcio Maia Moreira e Altino Vieira. O capital foi elevado de Cr$ 9.000,00 para Cr$ 500.000,00.</p> <p> Com a mudana, Ivo Serro Vieira assume o cargo de diretor geral da rdio em primeiro de fevereiro de 1946. Durante vrios meses de 1946 Serro tambm responsvel pela direo artstica e pelo setor comercial, alm de cuidar dos trabalhos da direo tcnica. Em sntese, faz quase tudo. Com a chegada de Ney Serro, este assume a direo comercial atuando igualmente nas demais reas da emissora, notadamente na parte artstica e na redao e organizao de programas, colaborando ainda, nos servios de locuo.</p> <p> A nova direo comea fixando metas prioritrias para a empresa: a construo de um prdio para instalao dos transmissores e a compra do aparelhamento de transmisso. Faz convnio com a Prefeitura para instalar os transmissores na cabeceira insular da ponte Herclio Luz e parte para aquisio do equipamento. Aderbal Ramos da Silva financia as compras demonstrando ser o scio majoritrio. Instalados os novos transmissores, iniciam-se as irradiaes experimentais, at que se efetue a necessria vistoria do Departamento de Telgrafos, quando a emissora passa a irradiar em carter definitivo, operando em 1.420 kilociclos com o prefixo ZYJ-7. Surge o primeiro grande obstculo, no havia energia suficiente para a emissora operar conforme a licena. Resultado: a empresa teve que investir na aquisio de geradores prprios.</p> <p> Com a rea comercial dirigida por Ney Serro Vieira e o setor de publicidade chefiado por Joo Machado da Rosa, comeam a surgir desde logo contratos de propaganda vindos do comrcio local, do interior e de fora do Estado. </p> <p> A Rdio Guaruj permanece sem concorrncia local at quase o final do primeiro semestre de 1954. Nesse tempo a emissora se firma como meio de comunicao interativa, cria estilo, revela valores artsticos e profissionais nas reas da msica, do radioteatro, do radiojornalismo, dos esportes e nos divertimentos. Alguns dos seus astros e estrelas se destacam nacionalmente como Maria Alice Barreto e Mozart Regis, o Pituca. A emissora firma-se como porta-voz poltico da famlia Ramos, sendo hoje capitaneada pela empresria Slvia Hoepeck da Silva, filha de Aderbal Ramos da Silva e mantm-se como fiel escudeira das tradies da capital catarinense.</p> <p>CHEGA A CONCORRNCIA</p> <p> A tranqilidade buclica da poca, entretanto, chega ao seu final. A dcada de 1950 sacudida por acontecimentos profundos na vida do pas e isso se reflete na provncia. Getlio Vargas deposto em 1945, volta presidncia da repblica em 1951 e suicida-se em 1954. O vice Caf Filho abre ainda mais as portas do Brasil ao capital estrangeiro. Aderbal Ramos da Silva, sucessor de Nereu Ramos, perde o governo para o udenista Irineu Bornhausen que passa a governar em 1951, quebrando uma longa hegemonia da famlia Ramos na liderana do poder poltico no estado. </p> <p> Irineu no poder cuida logo de criar o seu arsenal de comunicao. Atravs de um grupo formado por parentes e correligionrios cria a empresa Dirio da Manh Limitada. Os scios fundadores so Herclia Luz, Paulo Konder Bornhausen, Eduardo Santos Lins, Acary Silva e Antnio Carlos Konder Reis. O objetivo da sociedade a aquisio e explorao comercial do jornal Dirio da Manh e Grfica Dirio da Manh, situados nesta cidade e ainda a instalao e explorao comercial de uma estao radiodifusora, a qual dever se denominar Rdio Difusora Dirio da Manh ou ter outra denominao dependendo da vontade dos fundadores da presente sociedade. O contrato est registrado na Junta Comercial do Estado de Santa Catarina com data de primeiro de agosto de 1952, conforme certido fornecida, em 25 de julho de 2003.</p> <p> A Rdio Dirio da Manh nasce como parte de uma estratgia poltica. Alm das suas obrigaes de empresa comercial, deve dar cobertura, apoio e incentivo aos projetos polticos das lideranas da UDN, a Unio Democrtica Nacional. Diferente da Rdio Guaruj que comea como um empreendimento meramente comercial e depois adquirida pelo grupo poltico do PSD, o Partido Social Democrtico.</p> <p> A emissora do grupo Konder Bornhausen, entretanto, s instalada no final de 1954.</p> <p> No ano de 1954, porm, corre por fora um outro projeto de emissora de rdio para a Capital. O mdico J.J. Barreto que goza de largo prestgio na cidade como uma das grandes figuras humanitrias locais, consegue sensibilizar um amigo deputado federal para que o ajude a conseguir a necessria licena. Com a confirmao da ajuda, Barreto conquista outros dois aliados: o radiotcnico Walter Lange Jnior e o radialista Hlio Kersten Silva. Walter, alm do conhecimento tcnico em eletrnica, vem com a experincia de haver construdo o primeiro transmissor da Rdio Guaruj e Hlio traz o conhecimento de vendas e programao adquiridos nos primeiros tempos da mesma Guaruj. </p> <p> Barreto foi simples e direto: Vamos instalar a rdio aqui no poro do meu consultrio. E tem mais, ns vamos entrar no ar antes da Dirio da Manh. Walter Lange passa a trabalhar direto na construo do pequeno transmissor e Hlio articula os recursos para ter uma programao pronta em tempo recorde. Segund...</p>