UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ - ?· INTRODUÇÃO AOS FUNDAMENTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO…

Download UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ - ?· INTRODUÇÃO AOS FUNDAMENTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO…

Post on 22-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE VALE DO ACARA - UVA

    UNIVERSIDADE ABERTA VIDA - UNAVIDA

    CURSO: PEDAGOGIA

    DISCIPLINA:

    FUNDAMENTOS HISTRICOS, FILOSFICOS E SOCIOLGICOS

    DA EDUCAO

    INTRODUO AOS FUNDAMENTOS HISTRICOS E FILOSFICOS

    DA EDUCAO

  • 1

    Universidade Estadual Vale do Acara UVA Disciplina: Fundamentos Histricos, Filosficos e Sociolgicos da Educao Professor: Tibrio

    INTRODUO AOS FUNDAMENTOS HISTRICOS E FILOSFICOS DA EDUCAO

    Os fundamentos histricos e filosficos da educao podem nos oferecer a compreenso do fenmeno educacional na sociedade moderna capitalista, mas precisamente a escola como espao formal. No entanto, isso no significa que a educao esteja restrita ao espao escolar tradicional. Do contrrio, este fenmeno se manifesta em quase todos os ambientes sociais existentes, desde a famlia at as instituies. Mas, como professores e futuros professores, importante compreender o papel que o mesmo tem na sociedade moderna capitalista.

    Na sociedade moderna capitalista, a educao tornou-se ferramenta de apropriao da realidade, dando escola o carter oficial e moldador do ideal humano estabelecido pela ordem social, econmica e poltica do sistema. Entretanto, as ideias pedaggicas que permeiam este processo partem de como os seres humanos pensam sobre si e sobre tudo, teorizando a sua prpria existncia.

    Espera-se que a partir dessas bases tericas, algumas reflexes importantes sejam compreendidas, como:

    Entender que a educao no neutra, ao contrrio, possui uma intencionalidade;

    Identificar que existem diferentes conceitos de educao;

    Compreender que a educao no uma prerrogativa apenas da escola, que ela

    ocorre em diferentes espaos sociais.

    A Filosofia

    natural do homem questionar tudo e todos. Alguns chegam mesmo a serem chatos de tanto que questionam as coisas. A reflexo, porm, sempre esteve presente na trajetria humana. At o final do sculo VIII a.C., a mitologia era a principal explicao para a realidade existente sobre a terra. A partir do momento em que o homem comeou a meditar sobre o funcionamento do universo, da vida e a buscar explicaes racionais para o mundo, damos os primeiros passos para o surgimento da filosofia.

    A filosofia se constituiu quando alguns gregos, insatisfeitos com as explicaes sobre a realidade dadas pela tradio por meio dos mitos comearam a fazer perguntas e buscar respostas para elas, demonstrando que o mundo e os seres humanos, os acontecimentos naturais e as coisas da natureza, os acontecimentos humanos e as aes dos seres humanos podem ser conhecidos pela razo humana, e que a prpria razo capaz de conhecer-se a si mesma.

    Em suma, esses pensadores gregos se deram conta de que a verdade do mundo e dos humanos no era algo secreto e misterioso, revelado por divindades a apenas alguns escolhidos.

  • 2

    Universidade Estadual Vale do Acara UVA Disciplina: Fundamentos Histricos, Filosficos e Sociolgicos da Educao Professor: Tibrio

    Se antes a mitologia podia explicar o que acontecia no mundo, agora as explicaes da razo, a busca por caminhos e respostas lgicas e a indagao permanente com a cultura e a sociedade em que vivem passa a fazer parte dos questionamentos humanos.

    Podemos dizer que a filos se constitui quando os seres humanos comeam a exigir provas e justificaes racionais que validem ou invalidem as crenas cotidianas.

    Por que racionais? Por trs motivos:

    porque racional significa argumentado, debatido e compreendido;

    porque racional significa que, ao argumentar e debater, queremos conhecer as condies e os pressupostos de nossos pensamentos e dos outros;

    porque racional significar respeitar certas regras de coerncia do pensamento para que um argumento ou um debate tenha sentido. Desse modo, possvel chegar a concluses que podem ser compreendidas, discutidas, aceitas e respeitadas por outros.

