ufsc 2010 objetiva

Download UFSC 2010 objetiva

Post on 07-Jun-2015

5.773 views

Category:

Education

14 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. HISTRIA Questo 01 Entre os pobres muitos se dirigem a terras estranhas, vendidos e cobertos de correntes [...]. Quantos dos que tinham sido vendidos, uns injustamente, outros com justia, fiz voltar para Atenas, sua ptria, fundada pelos deuses [...]. Dei liberdade a outros que, aqui mesmo (em Atenas), sofriam servido indigna e tremiam diante do humor dos patres. Eis o que realizei, graas soberania da lei, fazendo com que a fora e a justia agissem concordemente. Slon, Elegias. Apud HOLANDA, S. Buarque de. Histria da Civilizao. 6. ed. So Paulo: Nacional, 1979. p. 58. Com base no texto acima e nos seus conhecimentos sobre a sociedade e a democracia ateniense, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S).01. Na experincia democrtica vivida pelos atenienses durante o perodo helenstico, a escravido foi eliminada atravs da legislao elaborada por Slon, sobrevivendo apenas a servido voluntria. 02. As leis de Slon, consideradas avanadas para a poca da sua promulgao, admitiam a escravizao dos endividados ou filhos de escravos, pois a perda de direitos individuais no feria os princpios da democracia ateniense. 04. Na sociedade ateniense, as trs principais classes sociais eram representadas por: cidados nobres, homens livres nascidos de pai e me ateniense; metecos, estrangeiros autorizados a viver na tica; e escravos, prisioneiros de guerra ou filhos de escravos. 08. Drcon publicou as primeiras leis escritas em Atenas e com elas reforou o direito dos nobres de interpretar as leis segundo as prprias convenincias, dando origem tirania e ao adjetivo draconiano, que significa severo, rgido. 16. As manifestaes de descontentamento com as leis de Drcon fez com que a administrao de Atenas fosse confiada ao arconte Slon, que realizou importantes reformas: proibiu a escravizao de pessoas endividadas e perdoou as dvidas dos pequenos lavradores, devolvendo-lhes as terras perdidas. 32. As reformas implantadas por Slon foram rechaadas pelos tiranos, nobres empobrecidos pelas decises democrticas, tomadas em praa pblica e com a participao de toda a populao de Atenas.COPERVECONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2010 PROVA 2: AMARELA1

