interação na web trabalho colaborativo metodologias aplicações

Click here to load reader

Download Interação na Web Trabalho colaborativo Metodologias Aplicações

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Interao na Web Trabalho colaborativo Metodologias Aplicaes
  • Slide 2
  • A Web com sua estrutura hipertexto oferece a iluso de ser uma grande base de informaes. No entanto, ainda existem barreiras significativas colaborao efetiva entre os usurios. Apesar da informao ser um recurso compartilhado, os browsers ainda: So ferramentas para um nico usurio; e Mantm os usurios separados uns dos outros, oferecendo pouco suporte para que um grupo de usurios trabalhe de maneira colaborativa sobre a informao compartilhada. Introduo
  • Slide 3
  • Aplicaes colaborativas Visam remover estas ltimas barreiras, permitindo que os usurios se contactem, discutam os documentos e interajam com seus monitores em tempo-real. Web hoje em dia: a informao compartilhada, mas ainda existem barreiras para a efetiva colaborao sobre essa informao. Web colaborativa: os usurios interagem entre si e com o objeto de trabalho em tempo-real.
  • Slide 4
  • O paradigma colaborativo A idia de aplicaes colaborativas altera radicalmente os paradigmas tradicionais para a construo de Interfaces e para o compartilhamento de informaes. Mesmo as aplicaes de banco de dados compartilhados so projetadas para que cada usurio trabalhe independentemente dos demais, sem nenhum apoio para que os usurios se comuniquem ou troquem informaes. Isso exatamente o oposto do que pregam as aplicaes colaborativas.
  • Slide 5
  • Dificuldades de projeto O projeto de interface multiusurio, alm das dificuldades "convencionais" de Interfaces monousurio: Conhecimento do usurio e das tarefas que ele pretende executar; Definio do dilogo homem-mquina; Testes de usabilidade, etc. aparecem novas dificuldades inerentes ao prprio trabalho em grupo. A principal dificuldade adicional est no conceito de percepo ou conscincia dos outros usurios (user awareness).
  • Slide 6
  • A percepo A percepo envolve saber quem est usando o sistema, o que eles esto fazendo (alteraes ocorrendo no objeto de trabalho) e como estas alteraes aconteceram (o que, junto com a comunicao e o conhecimento do contexto, permitem entender porque elas aconteceram). Esse conceito, altera radicalmente os paradigmas tradicionais para o projeto de Interfaces, pois Interfaces monousurio so projetadas para que os usurios no tomem conhecimento dos demais usurios que possam estar compartilhando uma mesma base de informaes.
  • Slide 7
  • Visualizao da aplicao A primeira questo associada percepo dos usurios diz respeito visualizao da aplicao compartilhada. Uma possibilidade usar interfaces WYSIWIS (What You See Is What I See), em que todos os usurios compartilham a mesma viso da interface. A grande vantagem do WYSIWIS ser de simples implementao e fornecer um forte senso de contexto compartilhado.. No entanto, interfaces WYSIWIS so inflexveis e apresentam uma srie de inconvenientes: No permitem que usurios tenham espao de trabalho privativo; A tela pode ficar tumultuada com janelas que s esto sendo usadas por outros usurios; Os cursores dos outros usurios (telepointers) atrapalham o trabalho.
  • Slide 8
  • Relaxamento de dimenses da WYSIWIS Visando uma maior flexibilidade e tambm a superao dos inconvenientes citados, o WYSIWIS pode ser relaxado em vrias dimenses.: As interfaces WYSIWIS mostraram que a representao dos telepointers tendem a distrair o usurio, atrapalhando seu trabalho.
  • Slide 9
  • Barras de rolagem multiusurio Como alternativa para indicar onde outros usurios esto trabalhando e o que eles esto fazendo, podem ser usadas: So um conjunto de barras de rolagem, cada uma representando a posio de um usurio no documento compartilhado. Radar uma viso geral em miniatura do documento sobreposta por reas coloridas que indicam o ponto de vista de cada usurio. Miniaturas so espcies de cones que mostram a viso de cada usurio.
  • Slide 10
  • Feedthrough Um outro aspecto ainda relacionado percepo dos usurios o feedthrough, que a alterao da interface em resposta interao dos outros usurios. O feedthrough se torna um problema especialmente crtico na Web, pois exige um canal de comunicao entre os vrios usurios (clientes). As solues encontradas lidam com a granularidade do feedthrough: nem todas as aes dos usurios precisam ser passadas aos demais, apenas as aes finais, por exemplo: Quando se move um objeto para outra posio, os usurios remotos s precisam receber a posio final do mesmo).
  • Slide 11
