1. introdução geral - pos.icb.ufmg.brpos.icb.ufmg.br/pgecologia/dissertacoes/d228_...

Click here to load reader

Post on 14-Dec-2018

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

1. INTRODUO GERAL

Durante os ltimos dois sculos, as atividades humanas no sustentveis tm levado

ecossistemas e comunidades naturais beira da extino. Uma das principais causas para esta

crise mundial tem sido o desmatamento para alimentar as carvoarias e a indstria madeireira.

A conseqncia do desmatamento a perda irreversvel da biodiversidade e de servios do

ecossistema. Uma vez desmatadas, as reas so geralmente convertidas em reas para cultivo

ou pastagem para criao de gado.

Atualmente so reconhecidos 34 Hotspots mundiais, ou seja, as reas biologicamente

mais ricas e mais ameaadas do Planeta. A Mata Atlntica um dos cinco Hotspots mais

ameaados do mundo e atualmente detm apenas cerca de 7% de cobertura vegetal de sua

extenso original. Contudo, esta pequena parcela remanescente abriga alta riqueza e

endemismo de plantas e de animais (CONSERVATION INTERNATIONAL, 2005). Alm da

perda de rea de cobertura vegetal, o que restou da Mata Atlntica encontra-se fragmentado,

em sua maior parte em remanescentes de pequeno porte inseridos em uma matriz de reas

urbanas e reas de manejo agrcola.

Os primatas esto entre os mamferos mais ameaados da Mata Atlntica devido ao

desmatamento e a fragmentao. Dentre as 23 espcies de primatas que ocorrem na Mata

Atlntica, 15 esto enquadradas em alguma categoria de ameaa de extino (IBAMA, 2003).

Dentre as espcies ameaadas esto os saus, Callicebus spp, com cinco espcies

distribudas do norte do rio Tiet at a margem sul da foz do rio So Franscisco (VAN

ROOSMALEN, 2002).

Os saus realizam vocalizaes de longa distncia para manter o espaamento entre os

grupos, atravs da definio e reforo mtuo dos limites territoriais (ROBINSON, 1979).

Devido a esta caracterstica comportamental, tornou-se comum pesquisadores explorarem a

tcnica de playback para trabalhar com presena/ausncia e para estudar o comportamento das

espcies do gnero. Poucos pesquisadores, no entanto, tm explorado tal tcnica para estudos

populacionais, para estudos sobre reas de vida e outros estudos relacionados ecologia

destes animais.

Principalmente levantamentos populacionais e estimativas de rea de vida so estudos

fundamentais para a definio de estratgias de conservao e manejo de espcies ameaadas.

Para levantamentos populacionais de primatas, usualmente, aplicam-se mtodos que

requerem a visualizao para que se estabeleam contagens de indivduos e medies entre a

2

posio do observador e o local onde se encontrava o animal estudado, como a exemplo do, o

mtodo de amostragem de distncias em transecto linear (BURNHAM et al., 1980).

Os saus so animais tmidos e cripticos, o que torna difcil a obteno de dados nos

moldes exigidos para os mtodos tradicionais.

Para estimativas de rea de vida usualmente monitoram-se os animais por meio de

colares rdiotransmissores. Tal procedimento, alm de ser caro, pouco eficaz em florestas

com densa vegetao e topografia irregular. Alm disto, os colares trazem incmodos e

podem provocar dermatites e leses graves nos animais, conforme verificado nos estudos de

MLLER & SCHILDGER (1994) e NERI (1997).

Atualmente os cientistas tm enfrentado limitaes metodolgicas, escassez de

recursos financeiros e curto espao de tempo para execuo de trabalhos envolvendo estudos

ecolgicos de primatas. H a necessidade de mtodos eficazes, acurados e que se adequem s

limitaes operacionais e logsticas que envolvem esse ramo de atividade.

Neste contexto, o presente estudo teve por finalidade desenvolver e testar uma

alternativa metodolgica (udiotelemetria) baseada no uso da tcnica de playback, buscando

solucionar algumas das dificuldades encontradas no estudo sobre a ecologia dos saus,

particularmente de Callicebus nigrifrons.

1.1. Biologia de Callicebus

O gnero Callicebus o segundo gnero mais rico em espcies de primatas

neotropicais, ficando atrs somente do gnero Saguinus. Na mais recente reviso do gnero,

van Roosmalen et al., (2002), reconheceu 28 espcies, separando-as em 5 grupos (Callicebus

cupreus, C. donacophilus, C. moloch, C. personatus e C. torquatus). Do total, 21 espcies

ocorrem no territrio brasileiro sendo que 15 espcies ocorrem na Floresta Amaznica, 1 no

Pantanal e 5 na Mata Atlntica, das quais duas tambm podem ser encontradas no bioma

Cerrado. As espcies encontradas no bioma Mata Atlntica so: C. barbarabrownae, C.

coimbrai, C. melanochir, C. nigrifrons e C. personatus.

