universidade federal do espírito santo centro universitário norte do espírito santo origem e...

Download Universidade Federal do Espírito Santo Centro Universitário Norte do Espírito Santo ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA AULA 15: Origem e evolução de Chordata Luiz

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Universidade Federal do Esprito Santo Centro Universitrio Norte do Esprito Santo ORIGEM E EVOLUO DA VIDA AULA 15: Origem e evoluo de Chordata Luiz Fernando Duboc Ana Paula Cazerta Farro
  • Slide 2
  • Histria dos animais
  • Slide 3
  • Histria dos deuterostomados
  • Slide 4
  • Histria dos cordados
  • Slide 5
  • Slide 6
  • Filo Chordata Este grupo possui uma srie de caractersticas derivadas comuns a todos os seus membros. Estas caractersticas esto presentes em pelo menos um dos estgios da vida dos cordados. Entretanto, nem todas essas caractersticas so derivadas e exclusivas dos cordados, pois as fendas na faringe tambm esto presentes nos hemicordados.
  • Slide 7
  • Ambulacraria
  • Slide 8
  • Anlises recentes de gentica molecular sugerem a incluso do filo Hemichordata no novo txon AMBULACRARIA, junto com Echinodermata (e Xenoturbellida - Xenoturbella bocki, um verme marinho descrito em 1949). Desta forma, Ambulacraria atualmente considerado o grupo- irmo dos cordados. Os hemicordados compreendem: Enteropneusta - solitrios, vermiformes, com tubo digestivo reto e muitas fendas farngeas. Ex. Balanoglossus) Pterobranchia - agregados ou coloniais, com tubo digestivo em forma de U, poucas fendas farngeas, e tentculos flitradores.
  • Slide 9
  • Enteropneusta Hemichordata
  • Slide 10
  • Pterobranchia
  • Slide 11
  • Ambulacraria Chordata Os parentescos entre os cordados e os ambulacrrios no so claramente compreendidos. Entretanto, ambos so deuterostmios e assim ligados por diversos aspectos embrionrios particulares, tais como sua clivagem e a forma de suas larvas. Os ambulacrrios apresentam larvas livre-natantes com simetria bilateral, semelhantes s larvas dos cordados (mesmo os grupos ssseis), embora tais larvas sejam ciliadas e possuam locomoo limitada. Os hemicordados, por ex., apresentam fendas farngeas utilizadas na alimentao por filtrao. Hiptese (ROMER, 1977): larvas com caudas musculares podem ter se desenvolvido ainda antes de ser atingido o nvel dos urocordados (ou tunicados). Nele haveria uma cauda enrijecida por uma notocorda. O tubo nervoso coordenaria seus movimentos atravs de nervos, e sua orientao para o local adequado de fixao seria dada pelos rgos de sentidos. Urochordata possui larvas deste tipo
  • Slide 12
  • Slide 13
  • Histria dos cordados
  • Slide 14
  • Ambulacraria Chordata Hiptese (ROMER, 1977) cont.: uma vez desenvolvida esta nova estrutura larval, surge uma mudana radical na evoluo dos cordados, pois agora se torna possvel uma forma ativa de vida. Formas conservadoras possivelmente tenham se especializado como tunicados. Para outros, parece ter havido neotenia, com as estruturas larvais permanecendo por toda a vida, e consequentemente, o organismo deixou de se fixar, ainda que a alimentao por filtrao tenha permanecido por muito tempo. O aparelhamento filtrador farngeo tambm foi aperfeioado. Os cefalocordados (anfioxos) representam um estgio mais derivado, no qual a alimentao por filtrao persiste, mas a condio de adulto sssil foi perdida. O desenvolvimento destas novas potencialidades locomotoras parece ter acelerado a evoluo, abrindo as portas para a histria evolutiva dos vertebrados.
  • Slide 15
  • Histria dos cordados
  • Slide 16
  • Histria dos vertebrados
  • Slide 17
  • Vertebrados
  • Slide 18
  • Quem um cordado? | Subfilo Urochordata Filo Chordata | Subfilo Cephalochordata Filo Chordata | Subfilo Cephalochordata | Subfilo Vertebrata | Subfilo Vertebrata Abordagem moderna: Cladstica
  • Slide 19
  • C hordata (Pr-Cambriano