Tribuna April 1 2009

Download Tribuna April 1 2009

Post on 10-Jun-2015

419 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>QUINZENRIO INDEPENDENTE AO SERVIO DAS COMUNIDADES DE LNGUA PORTUGUESA</p> <p>1 a Quinzena de Abril de 2009 Ano XXIX - No. 1060 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual</p> <p>Feliz Pscoa!</p> <p>GOLFE</p> <p>Faj de Santo Cristo, So Jorge - nesta extrordinria foto de Dejalme Vargas (residenteno Faial), pode-se ver que nos Aores ainda existem pequenos parasos para gozar em tempo de Pscoa.</p> <p>Tiger Woods no Torneio de Golfe do PACCom o patrocnio dos construtores Joe Cota e Luis Cabeceiras, Tiger Woods ir participar no Torneio Anual de Golfe do Portuguese Athletic Club no dia 16 de Maio em Monterey Desde que esta notcia foi divulgada nos meios golfistas dos Estados Unidos, os hoteis de Monterey e reas vizinhas esto a ser muito procurados, o que vem ajudar aquela rea turstica em tempo de crise. Pensa-se que o nmero de participantes poder triplicar neste torneio, devido presena deste super dotado campeo de golfe.</p> <p>Amigos da Praiahomenageados pela Cmara da sua Cidade</p> <p>HOMENAGEM</p> <p>Tribuna vai ter nome de Rua em San JosPara comemorar os 30 anos do Tribuna Portuguesa, a cidade de San Jos est a pensar dar o nome de Portuguese Tribune actual Rua 33 no Little Portugal. Esta homenagem ao nico jornal portugus da California do agrado da nossa comunidade e espelha bem o respeito que o poder poltico do Silicon Valley tem em relao a uma comunidade que tem trabalhado muito para o engrandecimento do nosso Estado. Estamos todos de parabns. Bye-bye 33!</p> <p>Amigos da Praia - Luciano Pinheiro, Celestino Aguiar, Jose Mendes, Luis Cabeceiras, Roberto Monteiro (Presidente da Cmara da Praia da Vitoria), Norberto Azevedo, Nelo Bettencourt e Diane Mendes. Falta o Richard Mendes, Presidente dos Amigos, que na sua funo de actor do Bailinho de Carnaval, estava a ser maquilhado. foto jose avilaportuguesetribune@sbcglobal.net www.portuguesetribune.com www.tribunaportuguesa.com</p> <p>2</p> <p>SEGUNDA PGINA</p> <p>1 de Abril de 2009</p> <p>EDITORIAL</p> <p>Carta ao editorSou assinante deste jornal quase desde o princpio, mas decidi no renovar mais a minha assinatura. A razo simples. Artesia teve trs bailinhos de Carnaval do Joo Martins e que eu fiz parte. Ele mandou 3 fotografias do Grupo e o Sr. director e proprietrio do Jornal Tribuna em ponto muito pequeno e que mal se via colocou-as na pagina 18, enquanto que outras fotografias estavam no meio do jornal e na pgina da frente. Creio que foi uma discriminao, no sei qual a razo, mas no estou intressado em continuar com o jornal. Com todo o respeito me despeo</p> <p>Devo ter azar...Sempre que vejo a RTP Aores na RTP Internacional tenho o azar de ver a Presidente da Camara de Angra a falar e a anunciar o programa das Sanjoaninas. Fico sempre muito confuso. Afinal para que que serve o Presidente das Festas? No sabia que as pessoas de Angra elegiam um Presidente para ser o porta voz das Sanjoaninas, tendo sempre a seu lado o verdadeiro Presidente das Festas. Se gostam tanto de aparecer na televiso porque que no concorrem a locutores da mesma? Vou deixar de ver as noticias dos Aores, porque esta doena j se instalou em todos os Presidentes das Camaras, de Ponta Delgada ao Corvo. Deve ser para a familia os ver em alta definio. Atravs de um artigo neste jornal tommos conhecimento que o actual Consul Geral de Portugal em San Francisco, Antnio Alves de Carvalho, est de partida dentro em breve para Hamburgo, na Alemanha, onde ir cumprir mais uma misso. Durante quase cinco anos que este Consulado no conseguiu fazer muitas das coisas a que se propunha, porque infelizmente Portugal um Pas que trata muito mal os seus Consules e os seus Consulados. J estamos fartos de batalhar contra