“tributação da cachaça”

Download “Tributação da cachaça”

Post on 08-Jan-2017

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Conhea os tributos que incidem na produo e

    comercializao da cachaa Como calcular

    os tributos

    Especialistas em pequenos negcios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

  • Como calcular

    os tributos

    2013

    Conhea os tributos que incidem na produo e

    comercializao da cachaa

  • 2013. Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas SebraeTodos os direitos reservados. A reproduo no autorizada desta publicao, no todo ou em parte, constitui violao dos direitos autorais (Lei n 9.610/1993)

    Informaes e contatosServio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Sebrae SGAS Quadra 605 Conjunto A. Braslia/DF CEP: 70200-904 Telefone: (61) 3348-7100www.sebrae.com.br

    Presidente do Conselho Deliberativo NacionalRoberto Simes

    Diretor-PresidenteLuiz Eduardo Pereira Barretto Filho

    Diretor-TcnicoCarlos Alberto dos Santos

    Diretor-FinanceiroJos Claudio dos Santos

    Gerente da Unidade de Atendimento Coletivo Agronegcios UAGROEnio Queijada de Souza

    Coordenao Nacional de Projetos em Derivados de CanaSylvia Cassimiro Pinheiro Gonalves

    AutoriaLauren Dal Bo Roncato Maccari

    CoautoriaAgenor Maccari JuniorFabiula Melissa StellaAndreia de Oliveira Gerk

    Reviso TcnicaAdailto GarciaFulgncio Torres ViruelSylvia Cassimiro Pinheiro GonalvesInstituto Brasileiro da Cachaa IBRAC

    ColaboraoCmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaa MAPA

    Projeto Grfico, Diagramao e Reviso Ortogrficai-Comunicao

    Maccari, Lauren Dal Bo Roncato. Tributao da cachaa: como calcular os tributos: conhea os tributos que incidem na produo e comercializao da cachaa. / Lauren Dal Bo Roncato Maccari. Braslia : Sebrae, 2013. 52 p. ISBN 978-85-7333-602-3

    1. Cachaa 2. Tributao I. Sebrae

    FICHA CATALOGRFICA

  • SumrioApresentao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .71. Por que pagar os tributos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .92. Os tributos enquadramento da empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133. Qual o regime mais adequado para sua empresa? . . . . . . . . . . 174. Tributos federais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195. Tributos federais - como calcular? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    5.1 PIS e COFINS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235.1.1 PIS e COFINS no Lucro Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245.1.2 PIS e COFINS no Lucro Presumido . . . . . . . . . . . . . . . . 25

    5.2 IRPJ e CSLL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265.2.1 IRPJ e CSLL no Lucro Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265.2.2 IRPJ e CSLL no Lucro Presumido . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

    5.3 IPI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315.3.1 Registro especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325.3.2 Valor do IPI classes e enquadramento . . . . . . . . . . 355.3.3 Selos de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

    6. Tributos estaduais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 436.1 Como pagar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 446.1.1 Calculando o valor do ICMS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

    Links recomendados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

  • 7

    ApresentaoFazer uma boa cachaa e ganhar dinheiro com o negcio o sonho de todos os

    produtores. Para transformar o sonho em realidade preciso trabalhar bastante, desde a plantao da cana at o envase e venda do produto. Em cada etapa h sempre um desafio a ser enfrentado e vencido, seja com a cana que rendeu pouco por causa do clima, seja o fermento que desandou ou o alambique que vazou.

    Com o tempo, todo produtor vai acumulando experincia com estas situaes e vai desenvolvendo solues prprias, que acabam por dar qualidade e uma identidade ao produto que fabrica. Esta cachaa fica inconfundvel para o cliente e isto d um orgulho danado para o produtor.

    A cachaa com identidade e qualidade representa a vitria do produtor em uma parte importante do processo, a produo. Porm, isto no basta. Para ter um empreendimento de sucesso h outro tipo de desafio envolvido, com o qual o produtor no tem tanta familiaridade, mas que to importante quanto os demais, que a legalizao do negcio.

    O processo de legalizao (formalizao) de uma empresa que trabalha com bebidas alcolicas no algo simples. Para tentar auxiliar produtores e empreendedores nesta etapa, o Sebrae (Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas) elaborou uma srie com trs cartilhas que abordam (1) o processo de legalizao do engenho e da cachaa; (2) a tributao no setor e (3) a diferenciao do produto pela certificao.

