Para fazer o que preciso

Download Para fazer o que  preciso

Post on 08-Jan-2017

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • ORAMENTO E PLANO DE ATIVIDADES 2015

    Descida da taxa do Imposto Municipal sobre Imveis (IMI) e a contrao de um emprstimo para obras, h muito ambicionadas pela populao, so os destaques do oramento e do plano de atividades da Autarquia para 2015. P08

    PRIMEIRO ANO DE MANDATO

    Loures est de volta

    Fomos saber a opinio da populao de Loures sobre o primeiro ano de mandato da nova gesto do Municpio. P04

    LouresJornal MunicipalN 03 // DEZEMBRO 2014

    QUINTA DOS REMDIOS

    Novo espao de lazer na Bobadela

    A requalificao da Quinta dos Remdios avana no primeiro semestre de 2015. P10

    Para fazero que preciso

  • Loures Jornal Municipal02 N 03 // DEZEMBRO 2014

    LOURES E ODIVELAS

    SIMAR j so uma realidadeOs Servios Intermunicipalizados de guas e Res-duos dos municpios de Loures e Odivelas (SIMAR) j esto constitudos, tendo a sua criao sido pu-blicada em Dirio da Repblica no passado dia 8 de outubro.A nova empresa intermunicipal, que substitui os anteriores Servios Municipalizados de Loures, serve uma populao de cerca de 350 mil pes-soas, dos concelhos de Loures e Odivelas.O conselho de administrao dos SIMAR cons-titudo pelo presidente da Cmara de Loures, Bernardino Soares, e pelos vereadores Antnio Pombinho (Loures) e Hugo Martins (Odivelas).Com base no conceito SIMAR - dois concelhos, uma s misso foi tambm criada uma nova iden-tidade grfica, que assenta numa escala crom-tica representativa das trs grandes reas de atuao da empresa: abastecimento de gua, guas residuais e resduos slidos, em que foi dado enfase fuso entre dois municpios, em torno de um s compromisso.

    Em tempos de descrdito das instituies, refora-se a importncia de um exerccio transparente dos cargos pblicos. Havendo outros progressos neste primeiro ano de mandato, o mais importante foi a retoma da credibili-dade do Municpio e dos seus rgos.A confiana dos cidados nos seus eleitos, o incentivo participao designadamente com as cerca de cinquenta sesses pblicas realizadas e a transparncia da gesto, de que este jornal e o novo Stio na internet so exemplos, reforam o poder local democrtico.A par de uma gesto rigorosa, indispensvel perspeti-var o futuro do concelho. o que estamos a fazer com a finalizao da reviso do PDM, o oramento para 2015 e a deciso de contrao de um emprstimo para investi-mentos imprescindveis. Tero prioridade as escolas, a reabilitao de ncleos urbanos e tambm a rede

    viria, a questo mais referida nos debates pblicos do oramento.Para 2015, o Municpio entendeu reduzir ligeiramente a taxa de IMI (de 0,4% para 0,395%), assumindo o compromisso de baixar para 0,39

    no ano seguinte. Apesar da receita de IMI ter diminudo no concelho,

    damos um pequeno contributo para compensar, pelo menos em parte, a reavaliao dos imveis decretada pelo Governo.

    Votos de boas-festas.

    indispensvelperspetivar o futuro do concelho

    ABASTECIMENTO DE GUA E TRATAMENTO DE GUAS RESIDUAIS

    Loures recusa aumentos de tarifasO Municpio de Loures deu parecer negativo constituio de uma nova empresa de abasteci-mento de gua e tratamento de guas residuais que o Governo pretende criar. Este parecer nega-tivo baseou-se, fundamentalmente, no facto de este novo passo implicar aumentos de tarifas nos servios a serem prestados por esta nova empre-sa, com reflexos para as populaes, por serem retiradas competncias ao Municpio de Loures e por ser mais um passo no caminho da privatiza-o do bem essencial que a gua.

    Bernardino SoaresPresidente da Cmara Municipal de Loures

  • Loures Jornal Municipal 03N 03 // DEZEMBRO 2014

    SADE

    Cmara insiste na necessidade de construo de novos centros de sade

    No encontro, a ARSLVT garantiu que a construo do centro de sade de Santa Iria de Azia uma prioridade, mas que est dependente da resoluo de processos legais e jurdicos, prevendo-se o incio das obras para 2015.A Cmara Municipal de Loures reiterou a sua total disponibi-lidade para que, em conjunto com a ARSLVT, sejam ultrapas-sados o mais rapidamente pos-svel os aspetos relativos aos procedimentos prvios, para que a fase de construo tenha incio. Recorde-se que a Autar-quia j tinha colocado anterior-mente disposio da ARSLVT um terreno para a construo desta unidade de sade.

    Populao protestaNo incio de novembro, cente-nas de muncipes de Santa Iria de Azia realizaram uma mani-festao junto ao Ministrio da Sade, em Lisboa, onde exigi-ram uma soluo rpida para um problema que se arrasta h vrios anos.O protesto foi organizado pela Comisso de Utentes da Sa-de de Santa Iria de Azia e quis chamar, mais uma vez a aten-o para as ms condies do atual centro de sade e exigir a construo de um novo.A unidade de sade atual ser-ve uma populao de cerca de 18 mil pessoas e funciona num terceiro andar, sem elevador, de um prdio de habitao, o que

    A Cmara Municipal de Loures continua a defender uma gesto pblica para o Hospital Beatriz ngelo, tendo aprovado, em setembro ltimo, uma moo em que manifestou a sua total oposio alienao da posio detida pela Esprito Santo Sade.Recorde-se que em meados do ms de outubro, e depois de ter lanado uma operao pblica de aquisio, a Fidelidade, detida pelos chineses da Fosun, passou a ser detentora de 96 por cento da Esprito Santo Sade.

