Curso identificao botnica das espcies arbreas da regio amaznica

Download Curso identificao botnica das espcies arbreas da regio amaznica

Post on 07-Apr-2017

312 views

Category:

Education

0 download

TRANSCRIPT

  • Curso de Identificao Botnica de

    Espcies Arbreas da Regio Amaznica

  • Ficha Tcnica Presidente da Repblica Luiz Incio Lula da Silva Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc Secretria-Executiva Izabella Teixeira Diretor-Geral do Servio Florestal Brasileiro Antnio Carlos Hummel Conselho Diretor do Servio Florestal Brasileiro Antnio Carlos Hummel Cludia Ramos Jos Natalino Silva Luiz Carlos Joels Thas Juvenal Chefe do Centro Nacional de Apoio ao Manejo Florestal (Cenaflor) Cristina Galvo Elaborao Marcelo C. Scipioni (Cenaflor) Reviso de Texto e Diagramao Ceclia Jorge (Cenaflor) Ilustrao da Capa Therese von Behr Braslia, agosto/2009

  • 1

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    1. SISTEMA DE CLASSIFICAO BOTNIC1. SISTEMA DE CLASSIFICAO BOTNIC1. SISTEMA DE CLASSIFICAO BOTNIC1. SISTEMA DE CLASSIFICAO BOTNICOOOO O sistema de classificao baseia-se na taxonomia vegetal para identificaro de todas as espcies de plantas, agrupando-as por semelhana morfolgica e por ligaes de parentesco gentico. Esta tarefa pressupe o levantamento completo de toda a flora mundial, desde plantas diminutas a grandes rvores. Os sistemas de classificao tm o objetivo de organizar os componentes do Reino Vegetal em agrupamentos hierrquicos que partem do Filo, Classe, Ordem, Famlia, Gnero e terminam na base especfica, a Espcie. HistricoHistricoHistricoHistrico O processo evolutivo do sistema de classificao da nomenclatura botnica caracteriza-se por trs perodos histrico-evolutivos. O primeiro, o PrPrPrPr----LiLiLiLineano, neano, neano, neano, baseava-se na classificao das plantas por diferentes mtodos e caractersticas, como o hbito das plantas (rvores e ervas), o ambiente de ocorrncia predominante (planta de terra, gua) ou o sistema sexual (dico/monodicotiledneas). Esse sistema foi utilizado no perodo das civilizaes grega e romana. Em 1735, o sueco Carl Linneu buscou, com a obra Systema Naturae, padronizar o uso da nomenclatura botnica por um sistema binominal. Surge, dessa forma, um novo perodo para a botnica sistemtica: o LineanoLineanoLineanoLineano, que revolucionou o pensamento taxonmico. Outra obra de sua autoria, Species Plantarum, de 1753, consolidou tambm o sistema de prioridade de nomes. O surgimento dos modernos estudos filogenticos e as correlaes de caracteres morfolgicos evolucionrios das plantas com base na cincia abriram as portas para o Novo Novo Novo Novo perodo. Ele caracteriza-se por permitir um arranjamento constante dos sistemas de parentesco das plantas. Dentre os trabalhos de base filogentica de grande importncia, no Novo perodo, pode-se citar o trabalho realizado no grupo das angiospermas que recentemente remodelou e reordenou os grupos familiares dessas plantas. Esse estudo vulgarmente conhecido pelas siglas APG, do ingls Angiosperm Phylogeny Group. A primeira verso, o APG I, de 1999, e a ltima, o APG II, de 2003. Atualmente, o sistema de nomenclatura de maior reconhecimento e uso. Maiores informaes:Maiores informaes:Maiores informaes:Maiores informaes: Angiosperm Phylogeny Website (APG) http://www.mobot.org/MOBOT/Research/APweb/welcome.html 2. NOMENCLATURA BOTNICA2. NOMENCLATURA BOTNICA2. NOMENCLATURA BOTNICA2. NOMENCLATURA BOTNICA A nomenclatura botnica regida por regras internacionais e revista em reunies da Sesso de Nomenclatura dos sucessivos Congressos Internacionais de Botnica. O Cdigo Internacional vlido nos dias de hoje o Cdigo de Viena, publicado em 2005 no Congresso realizado na cidade austraca. Esse novo cdigo revogou o Cdigo de Saint Louis, Missouri, Estados Unidos,

