uma escola de design industrial referenciada no lastro do pré

Download Uma Escola de Design Industrial referenciada no lastro do pré

Post on 09-Jan-2017

215 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Revista Design em Foco

    ISSN: 1807-3778

    designemfoco@uneb.br

    Universidade do Estado da Bahia

    Brasil

    Pereira, Juliano Aparecido; Sobral Anelli, Renato Luiz

    Uma Escola de Design Industrial referenciada no lastro do pr-artesanato: Lina Bo Bardi e o Museu do

    Solar do Unho na Bahia

    Revista Design em Foco, vol. II, nm. 2, julho-dezembro, 2005, pp. 17-27

    Universidade do Estado da Bahia

    Bahia, Brasil

    Disponvel em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=66120203

    Como citar este artigo

    Nmero completo

    Mais artigos

    Home da revista no Redalyc

    Sistema de Informao Cientfica

    Rede de Revistas Cientficas da Amrica Latina, Caribe , Espanha e Portugal

    Projeto acadmico sem fins lucrativos desenvolvido no mbito da iniciativa Acesso Aberto

    http://www.redalyc.org/revista.oa?id=661http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=66120203http://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=66120203http://www.redalyc.org/fasciculo.oa?id=661&numero=3484http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=66120203http://www.redalyc.org/revista.oa?id=661http://www.redalyc.org

  • 17

    Revi

    sta

    Desi

    gn e

    m F

    oco

    v.

    II n

    2

    Jul

    ./Dez

    . 200

    5 Uma Escola de Design Industrial referenciada no lastrodo pr-artesanato: Lina Bo Bardi e o Museu do Solar doUnho na Bahia*A School of Industrial Design looking at the pillars of the pre-craft skills: Lina Bo Bardi and the Solar do Unho Museum inBahia

    ResumoEste artigo prope uma reavaliao da histria do ensino do design noBrasil. A dcada de 60 considerada um momento privilegiado para aimplantao de escolas pioneiras de Desenho Industrial, como a ESDI/RJ, a Seqncia de Desenho Industrial da FAU-USP, e a Escola deArtes Plsticas de Belo Horizonte. Prope-se um resgate de umaexperincia no menos importante, mas no referida na historiografia.Trata-se do empenho da arquiteta Lina Bo Bardi em constituio, emSalvador, de uma Escola de Desenho Industrial a partir do pr-artesanato do Nordeste. Uma escola em que os alunos seriam estudantesde arquitetura ou engenharia e tambm artesos. A didtica pretendida:a troca de seus saberes. A escola no chegou a ser implantada, mas oexame do seu conjunto documental revela uma viso diferenciada euma contribuio original para se pensar, nos dias atuais, as questesrelacionadas ao ensino do design em nosso pas.

    AbstractThis article intends to reevaluate the history of the Design Teachingin Brazil. The 60s is particularly considered a privileged momentfor establishing pioneering schools of Industrial Design, such asthe ESDI/RJ, the Sequence of Industrial Design in the FAU-USPand the School of Plastic Arts in Belo Horizonte. This report aimsto rescue the experience of architect Lina Bo Bardi and herdetermination in setting up in Salvador an Industrial Design Schoollooking at the Brazilian Northeast pre-crafts skills. Despite not beingmentioned in the Historiography, this experience has played animportant role in the field of industrial design teaching. With thedidactic purpose of interaction, the school would join students ofarchitecture, engineering and crafters by exchanging theirtheoretical and practical knowledge. Though that school was notsettled, the examination of its documental set reveals that itincorporates an innovative vision that constitutes an originalcontribution to an analysis of current questions related to theeducation of design in our country.

    Palavras-chaveEnsino de design, desenho industrial, industrializao, pr-artesa-nato, cultura popular.

    KeywordsDesign teaching, industrial design, industrialization process, pre-crafts skills, popular culture.

    Juliano Aparecido PereiraArquiteto, professor da

    Faculdade de Arquitetura eUrbanismo da Universidade

    Federal de Uberlndia(FAURB-UFU), doutorando

    do Programa de Ps-graduao do Departamentode Arquitetura e Urbanismo

    da EESC-USP, mestre peloPrograma de Ps-graduao

    do Departamento deArquitetura e Urbanismo da

    EESC-USP.

    Renato Luiz Sobral AnelliProfessor doutor e

    pesquisador do Departamentode Arquitetura e Urbanismo

    da EESC-USP.

    Sobre os autores:

    *Este texto uma versomodificada de um dos

    captulos da dissertao demestrado A ao cultural de

    Lina Bo Bardi na Bahia e noNordeste (1958-1964),

    defendida pelo autor em2001, pelo Programa de Ps-graduao do Departamentode Arquitetura e Urbanismo

    da EESC-USP.

  • Revi

    sta

    Desi

    gn e

    m F

    oco

    v.