    Autarquiadefende a gesto pblica do Hospital

    Utentes de Santa Iria de Azia manifestaram-se em Lisboa

    A Cmara Municipal de Loures reuniu recentemente com a Administrao Regional de Sade de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) para analisar a construo do novo centro de sade de Santa Iria de Azia, equipamento h muito ambicionado pela populao.

    constitui uma barreira arquite-tnica para milhares de utentes.

    Mais preocupaesNo rol de preocupaes da C-mara Municipal no est s o centro de sade de Santa Iria de Azia. A Autarquia tem esta-do a acompanhar outras situa-es, como o caso de Moscavi-de, em que a abertura da nova unidade de sade tem vindo a ser atrasada devido a obras de alterao solicitadas pela ARSLVT ao empreiteiro.No que diz respeito Bobadela, o Municpio j sugeriu um novo local de funcionamento, aguardan-do resposta daquela entidade. J em relao aos casos de Ca-marate, Santo Anto do Tojal e Apelao, a Cmara Municipal continua empenhada em resol-ver, em conjunto com as entida-des competentes, os diversos problemas existentes.

  • Loures Jornal Municipal04 N 03 // DEZEMBRO 2014

    Ao fim de um ano de mandato, fomos procurar saber o balano que a populao e as foras vivas do concelho fazem da gesto do novo Executivo Municipal frente dos destinos do Municpio de Loures. Para o presidente da Autarquia, Bernardino Soares, a recuperao da credibilidade da instituio a maior conquista dos ltimos meses.

    BALANO DO PRIMEIRO ANO DE MANDATO

    Loures est de volta

    "Ao fim de um ano de manda-to, podemos dizer que h um ganho, que no se mede em euros, nem em estradas, nem em obras, mas que a nossa maior conquista: a recuperao da credibilidade do Executivo Municipal e da confiana da po-

    pulao nos seus eleitos", refere o presidente da Cmara Muni-cipal.Fomos ao encontro da popula-o e das foras vivas do con-celho para saber das suas opi-nies sobre este primeiro ano de mandato.

    Joana AlvesFreixial, Bucelas

    Um ano muito pouco para avaliar as mudanas que foram feitas, at porque acho que a

    nova administrao deve estar a tentar resolver, em primeiro lugar, os problemas internos da Cmara. Chamava a ateno para a melhoria dos transportes na minha zona, assim como da recolha do lixo e das infraestruturas para as crianas.

    Bruno Moluras Infantado, Loures

    Tenho visto algumas obras e melhoramentos nas estradas, mas o tempo ainda pouco

    para avaliar. Como sou pai, acho que os equipamentos infantis esto sempre muito deteriorados. Mas as minhas expetativas so positivas. Para j, o que importante que quem est na Cmara de Loures transparece seriedade. Na poltica valorizo as pessoas e no as cores.

    Jos ArajoPortela

    Moro na Portela e trabalho em Moscavide e, ao juntar estas duas freguesias, juntaram-se

    duas realidades diferentes. Moscavide tem muitas dificul-dades em modernizar-se, mas estou convicto de que as coisas vo melhorar. Ainda no evi-dente o trabalho que est a ser feito, mas estou otimista.

    Delfina AparcioSanta Iria de Azia

    J melhorou muita coisa, mas acho que ainda vai melhorar mais. A recolha do lixo est um

    bocadinho melhor, por exemplo. Quanto ao centro de sade, a Cmara de Loures tem ajudado bastante, mas no pode fazer mais. Se dependesse da Cmara de Loures, com certeza o problema j estaria resolvido.

    Miguel SousaQuinta do Mocho, Sacavm

    Costumo andar no Rodinhas e reparei que melhorou a nvel de horrios. O problema que tenho um

    irmo que anda de cadeira de rodas e gostava que os transportes fossem l mesmo dentro do bairro, o que ainda no acontece.

    Armando PimentelSanto Antnio dos Cavaleiros

    Sinceramente no me apercebi de grandes mudanas. Contudo, como comer-

    ciante que sou, gostaria que se comeasse a olhar mais para o comrcio, porque est a ser muito maltratado. No se admite que uma pessoa pare dois minutos para ir a uma loja e tenha, de imediato, algum da Loures Parque a mult-las. Acho exagerado o que andam a fazer e as pessoas deixam de vir aqui fazer compras.

  • Loures Jornal Municipal 05N 03 // DEZEMBRO 2014

    Adlia Samina FernandesLoures

    Moro em Loures h mais de 50 anos e o ambiente que se vive hoje no se compara com o que

    se viveu nos ltimos anos. Finalmente Loures comeou a ter vida, renasceu. As ruas esto mais limpas, a informao est mais acessvel. Fizeram-se coisas boas como o restauro do monumento em frente Cmara e o Pavilho Paz e Amizade est a ser utilizado em prol da comunidade. Em termos culturais, a cidade de Loures tambm est mais dinmica.