  • 2

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    realizado em 2000. O cdigo de nomenclatura abrange: algas, brifitas, plantas fsseis, fungos e plantas vasculares. (BICUDO e PRADO, 2007). Dentre os princpios da nomenclatura botnica podem-se citar a prioridade de publicao e o nome cientficos de grupos taxonmicos regidos em latim. As regras bsicas para redao botnica para famlia, nome de gnero, epteto especfico e autor(es) esto descritos a seguir. 2.1 Famlia2.1 Famlia2.1 Famlia2.1 Famlia A redao da nomenclatura do nome famlia tem o NNNNOME + terminao (ACEAE)OME + terminao (ACEAE)OME + terminao (ACEAE)OME + terminao (ACEAE). Exemplos: SAPOTACEAEACEAEACEAEACEAE, MYRTACEAEACEAEACEAEACEAE, ARECACEAEACEAEACEAEACEAE, FABACEAEACEAEACEAEACEAE, LAURACEAEACEAEACEAEACEAE, SAPINDACEAEACEAEACEAEACEAE, POACEAEACEAEACEAEACEAE, BIGNONIACEAEACEAEACEAEACEAE, CIATHEACEAEACEAEACEAEACEAE, ARAUCARIACEAEACEAEACEAEACEAE Nomes de longo uso tm validade conforme os Artigos 18.5 e 18.6 do Cdigo Internacional de Nomenclatura. Exemplos: LEGUMINOSAE = FABACEAE, LABIATEA = LAMIACEAE, GUTTIFERAE = CLUSIACEAE, PALMAE = ARECACEAE, COMPOSITAE = ASTERACEAE e GRAMINEAE = POACEAE. No artigo 19.7, a famlia Papilionaceae pode ser considerada famlia quando essa for desagrupada do restante das Leguminosae, ou Subfamlia quando essa for considerada dentro de Fabaceae/Leguminosae. *Papilionaceae*Papilionaceae*Papilionaceae*Papilionaceae = = = = famlia do restante das Leguminosae, ou , ou , ou , ou *Papiloinoideae*Papiloinoideae*Papiloinoideae*Papiloinoideae = SUBFAMLIA (OIDEAE) = SUBFAMLIA (OIDEAE) = SUBFAMLIA (OIDEAE) = SUBFAMLIA (OIDEAE) dentro Fabaceae/Leguminosae. RECOMENDAO: RECOMENDAO: RECOMENDAO: RECOMENDAO: - USAR somente FABACEAE ou FABACEAE (M) na distino de sub-famlia. -Importante conhecer as Sub-famlias das Fabacaea/ Leguminosae: (bibliografias)

    Mimosoideae (M) Caesalpinioideae (C) Papilonoideae (P)

    2.2 Nome de gnero2.2 Nome de gnero2.2 Nome de gnero2.2 Nome de gnero A origem dos nomes genricos vem de antigas designaes usuais da lngua latina popular.

  • 3

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    Lnguas antigas (Akakia, Acacia - Grego antigo = espinho). Nomes indgenas (Butia e Inga, tupi-guarani). Nomes de personalidades (Cabralea, Pedro lvares Cabral). Localizao geogrfica e ecolgica (Allophylus, do Grego, llo = outro e phyllus = nao, origem de nao estrangeira). Elementos da morfologia ou taxonomia vegetal (Enterolobium, do grego, enteron = intestine e lobos = legume). 2.3 Nome especfico2.3 Nome especfico2.3 Nome especfico2.3 Nome especfico Minsculas, sendo normalmente constituda de uma nica palavra ou raramente por duas palavras unidas por hfen. Exemplo:

    crenata: ressalta a margem crenada dos fololos. polymorpha: ao polimorfismo da espcie. obtusifolia: refere-se as folhas com pice obtuse. triplinervia: as trs nervuras salientes que partem da base do limbo.

