determinação da criticidade em by-pass de barreiras de ...· determinação da criticidade em...

Download Determinação da criticidade em by-pass de barreiras de ...· Determinação da criticidade em by-pass

Post on 13-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Determinao da criticidade em by-pass de barreiras de proteo em processos industriais

    com a utilizao da metodologia semiquantitativa LOPA (Layer of Protection

    Analysis)

    Fatores Humanos na determinao das contingncias de um by-pass

    George Tonini

  • OBJETIVO:

    Aplicar uma metodologia semiquantitativa (conceitos LOPA e HAZOP)

    para mensurar o risco residual de um processo qumico em situao de

    By-pass;

    Considerao das barreiras existentes e das aes de contingncias;

    Critrios para IPL (Independet Protection

    Layer)

  • SALVAGUARDA E IPL

    Salvaguardas: Qualquer dispositivo, sistema ou ao que atue de forma a interromper a

    cadeia de um acidente;

    Nem sempre possvel mensurar e garantir a eficcia dados e gerenciamento.

    IPLs (Independent Protection Layer): Dispositivo, sistema ou ao capaz de prevenir um cenrio acidental;

    Independente do evento iniciador e/ou da ao de qualquer outra camada de proteo;

    Precisa garantir rastreabilidade de manutenes, sendo sempre

    auditvel.

  • By-pass de barreiras de proteo: Desativao temporria de barreiras; parte do MOC (Management of Change - OSHA - 29

    CFR 1970.119 ).

    Os impactos da desativao de uma barreira: Aumento da probabilidade de ocorrncia de um desvio = RISCO!

    E quando no temos as barreiras, o que nos

    resta???

  • Sem protees Com barreiras existentes

    Com aes de contingncias

    A METODOLOGIA

    Aes Humanas pontuadas como

    IPLs = Taxas de falha

  • O IPL HUMANO

    Confiabilidade de Barreiras Humanas: Impossvel prever as falhas com assertividade;

    Falhas humanas = 50% a 90% dos acidentes de processo;

    A determinao do PFD destas barreiras dependem: Procedimentos escritos;

    Indicao clara da tarefa;

    Comprovado o treinamento;

    Ferramentas e materiais adequados;

    Tempo adequado para executar a tarefa;

    Tempo para diagnosticar os eventuais problemas;

    Indicao clara do bom desempenho da tarefa;

    Capacidade de verificar se a tarefa foi executada

    (auditabilidade).

    Inmeros

    parmetros para

    minimizar o

    subjetivismo

  • O IPL HUMANO

    Seo 4 Determinao do Risco Controlado:Anlise dos impactos das Aes de Contingncia.

  • O IPL HUMANO

    Item Questo Obrigatrio? (Quando aplicvel) Respostas Ao B1 (medio) Respostas Ao B2 (atuao)

    1 O procedimento/ao capaz de impedir que o evento de preocupao (e dessa maneria as consequncias) ocorra? SIM NO SIM

    2O procedimento auditvel? A trilha do procedimento escrito, treinamento do operador, reciclagem e certificao

    da compreenso do operador est completa?SIM SIM SIM

    3

    Existe um procedimento escrito? O procedimento define claramente os passos que

    precisam ser concludos na sequncia adequada para impedir com sucesso que ocorra o evento indesejado de

    preocupao?

    SIM SIM SIM

    4 Os operadores foram treinados no uso do procedimento? Reciclagem conforme necessrio? SIM SIM, passado com todos turnos SIM, passado com todos turnos

    5

    Uma cpia impressa (papel) do procedimento est disponvel para uso imediato pelo operador? Este procedimento

    claramente identificvel como um procedimento de emergncia (por exemplo, impresso em uma cor diferente de

    papel)?

