tratamento preventivo de desobstru†ƒo na .cloro e de cloro+cido n­trico foram mais...

Download TRATAMENTO PREVENTIVO DE DESOBSTRU‡ƒO NA .cloro e de cloro+cido n­trico foram mais eficazes

Post on 04-Dec-2018

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CYBELLE BARBOSA E LIMA

    TRATAMENTO PREVENTIVO DE DESOBSTRUO NA IRRIGAO

    POR GOTEJAMENTO COM EFLUENTE DE AQUICULTURA NA

    PRODUO DO MILHO VERDE

    MOSSOR-RN 2009

  • CYBELLE BARBOSA E LIMA

    TRATAMENTO PREVENTIVO DE DESOBSTRUO NA IRRIGAO

    POR GOTEJAMENTO COM EFLUENTE DE AQUICULTURA NA

    PRODUO DO MILHO VERDE

    Tese apresentada Universidade Federal Rural do Semi-rido, como parte das exigncias para a obteno do grau de Doutor em Cincias, em Fitotecnia.

    Orientadora:

    Prof. Celicina Maria da S. Borges Azevedo, Ph.D

    MOSSOR-RN 2009

  • Ficha catalogrfica preparada pelo setor de classificao e catalogao da Biblioteca Orlando Teixeira da UFERSA

    L732e Lima, Cybelle Barbosa e. Tratamento preventivo de desobstruo na irrigao por gotejamento com efluente de aquicultura na produo do milho verde. -- Mossor, 2009. 147f.: il. Tese (Doutorado em Fitotecnia, rea de concentrao: Manejo do Solo e da gua) Universidade Federal Rural do Semi-rido. Pr-Reitoria de Ps-Graduao. Orientadora: Prof. PhD. Celicina Maria da Silveira Borges Azevedo. Co-orientador: Prof. Dr. Jos Francismar de Medeiros. 1.Zea mays. 2.Irrigao localizada. 3.Efluente de aqicultura. 4.Reuso de gua. I.Ttulo.

    CDD: 633.15 Bibliotecria: Keina Cristina Santos Sousa e Silva

    CRB/15 120

  • minha me, Iza Maria Costa Barbosa, que me

    incentivou, apoiou e sempre foi meu porto seguro.

    Aos meus irmos, Cynthia e Samuel que

    compartilharam comigo essa conquista.

    Dedico

    Ao meu noivo Sebastio Vasconcelos dos Santos

    Filho, por todo seu amor, dedicao e

    companheirismo em todos os momentos.

  • Ofereo

  • AGRADECIMENTOS

    Agradeo a Deus que me deu a coragem necessria para enfrentar os

    desafios, e a perseverana para alcanar meus objetivos.

    professora Celicina Maria da Silveira Borges Azevedo, por toda a

    orientao, compreenso, pelos ensinamentos, e tambm pela amizade.

    Ao professor Maurcio de Oliveira, in memorian, por todos os princpios e

    pelo exemplo de vida.

    Universidade Federal Rural do Semi-rido, em especial ao Programa de

    Ps-Graduao em Fitotecnia, pelos ensinamentos e pela oportunidade concedida

    para realizao do Doutorado.

    Ao Laboratrio de Anlises de Solo, gua e Planta, pela colaborao nos

    momentos necessrios, em especial aos servidores Celsa, Eldio, Maria Jos,

    Marilene, Mrcia, Roberta e Tomaz, pela agradvel convivncia, e aos professores

    Fbio Henrique Tavares de Oliveira e Francisco Nildo da Silva, Miguel Ferreira

    Neto, Marcelos Tavares e Nildo da Silva Dias.

    Ao professor Jos Francismar de Medeiros, pela to indispensvel

    orientao.

    Ao professor Francisco Bezerra Neto por sua to valorosa contribuio.

    s professoras Eunice e Vera Lcia pelas correes e valiosas contribuies

    para o aperfeioamento deste trabalho.

    professora Jailma Suerda pelo auxlio nas anlises estatsticas.

    A todos os professores do programa de ps-graduao em Fitotecnia da

    UFERSA, sobretudo Maria Zuleide de Negreiros e Maria Auxiliadora dos Santos.

    Aos funcionrios da horta pela dedicao na conduo do experimento.

    Ao Setor de Aquicultura da UFERSA pela prontido na execuo do

    trabalho, em especial a Nathlia e Jnior Bessa.

    Ana Paula Damasceno, Gabriela Cemirames, Hudson Oliveira e Isabel

    Giovanna, pela incansvel dedicao, cuidado e carinho com o experimento.

  • Aos colegas do laboratrio Joana Darc Jales, Valdvia de Ftima, Daniely

    Formiga, Vanessa Paiva, Rosimeire Cruz e Andrezza Caldas, sem o auxlio de

    vocs com certeza esse trabalho no teria sido executado.

    minha av Silvia e a minha tia Silvinha pela confiana em mim

    depositada.

    A todos os demais, amigos e familiares, que contriburam de alguma forma

    para a realizao desse trabalho.

    Muito obrigada.

  • melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar; melhor tentar, ainda que em vo, que sentar-se

    fazendo nada at o final.