    Otlia Chitsa Representante da Comisso de Segurana, Sade e Higiene no trabalho, da Cmara Municipal de Loures

    Registamos com agrado o importante esforo feito durante este ano na formao e

    sensibilizao de todos os trabalhadores, nas reas de segurana e sade no trabalho (participao de cerca de 500 trabalhadores) e do incio da distribuio de fardamento e equipamento de proteo individual. Como prioridade na melhoria das condies de trabalho, salienta-se a interveno no balnerio das oficinas e nos contentores do pessoal operrio, facto que demonstra uma atitude de mudana relativamente ao passado recente.

    Jos Eduardo SantosPresidente da Associao das Coletividades do Concelho de Loures

    Aps um ano de mandato, a Associao das Coletividades do Concelho de Loures felicita o Executivo pelas

    decises tomadas em prol do associativismo, nomeadamente o Conselho Municipal de Associativismo (CMA), o Portal do Movimento Associativo e o desbloqueamento das verbas dos apoios aos protocolos.Em relao ao CMA, possibilita a discusso aberta e direta entre as associaes com fins comuns, criando uma forma dinmica de troca de ideias.O Portal permite uma observao clara dos apoios e das comunicaes entre a Cmara e as associaes registadas, dando acesso fcil aos impressos online.Em concluso, a Associao das Coletividades do Concelho de Loures considera positiva a gesto deste primeiro ano de mandato do Executivo, desejando uma boa continuidade de desempenho.

    Carlos MonserrateSecretrio-Geral do Secretariado das Associaes de Bombeiros Voluntrios do Concelho de Loures

    O relaciona-mento institu-cional das associaes de bombeiros do nosso concelho com o executivo

    da Cmara Municipal, neste primeiro ano de mandato, foi bom e interessante. Realizaram-se diversas reunies para debater assuntos de interesse comum, os pagamentos acordados foram

    efetuados atempadamente e os protocolos de apoio ao associativismo e voluntariado e aos grupos de interveno permanente tiveram um aumento, insuficiente em relao s necessidades apresentadas pelas associaes, mas que representa uma inverso na diminuio ocorrida nos ltimos anos.

    Mrio SaramagoPresidente da direo da Associao Empresarial de Comrcio e Servios dos Concelhos de Loures e Odivelas

    Verificmos com agrado que comeou a existir maior rigor e consistncia nos projetos

    apresentados. Apesar de haver situaes em que espervamos um desenvolvimento mais rpido, estamos perante outro tipo de discurso, mais realista.Temos expetativas altas em relao a um conjunto diverso de projetos, entre eles o da criao da Associao para o Desenvolvimento Sustentvel da Regio Saloia, da qual fazemos parte, e tambm no que diz respeito dinamizao dos mercados municipais, tema em que aguardamos mais desenvolvimentos. Outra situao que nos preocupa tem que ver com o estacionamento no concelho, em que,infelizmente, ainda no conseguimos encontrar uma soluo que seja do agrado de todas as partes.Estamos disponveis para colaborar com a Cmara de Loures, pois sabemos que teremos sempre uma porta aberta por parte da Autarquia.

    Dina DuarteMontiqueijo - Queijos de Montemuro

    Fazendo um balano do primeiro ano de mandato do Executivo Municipal na Cmara de

    Loures, a Montiqueijo enaltece o reconhecimento dado nossa empresa, tendo sido condecorada, em julho, com a Medalha Municipal de Mrito Empresarial, quer pelo seu trabalho, quer pelo investimento e desenvolvimento de medidas mais ecolgicas, que preservam o meio ambiente, com a instalao de painis fotovoltaicos destinados ao consumo prprio.

  • Loures Jornal Municipal06 N 03 // DEZEMBRO 2014

    Bucelas voltou a viver trs dias de animao. A Festa do Vinho e das Vindimas, que decorreu de 10 a 12 de outubro, foi o centro de todas as atenes.

    Mostra vitivincola, gastronomia regional e petiscos, rota dos vi-nhos, artesanato e animao foram motivos mais do que sufi-cientes para uma visita Capi-tal do Arinto.A abertura oficial da Festa teve lugar no sbado, dia 11, com a atuao da Banda Recreativa de Bucelas. Na ocasio, o vi-ce-presidente da Cmara Mu-nicipal de Loures agradeceu a presena de todos os que de-cidiram celebrar os 28 anos da Festa do Vinho e das Vindimas: Fazemo-la com todo o gosto,

    A Praa Monumental, em Santo Anto do Tojal, voltou a encher-se para receber El-Rei D. Joo V e a sua corte.

    Foram muitas as pessoas que se deslocaram a Santo Anto e So Julio do Tojal para acom-panhar o cortejo real, que reu-niu a corte e vrios membros do clero, da nobreza e do povo, rumo Praa Monumental, para a Beno dos Sinos e das Esttuas destinadas ao Con-vento de Mafra.As grandes novidades deste ano foram a chegada noturna

    SANTO ANTO DO TOJAL

    Feira Setecentista com cortejo noturno

    do Rei e a sua estadia alarga-da para dois dias (27 e 28 de setembro), o que permitiu ao povo desfrutar de mais tem-po de animao, numa praa cheia de vendedores, saltim-bancos, aguadeiros e exube-rantes nobres s compras.No final da visita, sua majes-tade ordenou a abertura do churrasco popular, oferecen-do comida e bebida a todos os que, durante estes dois dias, ali o aclamaram efusivamente. Esta recriao histrica re-gressa para o ano, sempre aliada s comemoraes do Dia Mundial do Turismo, na-quela que uma organizao da Junta de Freguesia local, com o apoio da Cmara Muni-cipal de Loures.