    A Filosofia um estudo relacionado existncia, ao conhecimento, a verdade, aos

    valores morais e estticos, a mente e a linguagem. Seus mtodos esto caracterizados pela argumentao.

    Sua importncia para a compreenso da sociedade e do mundo para quebrar barreiras para que o indivduo atravs de seu esforo obtenha um estado pleno de satisfao, ocasionando um momento de felicidade.

    Atravs da argumentao podemos quebrar as barreiras dos nossos preconceitos, ideias erradas, de nossa realidade que no queremos mudar. Melhoramos nossas ideias, decises e agimos melhor, j que nossas aes se baseiam naquilo que pensamos.

    J os problemas que a filosofia apresenta ajudam-nos a compreender melhor o mundo, fazendo-nos ter uma atitude crtica em relao s respostas e solues apresentadas para os problemas da sociedade, com o objetivo de termos um mundo cada vez melhor para todos.

    Voc j questionou o significado da palavra Filosofia? A palavra Filosofia provm do grego e resultado da juno de duas outras palavras: a philia, philos ou philiaque, que significam amor fraterno ou amizade, respeito entre os iguais; e a palavra sophia, quer dizer sabedoria e dela vem a palavra sophos, sbio. Portanto, a filosofia seria, em sentido literal, a amizade, o amor pelo saber ou o respeito pelo saber. Logo, um filsofo no passa de algum que busca sempre mais a sabedoria e que possui amor pelo conhecimento e assim deseja saber.

    O termo Filosofia, consequentemente, lembra um estado de esprito, o da pessoa que ama, isto , deseja o conhecimento, o estima, procura e respeita. Assim, com o auxlio da etimologia, podemos ver que a Filosofia no puro logos, pura razo: ela a procura amorosa da verdade.

  • 3

    Universidade Estadual Vale do Acara UVA Disciplina: Fundamentos Histricos, Filosficos e Sociolgicos da Educao Professor: Tibrio

    Pitgoras de Samos (um dos filsofos pr-socrticos que viveu no sc.VI a.C.) foi a primeira pessoa a fazer uso da palavra Filosofia (philos-sophia). Pitgoras teria afirmado que a sabedoria plena e completa pertence aos deuses, mas que os homens podem desej-la ou am-la, tornando-se filsofos.

    A Filosofia exige que ns retiremos de nossas relaes mais ordinrias uma reflexo criteriosa sobre as mesmas; um modo de pensar que persegue o ser humano em seu exerccio de compreenso do mundo onde ocorrem essas relaes, possibilitando ao crtica, criativa e transformadora sobre a realidade.

    A Filosofia compreende uma abordagem fundamentalmente terica, isso no significa que ela esteja margem do mundo, nem que constitua um corpo de ensinamentos ou saberes acabados, com o contedo determinado, onde no haja flexibilidade e seja avesso a qualquer tipo de mudana. A Filosofia supe uma constante disponibilidade para a indagao. Por isso, segundo Plato, a primeira virtude do filsofo encontrar-se suscetvel para surpreender-se diante do que comum vida. Essa a condio para problematizar; o que marca a Filosofia no como aquela que detm a verdade, mas como aquela que subsiste em sua contnua busca. Ou seja, se o filsofo capaz de admirar-se com o bvio e questionar as verdades dadas, ele recebe a dvida como despertadora desse processo abstracional.

    Ante o exposto, podemos presumir que atitude filosfica o refletir sobre a realidade, na busca de desvelar os significados mais profundos e assim descobrir o que est por trs daquilo que se mostra primeira vista. Contudo, imprescindvel distinguirmos entre o rigor da reflexo filosfica e a reflexo que expressamos comumente, de maneira desorganizada e no sistemtica.

    No se pode pensar em nenhum ser humano que no seja tambm filsofo, que no pense, precisamente porque pensar prprio do ser humano como tal.

