História do Brasil - Pré-Vestibular - 1789 - Inconfidência Mineira

Download História do Brasil - Pré-Vestibular - 1789 - Inconfidência Mineira

Post on 06-Jun-2015

2.169 views

Category:

Documents

11 download

TRANSCRIPT

Conflitos na Histria do Brasil - Perodo Colonial Inconfidncia Mineira: 1789A Inconfidncia Mineira, ou Conjurao Mineira, foi uma revolta ocorrida em 1789, na ento capitania de Minas Gerais, no Brasil, contra o domnio portugus. Na segunda metade do sculo XVIII a Coroa portuguesa intensificou o seu controle fiscal sobre a sua colnia na Amrica do Sul, proibindo, em 1785, as atividades fabris e artesanais na Colnia e taxando severamente os produtos vindos da Metrpole. Desde 1783 fora nomeado para governador da capitania de Minas Gerais D. Lus da Cunha Meneses, reputado pela sua arbitrariedade e violncia. Somando-se a isto, desde o meado do sculo as jazidas de ouro em Minas Gerais comeavam a se esgotar, fato no compreendido pela Coroa, que instituiu a cobrana da "Derrama" na regio, uma taxao compulsria em 100 arrobas de ouro (1.500 quilogramas) anuais. Estes fatos atingiram expressivamente a classe mais abastada das Minas Gerais (proprietrios rurais, intelectuais, clrigos e militares) que, descontentes, comearam a se reunir para conspirar. Entre esses descontentes destacavam-se, entre outros, os poetas Cludio Manuel da Costa e Toms Antnio Gonzaga, os coronis Domingos de Abreu Vieira e Francisco Antnio de Oliveira Lopes, o padre Jos da Silva e Oliveira Rolim, o cnego Lus Vieira da Silva, o minerador Incio Jos de Alvarenga Peixoto e o alferes Joaquim Jos da Silva Xavier, apelidado de "Tiradentes". A conspirao pretendia eliminar a dominao portuguesa das Minas Gerais e estabelecendo ali um pas livre. No havia a inteno de libertar toda a colnia brasileira, pois naquele momento uma identidade nacional ainda no havia se formado. A forma de governo escolhida foi o estabelecimento de uma Repblica, inspirados pela recente independncia norte-americana. Destaque-se que no havia uma inteno clara de libertar os escravos, j que muitos dos participantes do movimento eram detentores dessa mo-de-obra. Entre outros locais, as reunies aconteciam em casa de Cludio Manuel da Costa e de Toms Antnio Gonzaga, onde se discutiram os planos e as leis para a nova ordem, tendo sido desenhada a bandeira da nova Repblica, uma bandeira branca com um tringulo e a expresso latina Libertas Qu Sera Tamen - , cujo dstico foi aproveitado de parte de um verso da primeira gloga de Virglio e que os poetas inconfidentes interpretaram como "liberdade ainda que tardia". O governador da capitania de Minas Gerais, Visconde de Barbacena, estava determinado a lanar a derrama, razo pela qual os conspiradores acertaram que a revoluo deveria irromper no dia em que fosse decretado o lanamento da mesma. Esperavam que nesse momento, como apoio do povo descontente e da tropa sublevada, o movimento fosse vitorioso. A conspirao foi desmantelada em 1789. O movimento foi trado por Joaquim Silvrio dos Reis, que fez a denncia para obter perdo de suas dvidas com a Coroa. O Visconde de Barbacena mandou abrir em junho de 1789 a sua Devassa com base nas denncias de Silvrio dos Reis, nas de Baslio de Brito, Malheiro do Lago, Incio Correia Pamplona, tenente-coronel Francisco de Paula Freire de Andrade, Francisco Antnio de Oliveira Lopes, Domingos de Abreu Vieira e de Domingos Vidal de Barbosa Laje. Os lderes do movimento foram detidos e enviados para o Rio de Janeiro onde responderam pelo crime de inconfidncia (falta de fidelidade ao rei), pelo qual foram condenados. Cludio Manuel da Costa faleceu na priso, ainda em Vila Rica (hoje Ouro Preto), onde acredita-se que tenha sido assassinado, suspeitando-se, atualmente, que a mando do prprio Governador. Durante o inqurito judicial, todos negaram a sua participao no movimento, menos o alferes Joaquim Jos da Silva Xavier, que assumiu a responsabilidade de chefia do movimento.

Em 18 de Abril de 1792 foi lida a sentena no Rio de Janeiro. Doze dos inconfidentes foram condenados morte. Mas, em audincia no dia seguinte, foi lido decreto de D. Maria I pelo qual todos, exceo de Tiradentes, tiveram a pena alterada para degredo. A Inconfidncia Mineira transformou-se em smbolo mximo de resistncia para os mineiros, a exemplo da Guerra dos Farrapos para os gachos, e da Revoluo Constitucionalista de 1932 para os paulistas. A Bandeira idealizada pelos inconfidentes foi adotada pelo estado de Minas Gerais.

O papel de TiradentesTiradentes, o conjurado de mais baixa condio social, foi o nico condenado morte por enforcamento, sendo a sentena executada pblicamente a 21 de abril de 1792 no Campo da Lampadosa. O corpo foi esquartejado e espalhado pelo Caminho Novo para as Minas Gerais,sendo a sua cabea exposta em Vila Rica (atual Ouro Preto). O castigo era exemplar, a fim de dissuadir qualquer outra tentativa de questionamento do poder da metrpole. Foi alado posteriormente, pela Repblica Brasileira, condio de um dos maiores mrtires da independncia do Brasil.

Curiosidades

na primeira noite em que a cabea de Tiradentes foi exposta em Vila Rica, foi furtada, sendo o seu paradeiro desconhecido at aos nossos dias. tratando-se de uma condenao por inconfidncia (traio Coroa), os sinos das igrejas no poderiam tocar quando da execuo. Afirma a lenda que, mesmo assim, no momento do enforcamento, o sino da igreja local soou cinco badaladas. a casa de Tiradentes foi arrasada, o seu local foi salgado para que mais nada ali nascesse, e as autoridades declararam infames todos os seus descendentes.