unifa acessibilidade às etds por cegos e deficientes visuais apresentação de caso

Download UNIFA Acessibilidade às ETDs por Cegos e Deficientes Visuais Apresentação de Caso

Post on 18-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • UNIFA Acessibilidade s ETDs por Cegos e Deficientes Visuais Apresentao de Caso
  • Slide 2
  • Ana Pavani LAMBDA Departamento de Engenharia Eltrica Pontifcia Universidade Catlica do Rio de Janeiro apavani@lambda.ele.puc-rio.br http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/ Rio, 30 de setembro de 2009 Seminrio Biblioteca Virtual
  • Slide 3
  • Entendendo o contexto
  • Slide 4
  • O convite foi feito com uma proposta de ementa de implantao de uma biblioteca virtual O assunto muito interessante e importante Tenho experincia de vrias, inclusive de bibliotecas cooperativas em rede Ao mesmo tempo H outras pessoas com experincia que podero abordar o tpico (e sei que iro!) Oportunidade de Acesso Livre Informao O tema do seminrio Oportunidade de Acesso Livre Informao
  • Slide 5
  • Assim, propus a troca de tpico para o caso de acessibilidade de cegos e deficientes visuais em bibliotecas digitais um tema pouco explorado A apresentao de caso real Acesso Livre Informao Possibilita o Acesso Livre Informao por parte de um segmento da populao A proposta foi aceita Tangenciarei a implantao da biblioteca para chegar acessibilidade
  • Slide 6
  • Um pouco da histria
  • Slide 7
  • Implantada no segundo semestre de 1995 O acervo inicial era composto de materiais educacionais ou objetos de aprendizagem (courseware ou learning objects) produzidos pela PUC-Rio agregao desagregaoseqenciaoreutilizao Integrada a um sistema com ferramentas de educao suportada por TIC Tecnologia de Informao e Comunicao, porque a biblioteca digital a melhor ferramenta para executar tarefas imprescindvies aos objetos de aprendizagem agregao, desagregao, seqenciao e reutilizao Contexto universitrio
  • Slide 8
  • Registrada pela PUC-Rio no INPI sob nmero 99003015, em 19 de novembro de 1999 na verso v.2 De 1995 em diante, houve grande efervescncia nas bibliotecas digitais no mundo e no Brasil 1995 DCMES (Dublin Core Metadata Element Set) 1999 OAI (Open Archives Initiative) > 1995 IMS Project e ARIADNE 1999 reunio da UNESCO para a criao de uma biblioteca internacional de ETDs (Electronic Theses and Dissertations)
  • Slide 9
  • 2001 BDTD (Biblioteca Digital de Teses e Dissertaes) e MTD-BR (Padro Brasileiro de Metadados de Teses e Dissertaes) 2001 OAI-PMH (Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting) 2002 BDTD implementa o OAI-PMH 2003 DCMES se torna ISO 15386/2003 2005 MTD2-BR 2006 BDTD implementa nova verso do OAI-PMH
  • Slide 10
  • Andamento no Maxwell 2000 v.3 com interfaces em 3 lnguas e catalogao em quantas desejadas 2000 mdulo de ETDs 2000 mdulo de artigos e preprints 2001 participao na fundao da BDTD 2002 implementao do OAI-PMH 2002 incubao do projeto de ETDs da UNICAP (Universidade Catlica de Pernambuco) 2002 conexo bidirecional Plataforma Lattes do CNPq 2002 mdulo de monografias/trabalhos de concluso de graduao 2003 mdulo de peridicos Contexto universitrio
  • Slide 11
  • 2004 mdulo de estatsticas de produo e de acessos 2005 mdulo de livros 2006 mdulo de anlise de referncias de ETDs 2006 participao no projeto piloto de preservao digital de ETDs pela rede LOCKSS (Lots of Copies Keep Stuff Safe) 2008 livros interativos on-line 2009 v.4 acessvel aos cegos e deficientes visuais 2009 v.4 acessvel aos cegos e deficientes visuais 2009 adeso MetaArchive Cooperative para preservao digital
  • Slide 12
  • uma biblioteca digital com foco na publicao e difuso da produo cientfica da instituio A atividade foi grande, mas at 2006 no houve qualquer ao voltada acessibilidade para cegos e deficientes visuais
  • Slide 13
  • Como o projeto de acessibilidade comeou?
  • Slide 14
  • A PUC-Rio e a UNESCO copatrocinam a Ctedra UNESCO de Leitura PUC-Rio A misso da Ctedra estimular a leitura nas suas mais variadas formas
  • Slide 15
  • PUC-Rio possui o Maxwell um repositrio institucional que (hoje) disponibiliza, entre mais de 11 mil ttulos (com mais de 41 mil objetos digitais), quase 4.700 ETDs, quase 2 mil trabalhos de concluso, vrios peridicos, artigos, etc
  • Slide 16
  • Uma professora da Ctedra entrou em contato com a equipe do Maxwell para sugerir que fossem criadas as condies necessrias a garantir o acesso s ETDs por parte de leitores deficientes visuais e cegos
  • Slide 17
