padroes de linguagem

Download Padroes De Linguagem

Post on 25-Jul-2015

5.800 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1.unknown
  • 2.unknown3.unknown
  • 4.unknown5.unknown
  • 6.unknown7.unknown
  • 8.unknown9.unknown10.unknown
  • 11.unknown12.unknown13.unknown
  • 14.unknown15.unknown
  • 16.unknown17.unknown
  • 18.unknown19.unknown20.unknown
  • 21.unknown22.unknown
  • 23.unknown24.unknown
  • 25.unknown26.unknown
  • 27.unknown28.unknown
  • 29.unknown30.unknown31.unknown32.unknown
  • 33.unknown34.unknown35.unknown36.unknown
  • 37.unknown38.unknown39.unknown40.unknown41.unknown
  • 42.unknown43.unknown44.unknown
  • 45.unknown46.unknown
  • 47.unknown48.unknown49.unknown50.unknown51.unknown

    Lngua Portuguesa

    Padres de Linguagem

    Conceitos Preliminares

    Linguagem - Capacidade que o ser humano tem de comunicar-se: expressar a si mesmo e a sua compreenso do mundo. A linguagem manifesta-se

    verbal ou no-verbalmente.

    Lngua -A linguagem verbalmente manifestada. Sistema cuja unidade a palavra. A palavra resultante da associao de sons articulados. A lngua

    coletiva, abstrata e atemporal.

    Fala - Realizao da lngua, conforme as limitaes e influncias a que est submetido o falante. A fala individual, concreta e limitada no tempo.

    Sistema - Conjunto das articulaes possveis da lngua, a partir da relao solidria entre os trs nveis de sua estrutura: o fonolgico (sons), o morfo-

    sinttico (relaes) e o semntico (significao). O sistema aberto e dinmico.

    Norma - Conjunto de prescries e regras que atende ao padro social. A norma contingncia social, concretiza-se na gramtica e abrange os trs

    nveis do sistema. Ela fechada e esttica.

    Padres de Linguagem

    O uso da lngua varia

    de acordo com o emissor, com o receptor

    e com o tipo de mensagem.

    Essas distines so os chamados

    padres (ou nveis) de linguagem.

    Padres de Linguagem

    Dialetos

    As condies do emissor

    geram

    as

    variaes dialetais.

    Padres de Linguagem

    Variaes Dialetais

    Falantes do Norte e do Sul

    produzem mensagens

    com caractersticas distintas

    nos aspectos fnico,

    lxico e at estrutural.

    - Tch, barbaridade!

    Padres de Linguagem

    Tipos de Dialetos

    H dialetos geogrficos,

    sociais,

    de faixas etrias

    e outros.

    - Diga a, disgraa!

    Padres de Linguagem

    Registros

    O contexto da comunicao

    (ambiente, situao e momento)

    impe ao emissor diferentes atitudes

    no uso da lngua.

    So as variaes de registro.

    Padres de Linguagem

    Variaes de Registros

    O mesmo emissor no usa

    os mesmos recursos da lngua

    para comunicar a mesma mensagem

    em situaes diversas.

    Padres de Linguagem

    Tipos de Registros

    Erudito,

    formal,

    semiformal,

    informal,

    coloquial.

    - Por favor, sirva-me solanceas

    frigidas na enxndia liquescida

    sob coco lenta.

    Em resumo...

    Padres de Linguagem:

    - Variaes Dialetais (dialetos ou falares):

    - geogrficas;

    - sociais;

    - de faixas etrias;

    - outras.

    Padres de Linguagem:

    - Registros (ou nveis):

    - erudito;

    - formal;

    - semiformal;

    - informal;

    - coloquial;

    - outros.

    Atividade 1

    Observe a notcia destacada neste jornal:

    Veja a mesma notcia em outro:

    X

    Compare a linguagem dos jornais...

    - Aponte a diferena na linguagem empregada.

    - Comente o padro empregado pelo O Globo.

    - A que pblico se destina o Meia Hora?

    Na escrita da lngua - simples representao - procura-se respeitar a Norma

    (a gramtica e sua tradicional noo de "erro").

    Na fala - a real manifestao da lngua - costuma-se seguir o Sistema

    (possibilidades e funcionalidades da lngua)

    No uso literrio, por necessidade de comunicao, quebra-se a Norma

    para melhor aproveitar as possibilidades de expresso do Sistema.

    Comentrios:

    D-me cigarro

    Diz a gramtica

    Do professor e do aluno

    E do mulato sabido

    Mas o bom negro e o bom branco

    Da nao Brasileira

    Dizem todos os dias

    Deixe disso camarada

    Me d um cigarro

    (Oswald de Andrade)

    Atividade 2

    1- Que ocorrncias do texto literrio

    contrariam a Norma Gramatical?

    2- Nesse caso especfico, pode-se

    afirmar que a lngua literria

    "apossou-se" da lngua coloquial?

    Observe o poema ao lado:

    Qual ser o verdadeiro critrio de CORREO lingstica?

    Uma construo correta quando...

    1- rigorosamente lgica?

    2- seu uso normal e adequado quela situao?

    3- baseada na determinao da gramtica?

    Atividade 3

    Portanto...

    - A lngua varia no uso em funo de fatores existenciais e circunstanciais.

    - As variaes dialetais manifestam-se em grupos de falantes.

    - Um falante pode manifestar-se utilizando diferentes registros.

    - Quando compatvel com seu grupo social e proporcional a sua competncia lingstica,

    o desempenho do falante no pode ser considerado "errado".

    - No h "erro" no texto literrio quando esse contraria a Norma,

    j que o objeto artstico visa a um modo de ser e estar original, criativo e expressivo.

    - O conceito de "erro" somente ser cabvel do ponto de vista da Norma,

    quando o usurio a transgride em antagonismo exigncia social.

    Bibliografia:

    Waldeck, Srgio e Souza, Luiz de. Roteiros de Comunicao e Expresso.

    Rio de Janeiro, Eldorado, 5 Ed., 1980.

    Sacconi, Luiz Antonio. Nossa Gramtica - Teoria e Prtica.

    So Paulo, Atual, 1982.

    Saussure, Ferdinnd. Curso de Lingstica Geral.

    Lisboa, Dom Quixote, 1973.

    Imagens:

    Alm das do acervo prprio, outras foram colhidas em:

    www.luislima.wordpress.com

    www.plenarinho.com.br

    www.pclui-virtual.mus.br

    www.rleite.files.wordpress.com

    Padres de Linguagem

    Prof. Raylson Niccio