2. Questo 02Durante muitos sculos a Idade Mdia foi considerada um perodo de trevas, "Noite de mil anos", no qual o mundo teria vivenciado uma longa fase de decadncia cientfica, social e cultural. Porm, um nmero significativo de estudos histricos e publicaes do sculo XX revelam que a Idade Mdia, como outros perodos da histria da humanidade, representa uma etapa na qual houve crise, mas tambm desenvolvimento cientfico, social e cultural.Em relao cultura medieval europeia, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S).01. A partir do sculo XII, predominou no ensino da Europa Ocidental o trivium, em que se ensinava gramtica, retrica e lgica, e o quadrivium, voltado para preparar o aluno em aritmtica, geometria, astronomia e msica. 02. Santo Agostinho, autor de Confisses e Cidade de Deus, dedicou-se elaborao de uma sntese da filosofia platnica e da doutrina crist. A natureza humana seria, por essncia, corrompida. Na f em Deus, Agostinho localizava a possibilidade de remisso e salvao eterna. 04. Entre as obras literrias mais conhecidas da Idade Mdia destacaram-se a Cano de Rolando, Poema de Cid e a Divina Comdia, um poema no qual Dante Alighieri relata sua viagem ao Inferno, Purgatrio e ao Paraso. 08. As fortificaes militares constituem as mais eloquentes e originais manifestaes da arquitetura medieval. Nelas predomina os estilos barroco, romnico e gtico. Os cuidados estticos revelam a preocupao dos senhores feudais e do clero em tornar as defesas militares espaos simblicos, representando "as fortalezas de Deus". 16. Durante a Idade Mdia, as cincias e a tecnologia conheceram um desenvolvimento que pode ser considerado insignificante, pois o clero reagia com violncia a qualquer manifestao cientfica, tida como ameaadora das verdades reveladas na Bblia. Questo 03 Na dcada de 1920, poltica, economia e cultura andaram muito prximas no Brasil e cada uma, a seu modo, propunha mudanas para o pas. Sobre este perodo, CORRETO afirmar que: 01. a Semana de Arte Moderna, em 1922, procurou evidenciar uma arte com razes brasileiras e de compromisso com a nacionalidade, tendo expoentes intelectuais como Mrio de Andrade e Di Cavalcanti, entre outros. 02. na poltica destacou-se o movimento tenentista, que procurava manter a ordem oligrquica atravs de vrias revoltas, apoiando militarmente a Repblica Velha. 04. o Cap. Lus Carlos Prestes organizou uma coluna de combatentes, que percorreu o interior do Brasil em uma longa marcha, pregando a destituio do governo golpista de Getlio Vargas. 08. a economia dependia basicamente da exportao do caf. No entanto, o mercado internacional no absorvia a superproduo brasileira, quadro agravado com a quebra da Bolsa de Nova York, que paralisou o comrcio, afetando profundamente a cafeicultura nacional. 16. foi notrio o processo de industrializao e urbanizao do Brasil, o que facilitou a formao de novos grupos sociais, tais como a burguesia industrial, a classe mdia urbana e o operariado. Os capitais acumulados com a atividade cafeeira foram investidos no setor industrial, cujo marco significativo foi a criao do Centro das Indstrias do Estado de So Paulo.COPERVECONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2010PROVA 2: AMARELA2 3. Questo 04 Sobre acontecimentos histricos ocorridos no sul do Brasil, CORRETO afirmar que: 01. no processo de ocupao de terras e formao de colnias no sculo XIX, destacam-se numericamente os empreendimentos privados, tais como a Colnia Blumenau (SC) e So Leopoldo (RS). 02. no sculo XVIII, em funo dos vrios conflitos em torno das fronteiras no sul do continente americano, a Ilha de Santa Catarina chegou a ser dominada por algum tempo por tropas espanholas. 04. a pesca da baleia, to combatida nos dias atuais por movimentos ambientalistas como o Green Peace, foi uma atividade econmica importante no litoral de Santa Catarina, na segunda metade do sculo XVIII, originando as vrias armaes ao longo da costa catarinense. 08. na histria do sul do Brasil os caminhos de tropas ocupam lugar de destaque, visto que ao longo destes caminhos foram fundados vrios povoados, hoje cidades, tais como Vacaria, Lages, Curitiba e So Francisco do Sul. 16. em Santa Catarina podemos associar vrias etnias e suas respectivas atividades econmicas, assim distribudas: os aorianos e luso-brasileiros dedicaram-se indstria no norte do estado; os alemes aos servios e ao comrcio no litoral; os italianos e poloneses criao de gado na regio do planalto; os descendentes de alemes e de italianos, vindos do Rio Grande do Sul, agricultura no oeste de Santa Catarina. 32. no contexto da economia extrativa, durante muitos anos, a madeira foi importante item na pauta de exportao catarinense. O mesmo no pode ser dito em relao erva-mate que teve apenas um papel na economia interna, sendo irrelevante como produto de exportao.Questo 05 Os africanos foram trazidos do chamado continente negro para o Brasil em um fluxo de intensidade varivel. Os clculos sobre o nmero de pessoas transportadas como escravos variam muito. Estima-se que, entre 1550 e 1855, entraram pelos portos brasileiros 4 milhes de escravos, na sua grande maioria jovens do sexo masculino. FAUSTO, Boris. Histria do Brasil. So Paulo: Ed. da Universidade de So Paulo,1995. p. 51. Sobre a escravido no Brasil, CORRETO afirmar que:01. o Quilombo dos Palmares, organizado no interior do atual Estado de Alagoas, considerado o mais importante do perodo colonial e foi liderado por Zumbi. 02. o dia da conscincia negra celebra a assinatura da Lei urea no sculo XIX, que proclamou a liberdade dos escravos. 04. aos escravos s restava a rebeldia como forma de reao, a qual se manifestava atravs do assassinato de feitores, das fugas e at do suicdio. No havia qualquer forma de negociao com vistas a melhores condies de vida por parte dos negros. 08. eram chamados quilombos os espaos determinados para alojar os escravos destinados ao comrcio e foram fundamentais na estrutura produtiva dos engenhos de acar. 16. no continente africano os vrios povos estavam divididos em etnias organizadas em tribos, cls e reinos. Apesar desta diviso, a unidade desses povos foi uma forma de resistirem escravido e no serem transformados em mercadoria. 32. a Constituio de 1988 afirma que cabe aos remanescentes das comunidades de quilombos que estejam ocupando suas terras o reconhecimento da propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os ttulos definitivos. Este artigo da Constituio solucionou a questo quilombola no Brasil. 64. atravs das obras do pintor e desenhista alemo Johan Moritz Rugendas, possvel conhecer aspectos do cotidiano da escravido. Ele aqui esteve no sculo XIX e deixou preciosa fonte iconogrfica sobre a vida no Brasil. COPERVECONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2010 PROVA 2: AMARELA 3 4. Questo 06 Sobre a industrializao no mundo, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S).01. Na tentativa de solucionar os problemas sociais, gerados pela Revoluo Industrial, alguns pensadores desenvolveram teorias como o socialismo utpico, o socialismo cientfico e o socialismo cristo. 02. O rpido desenvolvimento industrial trouxe a melhoria das condies de vida de um nmero representativo de trabalhadores. Porm, as greves e a destruio de mquinas, que reuniam nmero significativo de baderneiros e comunistas, convenceram os capitalistas das vantagens do socialismo. 04. Os sindicatos, as leis de amparo aos trabalhadores, a limitao das horas de trabalho, a fixao de salrios mnimos e a proibio do trabalho das crianas foram medidas que eliminaram os problemas sociais gerados pela industrializao na Europa. 08. A Revoluo Industrial na Inglaterra, inspirada nos princpios do Liberalismo Econmico, permitiu a instalao de um modelo econmico justo e democrtico, no qual as relaes entre patres e operrios, coordenadas pelos sindicatos, se tornaram harmoniosas. 16. Nas regies que vivenciaram os efeitos da Revoluo Industrial houve deslocamento