    A origem dos nomes genricos de antigas designaes usuais da lngua latina popular. Entretanto, esses termos tm vrias origens, como em outras lnguas antigas (Akakia, Acacia - Grego antigo = espinho), nomes indgenas (Butia e Inga, tupi-guarani), nome de personalidades (Cabralea, Pedro lvares Cabral), localizao geogrfica e ecolgica (Allophylus, do Grego, llo = outro e phyllus = nao, origem de nao estrangeira) e elementos da morfologia ou taxonomia vegetal (Enterolobium, do grego, enteron = intestine e lobos = legume). 2.4 Nome dos Autor(es):2.4 Nome dos Autor(es):2.4 Nome dos Autor(es):2.4 Nome dos Autor(es): O(s) nome(s) do autor(es) faz(em) parte do nome cientfico, sempre disposto logo aps os nomes do gnero e/ou do epteto especfico. O nome refere a(s) pessoa(s) responsvel(is) pela descrio da botnica da espcie, podendo estar escrito de forma inteira ou abreviada. Exemplo: - Determinador do Gnero: Pouteria Aubl. - Determinador da Espcie: Pouteria guianensis Aubl., Pouteria maxima T.D. Penn. 3. TERMINOLOGIA DENDROLGICA 3. TERMINOLOGIA DENDROLGICA 3. TERMINOLOGIA DENDROLGICA 3. TERMINOLOGIA DENDROLGICA (conforme, Roderjam, 2008) 3.1 rvore3.1 rvore3.1 rvore3.1 rvore Vegetal superior lenhoso constitudo de uma poro superior folhosa, denominada copa, de um tronco suporte livre de ramificaes, denominado fuste, e de um sistema radicial - raiz que prende este conjunto ao solo.

  • 4

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    3.2 Hbito 3.2 Hbito 3.2 Hbito 3.2 Hbito Aspecto geral da rvore em vista da proporo da copa em relao sua altura do solo. CopaCopaCopaCopa baixa ou copadabaixa ou copadabaixa ou copadabaixa ou copada: a copa ocupa mais de 50% da altura total da rvore. Copa altaCopa altaCopa altaCopa alta: a copa ocupa menos de 50% da altura total da rvore. Forma especficaForma especficaForma especficaForma especfica: quando cresce isolada ou livre de concorrncia. Forma florestalForma florestalForma florestalForma florestal: quando cresce em conjunto com outras rvores, concorrendo pelo espao disponvel para o seu desenvolvimento.

    3.3 Porte da rvore3.3 Porte da rvore3.3 Porte da rvore3.3 Porte da rvore Aspecto geral da rvore em relao sua altura total e dimetro a 1,30 m do solo (altura do peito - DAP).

    PortePortePortePorte Altura totalAltura totalAltura totalAltura total DAPDAPDAPDAP

    Pequeno: < 10 m < 15 cm

    Mdio: 10 - 25 m 15 - 50 cm

    Grande: > 25 m > 50 cm

    3.4 Razes3.4 Razes3.4 Razes3.4 Razes Parte inferior das rvores, geralmente subterrnea, com duas funes principais: - Mecnica - sustentao e fixao ao solo. - Fisiolgica - absoro da gua e nutrientes.

    subtersubtersubtersubterrnernernernea superficiais a superficiais a superficiais a superficiais aaaareas (escoras) reas (escoras) reas (escoras) reas (escoras) respiratriasrespiratriasrespiratriasrespiratrias

  • 5

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    3.5 Fuste3.5 Fuste3.5 Fuste3.5 Fuste Parte do tronco livre de ramificaes e suscetvel de ser industrializada.

    tipos formas tipos formas tipos formas tipos formas basebasebasebase 3.6 Folha3.6 Folha3.6 Folha3.6 Folha Estrutura area de crescimento, geralmente laminar, com funo fotossintetizante. Pode ser simples (3.6.1) ou composta (3.6.2). 3.6.1 Folha Simples3.6.1 Folha Simples3.6.1 Folha Simples3.6.1 Folha Simples Apenas uma lmina foliar aps a gema axilar.

