verdade e significado: uma abordagem linguistico-cognitiva www.nilson.pro.br

Download VERDADE E SIGNIFICADO: UMA ABORDAGEM LINGUISTICO-COGNITIVA www.nilson.pro.br

Post on 18-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • VERDADE E SIGNIFICADO: UMA ABORDAGEM LINGUISTICO-COGNITIVA www.nilson.pro.br
  • Slide 2
  • 2 Linguagem, Cultura, Cognio Como que a lngua pode instituir nomes, descries, correlaes e indicaes que no tm nada a ver com uma suposta ordem dos factos, e como, mesmo assim, esses discursos constituem, no bem como no mal, o nervo de uma cultura e a substncia da comunicao quotidiana? U. Eco (1973)
  • Slide 3
  • www.nilson.pro.br3 Crculo de preocupaes Retrica (hiper)meditica ao servio do poder Pobreza gerada pela excluso dos sistemas simblicos Anestesia moral dos decisores polticos Divrcio entre tica e Lei Relativismo epistemolgico e cultural; Multiculturalismo Desumanizao da relao educativa
  • Slide 4
  • www.nilson.pro.br4 Crculo de preocupaes Que papel para o ensino e iniciao filosficos, para a pedagogia do pensamento e debate crtico de ideias, da aco reflectida? Que tempo merece a iniciao argumentao no 10 e 11 Anos? Ensinar ou iniciar? Como superar o fraco domnio da Lngua? Que ideia de sentido e de verdade subjazem apresentao das temticas de Lgica, de Epistemologia, da relao entre valores e cultura, de tica Pessoal e Social?
  • Slide 5
  • www.nilson.pro.br5 Um ponto de partida As palavras faladas so smbolos das afeces da alma, e as palavras escritas so smbolos das palavras faladas. E como a escrita no igual em toda a parte, tambm as palavras faladas no so as mesmas em toda a parte, ainda que as afeces de alma de que as palavras so signos primeiros, sejam idnticas, tal como so idnticas as coisas de que as afeces referidas so imagens. Aristteles, Perirmeneias
  • Slide 6
  • www.nilson.pro.br6 O tringulo de Aristteles Aristteles, Perirmeneias E como a escrita no igual em toda a parte, tambm as palavras faladas no so as mesmas em toda a parte, ainda que as afeces de alma de que as palavras so signos primeiros, sejam idnticas, tal como so idnticas as coisas de que as afeces referidas so imagens. Palavra falada / escrita P A C Coisa Afeco da Alma smbolo de imagem de significa
  • Slide 7
  • www.nilson.pro.br7 Verdade Significado? P? A? C? Palavra falada / escrita P A C Coisa Afeco da Alma smbolo imagem significado P A
  • Slide 8
  • www.nilson.pro.br8 Problemas e questes bsicas A Verdade acordo com as coisas, coerncia de ideias ou conveno? O Significado emprica, intuitiva ou funcionalmentemente dado? O significado irrelevante para a noo de verdade? A verdade condio necessria do significado? Quais as implicaes filosficas e didcticas das respostas a estas questes?
  • Slide 9
  • www.nilson.pro.br9 O tringulo filosfico P A C Filosofia da Mente e da Conscincia Filosofia da Linguagem L M R Teorias do Significado Teorias da Verdade Epistemologia Metafsica
  • Slide 10
  • www.nilson.pro.br10 O tringulo da discrdia? P A C Objecto (Frege; Peirce), Denotatum (Morris), Significado (Frege), denotao (Russell), extenso (Carnap) Signo (Peirce), veculo sgnico (Morris), Smbolo (Ogden-Richards), expresso (Hjelmslev), representamen (Peirce), sema (Buyssens), significante (Saussure) Interpretante (Peirce), Referncia (Ogden-Richards), sentido (Frege), intenso (Carnap), designatum (Morris, 1938), significatum (Morris, 1946), conceito, significado (Saussure), comotao connotatum (Stuart Mill), imagem mental (Saussure, Peirce), contedo (Hjelmslev), estado de conscincia (Buyssens)
  • Slide 11
  • www.nilson.pro.br11 A Base das Teorias da Verdade teorias referenciais concepo do significado como algo directamente conectado com elementos do mundo (e, por isso mesmo, objectivamente analisvel em termos de condies-de- verdade atravs de uma lgica formal) teorias conceptuais do significado uma concepo do significado como uma entidade mental e inevitavelmente conectada com a experincia humana.
  • Slide 12
  • www.nilson.pro.br12 Significado e Verdade: solues? S tem significado o que verificvel (Carnap,1928) O significado irrelevante para a verdade (Russell, 1903) O significado condio necessria da verdade (Davidson 1986)
  • Slide 13
  • www.nilson.pro.br13 S faz sentido o verificvel Carnap (1928) O sentido de uma proposio consiste em que expressa um estado de facto (pensvel, porm no necessariamente existente). Se uma (pretensa) proposio no expressa um facto (pensvel), carece de sentido e, por isso, uma assero apenas em aparncia. Se uma proposio exprime um facto, ento possui sempre significado; e verdadeira quando tal facto existe e falsa quando no existe.