    NO SIM, fica em meio eletrnico e fsico SIM, fica em meio eletrnico e fsico

    6 O procedimento baseado em uma lista de verificao (checklist) escrita? NO NO, corresponde a apenas uma ao SIM

    7 O procedimento uma lista de verificao escrita por duas pessoas (feita por quem / checado por quem)? NO NO, corresponde a apenas uma ao NO, corresponde a apenas uma ao

    8A falha em concluir o procedimento clara e imediatamente apresentada pessoa que faz o procedimento? Ao

    executar a tarefa possvel dizer que cometeram um erro durante a execuo da prpria tarefa? SIM SIM SIM

    9 Um registro de concluso indica que o procedimento foi concludo? NO NO NO

    10Quanto tempo levar para que o operador tome medidas para interromper o evento de preocupao, uma vez que

    a necessidade de ao determinada?SIM

    apenas acompanhamento de medio

    30 min (ao demora mais que o

    tempo do evento ocorrer)11 Quanto tempo leva para concluir o procedimento depois de iniciado? SIM

    12 Existe algum tempo de deslocamento para o local onde a ao necessria? SIM 10 min

    13 Quanto tempo disponvel desde o evento inicial at que o evento indesejado ocorra? SIM 5 min 5 min

    14 Existem ferramentas especiais necessrias para realizar o procedimento? SIM NA NA

    15 Existem ferramentas especiais disponveis para uso imediato? SIM NA NA

    16Os equipamentos de proteo especiais (luvas, respiradores, pacotes de ar, etc.) so necessrios no local de

    trabalho? Esses itens esto imediatamente disponveis e quanto tempo levar para colet-los?SIM NA NA

    17 A necessidade de tomada da ao claramente anunciada/requerida? SIM SIM SIM

    18Existe um alarme em um painel de controle para indicar que o evento inicial ocorreu? Como o alarme

    implementado? Usando o BPCS ou o SIS?NO NO NO

    19 O painel de controle est sempre acompanhado pela operao? NO SIM SIM

    20Se houver um alarme em um painel de controle, o alarme ativado usando o sistema de controle de processo

    bsico (BPCS)?NO NA NA

    21 O alarme ativado usando um SIS? Se sim, qual a classificao SIL do alarme? NO NA NA

    22Este procedimento independente de outros procedimentos ou aes tomadas e reivindicadas como um IPL

    durante a anlise do LOPA?SIM SIM SIM (a ao B1 no foi pontuada)

  • RESULTADOS

    Tipo de Barreira Quantidade / % Consideradas IPL Total de pontos no estudo

    Loop de Controle 1 (12%) 0 0

    Alarmes 3 (38%) 1 1

    Interlocks 3 (38%) 3 3

    PSV 1 (12%) 1 2

    TOTAL 8 5 (63%) 6

    Tipo de Ao Quantidade / % Consideradas IPL Total de pontos no estudo

    Acompanhar medio 13 (46%) 0 0

    Atuao remota 5 (18%) 33*

    Atuao em campo 8 (28%) 1

    Atuao na medio 1 (4%) 0 0

    Comunicao 1 (4%) 0 0

    TOTAL 28 4 (14%) 3

    As aes humanas representaram pouca

    eficcia no contingenciamento

  • RESULTADOS

    46% dos casos no foram capazes de reverter um eventual desvio:

    Aes de medio ou acompanhamento de variveis;

    Aes sem clareza quanto ao nvel de atuao do operador.

    E quais os principais GAPS ao

    pontuar as aes humanas?

  • OUTRAS DISCUSSES

    Foi inserido um limitante quanto ao PFD Humano. No mximo um

    cenrio poderia ter PFD = 0,1 (1 crdito/ponto);

    No foram considerados aspectos psicolgicos ou fatores associados

    ao perfil de cada operador;

    No foi considerado o fator de hierarquia na tomada de decises;

    No foi considerado os impactos do ambiente externo na ateno ou

    tomada de decises;

    Quem avalia o IPL Humano tambm HUMANO!

  • DVIDAS?

    OBRIGADO!

    george.tonini@oxiteno.com

Recommended

View more >