universidade castelo branco artrose. introdução artrite degenerativa - doença degenerativa das...

Download UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ARTROSE. Introdução artrite degenerativa - doença degenerativa das articulações é uma perturbação crônica das articulações

Post on 21-Apr-2015

106 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ARTROSE
  • Slide 2
  • Introduo artrite degenerativa - doena degenerativa das articulaes uma perturbao crnica das articulaes caracterizada pela degenerescncia da cartilagem e do osso adjacente, que pode causar dor A artrose articular e rigidez.
  • Slide 3
  • A artrose- a perturbao articular mais frequente, afeta em algum grau muitas pessoas por volta dos 70 anos de idade, tanto homens como mulheres. Contudo, a doena tende a desenvolver-se nos homens numa idade mais precoce. A artrose tambm pode aparecer em quase todos os vertebrados, inclusive peixes, anfbios e aves.
  • Slide 4
  • Persistem ainda muitos mitos sobre a artrose, por exemplo que um trao inevitvel de envelhecimento, como os cabelos grisalhos e as alteraes na pele; que conduz a incapacidades mnimas e que o seu tratamento no eficaz. Embora a artrose seja mais frequente em pessoas de idade, a sua causa no a simples deteriorao que implica o envelhecimento. A maioria dos afetados por esta doena, especialmente os mais jovens, apresentam poucos sintomas ou nenhum; contudo, algumas pessoas adultas desenvolvem incapacidades significativas.
  • Slide 5
  • Locais mais afetados
  • Slide 6
  • Causas As articulaes tm um nvel to pequeno de frico que no se desgastam, salvo se forem excessivamente utilizadas ou danificadas. provvel que a artrose se inicie com uma anomalia das clulas que sintetizam os componentes da cartilagem, como o colgeno (uma protena resistente e fibrosa do tecido conjuntivo) e os proteoglicanos (substncias que do elasticidade cartilagem).
  • Slide 7
  • A cartilagem pode crescer demasiado, mas finalmente torna-se mais fina e surgem gretas na sua superfcie. Formam-se cavidades diminutas que enfraquecem a medula do osso, debaixo da cartilagem. Pode haver um crescimento excessivo do osso nos bordos da articulao, formando tumefaes (ostefitos) que podem ver-se e sentir- se ao tato. Estas tumefaes podem interferir no funcionamento normal da articulao e causar dor.
  • Slide 8
  • Por fim, a superfcie lisa e regular da cartilagem torna-se spera e esburacada, impedindo que a articulao se possa mover com facilidade. Produz- se uma alterao da articulao pela deteriorao de todos os seus componentes, quer dizer, o osso, a cpsula articular (tecidos que envolvem algumas articulaes), a membrana sinovial (tecido que reveste a articulao), os tendes e a cartilagem.
  • Slide 9
  • Existem duas classificaes da artrose; primria (idioptica), quando a causa desconhecida, e secundria, quando a causa outra doena, como a de Paget, uma infeco, uma deformidade, uma ferida ou o uso excessivo da articulao. So especialmente vulnerveis os indivduos que foram as suas articulaes de forma reiterada, como os operrios de uma fundio ou de uma mina de carvo e os condutores de autocarros. Contudo, os corredores profissionais de maratona no tm um maior risco de desenvolvimento desta perturbao. Embora no exista uma evidncia concludente a esse respeito, possvel que a obesidade seja um fator importante no desenvolvimento da artrose.
  • Slide 10
  • Sinais e sintomas Ao chegar aos 40 anos de idade, muitas pessoas manifestam sinais de artrose nas radiografias, especialmente nas articulaes que sustentam o peso (joelhos), mas relativamente poucas apresentam sintomas.
  • Slide 11
  • Em geral, os sintomas desenvolvem-se gradualmente e afetam inicialmente uma ou vrias articulaes (as dos dedos, a base dos polegares, o pescoo, a zona lombar, o dedo grande do p, a bacia e os joelhos). A dor o primeiro sintoma, que aumenta em geral com a prtica de exerccio. Em alguns casos, a articulao pode estar rgida depois de dormir ou de qualquer outra forma de inatividade; contudo, a rigidez costuma desaparecer 30 minutos depois de se iniciar o movimento da articulao.