    3.6.2 Folhas Compostas3.6.2 Folhas Compostas3.6.2 Folhas Compostas3.6.2 Folhas Compostas

    Apresenta mais de uma lmina foliar (fololo) aps a gema axilar.

  • 6

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    3.6.3 Filotaxia3.6.3 Filotaxia3.6.3 Filotaxia3.6.3 Filotaxia

    o arranjo das folhas ao longo do eixo caulinar.

    3.6.4 Forma da folha3.6.4 Forma da folha3.6.4 Forma da folha3.6.4 Forma da folha

    3.6.5 pice da folha3.6.5 pice da folha3.6.5 pice da folha3.6.5 pice da folha

    3.6.6 Base da folha3.6.6 Base da folha3.6.6 Base da folha3.6.6 Base da folha

    3.6.7 Margem da folha3.6.7 Margem da folha3.6.7 Margem da folha3.6.7 Margem da folha

  • 7

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    3.6.8 Nervao (venao)3.6.8 Nervao (venao)3.6.8 Nervao (venao)3.6.8 Nervao (venao)

    3333.6.9 .6.9 .6.9 .6.9 EstpulasEstpulasEstpulasEstpulas

    Estruturas geralmente foliceas e em parte na base do pecolo das folhas, ou solitrias apicais.

    3.6.10 Pulvino (genculo)3.6.10 Pulvino (genculo)3.6.10 Pulvino (genculo)3.6.10 Pulvino (genculo)

    Estrutura presente na base ou no pice do pecolo, permitindo certa articulao da folha.

    3.6.11 Pilosidade3.6.11 Pilosidade3.6.11 Pilosidade3.6.11 Pilosidade Pilosidade a presena de estruturas como pelos, escamas ou pelos glandulares na superfcie da planta. A ausncia dessas estruturas na superfcie chamada comumente de glabra. Esses elementos diagnsticos so importantes pois so os responsveis pela diferenciao visual das faces das superfcies foliares nas folhas discolores e na sensao do tato com o dedo sobre a superfcie.

  • 8

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    3.6.12 3.6.12 3.6.12 3.6.12 DomceasDomceasDomceasDomceas

    Estruturas como bolsas, orifcios, sacos, tufos de pelos que permitem o alojamento de insetos, comumente encontradas nas axilas das nervuras, pice do pecolo e base da lmina foliar ou ramo.

    3.6.13 3.6.13 3.6.13 3.6.13 GlndulasGlndulasGlndulasGlndulas

    rgos especializados minsculos que secretam algum tipo de substncia. Apresentam diferentes formas e tamanhos, sendo fonte de informao para diferenciao e determinao botnica.

    3.7 3.7 3.7 3.7 CascaCascaCascaCasca

    Conjunto de tecidos do caule e da raiz situado por fora do cmbio, ordinariamente em casca interna (viva) e casca externa ou ritidoma (morta). Casca interna Casca interna Casca interna Casca interna Parte da periderme formada por tecidos felognicos vivos, no sofrendo influncia do ambiente.

    Caractersticas diagnsticas: - Cor; - Textura: determinada pelos elementos constituintes. Pode ser fibrosa (fibras longas), curto-fibrosa (fibras curtas), arenosa (com elementos ptreos - slica) ou pastosa (com elementos adesivos). - Estrutura: disposio dos seus elementos constituintes. Pode ser compacta, tranada ou laminada. Casca externa (Ritidoma)Casca externa (Ritidoma)Casca externa (Ritidoma)Casca externa (Ritidoma) O revestimento externo dos vegetais lenhosos formado por tecidos mortos do floema. O desprendimento pode ser pulverulento (p), em escamas (tecidos friveis), lminas (tecidos