a vergonha que o nosso Consulado em San Francisco. Mais um Consul que parte e nada poude fazer porque dinheiro no vem e sem dinheiro os sonhos emigram. J tantos outros fizeram igual. Haveria remdios para resolver isto. Um deles drstico, mas talvez seria o melhor. NUNCA mais receberamos nenhum governante de Portugal enquanto o nosso Consulado no oferecesse condies fsicas dignas, quer para os trabalhadores, quer para os utentos. NINGUM, mas ningum, deveria receber quem quer que fosse, nem mesmo aqueles que receberam benesses desses Governos que no reconhecem as nossas necessidades. Ser que temos algum capaz de fazer isso? De diplomacia, palmadinhas nas costas e jantares, j estamos fartos. Passem bem! jose avila</p> <p>elas sassem. Quinze dias depois solicitei mais fotos, para no usar as mesmas para a nova edio a cores. As fotos que recebi no tinham muita qualidade mas ainda consegui publicar duas a cores. Eliseu Martins Jacinto Infelizmente este ano por Artesia razes familiares no nos foi possvel ver qualquer dos bailinhos do meu Nota do editor: amigo Joo Martins, que tm sido sempre de cra tambm com muito respeito veira superior no nosso que lhe vou responder. Sentipanorama carnavalesco. mos sempre muita pena quanO Joo at teve a gentileza do perdemos um assinante e de me dizer que este ano muito mais um que nos acomos bailinhos eram muito panha desde h 26 anos. bons e eu prometi-lhe que Infelizmente o meu amigo iria se me fosse possvel, o no tem toda a razo e eu que veio a no acontecer. vou-lhe explicar-lhe porqu. Quando assim acontece, Para j tivemos muitas dificamos dependentes de ficuldades em conseguir as outros para a publicao vossas fotos e quando elas das fotografias e s vezes chegaram, o jornal estava feiacontecem os problemas to e ainda conseguimos que de datas e m qualidade.</p> <p>Faz uma referncia pgina 18. No Tribuna todas as pginas so importantes, desde a 1 at 32. Vou-lhe ser sincero. O que mais me chocou na sua carta foi ter-se esquecido daquilo que o Tribuna fez ao seu Grupo predilecto em 2008, 2007, 2006 e 2005. H um ano publicmos uma foto de 10 polegadas por 8, repito, 10 polegadas por 8, na pgina central da esquerda e na outra pagina central publicamos 2 fotos de 5 polegadas por 3.5 (ver foto). Em 2007 dedicamos uma pgina inteira ao vosso grupo. Em 2006 dedicamos 3 fotografias nas pginas centrais a cores. Em 2005 dedicamos metade de uma pgina ao Grupo do meu amigo Joo Martins. Nao me lembro de ter re-</p> <p>cebido algum cumprimento seu durante estes anos todos com referncia ao destaque que o Tribuna deu aos vossos bailinhos. Como v este jornal tem sido sempre amigo de tudo o que se faz em Artesia. O que ns no podemos ter dois pesos e duas medidas. O meu amigo livre de no renovar a sua assinatura e eu sou livre de defender aquilo que temos feito a bem do seu Carnaval da Artesia, e que o meu amigo se esqueceu de reconhecer. Palavras leva-os o vento, mas felizmente essas palavras quando escritas ficam sempre para o futuro. Esta a riqueza de um jornal. Um abrao e um obrigado por ter-nos acompanhado durante estes anos todos. jose avila</p> <p>Year XXIX, Number 1060, Abril 1, 2009</p> <p>COLABORAO</p> <p>3</p> <p>Tribuna da Saudade</p> <p>Ferreira Moreno</p> <p> Volta dos Ilhus das Cabras (1)da vila de So Sebastio e uma lgua distante da cidade dAngra. Vitorino Nemsio (Corsrio das Ilhas, pg. 70, Ed. 1983), foi mais especfico em declarar que os ilhus das Cabras no tinham cabra alguma, mas uma cisterna salobra e meia dzia de carneiros. Eu, que tinha a mania da geografia fantstica, chamava-lhes a Terra do Perrexil, a plantazinha rasteira, de folha carnuda como a da beldroega,que se curtia num frasco e nos servia de pickles. Mas a grande lio dos ilhus no era nem o perrexil, nem o carneiro: era a prova provada do nosso emparedamento num vasto calhau atlntico: por assim dizer, a esttua da nossa solido arrancada das nossas entranhas e ali posta, junto ao Porto Judeu, como o smbolo dum destino e o padro duma vida interior. Francisco Ferreira Drumond (Apontamentos Topogrficos, Polticos, Civis &amp; Eclesisticos para a Histria das nove Ilhas dos Aores servindo de suplemento aos Anais da Ilha Terceira, pgs.