  • Slide 12
  • A articulao pode perder mobilidade e inclusive ficar completamente rgida numa posio incorreta medida que piora a leso provocada pela artrose. O novo crescimento da cartilagem, do osso e outros tecidos pode aumentar o tamanho das articulaes. A cartilagem spera faz com que as articulaes ranjam ou crepitem ao mover-se. As protuberncias sseas desenvolvem-se com frequncia nas articulaes das pontas dos dedos (ndulos de Heberden)
  • Slide 13
  • Em alguns stios (como o joelho), os ligamentos que rodeiam e sustentam a articulao distendem-se de tal maneira que esta se torna instvel. Tocar ou mover a articulao pode ser muito doloroso. Em contraste, a bacia torna-se rgida, perde o seu raio de ao e provoca dor ao mover-se. A artrose afeta com frequncia a coluna vertebral.
  • Slide 14
  • A dor de costas o sintoma mais frequente. As articulaes lesadas da coluna costumam causar apenas dores leves e rigidez. Contudo, se o crescimento sseo comprime os nervos, a artrose do pescoo ou da zona lombar pode causar entorpecimento, sensaes estranhas, dor e fraqueza num brao ou numa perna. Em raras ocasies, a compresso dos vasos sanguneos que chegam parte posterior do crebro origina problemas de viso, sensao de enjo (vertigem), nuseas e vmitos. Por vezes o crescimento do osso comprime o esfago, dificultando a deglutio.
  • Slide 15
  • Tratamento Tanto os exerccios de estiramento como os de fortalecimento e de postura so adequados para manter as cartilagens em bom estado, aumentar a mobilidade de uma articulao e reforar os msculos circundantes de maneira que possam amortecer melhor os impactos.
  • Slide 16
  • O exerccio deve ser compensado com o repouso das articulaes dolorosas; contudo, a imobilizao de uma articulao tende mais a agravar a artrose do que a melhor-la. Os sintomas pioram com o uso de cadeiras, reclinadores, colches e assentos de automvel demasiado moles. Recomenda-se o uso de cadeiras com costas, colches duros ou estrados de madeira por baixo do colcho.
  • Slide 17
  • Os exerccios especficos para a artrose da coluna vertebral podem ser teis; contudo, so necessrios suportes ortopdicos para as costas em caso de problemas graves. importante manter as atividades dirias habituais, desempenhar um papel ativo e independente dentro da famlia e continuar a trabalhar.
  • Slide 18
  • Tambm so teis a fisioterapia e o tratamento com calor local. Para aliviar a dor dos dedos recomendvel, por exemplo, aquecer cera de parafina misturada com leo mineral a uma temperatura de 48C a 51C, para depois molhar os dedos, ou tomar banhos mornos ou quentes. As talas ou suportes podem proteger articulaes especficas durante atividades que gerem dor. Quando a artrose afeta o pescoo, podem ser teis as massagens realizadas por terapeutas profissionais, a trao e a aplicao de calor intenso com diatermia ou ultra- sons.
  • Slide 19
  • Os medicamentos so o aspecto menos importante do programa global de tratamento. Um analgsico pode ser suficiente. Um anti-inflamatrio no esteride como a aspirina ou o ibuprofeno pode diminuir a dor e a inflamao.
  • Slide 20
  • Se uma articulao se inflama, apresenta edema e provoca dor repentinamente, os corticosterides podem ser diretamente injetados nela, embora isto s possa proporcionar alvio a curto prazo. A cirurgia pode ser til quando a dor persiste apesar dos outros tratamentos. Algumas articulaes, sobretudo a da bacia e o joelho, podem ser substitudas por uma artificial (prtese) que, em geral, d bons resultados: melhora a mobilidade e o funcionamento na maioria dos casos e diminui a dor de forma notria. Portanto, quando o movimento se v limitado, pode considerar-se a possibilidade de uma prtese da articulao.
  • Slide 21
  • Diagnstico de enfermagem e prescrio. Mobilidade prejudicada relacionado a rigidez, caracterizado por leses Melhorar a mobilizao melhorando o tnus muscular. (interconsulta com a fisioterapia) Evitar a imobilizao prolongada. Estimular o uso adequado de bengalas, muletas se a postura no for estvel. Ter grande cuidado e delicadeza ao movimentar ou exercitar o paciente.