  • 9

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    consistentes, flexveis) ou em placas (tecidos consistentes, rgidos). Aparncia do RitidomaAparncia do RitidomaAparncia do RitidomaAparncia do Ritidoma: Aspecto quando observado a uma certa distncia (1 m). Pode ser:

    As fissuras podem ser descritas como: - Microfissuradas: menos que 2 mm de largura; - Mesofissuradas: de 2 a 10 mm de largura; - Macrofissuradas: com mais de 10 mm de largura. Elementos eventurais da cascaElementos eventurais da cascaElementos eventurais da cascaElementos eventurais da casca

    - culeosculeosculeosculeos (no vascularizados): facilmente removvel sem desprender parte do tecido da epiderme. - EspinhosEspinhosEspinhosEspinhos (vascularizados): de difcil remoo, normalmente danificando a epiderme do tecido quando retirado.

    -LenticelasLenticelasLenticelasLenticelas (aberturas ou vesculas para aerao dos tecidos internos. Podem variar em forma, tamanho, cor, densidade e pilosidade).

    - Cicatrizes peciolaresCicatrizes peciolaresCicatrizes peciolaresCicatrizes peciolares (cicatrizes formadas pela queda das folhas. Em algumas espcies so persistentes.

    Outras caractersticas teisOutras caractersticas teisOutras caractersticas teisOutras caractersticas teis

  • 10

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    - ExsudaesExsudaesExsudaesExsudaes: na forma de resinas (translcidas, rgidas), gomas (elementos pastosos, adesivos) ou ltex (lquidos, de vrias cores); - OdoresOdoresOdoresOdores: certas espcies, gneros e at famlias possuem odores caractersticos, agradveis ou no; - SaboresSaboresSaboresSabores: pode-se, eventualmente, detectar sabores caractersticos na casca viva (adstringentes, picantes). 4. COLETA BOTNICA4. COLETA BOTNICA4. COLETA BOTNICA4. COLETA BOTNICA A coleta botnica uma forma de registrar a confirmao da espcie em estudos cientficos, levantamentos florsticos e inventrios florestais. A coleta de material botnico de espcies arbreas em ambiente florestal para confirmao essencial, principalmente quando os caracteres dendrolgicos diagnsticos no so evidentes no tronco e casca. Assim, torna-se necessrio a realizao de coleta de material vegetativo para determinao correta da espcie, podendo a coleta ser descartada ou herborizada. 4.1 4.1 4.1 4.1 Atividades de PrAtividades de PrAtividades de PrAtividades de Pr----ColetaColetaColetaColeta Antes de realizar alguma atividade de coleta botnica e trabalho de campo, a pessoa deve levar em considerao o tipo e o objetivo do trabalho a ser realizado, para ter noo da quantidade de material a ser coletado e da logstica necessria para o preparo das coletas. Primeiramente, definir se o trabalho necessitar de muitas coletas botnicas, o cronograma de atividades e a dificuldade de execuo da coleta. No caso de espcies arbreas, a estrutura vertical (altura) um fator determinante no tipo de equipamento a ser usado. Esse fator tambm define a necessidade de pessoa qualificada para atividade em altura, tanto em tcnica de escalada quanto em preparo fsico. Os materiais bsicos para coleta so instrumentos para remoo e condicionamento do material botnico em campo (sacos de coleta, prensas, jornais, acessrios para prensagem, como cordes e tiras de borrachas). Os equipamentos de remoo variam conforme a estrutura do vegetal. Lenhosos normalmente usam-se podes, faces e tesouras de poda. Enquanto os materiais herbceos, que necessitam da remoo do sistema radicular para a execuo da coleta, usam-se formes. Em florestas com rvores de fustes elevados, alm do uso de podes de cabo extensvel, podem-se usar equipamentos de escalada e atiradeiras (bodoque) para a realizao da coleta botnica. 4.2 4.2 4.2 4.2 Atividades de ColetaAtividades de ColetaAtividades de ColetaAtividades de Coleta Com os equipamentos precisos e materiais de coleta em quantidades adequadas, parte-se para o campo para a execuo da amostragem da vegetao. Em rvores, inicialmente deve-se realizar uma sondagem no entorno da base do tronco e nas partes baixas do fuste para constatar a

  • 11

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    existncia de algum ramo ladro com folhas, que auxilie na identificao botnica. Com isso, evitam-se procedimentos trabalhosos de coleta com perda de tempo.