    BUCELAS

    Festapromove cultura do vinho

    dando a conhecer a tradio, a histria e a cultura que carate-rizam esta vila vitivincola, afir-mou Paulo Piteira, enaltecendo o contributo voluntrio que o movimento associativo de Bu-celas d para que esta Festa, organizada em parceria entre a Junta de Freguesia de Bucelas e a Cmara de Loures, se man-tenha viva.

    Chuva anula desfileO domingo ficou marcado pelo cancelamento do tradicional desfile etnogrfico, devido s condies atmosfricas adver-sas, mas isso no foi impedi-mento de que a Festa sasse rua, em Bucelas.Durante os trs dias, h a des-tacar espetculos musicais, passeios pedestres, exposi-es, visitas a produtores de vinho e a feira de artesana-to, que decorreu no Pavilho Leonel Pires.

    Festa do Vinho e das Vindimas

    A animao foi uma constante na Praa Monumental

  • Loures Jornal Municipal 07N 03 // DEZEMBRO 2014

    NOVA PONTE EM SACAVM

    A Autarquia entende que esta uma oportunidade nica para resolver um grave problema da cidade. Para o Municpio, s obras da nova travessia sobre o rio Tranco deve estar associada uma interveno mais profun-da, que promova a resoluo do problema das cheias na Praa da Repblica.Recorde-se que a Estradas de Portugal avanou com a con-signao da obra da nova pon-te sem consultar as restantes entidades pblicas com infraes-truturas nesta rea, dando co-nhecimento do projeto j depois da data prevista para o incio da interveno, o que levou a C-mara Municipal, de imediato, a exigir explicaes e garantias.

    O que est em causa De acordo com o projeto da Es-tradas de Portugal a que s

    recentemente o Municpio teve acesso a nova ponte ser construda entre a atual traves-sia e a estao elevatria de es-gotos. Contudo, devido sua dimen-so, ter de ser implantada em parte sobre a Praa da Rep-blica, implicando uma enorme movimentao de terras, que poder afetar um conjunto de estruturas que a se encontram enterradas, nomeadamente o adutor da EPAL, a conduta que transporta todo o esgoto desta zona para a estao de trata-mento de Beirolas, mas, sobre-tudo, o principal rgo de dre-nagem de guas pluviais desta localidade: o caneiro de Saca-vm, cuja manuteno e gesto cabe Agncia Portuguesa do Ambiente (APA), em que o troo final, de acordo com um estudo efetuado pela Simtejo, est em risco de colapso. Na sequncia dos intensos contactos estabe-lecidos pela Cmara, a Estradas de Portugal tem vindo a apre-sentar novas solues, tendo em conta algumas das questes levantadas pela Autarquia. Por outro lado, foi tambm aberto um processo de discusso, com vrias entidades da administra-o central, com vista a uma so-luo definitiva para o problema das cheias.

    Esclarecer a populaoCom o intuito de informar a po-pulao de Sacavm sobre este assunto, o Executivo Municipal deslocou-se, no dia 9 de ou-tubro, ao local previsto para a construo da nova ponte e rea-lizou um encontro com dezenas de habitantes. Na ocasio, Bernardino Soares explicou que o que estamos a exigir que a Estradas de Por-tugal nos garanta que o que vai fazer no ir agravar a situao que aqui existe.

    Autarquia quer evitar cheias

    UNHOS

    Requalificao de ruasAs ruas Nossa Senhora do Rosrio e Cidade de Nova Goa, em Unhos, esto a ser alvo de uma profunda requalificao, que englo-ba a substituio das infraestruturas de abastecimento de gua e drenagem de guas residuais e a repavimentao.A obra, da responsabilidade da Cmara Municipal de Loures e dos Servios Intermunicipalizados de guas e Resduos de Loures e Odi-velas (SIMAR), representa um investimento total de mais de 170 mil euros.

    BUCELAS

    Variante j pode avanarA Cmara de Loures e a So-ciedade Imobiliria do Freixial (SIF) assinaram um protocolo que garante a disponibilidade dos terrenos necessrios para a construo, pela Estradas de Portugal, da variante a Buce-las, via prioritria para a popu-lao e para o tecido econmi-co da zona norte do concelho de Loures.Recorde-se que a construo

    desta variante est prevista no Programa de Execuo do Plano Regional de Ordenamento do Territrio da rea Metropolitana de Lisboa, mas tem sido sucessivamente adiada por vrios governos. Esta via, capaz de constituir alternativa de ligao entre as estra-das nacionais 115 e 116, evita a passagem de viaturas pesadas de mercadorias no centro de Bucelas.O acordo alcanado entre a Autarquia e a SIF permite, tambm, concluir o processo de legalizao das instalaes destinadas a ati-vidades econmicas situadas na Quinta dos Melos.

