valoração de unidades de conservação: benefícios ... ?ão/resumo... · valoração de...

Download Valoração de Unidades de ConserVação: benefícios ... ?ão/Resumo... · Valoração de Unidades…

Post on 13-Mar-2019

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Caatinga - Serra do TombadorZig Koch

Valorao de Un idades de ConserVao:b e n e f c i o s e c o n m i c o s e s o c i a i s g e r a d o s

p e l a s r e s e r va s pa r t i c u l a r e s d e pat r i m n i o n at u r a l d a f u n d a o g r u p o b o t i c r i o

d e p r o t e o n at u r e z a

CURITIBA

Fundao Grupo Boticrio de Proteo Natureza

2015

1

resUMo eXeCUT iVo

VA l o R A o d e U n I d A d e S d e C o n S e R VA o : B e n e f C I o S e C o n m I C o S e S o C I A I S g e R A d o S

p e l A S R e S e R VA S pA R T I C U l A R e S d e pAT R I m n I o n AT U R A l d A f U n d A o g R U p o B o T I C R I o d e

p R o T e o n AT U R e Z A

Carlos Eduardo Frickmann Young, PhD.

Leonardo Barcellos de Bakker, MSc.

Mnica Frickmann Young Buckmann, MSc.

Claudio Henschel de Matos, MSc.

Leide Takahashi, Dra.

Marion Letcia Bartolamei Silva, MSc.

Valorao de Unidades de Conservao: benef c ios econmicos e socia is gerados pelas Reservas Part iculares de Patr imnio Natural da Fundao Grupo Bot icr io de Proteo Natureza

Valorao de Unidades de Conservao: benef c ios econmicos e socia is gerados pelas Reservas Part iculares de Patr imnio Natural da Fundao Grupo Bot icr io de Proteo Natureza

A criao de uma Unidade de Conservao

(UC) reflete muito mais do que somente

os benefcios ambientais gerados pela

conservao da biodiversidade per se. Essa

hiptese foi testada por meio de um estudo

de valorao das duas Reservas Particulares

de Patrimnio Natural (RPPNs)1 da Fundao

Grupo Boticrio de Proteo Natureza,

com o objetivo de dimensionar os benefcios

econmicos e sociais, diretos e indiretos,

gerados pela existncia dessas UCs para a

sociedade, em termos locais e globais.

Desde 1990, a Fundao Grupo Boticrio,

uma organizao no governamental, atua

com o objetivo de promover e realizar

aes de conservao da natureza. A

partir da criao das duas RPPNs, Reserva

Natural Salto Morato (RNSM) e Reserva

Natural Serra do Tombador (RNST), a

Fundao vem se consolidando como

uma referncia nacional em manejo de

reservas naturais privadas. Alm disso,

desde 2003, a fundao tem desenvolvido

bases conceituais e metodolgicas para a

valorao ambiental por meio da iniciativa

Osis, que envolve um mecanismo de

pagamento por servios ambientais

(PSA) e que atualmente tem experincias

implantadas ou em desenvolvimento em seis

Estados brasileiros.

Nesse contexto, com o objetivo de fortalecer

o Sistema Nacional de Unidades de

Conservao (SNUC), foram aliadas as duas

estratgias, de forma a sistematizar uma

metodologia de valorao de reas naturais.

O conceito de Servios Ecossistmicos

fundamental para fazer essa ligao, pois

ele permite identificar as vantagens da

conservao dos habitats naturais para a

sociedade humana. Se os benefcios gerados

por tais servios forem transformados

em argumentos econmicos e sociais, a

importncia da conservao dessas reas

naturais pode ser compreendida de forma

ainda mais clara.

1RPPN uma categoria de reserva privada prevista no Sistema Nacional de Unidades de Conservao, registrada na matrcula do imvel de forma voluntria e perptua pelo proprietrio, no podendo ter outra destinao, no futuro, alm do que determina a categoria do SNUC (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm).

Introduo

2

Valorao de Unidades de Conservao: benef c ios econmicos e socia is gerados pelas Reservas Part iculares de Patr imnio Natural da Fundao Grupo Bot icr io de Proteo Natureza

Para o estudo das RPPNs da Fundao, a definio dos benefcios a serem valorados levou em conta os objetivos de criao das reservas, a viabilidade de aplicao de metodologias de valorao j consagradas na literatura e a existncia de sries histricas ou outros tipos de informao que permitissem o clculo, incluindo referncias bibliogrficas que pudessem servir como parmetro de anlise.

Em todo exerccio de valorao, o procedimento metodolgico fundamental foi comparar cenrios alternativos, usualmente considerados com unidade de conservao ou sem unidade de conservao. Dessa forma, essencial e indispensvel conhecer as atividades produtivas existentes na rea, antes da criao das UCs.