    Nesta cartilha, vamos abordar um dos aspectos mais importantes da legalizao, que so os tributos incidentes sobre a fabricao e venda da cachaa.

    importante, porm, observar que as informaes dadas aqui no substituem a necessidade de consultas ao contador da empresa. Na realidade, apenas o contador poder mostrar com segurana quais so os tributos e como calcul-los, no caso especifico de cada empresa, devido principalmente existncia de muitas regras e excees na legislao brasileira.

  • 8

    Sebrae

    ANOTAES

  • 9

    Tributao da Cachaa

    ANOTAES

    1. Por que pagar os tributos?H razes cvicas, ticas e morais para se pagar impostos

    O Estado (Pas, estado ou municpio) presta servios aos cidados (pessoas fsicas) e s empresas (pessoas jurdicas). Sem discutir a qualidade dos servios prestados, cabe ao Estado oferecer servios em reas como sade, educao, segurana pblica, infraestrutura e assistncia social. o Estado que cria (investimentos) e mantm (manuteno) estes servios.

    De onde vem o recurso para custear as despesas do Estado?

    Cada um, pessoa fsica ou pessoa jurdica, contribui para custear os servios ofertados pelo Estado. Como se faz isto? Por meio do pagamento de tributos! So impostos, taxas e contribuies que garantem os recursos necessrios ao Estado.

    Todo cidado e toda empresa usa servios prestados pelo Estado em situaes como transitar nas ruas, na iluminao pblica, na segurana oferecida por policiais e bombeiros, ao passear em praas e parques. Tudo isso tem um custo pago por todos por meio do rateio.

  • 10

    Sebrae

    ANOTAES

    O pagamento de tributos exigido por fora da lei!

    A produo de cachaa no pode ser feita por pessoa fsica, somente por pessoa jurdica. Por isto, obrigatrio constituir uma empresa. Isso implica na sua Inscrio no Cadastro Nacional de Pessoa Jurdica, na Secretaria da Fazenda Estadual e na Secretaria da Receita Federal do Brasil. Com tudo isso, a empresa passar a pagar uma srie de tributos, definidos por leis especficas para cachaa. A empresa que no pagar seus tributos, no est seguindo a lei. Trabalhando de modo ilegal, pode ser punida.

    O que acontece se a empresa no pagar os tributos?

    muito importante que todos saibam que as consequncias por no pagar os tributos so muito srias e podem prejudicar seus negcios e tambm sua vida. Imagine, por exemplo, se voc no puder mais ter acesso aos diversos crditos disponveis para sua atividade econmica ou tiver sua conta bancria bloqueada.

  • 11

    Tributao da Cachaa

    ANOTAES

  • 12

    Sebrae

    ANOTAES

  • 13

    Tributao da Cachaa

    ANOTAES

    2. Os tributos enquadramento da empresa

    H diversos tipos de tributos que incidem sobre a fabricao e venda da cachaa, alguns so federais, uns so estaduais e outros municipais. Para saber quais tributos e quanto pagar de tributao, a primeira tarefa enquadrar a empresa no regime correto de tributao.

    O valor dos tributos que a empresa ir pagar depende do regime de tributao escolhido! Assim, se informe sobre o tema para que possa fazer o enquadramento da empresa no regime certo!

    DICA

    O Simples Nacional pode ser considerado o melhor regime de tributao, mas nem todas as empresas podem aderir a ele. A seguir, como ilustrao, est a classificao, atualizada em 2012 pela Receita Federal, para o enquadramento de micro e pequenas empresas.

  • 14

    Sebrae

    ANOTAES

    A partir de janeiro de 2012 consideram-se ME (microempresa), para efeito do Simples Nacional, a sociedade empresria, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresrio que aufiram, em cada ano-calendrio, receita bruta igual ou inferior a R$360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais).Considera-se EPP (Empresa de Pequeno Porte), para efeito do Simples Nacional, a sociedade empresria, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresrio que aufiram, em cada ano-calendrio, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (trs milhes e seiscentos mil reais).A partir de 2012 haver um limite extra para exportao de mercadorias no valor de R$ 3.600.000,00 (trs milhes e seiscentos mil reais). Dessa forma, a EPP poder auferir receita bruta at R$ 7.200.000,00 (sete milhes e duzentos mil reais), desde que no extrapole, no mercado interno ou em exportao de mercadorias, o limite de R$ 3.600.000,00 (trs milhes e seiscentos mil reais).(Fonte: http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/Perguntas/Perguntas.aspx)

    Olhando os critrios de faturamento apresentados nesta norma, a grande maioria dos produtores de cachaa se enquadraria n