</p> <p>J</p> <p>os Rodrigues Ribeiro (1919-2001), no seu Dicionrio Toponmico, Ecolgico, Religioso &amp; Social da Ilha Terceira, publicado em 1998, anotou: Os Ilhus das Cabras so formados por duas ilhotas, uma bastante maior que a outra, a cerca de trs quilmetros da costa da ilha, de longe os maiores e mais importantes de toda a ilha. So ambos desabitados e propriedade particular, onde se criam ovelhas e foram sempre desabitados. Nas suas costas altas de pedra existem algumas grutas e tambm algumas lendas de cunho popular. Pertencem administrativamente freguesia da Feteira, concelho de Angra do Herosmo. Dei voltas e mais voltas a fim de detectar a origem que determinou o nome afixo aos ilhus, mas todas as tentativas foram confrangedoramente goradas.</p> <p>Inicialmente teriam sido nomeados Ilhus do Porto Judeu, no porque pertencem a algum dessa freguesia, que eles so do Capito da Ilha, mas porque ficam seus vizinhos. (Diogo das Chagas, Espelho Cristalino, pg. 229, Ed. 1989). Gaspar Frutuoso (Saudades da Terra, Livro VI, pg. 10, Ed. 1998), apontou serem esses ilhus muito abundantes de pescados e marisco, incluindo cracas, nos quais houve tambm muitos coelhos, e agora h matos e muito barcu, e criam neles pombas e muitos pssaros do mar, de que se acham muitos ovos. Embora fornecendo pormenores descritivos, que me abstenho de citar pra poupar espao, Frutuoso no aludiu ao nome que, ao tempo, era atribudo aos ilhus, mas to somente indicando que estavam localizados defronte do Porto Judeu, um quarto de lgua</p> <p>125-126, Ed. 1990), apresentou as seguintes observaes: H tambm nos mares da Terceira alguns ilhus dos quais so os mais notveis os dois chamados das Cabras, uma milha alongados da costa da Feteira, os quais ainda que contguos se acham profundamente divididos com um canal por onde pode passar qualquer navio. O maior poder ter uma milha de circunferncia; tem uma grande plancie, e pela parte do sul formado de uma altssima rocha vertical, mas acessvel pela parte do norte. Ainda coberto de ervas muito prestadias com que sustenta grande rebanho de gado langero, que nele se cria de extraordinria corpolncia. O segundo ilhu muito mais pequeno e baixo tem uma plancie de 8 a 10 alqueires de terra, por vezes tem sido cultivado, mas a subida para ele no fcil. Tem em seu vo uma formidvel caverna, para a qual se entra por uma boca maneira de porto. uma cmara vulcnica com mais de 60 ps de altura acima da gua, e nele podem recolher-se (sobre profundo e escuro mar)</p> <p>vinte ou mais barcos de pesca. tradio de antigos que ali se refugiaram 12 barcos de pesca procurados por um corsrio argelino. Por divertimento, e interesse de colher alguns mariscos e peixe, vo l alguns barcos no vero. Nestes ilhus se colhem os mais excelentes mariscos (lapas, caranguejos e cracas), e por isso so frequentados em estao prpria. Pertenciam ao concelho da Vila de So Sebastio, quando no ano de 1574 o donatrio da parte de Angra (Manuel Corte Real) lhe disputava a posse, e ou porque vencesse o pleito, ou porque el-rei doasse o ilhu a um seu descendente, como tradio, o certo que anda anexo ao morgado dos Cantos, e que nele tem grande quantidade de ovelhas. Regressarei com mais voltas na prxima crnica. At l, esta chistosa quadra que o Tenrinho atirou ao Charrua: Tu pra cabreiro no prestas Que tens o queixo comprido As cabras fazem-te festas Julgam que s seu marido.