    Nas rvores que necessitam de esforo de coleta, feita uma tentativa inicial com o podo de cabo extensvel, que apresenta diferentes metragens de alcance, podendo ser encontrado no mercado cabos de alumnio ou carbono, que so materiais leves e de fcil manuseio. Caso o alcance do cabo seja insuficiente, podero ser utilizadas outras tcnicas para o alcance do material. Dentre as tcnicas associadas ou no com o uso de podo de cabo telescpico, destaca-se a escalada e o uso de escada, essas normalmente de alumnio. O objetivo dessas tcnicas associadas a melhor projeo do podo de cabo extensvel para alcanar o material a ser coletado. Outra tcnica o uso de projteis contra a copa da rvore, na tentativa de derrubar de ramos e folhas. Com o estilingue (atiradeira, bodoque), usam-se pedras como projteis ou chumbada com linhada, que serve para enroscar um fio de nilon em ramos ou galhos. Tracionando-os, derruba-se o material botnico. Aps a coleta, o material deve ser condicionado em sacolas ou bolsas para garantir a segurana da coleta e evitar a sua perda. Coletas de inventrios florestais devem ser registradas com fita adesiva (crepe) para marcar o nmero da rvore e tambm anotadas em caderneta de campo com o respectivo nmero da rvore e data de coleta. Esse procedimento importante para a correta correspondncia entre material recolhido e a planta matriz. O procedimento seguinte a prensagem. Logo aps a realizao da(s) coleta(s) ou no fim do dia de trabalho, realiza-se a prensagem do material, com uso de prensas normalmente feitas de madeira, conforme Figura 1. A primeira opo, com prensagem diretamente no campo, evita o uso de sacos de coleta. ideal nos dias quentes, pois as plantas podem murchar rapidamente, comprometendo a qualidade esttica do material a ser herborizado. Para a segunda opo necessrio o uso de sacos de coleta que devem apresentar um sistema de fechamento da boca para evitar perda de coletas. O volume ideal de 50 litros. No ambiente florestal, prefere-se realizar, em inventrios, a prensagem aps o trabalho de campo, pois normalmente o volume de coleta pequeno. Com isso, desnecessrio o transporte de materiais de prensagem que dificultam e geram peso extra no deslocamento. J nos trabalhos que exigem muitas coletas, devido falta de conhecimento da florstica local ou necessidade de registro em herbrio, a prensagem imediata torna-se uma medida aconselhvel, visto que melhora a aparncia e conservao do material herborizado.

  • 12

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    FIGURA 1 FIGURA 1 FIGURA 1 FIGURA 1 Modelo de prensa para herborizao de material botnico. 4.3 4.3 4.3 4.3 Atividades de PsAtividades de PsAtividades de PsAtividades de Ps----ColetaColetaColetaColeta Com o material botnico prensado entre jornais e cartes de papelo, as prensas devem ser levadas para secar em estufa eltrica (Anexo A). Para materiais carnosos (frutos, folhas, flores) ou com muita exsudao, o jornal deve ser trocado diariamente e a prensa recolocada novamente na estufa at que o material encontre-se totalmente desidratado. A planta considerada seca quando estiver rgida, sem dobrar ao ser suspensa. O tempo necessrio para secar uma planta vai depender de sua natureza, bem como do processo de secagem, nvel e constncia da temperatura na estufa. No equipamento eltrico, o tempo varia de 24 a 48 horas. Para uma boa secagem, deve haver uma circulao de ar adequada, com a remoo do ar quente e mido do ambiente interno da estufa e uma temperatura no muito elevada, o ideal entre 40 e 60 C.