  • A resposta imediata foi: sim!
  • Slide 18
  • Qual foi o passo seguinte?
  • Slide 19
  • FAPERJ FAPERJ Uma proposta de auxlio foi submetida FAPERJ Fundao Carlos Chagas Filho de Apoio Pesquisa no Estado do Rio de Janeiro. Ela tinha 2 objetivos: FAPERJ Acessibilidade do sistema (navegao no sistema) Acessibilidade dos contedos (leitura dos contedos digitais das ETDs) A proposta foi aceita pela FAPERJ e o trabalho comeou em Jan.2007
  • Slide 20
  • O aprendizado da equipe do Maxwell
  • Slide 21
  • Viso subnormal definida no OMD Online Medical Dicitionary, publicado pela University of Newcastle Upon Tyne, como: University of Newcastle Upon Tyne Viso considerada inferior viso normal representada pelos padres aceitos de acuidade (clareza), campo de viso e motilidade (abilidade de mover-se espontaneamente). http://cancerweb.ncl.ac.uk/cgi-bin/omd?vision,+subnormal Mai 2008
  • Slide 22
  • Existem 2 problemas difentes: Cegueira Deficncia visual ou viso subnormal As solues para tingir ambos os objetivos (navegao e leitura) so diferentes devido ao fato de serem 2 problemas distintos Cegos usam produtos de SW chamados de TTS Text-To-Speech (Leitores de Telas em portugus)
  • Slide 23
  • Existem inmeros tipos de deficincias visuais: Progressivas ou estacionrias Diferentes graus Diferentes tipos de perda (reas do campo de viso, p.ex.) Variveis de acordo com as condies ambientais (ar mais seco, p.ex.) Variveis de acordo com as condies fsicas da pessoa (mais cansada, p.ex.)
  • Slide 24
  • Os deficientes visuais preferem no usar produtos TTS, se existirem solues alternativas, porque as solues TTS so: Mais lentas do que a leitura solitria (individual) Mais limitadas porque fazem leitura linear enquanto a leitura humana bidimensional (isto um problema muito srio com as expresses matemticas, p.ex.) Mais cansativas por serem repetitivas
  • Slide 25
  • A identificao dos problemas e dos passos para a soluo
  • Slide 26
  • Solues de acessibilidade para deficientes visuais: Navegao (NV) Leitura dos Contedos (CV) Solues de acessibilidade para cegos: Navegao (NB) Leitura dos Contedos (CB)
  • Slide 27
  • Exame das especificaes do W3C World Wide Web Consortium que asseguram que os produtos TTS podem ler as pginas na Web (NB) Busca e anlise das solues TTS disponveis tanto para a plataforma MS Windows como para a famlia Linux, para ver como se comportam navegando nos sistemas (NB)
  • Slide 28
  • Trabalho conjunto com pessoas deficentes e cegas de tal forma a aprender as suas necessidades, seguir as suas recomendaes e examinar os exemplos que apresentam; obter a ajuda e feedback para a anlise e teste dos sistemas (NB) & (NV) Busca e anlise das solues TTS para a leitura de arquivos (especialmente em formato pdf) examinando como se comportam na leitura dos contedos (CB)
  • Slide 29
  • Exame das ferramentas de acessibilidade do Leitor Adobe especialmente no que diz respeito s adaptaes visuais e ao Leitor para Voz (CB) & (CV) Exame da acessibilidade dos sistemas de ETDs em termos de: (1) Portais institutionais; (2) Sistemas de bibliotecas digitais; e (3) Contedos; tantopara os cegos como para os deficientes visuais (NB) & (NV)
  • Slide 30
  • Solues parciais
  • Slide 31
  • Para os deficientes visuais: navegao & leitura dos contedos
  • Slide 32
  • (1) Permitir o aumento do tamanho das letras (2) Permitir troca de contraste (3) NO sublinhar (4) NO usar letras com serifas
  • Slide 33
  • Slide 34
  • Slide 35
  • Slide 36
  • Slide 37
  • Ainda estamos trabalhando: (1) no aumento das imagens (cones) (2) tratamento das combo boxes
  • Slide 38
  • Slide 39
  • Slide 40
  • Dois comentrios: (1) Aumentar o tamanho da letra introduz rolagem horizontal um fato! (2) A PUC-Rio permite Times New Roman nas suas T&Ds
  • Slide 41
  • H ferramentas dos sistemas operacionais e dos navegadores que podem ser combinadas com as demais
  • Slide 42
  • Shift+Alt+PrtSc
  • Slide 43
  • Lente de aumento
  • Slide 44
  • Zoom
  • Slide 45
  • Para os cegos: navegao & leitura dos contedos requerem produtos TTS
  • Slide 46
  • O primeiro passo foi encontrar e examinar solues TTS: (1) para MS Windows e Linux (2) para navegar e ler contedos (3) que pudessem ler pdf ou ser combinadas com outras solues
  • Slide 47
  • DOSVOX desenvolvida pelo Ncleo de Computao Eletrnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro JAWS (Job Accessibility with Speech) desenvolvida pela Freedom Scientific nos EUA LINVOX desenvo

Recommended

View more >