    Portanto, a Filosofia a possibilidade da transcendncia humana, ou seja, a capacidade de superar a situao dada e no-escolhida. Pela transcendncia, a pessoa surge como ser de projeto, capaz de ser livre e de construir o seu destino. O distanciamento justamente o que provoca a nossa aproximao maior com a vida. A Filosofia recupera o processo perdido na averso ao progresso das coisas feitas, impedindo assim a estagnao.

    A Filosofia possibilita a constante avaliao dos fundamentos dos atos humanos e dos fins a que eles se destinam; rene o pensamento fragmentado da cincia moderna e reconstri na sua unidade; retoma a ao completa no tempo e procura compreend-la. Neste sentido, qual a importncia da Filosofia para voc?

    A filosofia grega est dividida em trs perodos: Perodo Pr-socrtico ou cosmolgico (sculos VII a V a.C.): corresponde ao

    perodo dos primeiros filsofos gregos que viveram antes de Scrates. A filosofia se ocupa fundamentalmente com a origem do mundo e as causas das transformaes na natureza, do qual se destaca o filsofo grego Tales de Mileto.

    Perodo Socrtico (sculo V a IV a.C.): tambm chamado de perodo clssico, nesse momento surge a democracia na Grcia Antiga. Seu maior representante foi o filsofo

  • 4

    Universidade Estadual Vale do Acara UVA Disciplina: Fundamentos Histricos, Filosficos e Sociolgicos da Educao Professor: Tibrio

    grego Scrates que comea a pensar sobre o ser humano. Alm dele, merecem destaque: Aristteles e Plato.

    Perodo Helenstico (sculo IV a.C. a VI d.C.): Alm de temas relacionados com a natureza e o homem, nessa fase os estudos esto voltados para a realizao humana por meio das virtudes e da busca da felicidade. A atitude crtica A primeira caracterstica da atitude filosfica negativa, isto , um dizer no aos pr-conceitos, aos pr-juzos, aos fatos e s ideias da experincia cotidiana, ao que "todo mundo diz e pensa", ao estabelecido.

    A segunda caracterstica da atitude filosfica positiva, isto , uma interrogao sobre o que so as coisas, as ideias, os fatos, as situaes, os comportamentos, os valores, ns mesmos. tambm uma interrogao sobre o porqu disso tudo e de ns, e uma interrogao sobre como tudo isso assim e no de outra maneira. O que ? Por que ? Como ? Essas so as indagaes fundamentais da atitude filosfica.

    A face negativa e a face positiva da atitude filosfica constituem o que chamamos de atitude crtica e pensamento crtico.

    A Filosofia comea dizendo no s crenas e aos preconceitos do senso comum e, portanto, comea dizendo que no sabemos o que imaginvamos saber; por isso, o patrono da Filosofia, o grego Scrates, afirmava que a primeira e fundamental verdade filosfica dizer: "Sei que nada sei". Para o discpulo de Scrates, o filsofo grego Plato, a Filosofia comea com a admirao; j o discpulo de Plato, o filsofo Aristteles, acreditava que a Filosofia comea com o espanto.

    Admirao e espanto significam: tomamos distncia do nosso mundo costumeiro, atravs de nosso pensamento, olhando-o como se nunca o tivssemos visto antes, como se no tivssemos tido famlia, amigos, professores, livros e outros meios de comunicao que nos tivessem dito o que o mundo ; como se estivssemos acabando de nascer para o mundo e para ns mesmos e precisssemos perguntar o que , por que e como o mundo, e precisssemos perguntar tambm o que somos, por que somos e como somos. Filosofia e Mito

    Considerados h muito tempo como antagnicos, mito e filosofia protagonizam atualmente uma (re)conciliao. Desde os primrdios, a Filosofia, busca do saber, entendida como um discurso racional que surgiu para se contrapor ao modelo mtico desenvolvido na Grcia Antiga e que serviu como base de sua Paideia (educao). A palavra mito grega e significa contar, narrar algo para algum que reconhece o proferidor do discurso como autoridade sobre aquilo que foi dito.

