por onde anda a reserva extrativista do alto juruá? .ramos, tatiana figueira de melo. 1 prefÁcio

Download Por onde anda a Reserva Extrativista do Alto Juruá? .Ramos, Tatiana Figueira de Melo. 1 PREFÁCIO

Post on 02-Dec-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • i

    Por onde anda a Reserva Extrativista do Alto Juru?

    Uma avaliao feita pelos monitores do Projeto de Pesquisa e Monitoramento sobre as mudanas e desafios para o

    futuro

    Reserva Extrativista do Alto Juru Marechal Thaumaturgo, Acre

    Organizao

    Mariana Ciavatta Pantoja (coord.) Roberto Rezende Augusto Postigo

    Colaborao

    Eliza M. L. Costa Natlia de Oliveira Jung

    Izonel Karrare

    Srie Pesquisa e Monitoramento Participativo em reas de Conservao Gerenciadas por Populaes

    Tradicionais Volume 5

    Laboratrio de Antropologia e Ambiente LAA/CERES Departamento de Antropologia, Instituto de Filosofia e Cincias Humanas Unicamp Caixa Postal 6110 CEP 13081-970, Campinas, So Paulo Ncleo de Pesquisa em Antropologia e Florestas AFLORA Centro de Filosofia e Cincias Humanas UFAC BR 364, km 5, Campus Universitrio Distrito Industrial CEP 69.915-900 - Rio Branco, Acre

  • ii

    Ficha catalogrfica

    ndices para catlogo sistemtico:

    Srie Pesquisa e Monitoramento Participativo em reas de Conservao Gerenciadas por Populaes Tradicionais.

    Coordenao da Srie: Mauro William Barbosa de Almeida Departamento de Antropologia, IFCH - Unicamp Keith Spalding Brown Junior, Museu de Histria Natural, IB Unicamp Coordenao do Projeto de Pesquisa: Mauro William Barbosa de Almeida (coordenador geral) Eliza Mara Lozano Costa (LAA/CERES, coordenadora adjunta) Augusto de Arruda Postigo (LAA/CERES, coordenador adjunto) Mariana Ciavatta Pantoja (AFLORA/CFCH/UFAC, coordenadora adjunta) Conselho editorial: Ado Jos Cardoso (in memorian), Andr Victor Lucci Freitas, Augusto de Arruda Postigo, Bruce Nelson, Carla de Jesus Dias, Cristina Scheibe Wolff, Eliza Mara Lozano Costa, Manuela Carneiro da Cunha, Moiss Barbosa de Souza, Rafael Lus Galdini Raimundo, Rossano Marchetti Ramos, Tatiana Figueira de Melo.

  • 1

    PREFCIO GERAL

    O projeto Pesquisa e Monitoramento da

    Diversidade Biolgica e Cultural no Alto Juru para o

    Desenvolvimento Regional foi proposto pela UFAC ao

    PPBIO/MCT e comeou a ser executado em 2006.

    Dentro desse grande projeto, do qual vrios

    pesquisadores de diversas disciplinas e universidades

    participaram, a equipe do Projeto de Pesquisa e

    Monitoramento da Reserva Extrativista do Alto Juru

    se fez presente. Esta equipe, composta por

    pesquisadores da UNICAMP, da UFAC e por um grupo

    de monitores socioambientais moradores da Reserva,

    deu continuidade a atividades de pesquisa e

    monitoramento dos ecossistemas e da qualidade de

    vida que j vinham ocorrendo desde 1993.

    O Projeto de Pesquisa e Monitoramento sempre

    trabalhou com a seguinte compreenso: o

    conhecimento sobre a Reserva vem de duas

    nascentes: a dos moradores que possuem a cincia

    tradicional da mata e sabem como trabalhar com ela,

    e dos professores-pesquisadores que tm a cincia

    das universidades. No Projeto de Pesquisa e

    Monitoramento, essas duas cincias se uniram. Um

    resultado muito importante desta unio tem sido a

    publicao de livros, cartilhas e manuais, escritos por

    cientistas, moradores da floresta e professores das

  • 2

    universidades. Estas publicaes integram uma srie

    batizada de Pesquisa e Monitoramento Participativos

    em Unidades de Conservao Gerenciadas por

    Populaes Tradicionais e que foi inaugurada por um

    projeto de mesmo nome e financiado pela FINEP entre

    1999 e 2003.

    Este livro que o leitor agora tem em mos registra

    um treinamento realizado no Centro Yorenka tame

    (Marechal Thaumaturgo, Acre), entre os dias 29 de

    maio e 2 de junho de 2007, do qual participaram

    monitores da Reserva e pesquisadores. Tratou-se da

    atividade final do projeto financiado pelo PPBIO/MCT.

    Na ocasio foi realizada uma ampla avaliao das

    mudanas na Reserva aps mais de 15 anos de sua

    criao e quase 20 anos do incio da mobilizao e da

    luta pela criao da rea. Os pesquisadores atuaram

    principalmente na organizao do treinamento e no

    apoio tcnico, sendo o debate realizado pelos

    monitores, que deram provas de maturidade

    intelectual e esprito investigativo. Tal como

    verdadeiros cientistas da floresta que so,

    expressaram suas reflexes apoiadas em anos de

    observao e registro dos processos em curso na

    Reserva.