    Obra a cargo da Cmara Municipal e dos SIMAR

    A Cmara Municipal de Loures est a exigir Estradas de Portugal garantias de que a construo da nova ponte sobre o rio Tranco, em Sacavm, no ir agravar a ocorrncia de cheias na zona baixa da cidade.

  • Loures Jornal Municipal08 N 03 // DEZEMBRO 2014

    ORAMENTO E PLANO DE ATIVIDADES APROVADOS

    Para fazer o que preciso

    O oramento municipal para 2015 ter um valor de 111,5 mi-lhes de euros. Este oramen-to reflete j vrias poupanas, conseguidas com uma gesto rigorosa, sem perda de qualida-de, de que so exemplo as reas das refeies escolares, comu-nicaes, combustveis, entre outras.Apesar da dvida a fornecedo-res continuar a pesar nas diver-sas rubricas oramentais, este oramento reflete as preocu-paes que as populaes fi-zeram sentir no decorrer das sesses pblicas realizadas em torno da sua preparao.

    Obras inadiveisAprovado foi tambm um novo emprstimo de longo prazo, no valor de 12 milhes de euros, que visa resolver algumas si-tuaes urgentes no territrio. Entre as mais prioritrias est a construo da Escola Bsica n 1 de Camarate e do Centro Comunitrio de Santo Ant-nio dos Cavaleiros, bem como a repavimentao de diversas estradas que se encontram em elevado grau de degradao e a recuperao de alguns cen-tros urbanos do concelho.

    IMI baixaNo prximo ano, a carga fiscal dos muncipes de Loures vai di-minuir, fruto da reduo para 0,395 por cento da taxa do IMI

    a pagar em 2015, para os pr-dios urbanos avaliados.Foi tambm assumido, para 2016, que haver uma nova proposta de diminuio da taxa do IMI, para que esta fique fi-xada em 0,39 representando uma diminuio total de 2,5 por cento no binio.A diminuio da taxa, apesar de ligeira, um sinal que o Mu-nicpio quer dar populao e um pequeno contributo para as famlias em matria fiscal. O presidente da Cmara, Ber-nardino Soares, recorda que esta deciso "representa uma diminuio de receita para a Autarquia", mas que se trata da "concretizao de uma das promessas eleitorais".

    DerramaJ no que diz respeito taxa da Derrama imposto cobrado em funo do lucro tributvel das empresas a proposta para 2015 a de manuteno da ta-rifa em 1,5 por cento, com uma taxa reduzida de 1 por cento para empresas com volume de negcios at 150 mil euros.

    O Municpio de Loures aprovou o oramento municipal para 2015 e as grandes opes do plano. A diminuio da taxa relativa ao Imposto Municipal sobre Imveis (IMI)para o prximo ano uma das principais novidades.

    Escola Bsica n 1 de Camarate

    Repavimentaes sero prioridade

    Futuro Centro Comunitrio de Santo Antnio dos Cavaleiros

  • Loures Jornal Municipal 09N 03 // DEZEMBRO 2014

    7,2 milhes de eurosAmbiente e servios urbanos

    Contrao de emprstimo para resolver problemas inadiveis

    As receitas correntes anuais so consumidas no fundamental pelas despesas obrigatrias; no possvel realizar investimentos sem recorrer a outras fontes de financiamento (salvo com o aumento do IMI, opo que a Cmara rejeita).

    Alguns investimentos, a no serem feitos agora, implicaro gastos mais elevados no futuro; o caso da Escola Bsica n 1 de Camarate, h seis anos instalada em contentores, nos quais j foi gasto mais de meio milho de euros em alugueres.

    A gravidade da dvida do Municpio no curto prazo e a fornecedores; a Cmara tem capacidade de contrair emprstimos de mdio e longo prazo.

    Todos os investimentos tm um tempo de vida bastante superior ao do pagamento do emprstimo.

    Em resultado do pagamento de anteriores emprstimos bancrios, no corrente ano, o servio da dvida nos prximos anos (amortizaes e juros), ser sempre inferior ao suportado pela Cmara em 2014; no final do mandato, o endividamento de mdio e longo prazo ser inferior ao que existia no incio do mesmo.

    Centros urbanos vo ser alvo de maior ateno

    5,1 milhes de eurosRede viria

    3,5 milhes de eurosCultura, Desporto e Juventude

    13,5 milhes de eurosEducao

    1,3 milhes de eurosCoeso Social e Habitao

    1,7 milhes de eurosProteo Civil

    1,7 milhes de eurosOrdenamento do Territrio

    Distribuio de encargos pelas reas prioritrias em 2015

    Investimentos associados ao emprstimo2015/2017

    3,6 milhes de eurosRede viria

    2 milhes de eurosReabilitao urbana

    4,7 milhes de eurosEscolas

    1,5 milhes de eurosCentro Comunitrio de Santo Antnio dos Cavaleiros

    150 mil eurosCiclovia Moscavide Portela

  • Loures Jornal Municipal10 N 03 // DEZEMBRO 2014

    A requalificao da Quinta dos Remdios como espao-verde de fruio pblica, onde se-ro dinamizadas atividades de carter desportivo, cultural e cientfico, em estreita colabo-rao com as escolas e o mo-vimento associativo do con-celho, ser uma realidade j

    BOBADELA

    Quinta dos Remdios ser espao de lazer e inovao

    no primeiro semestre de 2015. A ativao deste protocolo foi um momento muito importan-te e agora podemos dizer que, para o Municpio de Loures, o polo do IST deixou de ser ape-nas um porto na EN10, pas-sando a ser parte integrante da nossa estratgia de desen-

    volvimento e da nossa polti-ca para as atividades econ-micas, disse o presidente da Cmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, na apre-sentao do projeto. J Arlindo Oliveira, presidente do Instituto Superior Tcnico, sa-lientou que a colaborao com o Municpio de Loures tem sido uma experincia muito positiva porque, num tempo relativa-mente curto, colocou-se em fun-cionamento uma comisso pa-ritria e um conjunto de outras pessoas que esto a fazer um trabalho com dedicao, efic-cia e eficincia.

