padroes infraestrutura

Download Padroes infraestrutura

Post on 18-Dec-2014

2.331 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. PADRES PARA INFRA-ESTRUTURA E MOBILIRIO DE BIBLIOTECAS Samile Andra de Souza Vanz, CRB 10/1398 1RESUMOO trabalho destina -se a profissionais envolvidos em projetos de reforma ouconstruo de bibliotecas, reunindo recomendaes acerca de iluminao,acstica, insolao, ventilao, temperatura e umidade, bem como apresentasolues ao nvel de mobilirio e layout de bibliotecas.1 INTRODUO Seguindo uma linha tradicional ou moderna, a biblioteca pretendecativar e sensibilizar seu usurio, e tornar-se espao para leitura, pesquisa ecultura, rompendo com a velha imagem de templos de silncio e rabugice.Para isso, um certo nmero de acontecimentos necessrio, com o objetivode chamar a ateno daqueles que no tem necessidade de freqentar abiblioteca, mas o fazem em busca de uma leitura agradvel, o fazem porquesentem prazer em freqentar e preencher seu tempo livre no ambiente dabiblioteca. Para receber estes usurios preciso que a biblioteca oferea umacervo rico e bons servios, alm de dispor de um espao fsico adequado,com condies confortveis para leitura e pesquisa. O planejamento de uma biblioteca sempre inicia com a anlise doespao fsico disponvel. Quando o prdio projetado especialmente parauma biblioteca consegue-se prever e atender os requisitos mnimos. J osprdios reformados ou adaptados nem sempre atendem as condiesmnimas, mas, tendo-se algum conhecimento destas condies, possvelchegar muito perto do ideal. O objetivo deste trabalho estabelecer diretrizes e recomendaespara melhorar as condies de conforto, segurana, estabilidade,1 Bibliotecria formada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestre em Comunicao eInformao pelo PPGCOM-UFRGS. www.biccateca.com.br
  • 2. funcionalidade e salubridade das bibliotecas. No se pretende constituir umregulamento, mas transmitir algumas orientaes aos profissionais envolvidosem projetos e execuo de bibliotecas, enumerando itens que devem serpriorizados nos novos projetos ou nas reformulaes de bibliotecas jexistentes. Obras de qualidade no so necessariamente onerosas, luxuosas ebonitas, mas devem atender a necessidade dos usurios clientes de umabiblioteca. No se pode esquecer do usurio interno: funcionrios, auxiliares,tcnicos e bibliotecrios, pessoas que convivem dentro do espao dabiblioteca por pelo menos oito horas dirias, transitando por meio de estantese de documentos, atendendo usurios por meio do telefone ou e-mail,catalogando, restaurando e desenvolvendo outras atividades. Num segundo momento, o usurio externo da biblioteca deve serpensado: idade dos freqentadores, necessidades para leitura e recreao,espaos alternativos para exposies, sesses de autgrafos, palestras emini-cursos, necessidades especiais para deficientes fsicos, auditivos evisuais. Conhecer o usurio e suas demandas ponto chave para o sucessode um projeto de um novo prdio ou da reformulao da antiga biblioteca. De forma global necessrio conhecer as caractersticas do local ondese instala a biblioteca: clima, temperatura, umidade, posio solar do prdioou sala, peculiaridades do terreno. Alm de conhecer estas caractersticaslocais e os usurios interno e externo, um projeto para biblioteca deveconsiderar os recursos financeiros existentes. Aps definio dos recursos e pblico a que se destina, os espaosnecessrios na biblioteca devem ser definidos, e assim, alm do estudo dafuncionalidade, torna -se necessrio, segundo Mambrini (1997), uma boasoluo a nvel de iluminao, ventilao, acstica, insolao, temperatura eumidade, tanto para conservao do acervo quanto para sua consulta.Segundo o autor, so necessrias reflexes sobre as condies climticas,econmicas, culturais e locais do ambiente onde vai ser instalada abiblioteca. Utilizar-se da experincia de outras bibliotecas uma fonte importantede informaes, bem como a Internet, que disponibiliza as mais diferentes www.biccateca.com.br