    Assim, Homero (Ilada e Odisseia) e Hesodo (Teogonia e Dos trabalhos e dos Dias) so considerados os educadores da Hlade (como se chamava a Grcia) por excelncia,

  • 5

    Universidade Estadual Vale do Acara UVA Disciplina: Fundamentos Histricos, Filosficos e Sociolgicos da Educao Professor: Tibrio

    bem como os rapsodos (uma espcie de ator, cantor, recitador) eram tidos como portadores de uma verdade fundamental sobre a origem do universo, das leis etc., por reproduzirem as narrativas contidas nas obras daqueles autores.

    Foi somente a partir de determinadas condies (navegaes, uso e inveno do calendrio e da moeda, a criao da democracia que preconizava o uso da palavra, bem como a publicidade das leis etc.) que o modelo mtico foi sendo questionado e substitudo por uma forma de pensar que exigia outros critrios para a confeco de argumentos. Surge a Filosofia como busca de um conhecimento racional, sistemtico e com validade universal.

    De Aristteles a Descartes, a Filosofia ganhou uma conotao de cincia, de conhecimento seguro, infalvel e essa noo perdurou at o sculo XIX, quando as bases do que chamamos Razo sofreu duras crticas com o desenvolvimento da tcnica e do sistema capitalista de produo. A crena no domnio da natureza, da explorao do trabalho, bem como a descoberta do inconsciente como o grande motivador das aes humanas, evidenciaram o declnio de uma sociedade armamentista, excludente e sugadora desenfreada dos recursos naturais. A tendncia racionalista fica, ento, abalada e uma nova abordagem do mundo faz-se necessria.

    O que era tido antes como pr-cientfico, primitivo, assistemtico, ganha especial papel na formao das culturas. As noes de civilizao, progresso e desenvolvimento vo sendo substitudas lentamente pela diversidade cultural, j que aquelas no mais se justificam. A releitura de um dos pensadores tidos como fundadores do idealismo racionalista preconiza que j na Grcia o mito no foi meramente substitudo nem de forma radical, nem gradual pelo pensamento filosfico. Os textos de Plato, analisados no somente pela tica conceitual, mas tambm dramtica, nos proporciona compreender que um certo uso do mito necessrio onde o logos (discurso, razo, palavra) no consegue atingir ainda seu objeto, ou seja, aquilo que era apenas fantasioso, imaginrio, ganha destaque por seu valor prtico na formao do homem.

    Dito de outro modo, embora o homem deseje conhecer a fundo o mundo em que vive, ele sempre depender do aperfeioamento de mtodos e tcnicas de interpretao. A cincia realmente um saber, mas que tambm histrico e sua validade prtica depende de como foi construdo argumentativamente. Interessa perceber que Filosofia amor ao saber, busca do conhecimento e nunca posse, como define Plato. Ento, nunca devemos confundi-la com cincia, que a posse de um saber construdo historicamente, isto , determinado pelas condies do seu tempo. Portanto, Mito, Filosofia e Cincia possuem entre si no uma relao de excluso ou gradao, mas sim de intercomplementaridade, haja vista que um sempre sucede ao outro de forma cclica no decorrer do tempo.

    E hoje, os mitos so diferentes de antigamente? Eles esto presentes em nossa vida, em pleno sculo XXI? Sim, ele existe, por meio das crenas, temores e desejos, mas o mito no tem tanto poder quanto tinha antigamente, pois com o pensamento crtico racional o indivduo capaz de encontrar explicaes mais lgicas para os

  • 6

    Universidade Estadual Vale do Acara UVA Disciplina: Fundamentos Histricos, Filosficos e Sociolgicos da Educao Professor: Tibrio

    acontecimentos. Os mitos de hoje podem ser divididos em mitos autnticos e em mitos fabricados pelos meios de comunicao de massa e pela mdia.

    Atualmente persistem os mitos autnticos que so deri...

Recommended

View more >