  • 13

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    Terminada a fase de secagem, as coletas devem ser armazenadas em ordem alfabtica de famlia e sequencialmente por espcie dentro da pasta-catlogo de dorso aberto que possibilita a expanso com uso de parafusos de maior comprimento (3 - 5 cm). Em cada saco plstico ser introduzido uma exsicata por espcie. Junto de cada planta, por saco plstico, adiciona-se uma folha A4, contendo os seguintes dados: Famlia, Nome Cientfco, Nome Vulgar, Local, Data da Coleta, Nome do Coletor, Determinador. A pasta-catlogo serve como um pequeno herbrio de consulta. De fcil manuseio, auxilia na identificao das espcies. Para a conservao desse material, deve-se somente anexar plantas bem desidratadas e guard-lo em locais secos e fechados para evitar ataque de pragas. Caso apresente incio de formao de fungos sobre alguma exsicata, o ideal remov-la para borrifar lcool sobre a coleta. O objetivo desse procedimento eliminar os miclios do(s) fungo(s). Em seguida, a planta deve passar pelo mesmo processo de secagem visto anteriormente. Esse processo tambm deve ser realizado no saco plstico que a exsicata estava armazenada. No fim do processo de expurgo, anexar novamente o saco plstico com a coleta no catlogo. 5. IDENTIFICAO BOTNICA5. IDENTIFICAO BOTNICA5. IDENTIFICAO BOTNICA5. IDENTIFICAO BOTNICA A correta determinao botnica depende muitas vezes de consulta a especialistas. O especialista deve ser consultado antes do envio de qualquer material para identificao, a fim de que ele possa decidir se tem interesse em estudar o material. Hoje, existem sites que auxiliam na busca por especialistas e herbrios reconhecidos. O site Taxonomia Vegetal, lotado no servidor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tem os contatos de taxonomistas e especialistas brasileiros, alm da Rede Brasileira de Herbrios (http://www.ufrgs.br/taxonomia/). Outro site til o Index Herbariorum, mantido pelo Herbrio de Nova York, que apresenta um banco de dados de informao de mais de 3.382 herbrios em 168 pases. No site pode-se pesquisar herbrios existentes num pas, estado ou cidade. Para conferir nomes cientfcos, alguns bancos de dados podem ser consutados, principalmente, para verificao de autores e nomes vlidos. Podem-se citar: - The International Plant Names Index (IPNI): banco de nomes de plantas produzido em

    colaborao com os herbrios The Royal Botanic Gardens, Kew, The Harvard University Herbaria e

    o Australian National Herbarium - http://www.ipni.org/.

    - TROPICOS - Missouri Botanical Garden: banco de dados com mais de 3.766.657 espcies - http://www.tropicos.org/.

  • 14

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    ANEXOANEXOANEXOANEXO A A A A ---- Modelo de estufa eltrica para secagem de material botnicoModelo de estufa eltrica para secagem de material botnicoModelo de estufa eltrica para secagem de material botnicoModelo de estufa eltrica para secagem de material botnico

    Modelo conforme MORI, S.A.; SILVA, L.A.M.; LISBOA, G.; CORADIN, L., 1989. AAAA. base da estufa e suas dimenses. BBBB. banco de lmpadas conectadas em srie. CCCC. posio da tampa removvel de tela. DDDD. estufa com uma s prensa; note como as lmpadas acesas podem ficar separadas com o auxlio de uma tbua. EEEE. estufa 'carregada' com prensas.