  • 3. informaes sobre empresas e produtos. A busca por produtos,equipamentos e empresas que possuem certificao de qualidade, queatuam de acordo com normas da ABNT, ISO e outras instituiesregulamentadoras, garantem a melhor relao custo -benefcio no momentoda aquisio. necessrio priorizar a segurana e durabilidade, tanto daconstruo quando dos equipamentos de uma biblioteca. Convm analisar a facilidade de reposio de peas e manutenodos equipamentos, assim como a compatibilidade dos mesmos comdiferentes fornecedores. Evitar a aquisio de produtos e serviosmonopolizados por um nico fornecedor uma forma de prevenir transtornoscom empresas que praticam preos abusivos e at mesmo deixem de atuarno segmento por motivo de falncia. O presente trabalho incorpora uma orientao simples elaborada porum profissional bibliotecrio interessado na temtica. A Biccateca objetivacolaborar com os profissionais no planejamento, organizao, racionalizaodo seu espao e acervo, auxiliando na rpida e eficaz transmisso dainformao ao usurio, fornecendo mveis adequados e ergonmicos para omelhor aproveitamento dos espaos.2 O AMBIENTE BIBLIOTECA A localizao geogrfica da biblioteca pode ser considerada um fatorque define a freqncia de uso da mesma, independente da relevncia equalidade do acervo, dos bons profissionais e servios prestados. Por isso fundamental que a biblioteca situe-se bem dentro de um prdio, ou em umquarteiro, no caso das bibliotecas pblicas, ou mesmo dentro de um campusuniversitrio. A biblioteca deve ser visvel, ocupando posio de centralidade,tornando-se ponto de referncia dentro da instituio, do campus, ou mesmoda cidade onde est instalada. A facilidade de acesso define o movimentoque a biblioteca tem, portanto, o acesso tanto do interior quanto do exteriordeve ser fcil, com percursos bem sinalizados. www.biccateca.com.br
  • 4. Segundo o documento para Apoio Tcnico para as BibliotecasEscolares do Ministrio da Educao de Portugal, a biblioteca deve ser localde convergncia, cuja localizao convide a entrada e o seu interior convide apermanncia. A facilidade de acesso do exterior permite a cooperao comoutras escolas do bairro e tambm a participao dos pais dos alunos. necessrio prever o acesso para deficientes, bem como linhas denibus para acesso ao local da biblioteca e estacionamento para veculos. Uma biblioteca pode dispor de inmeros setores,dependendo dopblico, espao fsico e misso da instituio. Atualmente, alm dostradicionais setores de leitura e guarda do acervo esto surgindo os espaospara multimdia e acesso a bases de dados, setor de documentos em braile,documentos sonoros e audiovisuais, balces para auto atendimento (autoemprstimo e devoluo). Para Mambrini (1997) as novas exigncias emrelao a terminais de computador para acesso a bancos de dados einformao eletrnica so realidade nas bibliotecas nacionais. Assim, oespao para consulta e leitura est sendo modificado, e as novas instalaesdemandam conforto ambiental para sua utilizao. Um espao situado na entrada da biblioteca, reservado aos usuriosque utilizam materiais prprios para leitura facilita a entrada e sada daspessoas que desejam apenas um local adequado para leitura, mas noquerem se submete r vistoria dos pertences ou ter que deix-los nosarmrios individuais. Um espao deste tipo no exige recursos humanosdisponveis em tempo integral, e destaca-se como um servio que aBiblioteca disponibiliza ao usurio. Prximo rea de entrada tambm poder funcionar um setor paraleitura informal dos jornais dirios e revistas de atualidades. Este setor servecomo um convite utilizao da biblioteca, e deve ser planejado de formacriativa e aconchegante. Ainda sobre o hall de entrada da biblioteca, Figueiredo (1990)apresenta idias que podem sistematizar o trabalho: A adoo de comunicao visual ou de ampla sinalizao facilita o auto-servio e diminui a demanda de orientao, deixando o usurio mais vontade e www.biccateca.com.br
  • 5. com possibilidade de se locomover e encontrar o que busca na biblioteca. Uma planta do edifcio com a localizao das colees deve estar visvel, logo entrada, para facilitar o fluxo. Indicaes com cores e legendas de fcil visualizao para cada uma das reas de assunto existentes, bem como instrues sobre o manejo dos catlogos, devem ser implementadas. Um folheto (guia da biblioteca) explicando o uso e possibilidades de servios e materiais deve estar disponvel entrada da biblioteca. (FIGUEIREDO, 1990, p. 102-103). A sinalizao da biblioteca deve ser criada por bibliotecrios,arquitetos e artistas grficos, com base nos padres de trfego dos usuriose funcionrios. De acordo com Figueiredo (1990, p.109), a finalidade dasinalizao oferecer a possibilidade de: a) identificar e localizar a biblioteca;