  • Slide 14
  • www.nilson.pro.br14 Significado irrelevante Russell (1903) Todas as palavras tm significado, no puro sentido de que esto por alguma coisa diferente de si. Mas uma proposio, salvo no caso em que verse sobre a linguagem, no contm palavras, mas entidades indicadas por palavras. Assim, o significado, no sentido em que as palavras tm significado, irrelevante para a Lgica
  • Slide 15
  • www.nilson.pro.br15 O significado crucial Davidson (1986) Pondo de parte casos aberrantes, o que une a verdade e o conhecimento o sentido. a verdade de uma elocuo depende apenas de duas coisas: aquilo que as palavras enquanto faladas significam e o modo como o mundo est disposto. Dois intrpretes podem no estar de acordo sobre se uma elocuo verdadeira, mas apenas de diferirem sobre como as coisas so no mundo que partilham, ou sobre o que a elocuo significa.
  • Slide 16
  • www.nilson.pro.br16 Uma falsa premissa oculta? Davidson (1984) H perspectivas correntes acerca da linguagem que encorajam uma m epistemologia. O que, claro, no acontece por acidente, uma vez que as teorias do sentido esto ligadas epistemologia atravs de esforos para responder questo acerca de como que se determina que uma frase verdadeira.
  • Slide 17
  • www.nilson.pro.br17 LC: um mtodo para a Filosofia? Davidson (1984) Ao partilharmos uma linguagem partilhamos uma imagem do mundo que , nas suas caractersticas mais gerais, necessariamente verdadeira. Segue-se que, ao tornarmos manifestas as caractersticas mais gerais da nossa linguagem, tornamos manifestas as caractersticas mais gerais da realidade. Uma maneira de investigar em metafsica , por conseguinte, a de estudar a estrutura geral da nossa linguagem.
  • Slide 18
  • www.nilson.pro.br18 A Lingustica Cognitiva
  • Slide 19
  • www.nilson.pro.br19 O que a Lingustica Cognitiva? A Lingustica Cognitiva (LC) no uma nica teoria da linguagem A Lingustica Cognitiva conjunto de programas de investigao genericamente compatveis, quer em termos tericos quer em termos metodolgicos.
  • Slide 20
  • www.nilson.pro.br20 Tendncias metodolgicas Fenomenolgica: introspeco; anlise terica Fisicalista: mtodo experimental (NTL) Emprica: mtodos estatsticos; lingustica de corpus Biosemitica: modelizao matemtica (teoria das catstrofes) de sistemas dinmicos
  • Slide 21
  • www.nilson.pro.br21 O que um significado? Um significado consiste num contedo (conceptual, perceptual, etc.) e numa forma particular de construir, configurar esse contedo. Significado = Base conceptual + Construal
  • Slide 22
  • www.nilson.pro.br22 Caso I Significado flexvel 1.Exemplo Clssico (Frege, 1892) estrela da manh, estrela da tarde ESTRELA DA MANH, ESTRELA DA TARDE Planeta Vnus 2.Lxico da chuva (Kimbundu, Angola) Ixi ia nvula TERRA DE CHUVA Mvla CHUVA; Kusonha PINGAR, GOTEJAR, CHUVISCAR Uaia SOM DA CHUVA AO CAIR
  • Slide 23
  • www.nilson.pro.br23 Caso I Significado flexvel 3.Fruta / Fruto (Teixeira, 2005)
  • Slide 24
  • www.nilson.pro.br24 Caso I Significado flexvel 3.Fruta / Fruto (Teixeira, 2005)
  • Slide 25
  • www.nilson.pro.br25 Caso I Problemas H diferentes palavras porque, por razes de sobrevivncia, os falantes percepcionam instintivamente realidades diferentes ou percebem realidades distintas porque so condicionados pela existncia de diferentes palavras (unidades significante/significado) ?
  • Slide 26
  • www.nilson.pro.br26 Caso II Significados corpreos 1.Conceito de COR (Berlin & Kay; Rosch) Preto Branco Vermelho Amarelo Verde AzulCastanho Prpura Rosa Laranja Cinzento
  • Slide 27
  • www.nilson.pro.br27 Caso II Significados corpreos 2.Lexicalizao do espao: esquemas imagticos em CORA (E. Cassad) 137 relaes espaciais No so preposies, posposies, casos Pronomes decticos (locativos): m a u h i
  • Slide 28
  • www.nilson.pro.br28 Caso II Significados corpreos 3.Metforas espaciais (partes do corpo) em Mixtec (L. Talmy) Diferentes padres de Lexicalizao do espao Em Mixtec todas as relaes espaciais so dadas em metforas que envolvem partes do corpo: A casa est no cimo do monte / A casa est na cabea do monte Espao peripessoal: o corpo (crebro) est preparado para identificar o espao perto das vrias partes do corpo. Significado emerge das estruturas secundrias do crebro (mirror + cannonic neurons)
  • Slide 29
  • www.nilson.pro.br29 Caso III Argumento e metfora Um argumento formado pelos seguintes elementos: 1.Premissas 2.Concluso 3.Conexo Lgica entre premissas e concluso Exemplo: Se o produto X dissolve-se em gua, ento X um sal. Ora, X dissolve-se. Logo, X um sal.
  • Slide 30
  • www.nilson.pro.br30 Caso III Argumento e metfora Conexo lingustica Unidade e continuidade de sentido criada por conectores Conexo psicolgica Associao de ideias motivada por crenas, d