</p> <p>4</p> <p>COLABORAO</p> <p>1 de Abril de 2009</p> <p>Da Msica e dos Sons</p> <p>Nelson Ponta-Garanpgproductions@gmail.com</p> <p>Esquecendo o Bsico</p> <p>Lufada de Ar Fresco</p> <p>Paul Mellopjmello87@yahoo.comdifcil para uma criana aprender tais operaes quando esta j tem acesso a uma calculadora ainda antes de comear a escola. O problema no a existncia da calculadora, pois esta uma das mais importantes invenes de sempre, mas sim a dependncia que os jovens tm dela. H poucos dias eu estava no laboratrio com uma colega minha a fazer o meu trabalho quando esta me perguntou se eu tinha uma calculadora. Eu disse-lhe que no tinha trazido comigo e segundos depois passei os olhos pelo caderno dela e reparei que a conta que ela queria fazer era a simutilizao por parte do cidado comum cada vez mais frequente pois trata-se de up aparelho de navegao muito til. Um casal que queira seguir de San Franscisco para Las Vegas de automvel, apenas tem de introduzir o endereo de partida e o endereo do destino para segundos depois ouvir uma voz indicando, passo a passo, o caminho correcto a seguir para chegar ao seu destino. J l vo os tempos em que se analisava um mapa para encontrar o caminho mais adequado para se chegar a um determinado local. O GPS mais uma autntica maravilha tecnolgica que nos vem facilitar a vida mas que tambm nos vem tornar um pouco mais burros. Se calhar at estou a faltar ao respeito aos burros pois pelo andar da carruagem, num futuro prximo, no faltar muito para estes animais terem um sentido de orientao melhor que o nosso. A verdade que a tecnologia que temos ao nosso dispor nos dias de hoje visa facilitar as nossas vidas. Mas imaginemos que estas tecnologias, por uma razo ou outra, deixam de funcionar. O que ser do rapaz que hoje se torna engenheiro e consegue fazer as mais complicadas operaes matemticas mas que necessita de recorrer a calculadora para fazer aquilo que outros outrora faziam mentalmente num pice? O que ser do casal que vai no seu autmvel de viagem quando o GPS deixar de funcionar? O que ser do piloto de avies quando o auto-pilot avariar? O que ser?... Ser que os jovens de hoje estaro preparados para substituir as mquinas caso estas deixem de funcionar? Ser que futuros profissionais estaro preparados para improvisar e fazer mais do que simplesmente carregar em botes? S o tempo dir.</p> <p>Os L ForaThe words will tell you a great deal about this group. It is no worst or better than any other, but it is definitely a different group, especially because of its repertoire and philosophy. There are plenty of great band and solo artists in our community. However, there was a need for a group that plays contemporary Acoustic, Pop, Portuguese Rock in a show setting. What I mean is, you dont dance! You listen, enjoy or Rock out, why not! La Fora is comprised of a group of friends all playing in different projects with a passion for a different Portuguese Contemporary and Alternative Rock Music. Roberto Lino on vocals and guitars (O Roberto solo project), Antonio Severino on vocals and percussion (Tributo) Leslie Pavo on vocals (Raa), Nelson Ponta-Gara (Recording Studio Owner), Sergio Leal (Zodiac) on Drums, Mark Freitas (Joey Medeiros Band) on Bass, and Nuno Braga (Raa) on guitars. La Fora is committed to bringing a new style of Portuguese Music and the Live Show/Concert concept to the Portuguese Community. Although this group is working on original music, at this point our shows will include cover classics from Rui Veloso, Luis Represas, Fausto, Jorge Palma in a relaxing lounge atmosphere all the way to Portuguese Alternative Rock from Xutos, Delfins, GNR for great fun. I have to be honest and share with my readers that I stopped playing with Live Bands (Portuguese or not) 2 years ago! I had decided to focus in the business of Recording. Only a project like this would get me on the road again: Join...</p>