    A ativao do acordo assinado entre a Cmara Municipal e o Instituto Superior Tcnico (IST) vai permitir o desenvolvimento do Polo Tecnolgico de Loures e a reabilitao da Quinta dos Remdios como espao de lazer.

    Inovao e desenvolvimento industrial Na vertente de inovao e de-senvolvimento industrial, preten-de-se promover a aproximao entre a comunidade empresarial e cientfica, atravs de parcerias em projetos e solues aplicadas s necessidades das empresas, nas reas das cincias da vida, sade e farmacutica, indstria agroalimentar e ambiente. Com um correto aproveitamento das sinergias e o cruzamento dos interesses comuns, obteremos um resultado mais benfico para am-bas as partes e para a populao, defendeu o autarca de Loures.

  • Loures Jornal Municipal 11N 03 // DEZEMBRO 2014

    ESTUDO ACERCA DO AMIANTO

    Escolas de Loures passam no teste

    Nos dias 16 e 17 de outubro, a Escola Bsica Bartolomeu Dias, em Sacavm, e a Escola Bsica de So Joo da Talha acolheram as sesses organizadas pela Au-tarquia, nas quais foi apresenta-do o estudo sobre a presena de partculas de amianto nos esta-belecimentos de ensino. Em am-

    bas as iniciativas, e na sequn-cia das concluses do estudo, foi frisado que as escolas esto aptas para a ocupao humana. O estudo mandado efetuar pela Cmara Municipal de Lou-res, por sua iniciativa, com re-curso a laboratrio credencia-do incidiu sobre a medio da concentrao de fibras respir-veis, em 17 escolas bsicas do concelho, onde utilizado fibro-cimento nos telheiros e nas co-berturas. Apesar de aptas para a ocupa-o, trs dessas escolas care-ciam de aes de substituio desses mesmos telheiros ou co-berturas. So elas a Escola Bsica n 5 de Santa Iria de Azia (primeiro ciclo), situao j resolvida pela Autarquia, a Escola Bsica Bar-

    tolomeu Dias, em Sacavm (pri-meiro, segundo e terceiro ciclos), e a Escola Bsica de So Joo da Talha (primeiro, segundo e terceiro ciclos).

    Medidas urgentesNo caso da escola de Sacavm, o problema concentra-se nos telheiros do logradouro. J em So Joo da Talha, as fibras de amianto esto na cobertura dos pavilhes. A interveno nestas duas es-colas compete ao Ministrio da Educao e da Cincia. De acor-do com Paulo Piteira, vice-pre-sidente da Cmara de Loures, a Autarquia j enviou os resul-tados do estudo ao Ministrio, apelando necessidade de se-rem tomadas medidas urgentes e aguarda uma resposta rpida.

    MOSCAVIDEGesto do estacionamento em debate

    O Centro Cultural de Moscavide recebeu, no dia 9 de outubro, uma sesso pblica sobre ges-to do estacionamento na Por-tela e em Moscavide.Promovida em parceria pela Cmara Municipal, Loures Par-que e Unio das Freguesias de Moscavide e Portela, esta ses-so teve como principal objetivo ouvir as preocupaes e suges-tes da populao relativamen-te melhoria da eficincia da gesto pblica do estaciona-mento naquela rea.Reunies com idntico fim sero realizadas noutras freguesias do concelho.

    Sesso pblica em Sacavm

    FUNDODE APOIO

    MUNICIPALLEI N 53/2014

    4 milhese 370 mil euros

    retiradosa Loures pelo

    Governo

    A Cmara de Loures realizou sesses de esclarecimento para informar a comunidade educativa sobre a presena de partculas de amianto nas escolas.

  • Loures Jornal Municipal12 N 03 // DEZEMBRO 2014

    Aps vrios anos de interrupo, a Autarquia retomou a cerimnia de receo aos agentes educativos, homenageando aqueles que, diariamente, contribuem para o sucesso da escola pblica no concelho.

    O regresso desta iniciativa fi-cou marcado pelas atuaes do Teatro Ibisco e do Conservat-rio dArtes de Loures, reunindo cerca de duas centenas de pes-

    Receo aos agenteseducativos

    soas, numa cerimnia de reco-nhecimento pblico, que decor-reu no dia 2 de outubro, onde se pretendeu destacar a impor-tncia dos diferentes agentes educativos, pessoal docente, no docente e associaes de pais e encarregados de educa-o.Bernardino Soares, presidente da Cmara Municipal de Lou-res, enalteceu o empenho e a dedicao de todos, reiterando a aposta do Executivo na de-fesa da escola pblica: Mesmo num momento de grandes difi-culdades para o Municpio, de-mos prioridade melhoria da situao das escolas, quer em termos fsicos, quer atravs do apoio a outro tipo de medidas, contrariando as polticas gover-nativas de desvalorizao da escola pblica.

