tuberculose aula

Download Tuberculose   Aula

Post on 06-Jun-2015

53.389 views

Category:

Health & Medicine

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

aula sobre tuberculose

TRANSCRIPT

  • 1. TUBERCULOSE

2.

  • O CONTROLE DA TUBERCULOSE - PRIORIDADE NACIONAL
  • Brasil + 21 pases em desenvolvimento-80% dos casos mundiais;
  • No Brasil - 129.000-notificados 90.000;
  • 1998 - coeficiente de notificao foi de 3,5/100.000 (o que no realidade- muitos no so diagnosticados e nem registrados;
  • MS - prioridade-estabelecer aes para:
  • notificar 90% dos casos esperados;
  • tratar 85%;
  • aes em 100% dos municpios;
  • envolver estados e municpios.

3.

  • AS AES BASEIAM-SE EM:
    • estruturar rede de servios de sade para identificar osSINTOMTICOS RESPIRATRIOS;
    • organizar redes laboratoriais para diagnosticar e controlar casos;
    • garantir acesso ao tratamento supervisionado e/ou autoadministrado;
    • proteo do sadios;
    • alimentar e analisar as bases de dados para tomadas de decises.

4. TUBERCULOSE - grave problema de Sade Publica - idade produtiva das pessoas; - destruindo a vida dos cidados mais frgeis socialmente. - h milnio acompanha a humanidade; - responsabilidade de todo pessoal de sade que deve conhecer e atuarsobre ela - diagnosticar e tratar o mais rpido possvel; - antes da quimioterapia - 50% dos doentes morriam,- 25% - crnico,- 25% - curavam espontaneamente. HOJE O MTODO DE REDUO DA TB NA SOCIEDADE A BUSCA DE CASOS NOVOS E SEU TRATAMENTO ADEQUADO. 5. TUBERCULOSEUM GRANDE PROBLEMA SOCIAL - Elementos que indicam: -renda familiar baixa;- educao precria;- habitao ruim/inexistente;- famlias numerosas;- adensamentoscomunitrios;- desnutrio alimentar;- alcoolismo;- doenas infecciosas associadas;- dificuldade de acesso aos Servios deSade;- fragilidade da Assistncia Social. 6.

  • HISTRIA NATURAL DA TUBERCULOSE
  • Componentes da estrutura epidemiolgica
  • Para que ocorra a transmisso da tuberculose necessrio quehaja:
          • O AGENTE INFECCIOSO
          • O MODO DE TRANSMISSO DO MESMO
          • A PESSOA SUSCEPTVEL

7. O AGENTE INFECCIOSO - Mycobacterium tuberculosis - Robert Koch - 1882 - um complexo - espcies - M. tuberculosis, - M. bovis, - M. africanum e (M. microti). - Outras espcies patognicas ou potencialmente patognicas, no pertencentes ao Complexo M.tuberculosis, so isolados em uma freqncia baixa em nosso meio, entre elas o Complexo M. avium-intracellulare,M. fortuitum,M. chelonae,M. kansasiieM. scrofulaceumcausando principalmente doena pulmonarou ganglionar. 8. CARACTERSTICA: -Estrutura celular- imveis, no esporulado, no encapsulado-lcool-cido resistncia- caracterstica para identificao;-Contedo lipdico em sua parede celular- granuloma;-Aerbio- necessita oxignio para crescer e multiplicar (pulmo);-Parasito intracelular facultativo- sobrevive e multiplica(na clula fagocitria);- Podem ficar emestado de dormnciapor longo perodo-reativao-Tempo de gerao longo- 14 a 20 horas;-Resistente a agentes qumicos ;-Resistente dessecao e ao ambiente escuro ;-Sensvel ao calor e radiao ultravioleta(luz solar). 9. A FONTE DE INFECO= forma pulmonar da tuberculose; = estado bacteriolgico da fonte:

  • doentes bacilferos (B+)- baciloscopia + (doente elimina + 5000bacilos por ml de escarro);
  • doentes no-bacilferos - baciloscopia - (a cultura pode ser + ou -).

Uma fonte de infeco - numa comunidade - poder infectar em mdia10 a 15 pessoas/ano. -Doente com a forma pulmonar da doena- + importante - bacilfero;-Intensidade do contato- proximidade, continuidade,amb.desfavorvel-Bacilos depositadosem roupas, copos etc. no tm importncia natransmisso. 10. O CONTGIO -intensidade do contato - pop. de baixa renda;casas pequenas;(proximidade); mal ventiladas e midas. - a fala, o espirro,a tosse , - gotculas contaminadas -maispesadas depositam;mais leve - suspenso no ar (evaporam) -ncleos secos (ncleos de Wells) - 5 - 1a 2 bacilos - podemalcanar os alvolos e iniciarem a multiplicao.As gotculas mdias so retidas na mucosa de trato respiratrio superior e removidas dos brnquios atravs do mecanismo mucociliar-so deglutidas. As que se depositam no desempenham papel importante na transmisso. 11. ETIOPATOGENIAEIMUNIDADE

  • Na patogenia da doena:
        • elemento central-integridade do sistema imunolgico ,( cooperao entre macrfagos e linfcitosT - conteno da infeco pelo bacilo da Tb).
        • outros elementos -virulncia da cepa infectante ; -o tamanho da dose inalada .