Em termos de conservao Callicebus barbarabrownae e C. coimbrai esto

enquadrados como Criticamente em Perigo, C. melanochir e C. personatus esto enquadrados

como Vulnerveis e C. nigrifrons est enquadrado como Quase Ameaado segundo a lista

oficial do IBAMA (2003). Callicebus nigrifrons ainda enquadrado como Vulnervel

segundo a listagem de espcies ameaadas de Minas Gerais (COPAM, 1998).

3

Callicebus nigrifrons a espcie que tem a distribuio mais setentrional do gnero.

Distribui-se ao norte do rio Tiet nos Estados de So Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Limita-se a oeste pela margem direita do rio Paran e do Paranaba e a leste pela Serra da

Mantiqueira e Serra do Espinhao at o limite de distribuio de C. personatus (VAN

ROOSMALEN et al., 2002) (Figura 1).

Os saus so primatas de pequeno porte, pesando entre 0,700g e 1,650g. O

comprimento do corpo varia de 232 a 450 mm e a cauda mede entre 334 a 560mm (ROWE,

1996). Callicebus nigrifrons a maior espcie do gnero (PACHECO et al., 2003).

Callicebus nigrifrons possui a fronte, mos e ps negros. A colorao do corpo varia

do amarelo-claro ao bege e a cauda castanho-avermelhada (AURICCHIO, 1994) (Figura 2a).

A dieta dos saus composta basicamente por frutos, alimentando-se tambm de

folhas, exudatos e insetos (AURICCHIO, 1994). Na estao seca, quando os frutos so

escassos, observa-se o aumento no consumo de folhas (MLLER & PISSINATI, 1995).

A reproduo parece no ter poca definida. A maturidade sexual atingida entre 2,5 a

3 anos (AURICCHIO, 1994). A gestao de, aproximadamente cinco meses e meio, e o

filhote nasce com 90 a 100g, sendo sempre carregado pelo pai. A me o segura somente para

amament-lo e, com quatro ou cinco meses, o infante j no mais carregado

(HERSHKOVITZ, 1987).

Figura 1: Distribuio geogrfica das espcies de Callicebus do grupo personatus (Printes et al., no prelo).

4

Todos os saus vivem em grupos familiares de 2 a 5 indivduos compostos por um

casal monogmico e suas crias de diferentes idades (KINZEY, 1981).

Um comportamento tpico das espcies do gnero Callicebus o hbito dos indivduos

se juntarem e enrolarem suas caudas durante o descanso noturno (WELKER et al., 1998).

Possuem reas de vida relativamente exclusivas e frequentemente menores do que 25

hectares, que so defendidas contra grupos vizinhos (EASLEY, 1982; MLLER, 1996). No

entanto a localizao da rea de vida pode mudar com o tempo (EASLEY & KINZEY, 1986).

Os saus possuem um aparelho hiidico desenvolvido, o que lhes permite emitir sons

com grande intensidade (AURICCHIO, 1994) (Figura 2b).

Os saus emitem assobios e vocalizaes de longa distncia. As vocalizaes de longa

distncia so realizadas em dueto pelo casal e so usadas para manter o espaamento entre os

grupos, atravs da definio e reforo mtuo dos limites territoriais (ROBINSON, 1979).

A

B

Figura 2a: Callicebus nigrifrons (Stephen Nash, 2002)

Figura 2b: Crnio e osso hiide de Callicebus sp (Paulo Auricchio, 1994). Escala de 1cm.

5

Segundo Price & Piedade (2001), para C. personatus, as vocalizaes de longa

distncia no representam um mecanismo efetivo de defesa territorial, pois as mesmas so

realizadas quase que exclusivamente pela manh e no so realizadas todos os dias, o que no

garante o acesso exclusivo aos recursos em sua rea de uso.

As vocalizaes de longa distncia de Callicebus nigrifrons ultrapassam 7 kHz

contudo, a frequncia mdia dominante de 750,7 25,96 Hz (MARTINS & SILVA, 1998) (Figura 3). Pode-se dizer que, as vocalizaes de longa distncia dos saus so emitidas em

baixa frequncia e, portanto, se propagam com maior facilidade pelo ambiente. Devido a tais

caractersticas acsticas, estas vocalizaes podem ser ouvidas a distncias relativamente

grandes em uma floresta.

Figura 3: Sonograma de vocalizao de longa distncia de Callicebus nigrifrons.

6

2. O USO DO MTODO UDIOTELEMETRIA PARA MAPEAMENTO E ESTIMATIVA DE REA DE USO DOS SAUS NO PARQUE MUNICIPAL DE POUSO ALEGRE 2.1. Introduo

Os mapas so recursos grficos muito utilizados por diversas reas do conhecimento.

No contexto das cincias biolgicas, os mapas temticos podem ser correlacionados

com os registros de ocorrncia de animais e auxiliar na compreenso sobre as causas da

distribuio geogrfica das espcies.

Em pequena escala, um mapeamento dos registros dos espcimes pode auxiliar na

identificao das reas preferenciais de uso, o que possibilita o acesso a informaes sobre a

ecologia das espcies. Portanto, os estudos de rea de uso podem ser teis para delinear

estratgias de manejo e conservao das espcie