Para tanto, como sugere a teoria de valorao de recursos ambientais, cada um dos benefcios considerados foi tratado separadamente. Para as RPPNs, foram considerados:

1. Uso pblico: estimativa de impacto econmico gerado na economia local devido visitao na UC, considerando tambm seu efeito multiplicador na economia local;

2. eroso de solo evitada: estimativa do servio ecossistmico de controle de eroso e sedimentao pela conservao de remanescentes de vegetao nativa e/ou sua restaurao, tendo como referncia o custo mdio/tonelada para a remoo de

sedimentos em corpos hdricos;

3. Abastecimento de gua: estimativa de custo para o fornecimento de gua potvel (uma das reservas possui, dentro da UC, a captao de gua que abastece a comunidade a jusante);

4. Repartio de receitas tributrias (ICmS ecolgico): levantamento dos repasses de receitas tributrias com o ICMS Ecolgico2 em funo da presena das UCs. Esse clculo considerou a legislao estadual especfica;

5. Impacto de contrataes e aquisies locais: levantamento dos gastos decorrentes do manejo da rea, compostos pela renda recebida em forma de salrio pelos funcionrios das Reservas, que so moradores da regio, e pela estimativa dos gastos com fornecedores locais, considerando-se seu efeito multiplicador na economia local;

6. educao ambiental: levantamento dos investimentos realizados em programas de educao ambiental em escolas pblicas locais, incluindo gastos com alimentao e transporte;

7. pesquisa cientfica: levantamento dos investimentos para a promoo da pesquisa cientfica realizados na UC;

8. Reduo de emisses por desmatamento e degradao (Redd): estimativa de volume total de emisses de gases de efeito estufa evitadas de reas que seriam convertidas para outros usos, caso a UC no tivesse sido criada;

A definio dos benefcios valorados

2ICMS Ecolgico: mecanismo tributrio que possibilita aos municpios acesso a parcelas maiores que quelas que j tm direito, dos recursos financeiros arrecadados pelos Estados por meio do Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Servios (ICMS), em razo do atendimento de determinados critrios ambientais estabelecidos em leis estaduais (http://www.icmsecologico.org.br).

3

Valorao de Unidades de Conservao: benef c ios econmicos e socia is gerados pelas Reservas Part iculares de Patr imnio Natural da Fundao Grupo Bot icr io de Proteo Natureza

A Fundao Grupo Boticrio mantm duas

RPPNs nos dois biomas mais ameaados

do pas. A primeira, adquirida em 1994,

foi a Reserva Natural Salto Morato, que

possui 2.253 hectares e est localizada

em Guaraqueaba (PR), dentro da maior

rea contnua de Mata Atlntica do pas.

A segunda, a Reserva Natural Serra do

Tombador, foi adquirida em 2007, com o

objetivo de proteger 8.730 hectares de

Cerrado e est localizada em Cavalcante

(GO), regio de alta prioridade de

conservao, segundo o Ministrio

do Meio Ambiente (MMA).

Para a anlise dos resultados obtidos

vlida uma referncia das UCs no contexto

municipal. Ambas as reas so relativamente

pequenas, se comparadas ao territrio dos

municpios onde esto estabelecidas: a

RNSM corresponde a apenas 1,1% da rea

do municpio de Guaraqueaba, e a RNST

a 1,3% da rea do municpio de Cavalcante.

A pecuria, pelo histrico pretrito criao

das RPPNs, seria o uso atribudo atualmente,

caso as reservas no tivessem sido criadas.

Na sequncia, os valores3 obtidos para cada

benefcio nas duas RPPNs da Fundao

Grupo Boticrio, segundo o cenrio mais

conservador de estimativa de benefcios:

3Para a converso dos valores, recomenda-se usar o dlar mdio de 2014, ano de realizao do estudo, cuja taxa de cmbio R$ 2,4/US$.

Cachoeira TombadorJos paiva

Salto moratoAdrian moss

O estudo de caso na RPPN Salto Morato e na RPPN Serra do Tombador

9. Sequestro de carbono por restaurao da vegetao: estimativa da densidade de carbono (t/ha) dessas reas, com base no clculo das reas em restaurao, e da taxa de sequestro de carbono obtida para a UC ou para a regio;

10. pecuria evitada: estimativa das emisses evitadas de metano pela remoo dos rebanhos bovino e bubalino.

4

Valorao de Unidades de Conservao: benef c ios econmicos e socia is gerados pelas Reservas Part iculares de Patr imnio Natural da Fundao Grupo Bot icr io de Proteo Natureza

* Considera-se para esses benefcios o fator multiplicador na economia local, ou seja, o valor do benefcio obtido representa um aumento do poder de compra do agente econmico local, que, por sua vez, efetuar tambm gastos na aquisio de bens ou servios produzidos na regio, gerando um impacto multiplicador na demanda efetiva da economia local. Para este estudo, considera-se que o efeito final dos benefcios/gastos na economia ser 1,3 vezes o valor inicial.

** Por se tratar de uma transferncia, o benefcio econmico apenas local, no podendo ser considerado na escala nacional ou global. O efeito de induo da atividade

Recommended

View more >