12. ETIOPATOGENIAEIMUNIDADE FATORES CONDICIONANTES DA LESO TUBERCULOSA (Forma de Rich) N. V. Hy L =In. IaL = lesoHy = hipersensibilidade N = nmeros de bacilosIn = imunidade natural V = virulnciaIa = imunidade adquirida 13. IMUNIDADENATURAL -- Defesas mecnicas e naturais - barreira fsica - plos do nariz;- angulaes das VA;- turbilhonamentoareo;- secreo traqueal ebronquica;-e o mais importanteo clearance mucociliar .IMUNIDADEADQUIRIDA -- No alvolo - macrfagos fagocitam os bacilos - bacilos desenvolvem mecanismos para sobreviverem no interior dos macrfagos porm no impedem que parte dos macrfagos sejamativados- apresenta Ag - que oinicio da ativao da respostaimuneespecficamediadapor:anticorpos ou clulas 14. IMUNIDADES: Humoral : anticorpos anti-MTb - no tem capacidade de penetrar nomacrfago infectado e destruir o bacilo. Celular : grande importncia - linfcitos T CD4 e T CD8 so estimuladose participamativamente da resposta imunolgicacontraosbacilos infectantes T CD4 - hipersensibilidade cutnea ao PPD;- resposta inversamente correlacionada com a progresso dadoena - verificando-se baixa resposta linfoproliferativa einexistnciade reao cutnea ao PPD em pacientes com Tbpulmonar avanada. - no HIV1 - T CD4- Tb na primo infeco ou reativao. T CD8 - estimulados por Ags(citoplasmticos liberados na infeco oupor vacinao com BCG ou vacina) so preferencialmente dotipo citotxico - destroi clulas que tenham M.Tb no seuinterior. 15. MECANISMOS DE IMUNIDADE E HIPERSENSIBILIDADE FAGOSITOSEPELOMACRFAGO ESTMULO DELINFCITOT QUIMIOTAXIA E ATIVAO DE MACRFAGOS INIBIO DAMULTIPLICAO DO BACILO (IMUNIDADE) LIBERAODOSBACILOS RUPTURADOSMACRFAGOS BACILOS PERSISTENTES MULTIPLICANDO - SENOS MACRFAGOS CITOTOXICIDADE INESPECFICAFAGOCITOSE INESPECFICAGRANULOMA--FIBROSE LISOSSOMAS NOS TECIDOS IMUNIDADE HIPERSENSIBILIDADE 16. GRANULOMA Macrfago com bacilo que desativa os sistemas de defesa dessas clulas - sobrevivem e multiplicam no interior. O sistema de defesa imunitrio toma conhecimento do bacilo e estabelece resposta contra os mesmos - reao inflamatria crnica -granuloma -que tem finalidade de circunscrever e delimitar a infeco. Nessas condies os bacilos podem sobreviver por anos em estado de latncia ou dormncia i o indivduo infectado pode no manifestar a doena 17. A HIPERSENSIBILIDADE PREVALECER, RESULTANDO EM DOENA, QUAND0 O EQUILIBRIO BACILO-HOSPEDEIRO: a.No se estabelece no primo-infeco, quer porque o nmero debacilos infectantes muito grande, quer porque o hospedeirono possui um sistema imunolgico competente, como, porexemplo, nos casos de desnutrio; b.For rompido por depresso dos linfcitos T CD4 especficos,propiciando a multiplicao dos bacilos que permaneciamquiescentes no interior dos macrfagos (reativao endgena); c.For rompido por nova infeco em que o nmero de bacilossupere a imunidade estabelecida previamente (reinfecoexgena). 18. OADOECIMENTO Na primo infeco - 1 a 2 bacilosalvolosreao inflamatriainespecfica.Bacilos multiplicam-seno existe imunidade (at 15 dias)populao bacilar aumentavia linfohematognicalinfonodos e rgos diversos - principalmente: o fgado, o bao, a medula ssea, rins e o sistema nervoso. (disseminao benigna - poucos bacilos - latentes)(Tb extrapulmonar) 3 semanano pulmo (f. inoculao)pequeno foco arredondado de 1 a 2 mm - esbranquiado - consistncia amolecida (caseo) -circundado por afluxo celular de linfcitos - clulas epiteliides e macrfagosFOCO PRIMRIO parte inferior do lobo superior, lobo mdio ou pice do lobo inferior. 19. A associao do foco primrio aos gnglio satlites da sua regio d-se o nome de -COMPLEXO DE RANKE . FOCO DE GOHN -foco pulmonar regressivo, que pode ser visto noRX. No Brasil cerca de 95% da populao infectada consegue bloquear o avano do processo a partir da formao do COMPLEXOPRIMRIO DE RANK, permanecendo apenas infectado. 20. TUBERCULOSEPRIMRIA Primo infeco- foco pulmonar- foco ganglionar- outros - dissem.hematognica - N de bacilo,- virulncia,- hipersensibilidade,- estado imunolgico TbPRIMRIA As formas primrias contemporneas do processo da primo-infeco evolutiva podem ser s linfonodopulmonares (complexo primrio) ou decorrentes de disseminao hematognica com complexo primrio em evoluo.Sua forma mais grave - Tb Miliar. Tambm podem apresentar como: - formas pneumnicas,- bronco-pneumnicas,-cavitrias e- atelectsica (epituberculose) Comumente ocorre em crianas. 21. TUBERCULOSEPSPRIMRIA OU DO ADULTO - Aps anosleso primriamemria imunolgica +evoluo + arrastadareao tipo hipersensibilidadeCAVITAOEFIBROSE

  • Ps primria - reativao de um foco (REATIVAO ENDGENA) - nova carga bacilar (REINFECO EXGENA)

+ comum-pice do pulmoaporte de O2> formaode granulomanecrose de caseificaodrenagem do caseo para bronquio (disseminao broncognica)CAVERNA. COMPLICAO:-hemoptise (aneurisma Rasmssen)- bronquiectasia-destruio pulmonar-desvio de mediastino.