    BUCELAS

    Museu do Vinho abre lojaA Loja do Vinho, integrada no Museu do Vinho e da Vinha, em Bucelas, foi inaugurada no dia 9 de novembro e tem como obje-tivo promover a produo vitivi-ncola local e divulgar os vinhos de Loures, com destaque para os da Regio Demarcada de Bucelas.Este o momento que assina-la o completar de um projeto e de um conjunto de valncias que este Museu deve obrigato-riamente de ter. Era impossvel no haver um espao de expo-sio e de afirmao dos vinhos de Bucelas e de Loures, onde qualquer pessoa possa entrar e comprar, afirmou Antnio Pombinho, vereador da Cma-ra de Loures responsvel pelo pelouro das atividades econ-micas. A cerimnia de inaugurao fi-cou marcada pela assinatura dos contratos de venda com di-versos produtores, uma prova comentada pelo produtor An-tnio Paneiro Pinto e uma visi-ta guiada ao Museu, ao som do Conservatrio dArtes de Loures.A Loja do Vinho que disponibi-lizar tambm outros produtos regionais estar aberta ao pblico de tera-feira a domin-go, das 10h00 s 13h00 e das 14h00 s 18h00. No Museu do Vinho e da Vinha realizam-se tambm visitas guia-das e provas comentadas, me-diante marcao, atravs do n-mero 924 487 297 ou do e-mail museu_vinho@cm-loures.pt.

    NOVO ANO LETIVO

    Teatro Ibisco e Conservatrio dArtes de Loures animaram receo

    O Municpio entregou, ainda, uma pequena lembrana a to-dos os aposentados e s asso-ciaes de pais e encarregados de educao que, em 2014, completam 5, 15 e 20 anos de atividade. Educao em nmeros No presente ano letivo, 2014/ 2015, esto em funcionamento 13 agrupamentos de escolas e uma escola no agrupada, 42 associaes de pais e encarre-gados de educao, 32 insti-tuies particulares de solida-riedade social com valncia de infncia e uma escola profissio-nal. Nas escolas da rede pblica do concelho exercem funes cerca de dois mil docentes e 790 no docentes, para um uni-verso de, aproximadamente, 23 mil alunos.

  • Loures Jornal Municipal 13N 03 // DEZEMBRO 2014

    A Exposio evocativa dos 100 anos da Grande Guerra e a luta pela paz marcou as comemora-es desta efemride no Muni-cpio de Loures.

    Em Loures, o ms de outubro dedicado aos seniores do conce-lho e o Viva Outubro, que j vai na 18 edio, pretende propor-cionar momentos de participao e expresso, alm de fomentar a transmisso de saberes s gera-es mais novas.Este ano, a animao comeou a 4 de outubro, com o Palcio dos Marqueses da Praia e Monforte a abrir portas exposio de Arte Snior. A festa continuou com o Encontro de Poesia, desta vez, na sala de sesses. Entre as anima-

    100 anos da Grande Guerra

    EXPOSIO

    Arte e poesiaVIVA OUTUBRO

    das atuaes do grupo Jograis do Marqus, os participantes foram apresentando os seus poemas mais de 40 todos compilados numa brochura publicada para o efeito pela Cmara de Loures.O Viva Outubro terminou no dia 31, com o Grande Baile d Outono, que se realizou na sala multiusos, no Parque da Cidade de Loures. A festa foi assegurada pelas atuaes da Orquestra Li-geira do Clube Unio Recreativo de So Julio do Tojal e do grupo Alma Viva.

    Exposio de arte snior

    A Quinta do Mocho, em Sacavm, acolheu o festival O Bairro i o Mundo, uma parceria entre a Cmara de Loures e a Associao Artstica Teatro Ibisco.

    Msica, teatro, dana, stand up comedy, workshops, jogos e espaos de gastronomia foram alguns dos atrativos do festival que se realizou na Quinta do Mocho, entre os dias 3 e 5 de outubro. A animao foi constante pelas diversas zonas do bairro e as festas espontneas foram sur-gindo junto aos diversos writers que, simultaneamente, traba-lhavam nas paredes dos pr-dios.

    Artistas associam-se iniciativaEsta iniciativa pretendeu mudar a imagem do bairro, derrubar

    O bairro abriu-se ao mundo

    SACAVM

    preconceitos e afastar rumores negativos acerca dos bairros de cariz social.Por ali passaram artistas da Quinta do Mocho, como os Im-prio Suburbano, MZR ou DJ Firmeza, mas tambm a Or-questra Ligeira da Carris, Pe-dro Luzindro, Pedro Fernandes (5 para a meia noite) ou a dupla Rui Melo e Gabriela Barros, que fez questo de dar o seu contri-buto. Maria Rueff, Jorge Corrula e Paula Lobo Antunes foram ou-tras das caras conhecidas que se juntaram festa.