  • 15

    Curso de Identificao Botnica de Espcies Arbreas da Regio Amaznica

    REFERNCIAREFERNCIAREFERNCIAREFERNCIASSSS BIBLIOGRBIBLIOGRBIBLIOGRBIBLIOGRFICASFICASFICASFICAS BICUDO, C.E. de M. & PRADO, J. Cdigo Internacional de Nomenclatura BotnicaCdigo Internacional de Nomenclatura BotnicaCdigo Internacional de Nomenclatura BotnicaCdigo Internacional de Nomenclatura Botnica (Cdigo de Viena, 2005). IBT, IAPT, SBSP, So Carlos: Editora Rima, 2007. 181 p. MARCHIORI, J. N. C. Elementos de DendrologiaElementos de DendrologiaElementos de DendrologiaElementos de Dendrologia. Santa Maria: Ed. UFSM, 1995. 163 p. MORI, S.A.; SILVA, L.A.M.; LISBOA, G.; CORADIN, L. Manual de manejo do herbrio Manual de manejo do herbrio Manual de manejo do herbrio Manual de manejo do herbrio fanerogmicofanerogmicofanerogmicofanerogmico. Centro de Pesquisa do Cacau, Ilhus, 1989. 44 p. RIBEIRO, J. E. L.; HOPKINS, M. J. G.; VICENTINI, A.; SOTHERS, C. A.; COSTA, M. A. S.; BRITO, J. M.; MARTINS, L. H. P.; LOHMANN, L. G.; ASSUNO, P. A. C. L; PEREIRA, E. C.; MESQUITA, S. M. R.; PROCPIO, L. C. FlFlFlFlora da Reserva Duckeora da Reserva Duckeora da Reserva Duckeora da Reserva Ducke. Guia de identificao das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amaznia Central. Manaus. INPA, 1999. 799 p. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADABIBLIOGRAFIA RECOMENDADABIBLIOGRAFIA RECOMENDADABIBLIOGRAFIA RECOMENDADA BARALOTO, C.; WALTHIER, F.; FERREIRA, E.; ROCKWELL, C. rvores Madeireiras do Acre, rvores Madeireiras do Acre, rvores Madeireiras do Acre, rvores Madeireiras do Acre, Brasil: um guia para os mateirosBrasil: um guia para os mateirosBrasil: um guia para os mateirosBrasil: um guia para os mateiros. Disponvel em: . Acesso em: 15 jul. 2009. BONIFACIO, M; JUSTINIANO, J.; TOLEDO, M.; FREDERICKSEN, T. Gua Dendrolgica de Gua Dendrolgica de Gua Dendrolgica de Gua Dendrolgica de Especies Forestales de BoliviaEspecies Forestales de BoliviaEspecies Forestales de BoliviaEspecies Forestales de Bolivia. Santa Cruz, 2 ed., 2003. 245 p. JUSTINIANO, M. J.; PEN-CLAROS, M.; TOLEDO, M.; JORDN, C. Gua Dendrolgica de Gua Dendrolgica de Gua Dendrolgica de Gua Dendrolgica de EEEEspecies Forestales de Boliviaspecies Forestales de Boliviaspecies Forestales de Boliviaspecies Forestales de Bolivia, v. 2. Santa Cruz de la Sierra, 2003. 231 p. RIBEIRO, J. E. L.; HOPKINS, M. J. G.; VICENTINI, A.; SOTHERS, C. A.; COSTA, M. A. S.; BRITO, J. M.; MARTINS, L. H. P.; LOHMANN, L. G.; ASSUNO, P. A. C. L; PEREIRA, E. C.; MESQUITA, S. M. R.; PROCPIO, L. C. FlFlFlFlora da Reserva Duckeora da Reserva Duckeora da Reserva Duckeora da Reserva Ducke. Guia de identificao das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amaznia Central. Manaus. INPA, 1999. 799 p. SITES DE CONSULTASITES DE CONSULTASITES DE CONSULTASITES DE CONSULTA TROPICOS - Missouri Botanical Garden banco de dados com mais de 3.766.657 espcies. http://www.tropicos.org/ The International Plant Names Index (IPNI) banco dados de nomes de plantas, produzido em colaborao com os herbrios: The Royal Botanic Gardens, Kew, The Harvard University Herbaria, e o Australian National Herbarium. http://www.ipni.org/ Index Herbariorum Banco de dados de informao de 3.382 herbrios em 168 pases. http://sciweb.nybg.org/science2/IndexHerbariorum.asp Taxonomia Vegetal Taxonomistas e especialistas; Rede Brasileira de Herbrios. http://www.ufrgs.br/taxonomia/

Recommended

View more >