    A publicao deste pequeno livro da maior

    importncia. Trata-se de uma contribuio para a

    gesto verdadeiramente participativa da Reserva e

  • 3

    que est sendo aqui oferecida por seus prprios

    cientistas-moradores e seus parceiros nas

    universidades, h 15 anos envolvidos num esforo

    colaborativo de pesquisa. Poder ser visto que no

    so poucos os desafios que a Reserva atualmente

    enfrenta.

    No foi possvel reproduzir aqui tudo o que foi dito

    e pensado durante o treinamento. O leitor no espere

    encontrar aqui respostas prontas, mas sim

    inquietaes, perguntas, anlises e sugestes. Esta

    publicao tem a inteno de convidar a um debate

    amplo e participativo sobre o futuro da Reserva.

    Agradecemos a todos os monitores e monitoras

    que tm se empenhado com invejvel dedicao ao

    esforo que a atividade de pesquisa requer, em

    especial quando realizada dentro da floresta e sem as

    condies ideais que muitas vezes a academia

    oferece. Agradecemos aos cientistas que se

    devotaram ao projeto movidos apenas pelo ideal de

    colocar seu saber a servio do povo. A Antonio

    Barbosa de Melo, o Roxo, e Raimundo Farias Ramos, o

    Cabor, pela parceria de trabalho ao longo de todo o

    projeto. Agradecemos equipe do Centro Yorenka

    tame e tambm Associao Apiwtxa pelo apoio e

    hospitalidade. Finalmente, agradecemos a Antonio

    Batista de Macedo e Chico Gin, lderes da criao da

    Reserva Extrativista do Alto Juru, e a Manuela

  • 4

    Carneiro da Cunha, que viabilizou o primeiro projeto

    de pesquisa.

    Mariana Ciavatta Pantoja - UFAC Mauro W. B. de Almeida UNICAMP

  • 5

    NDICE

    ABERTURA DO TREINAMENTO ................. 7

    O QUE O CENTRO YORENKA TAME SABER DA FLORESTA? ........................... 10

    O QUE PESQUISA E MONITORAMENTO? .................................................................. 13

    POR ONDE ANDA A RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURU? - UMA AVALIAO FEITA PELOS MONITORES DO PROJETO DE PESQUISA E MONITORAMENTO SOBRE AS MUDANAS E DESAFIOS PARA O FUTURO ................ 15

    1. NATUREZA............................................ 15

    2. PRODUO .......................................... 26

    3. ALIMENTAO ..................................... 32

    4. CONDIES DE VIDA ........................... 34

    5. GOVERNO E LEIS ................................. 45

  • PROGRAMAO DO TREINAMENTO ...... 51

    PARTICIPANTES DO TREINAMENTO ...... 56

    RESULTADO TRANSCRITO EM CARTAZES PELOS GRUPOS DE TRABALHO ............. 59

    GRUPO ALTO TEJO (acima da Restaurao) ...... 59 GRUPO AMNIA-ARARA ................................... 61 GRUPO BAG .................................................... 64 GRUPO JURU .................................................. 68 GRUPO TEJO (Abaixo da Restaurao) ............... 70 GRUPO VILA RESTAURAO............................ 73

    PLANO DE UTILIZAO DA RESERVA EXTRATIVISTA DO ALTO JURU ............ 76

    SNUC SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAO ............... 85

  • ABERTURA DO TREINAMENTO

    Mauro Almeida, professor da Unicamp e pesquisador da regio desde 1982

    Eu estou falando nesta abertura em nome da coordenao

    desse projeto, e quero fazer alguns agradecimentos. Eu acho que

    uma ocasio muito interessante. Eu queria j comear

    agradecendo ao Benki por este espao maravilhoso do Centro

    Yorenka tame, por esta demonstrao de organizao, de

    inteligncia e de criatividade da comunidade Ashaninka em

    produzir este espao maravilhoso e o oferecer para este

    treinamento. Agora comeo de uma nova aliana para trabalhar

    junto, e eu espero muitas outras coisas no futuro. Agradecer

    tambm quem trabalhou para tornar possvel este treinamento

    aqui: a Mariana, em Rio Branco, o Augusto e o Roberto, em

    Campinas, o Roxo, em Cruzeiro do Sul, pessoas que no esto

    morando aqui dentro, mas que de fora da Reserva possibilitaram

    ns estarmos hoje aqui reunidos.

    E agradecer a todos vocs, os monitores e as monitoras da

    Reserva j de tanto tempo, e aqueles seringueiros e amigos

    veteranos, que esto aqui dentro mostrando que ainda esto

    empenhados no sonho da Reserva Extrativista. Todos vocs so

    pessoas que representam uma coisa que deve ser motivo de muito

    orgulho: que isso aqui no um lugar sem dono porque tem

    aquelas pessoas responsveis, aqueles antigos que tm

    conscincia e tm muito interesse em que o sonho da Reserva,

    que o sonho da floresta ser do seringueiro que mora nela, que isto

  • v para frente, seja um exemplo. Ento um agradecimento por

    vocs estarem aqui. E no s os antigos, mas tambm os novos,

    os que no eram nem nascidos quando a Reserva foi criada.

    Vocs sabem que o decreto de criao da Reserva Extrativista

    do Alto Juru de janeiro de 1990, e naquela data havia uma

    reunio num espao maior do que este aqui, construdo na boca do

    rio Bag, que era o primeiro smbolo da organizao dos

    seringueiros. Era um armazm da cooperativa dos seringueiros, e

    foi construdo em 1989. Ento, em 1990, a gente estava

    co