    II n

    2

    Jul

    ./Dez

    . 200

    518

    1. IntroduoAs transformaes de ordem tecnolgica, urbana, social e culturalque culminam com a virada do sculo 19 para o 20 colocam, para aarquitetura, a necessidade de se repensar enquanto campo do conhe-cimento diante deste novo quadro que se constitui. Uma necessriareorganizao dos seus saberes e de sua forma de atuao, ser amarca das transformaes que operou para poder designar-searquitetura moderna. Podemos falar aqui sobre a delimitao denovos conhecimentos disciplinares, como, por exemplo, o urbanismoe o design de objetos. No que estas tenham sido reas de atuaoat ento totalmente inexploradas. Neste momento, o que muda, defato, , principalmente, a institucionalizao e o tratamento comrigor cientfico de tais segmentos do conhecimento, dentro de umprocesso, como j foi dito, de sua prpria adequao a este novocontexto histrico que se estabelece. Exemplificando: a produode uma cadeira. At antes das transformaes tecnolgico-industriaisque se processam neste momento em foco, o conhecimento para pro-duo deste objeto era produto de um saber ligado tradio, isto, reproduo de um conhecimento, do qual, talvez, poderia noser possvel apontar a sua origem. A partir de ento, passa-se necessidade de se estabelecer, sobre bases cientficas rigorosas, oconhecimento necessrio para o domnio do novo meio de produo,a indstria, que ir gerar tal objeto.

    A partir do contexto acima descrito de forma breve, que ir sedesenvolver uma srie de experincias ligadas institucionalizaodo conhecimento sobre a produo de objetos, sobretudo atravsda criao de escolas especializadas em tal rea. No quadro do desen-volvimento histrico destas experincias de ensino, na Europaefetivaram-se duas instituies pioneiras: a Bauhaus e a Escola deUlm1.

    Em terras brasileiras, sensveis e influenciadas pelos empreendi-mentos da Bauhaus e da Escola de Ulm, algumas experinciasbuscaram desenvolver instituies semelhantes. Trata-se de situaesde tambm pioneirismo nesta rea em nosso pas, mas cujo sucessonem sempre ocorreu de maneira imediata como desejavam os seusidealizadores.

    Em 1947, constitudo o Museu de Arte de So Paulo/MASP,instalado provisoriamente Rua 7 de Abril em edifcio dos DiriosAssociados. A programao do Museu oferecia populaopaulistana cursos de Histria das Artes e destinava o seu maiorespao expositivo apresentao das Exposies Didticas. Sersob a direo do MASP exercida por Pietro Maria Bardi que surgiro embrio da cronologicamente primeira tentativa de se implantaro ensino de Desenho Industrial, ou design, no Brasil: Paralelamentes referidas atividades do MASP, institudo em 1951 o Instituto deArte Contempornea/IAC, com cursos at ento inexistentes nacapital como: fotografia, moda, maquetes de arquitetura,propaganda e design. Sob a organizao estabelecida pela arquitetaLina Bo Bardi, no IAC se faziam presentes uma srie de princpiosestabelecidos pela Bauhaus na Alemanha.

    1 Sobre a Bauhaus:Staatliches Bauhaus, Casa

    da Construo Estatal,estabelecida inicialmente nacidade alem de Weimar, em1919. (...) A Bauhaus passou

    por fases bem distintas, sobtrs diretores (Gropius,

    Hannes Meyer e Mies vander Rohe) e em trs

    diferentes cidades (Weimar,Dessau, Berlim). A escola

    sempre foi dominada emmaior ou menor grau por umiderio socialista; inclusive,

    as sucessivas mudanas delocalidade devem-se emgrande parte a conflitos

    polticos nos momentos emque a autoridade regional

    que financiava a escolapassava s mos de um

    partido antiptico s suasinclinaes ideolgicas. Aescola buscou em diversas

    ocasies estabelecerparcerias com a indstria

    (...). Foram empreendidasao longo dos anos vrias

    atividades de extenso quelevassem as suas iniciativas

    para alm da escola,incluindo a publicao de

    livros e revistas e, ainda, umgrupo de Teatro. No final de

    1925, foi at formada umapequena empresa, a

  • 19

    Revi

    sta

    Desi

    gn e

    m F

    oco

    v.

    II n

    2

    Jul

    ./Dez

    . 200

    5 Aps esta experincia embrionria alavancada pelo casal Bardi emSo Paulo, a partir da segunda metade da dcada de 40 e incio dosanos 50, o processo de acelerado desenvolvimento industrial e urbanode algumas cidades brasileiras no final do decnio de 50 e durante osanos 60 ir abrir campo para o incio de novas experincias do ensinode design no pas. Surgem ento trs grandes centros de referncia: aEscola Superior de Desenho Industrial/ESDI, na cidade do Rio deJaneiro; a estruturao, dentro do curso de arquitetura da FAU-USP,de uma seqncia de disciplinas relacionadas ao desenho industrial,a partir da reestruturao curricular coordenada pelo arquitetoVilanova Artigas; e, por ltimo, a Escola de Artes Plsticas de BeloHorizonte, MG (PIRES STEPHAN, 2002, p. 205).

    Neste mesmo perodo, a arquiteta Lina Bo Bardi dedicaria parteconsidervel de sua atuao em Salvador, entre os anos de 1958 a1964, a criar no Nordeste um Centro de Estudos sobre o TrabalhoArtesanal / CETA e, a partir deste, se empenharia na realizao deuma Escola de Desenho Industrial que seria implantada noconjunto arquitetnico do Solar do Unho, no qual dedicou-setambm ao seu restauro. Apesar da impossibilidade de concretizaototal desta Escola, a pesquisa das fontes histricas prim

Recommended

View more >