    Writers convidados mudam imagem do bairroEste projeto levou at Quin-ta do Mocho alguns dos mais conceituados writers da atua-lidade, como Miguel Brum, Smile, MAR, RAM, Tamara, Coletivo Rua + Third, RAF, Ma-noel Jack, Utopia, projeto Ma-tilha, Odeith e NOMEN que, em pouco tempo, consegui-ram mudar a fisionomia deste bairro.

    Resultado de um trabalho con-junto entre o Conselho Portu-gus para a Paz e Cooperao (CPPC) e trs municpios, Lou-res, Constncia e Vila Nova da Barquinha, esta mostra, alm de assinalar o centenrio da Primeira Guerra Mundial, pre-tendeu, tambm, dar a conhe-cer s novas geraes os im-pactes deste conflito no nosso pas. Esta mostra esteve paten-te no Edifcio 4 de Outubro, em Loures, de 10 de outubro a 14 de novembro.

  • Agenda

    Desporto Natureza e CulturaCaminhada Noturna Solidria19 de dezembro, 20h00

    TorneioKarat NatalPavilho Antnio Feliciano Bastos Loures20 de dezembro,10h00 s 19h00

    Sbados em CheioArtedesimplificar (Estreia)Biblioteca Municipal Jos Saramago20 de dezembro, 15h00

    Mostra documentalDesenhos para Sacos de Papel da AbelheiraCentro de Documentao Manuel Joaquim AfonsoMuseu de Cermica de SacavmAt 31 de dezembroSegunda a sexta, 10h00 s 12h30 e 14h00 s 17h00

    Aventura fotogrfica 2015 O vinho e a vinha em Bucelas, saberes e saboresIniciativa dirigida a fotgrafos amadores e profissionais. Inscries gratuitas. Informaes: turismo@cm-loures.pt e telefone 211 150 100

    ExposioImagens de Marca. Sacavm outra Loia!Museu de Cermica de SacavmAt 31 de dezembro 2014Tera a domingo, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    deseja-lheA Cmara Municipal

    boasfestas

  • Loures Jornal Municipal 15N 03 // DEZEMBRO 2014

    At 31 de dezembro 2014Tera a domingo, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    ExposioBucelas Uma Festa, Uma Identidade28 Anos da Festa do Vinho e das VindimasMuseu do Vinho e da Vinha BucelasAt 6 de setembro de 2015Tera a domingo, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    Ficha Tcnica

    Diretor: Bernardino SoaresRedao, reviso, fotografia, grafismo e paginao: Diviso de Relaes Institucionais

    e Comunicao

    Impresso: Lisgrfica

    Distribuio gratuita

    Tiragem: 100 mil exemplares

    Depsito legal: 378040/14

    ISSN 2183-315X

    Periodicidade: bimestral

    www.cm-loures.ptfacebook.com/MunicipiodeLoures

    ExposioMy life as a refugeeBiblioteca Municipal Jos Saramago, LouresAt 3 de janeiro de 2015Tera a sexta, 9h15 s 18h45Sbado, 10h00 s 18h00

    ExposioO inferno no so os outrosGaleria Municipal Vieira da Silva, LouresAt 17 de janeiro de 2015Segunda a sbado, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    Exposio Sagrado ProfanoGaleria Municipal do Castelo de PirescouxeSanta Iria de AziaAt 24 de janeiro de 2015Tera a sbado, 10h00 s 12h00 e 13h00 s 18h00

    ExposioEduardo Gageiro Rapaz de Sacavm, Fotgrafo do MundoMuseu de Cermica de Sacavm

    Museusde Loures

    Tera a domingo, das 10h00 s 13h00 e das 14h00 s 18h00Encerram s segundas-feiras e feriados

    Entrada gratuita ao domingo

    Exposio permanenteOlhares pela HistriaGaleria Municipal do Castelo de PirescouxeSanta Iria de AziaTera a sbado, 10h00 s 12h00 e 13h00 s 18h00

    Exposio permanenteDe Convento a Conventinho. Biografia de um Espao.Museu Municipal de LouresTera a domingo, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    Centro de Interpretao das Linhas de TorresTera a domingo, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    Consultrio dos MuseusTodos os meses.Aconselhamento gratuito sobre conservao e restauro de peas de valor artstico ou afetivo. Mediante marcao prvia. Museu Municipal de Loures e Museu de Cermica de SacavmTerceira quarta-feira de cada ms, das 10h00 s 12h00

    Centro de Formao Municipal de Futsal

    Polo de LouresPavilho Paz e AmizadeSbados: 9h00-10h00Nvel introdutrio10h10-11h10Nvel elementar11h20-12h20Nvel avanado

    Polo da BobadelaPavilho da Escola Bsica 2/3 da BobadelaSbados: 9h00-10h00Nvel introdutrio 10h10-11h10Nvel elementar11h20-12h20Nvel avanado

    Visita animada ao ConventinhoMuseu Municipal de Loures17 de janeiro, 15h00

    ExposioAn inside travelGaleria Municipal Vieira da SilvaInaugurao: 21 de janeiro, 18h00Segunda a sbado, 10h00 s 13h00 e 14h00 s 18h00

    Comunidade de LeitoresBiblioteca Municipal Jos Saramago5 de fevereiro, 21h00

    ExposioCan you predict SpringGaleria Municipal do Castelo de PirescouxeSanta Iria de AziaInaugurao: 7 de fevereiro, 17h00Tera a sbado, 10h00 s 12h00 e 13h00 s 18h00