  • Privacidade e anonimato No extremo oposto percepo dos usurios est a questo da privacidade e do anonimato. A privacidade importante para que os usurios possam, por exemplo, escrever rascunhos e anotaes antes de mostrar algo para os demais usurios. A falta de um espao de trabalho privativo pode inibir a participao de usurios em um trabalho colaborativo. Aliada questo da privacidade, est a questo do anonimato. O anonimato conflitante com a efetiva percepo dos usurios, que exige o conhecimento dos participantes. No entanto, o anonimato necessrio em situaes de tomada de decises (votao, por exemplo), especialmente quando h divergncias de interesse no grupo. Em resumo, a "visibilidade" dos usurios deve ser limitada, de modo que as atividades individuais no sejam superexpostas aos demais
  • Slide 12
  • Outros tipos de dificuldades Controle de acesso, muitas vezes pode no fazer sentido permitir que vrios usurios tenham acesso a um mesmo widget simultaneamente. Gerenciamento de sesso, necessria a figura do gerente, para criar uma nova sesso de trabalho e controlar os direitos de acesso dos participantes. Canais de comunicao, a atividade colaborativa est intimamente associada comunicao entre os participantes. Obstruo por recursos de colaborao, comum em aplicaes colaborativas que recursos de colaborao pouco usados obstruam na interface os recursos mais utilizados. Dificuldade de avaliao, relativamente simples levar um usurio para um laboratrio e, em algumas horas, testar a usabilidade de um software monousurio. Entretanto, captar em laboratrio a dinmica social, econmica, motivacional e poltica dos grupos praticamente impossvel
  • Slide 13
  • CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW uma rea de estudo interessada no trabalho em conjunto de grupos de pessoas com a ajuda de computadores. um tema multidisciplinar que envolve profissionais das reas de computao, automao, antropologia, sociologia, psicologia social, economia, teoria organizacional, educao, e de outras reas interessadas no estudo do trabalho colaborativo. Talvez por essa razo, sempre houve muita discusso na definio do escopo de CSCW e muita confuso com termos afins, tais como groupware, workgroup computing e group support systems
  • Slide 14
  • Diferena entre CSCW e Groupware CSCW leva em considerao os fatores humanos do trabalho em grupo para auxiliar o projeto e especificao do suporte computacional a este processo. Com relao ao CSCW, deve ser entendido como um esforo no sentido de entender a natureza e as caractersticas do trabalho cooperativo com o objetivo de projetar tecnologias computacionais adequadas". O foco entender para melhor auxiliar o trabalho cooperativo". Groupware uma rea mais tcnica, voltada para o desenvolvimento de software que auxilie no trabalho em grupo. Uma definio bem aceita para o termo groupware o considera como sendo "sistemas computacionais que auxiliam grupos de pessoas engajadas em uma tarefa (ou objetivo) comum e que provem uma interface para um ambiente compartilhado".
  • Slide 15
  • Interdependncia nas tarefas A noo de interdependncia nas tarefas serve para diferenciar colaborao de outros tipos de tarefas em grupo, como a interao, por exemplo. Considere a diferena entre dirigir em um comboio e dirigir no trnsito de uma cidade. No primeiro caso, os motoristas tm algum sistema de comunicao pr- estabelecido e um objetivo comum que depende do sucesso dos outros motoristas nas suas tarefas (todos os carros do comboio devem chegar ao destino; se algum precisar de ajuda, os outros certamente o socorrero). Isso caracteriza uma colaborao. No segundo caso, ao dirigir no trnsito de uma cidade no h colaborao, h apenas interao entre os motoristas, pois no h nenhum planejamento prvio das tarefas e o sucesso de cada motorista em atingir seu objetivo no depende do sucesso dos demais motoristas.
  • Slide 16
  • Dependncia entre os participantes Outra caracterstica do trabalho colaborativo a dependncia positiva que um participante tem do outro. Em outras palavras, um participante precisa que o trabalho do outro seja bem sucedido. O caso oposto quando vrias pessoas simplesmente compartilham um recurso. Nesta situao, preciso haver uma certa coordenao entre as tarefas, mas o trabalho de um apenas atrapalha o trabalho dos outros. Apesar da interdependncia positiva entre as tarefas, ela nem sempre harmoniosa. preciso haver coordenao entre as atividades para garantir a eficincia da colaborao. Sem coordenao, h o risco dos participantes se envolverem em tarefas conflitantes ou repetitivas.
  • Slide 17
  • Coordenao entre os participantes A Coordenao entre os participantes definida como "ato de gerenciar interdependncias entre as atividades realizadas para se atingir um objetivo". Coordenao uma das partes constituintes do trabalho de articulao, que parte integrante do trabalho colaborativo. O trabalho de articulao o trabalho extra, necessrio para que o trabalho conjunto seja obtido a partir da soma dos trabalhos individuais. O trabalho de articulao definido como "conjunto de atividades necessrias para gerenciar a natureza distribuda do trabalho cooperati