    Martin Luther King

  • BIOGRAFIA

    CYBELLE BARBOSA E LIMA, filha de Dimas Lopes Lima e Iza Maria

    Costa Barbosa, nasceu no dia 12 de novembro de 1981, na cidade de Mossor, no

    estado do Rio Grande do Norte. Concluiu o ensino fundamental no Colgio

    Pequeno Prncipe e o ensino mdio no Colgio Diocesano Santa Luzia, em

    Mossor-RN, em 1997. Ingressou na Escola Superior de Agricultura de Mossor

    (ESAM), hoje Universidade Federal Rural do Semi-rido (UFERSA), em julho de

    1999, na cidade de Mossor, para cursar Engenharia Agronmica, graduando-se

    em julho de 2004. Ingressou como aluna especial no Curso de Mestrado em

    Fitotecnia em agosto de 2004, e em dezembro do mesmo ano foi selecionada, como

    aluna regular em primeiro lugar. Recebeu o ttulo de Mestre em Cincias em

    fevereiro de 2007 pela Universidade Federal Rural do Semi-rido UFERSA. Em

    maro de 2007, ingressou no Curso de Doutorado em Fitotecnia. Aprovada em

    concursos no IFRN (antigo CEFET) e na UFERSA, assumiu como Tcnica em

    Laboratrio do Laboratrio de Anlise de Solo, gua e Planta da UFERSA em

    maro de 2008. No ano de 2009, foi aprovada no concurso pblico para professor

    efetivo da UFERSA no ms de julho, e em dezembro concluiu o curso de

    Doutorado.

  • RESUMO

    LIMA, Cybelle Barbosa e. Tratamento preventivo de desobstruo na irrigao por gotejamento com efluente de aquicultura na produo do milho verde. 2009. 147f. Tese (Doutorado em Agronomia: Fitotecnia) - Universidade Federal Rural do Semi-rido (UFERSA), Mossor-RN, 2009.

    A reutilizao do efluente de aquicultura pode ser uma alternativa para

    minimizar o problema da escassez de gua para irrigao em regies semi-ridas, tornando o sistema mais sustentvel e complementando a renda do produtor. O fato do efluente ser rico em matria orgnica e nutrientes, como nitrognio e fsforo, possibilita que a irrigao com essas guas funcione como uma fertirrigao para as plantas, porm a obstruo dos emissores pode se tornar um entrave para o uso desse efluente. Este trabalho teve por objetivo avaliar o efeito de tratamentos de desobstruo do sistema irrigao por gotejamento, na cultura do milho, com efluente de aquicultura oriundo do cultivo de tilpias do Nilo em consrcio com camaro. O experimento foi realizado durante o perodo de setembro de 2008 a janeiro de 2009, na horta do Departamento de Cincias Vegetais, da Universidade Federal Rural do Semi-rido UFERSA. O experimento foi delineado em blocos casualizados completos em esquema de parcelas subdivididas, com seis tratamentos, cinco pocas de avaliao do sistema de irrigao e quatro repeties. Os tratamentos foram mtodos de desobstruo do sistema de irrigao quando da utilizao com efluente de aquicultura e gua subterrnea, combinados com solues de cloro e cido ntrico. Os seis tratamentos foram: 1) efluente de aquicultura sem tratamento para desobstruo; 2) aplicao de efluente de aquicultura com soluo de cloro; 3) aplicao de efluente de aquicultura com soluo de cido ntrico; 4) aplicao de efluente de aquicultura com soluo de cloro e cido ntrico; 5) aplicao de gua subterrnea com soluo de cido ntrico; e 6) aplicao de gua subterrnea sem tratamento para desobstruo. O sistema de irrigao foi avaliado aos 15, 30, 45, 60 e 75 dias aps o incio das irrigaes. Em todos os tratamentos a gua passou por filtragem atravs de filtros de discos instalados na entrada da gua na rea, sendo um filtro para cada tratamento. Os tratamentos foram aplicados duas vezes por semana, a partir dos 20 dias aps o plantio do milho, geralmente no perodo da tarde, nos minutos finais da irrigao, para que as solues cloradas e/ou acidificadas permanecessem em contato com a tubulao por no mnimo 12 horas. Foram realizadas anlises das guas utilizadas quinzenalmente, para calcular as quantidades de nitrognio inorgnico total (amnia, nitrito e nitrato) e fosfato fornecidos atravs da gua de irrigao. Cada parcela foi composta por 67 gotejadores, e foram selecionados 16 para serem avaliados em bloco de quatro no 1/4; 2/4; 3/4; 4/4 do comprimento da linha. Para o teste de vazo os gotejadores tiveram o volume de gua emitido coletado em um recipiente plstico por um tempo de 3 minutos, e aps este tempo, o volume de gua coletado foi medido. A partir da caracterizao dos gotejadores

  • novos, tomando sempre o mesmo esquema, as demais avaliaes foram realizadas. Com os dados de volume foi possvel efetuar os clculos de vazo, coeficiente de variao de vazo e do grau de entupimento dos gotejadores e lmina total aplicada. O hbrido de milho utilizado foi o AG 1051. Foram retiradas amostras das folhas de quatro plantas na rea til de cada parcela para determinao dos teores de nitrognio, potssio, fsforo, clcio e magnsio, no incio da florao. A colheita do milho verde foi realizada em 20 plantas de cada parcela. Foram coletadas amostras de solo em cada uma das parcelas do experimento, antes e depois da suspenso da irrigao, para avaliar a caractersticas fsicas, qumicas e biolgicas. As caractersticas avaliadas na cultura do milho foram: peso, comprimento e dimetro das espigas empalhadas; peso, comprimento e dimetro das espigas despalhadas; porcentagem de espigas comercializveis e a produtividade das espigas despalhadas comercializveis; nmero de espigas que perfazem 1 kg. Os tratamentos preventivos de desobstruo elevaram a eficincia da utilizao do efluente de aquicultura na irrigao; A aplicao da soluo de cloro e de cloro+cido ntrico foram mais eficazes na desobstruo do sistema de irrigao; o efluente de aqicultura, usado com ou sem tratamento p