TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO - FOSSAS SÉPTICAS

Download TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO - FOSSAS SÉPTICAS

Post on 26-Jul-2015

198 views

Category:

Documents

9 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Alunos: Adriano de Fraga Giraudo, Carlos Alberto Czekster, Jefferson da Silveira Fleck e Leopoldo Machado Clemente</p> <p>1-Generalidades 2-O que a fossa sptica e como funciona 3-Restries ao uso, Localizao e Distncias Mnimas 4-Aspectos Construtivos 5-Dimenses 6-Quantitativo 7-Prescries Normativas: NBR 7229/1993 e Critrios de Dimensionamento 8-Exemplo de Dimensionamento</p> <p>1. Generalidades Quando no h disponibilidade de uma rede de esgoto pblica,</p> <p>torna-se obrigatrio o uso de instalaes necessrias para a depurao biolgica e bacteriana das guas residurias.</p> <p> A obrigatoriedade do uso dessas instalaes est fundamentada no</p> <p>REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE SADE PBLICADecreto n 16.300 de 31/12/1932. inmeras doenas.Cerca de 50 tipos de infeces podem ser transmitidas diretamente via excretas humanas(Ex.: febre tifide, clera, disenteria, hepatite infecciosa, dentre outras )</p> <p> Os despejos lanados sem tratamento propiciam a proliferao de</p> <p>2. O que uma fossa sptica e como funciona Fossa Sptica: Conceito e aplicao</p> <p>As fossas spticas so instalaes que atenuam a agressividade das guas servidas. Existem vrios tipos de de fossas, alguns j patenteados. Fisicamente consistem basicamente em uma caixa impermevel onde os esgotos domsticos se depositam.As fossas spticas tm a funo de separar e transformar a matria slida contida nas guas de esgoto, descarregando-a no terreno, onde o se completar o tratamento. A altura mnima do lquido no interior da fossa para garantir a ao neutralizante das bactrias de cerca de 1,20 m.</p> <p>2. O que uma fossa sptica e como funciona Fossa Sptica: Funcionamento</p> <p>Nas fossas, as guas servidas sofrem a ao de bactrias anaerbicas, ou seja, microorganismos que s atuam sem a presena de oxignio. Durante a ao desses microorganismos (em grande parte presentes nos prprios resduos lanados), parte da matria orgnica slida convertida em gases ou em substncias solveis, que dissolvidas no lquido contido na fossa, so esgotadas e lanadas no terreno Ao longo do processo, depositam-se no fundo da fossa, as partculas minerais slidas (lodo) e forma-se na superfcie do lquido uma camada de espuma ou crosta constituda de substncias insolveis e mais leves que contribui para evitar a circulao do ar, facilitando a ao das bactrias. Como resultado h a destruio total ou parcial de organismos patognicos.</p> <p>2. O que uma fossa sptica e como funciona</p> <p>2. O que uma fossa sptica e como funciona</p> <p>2. O que uma fossa sptica e como funciona</p> <p>3. Restries ao uso; Localizao e distncia mnimaO sistema de fossas spticas deve preservar a qualidade das guas superficiais e subterrneas, mediante estrita observncia das prescries da NBR 7229/1993: Projeto, construo e operao de sistemas de tanques spticos. vedado o encaminhamento ao tanque sptico de: guas pluviais e despejos capazes de causar interferncia negativa na fase do processo de tratamento ou elevao excessiva da vazo de esgoto afluente, como os provenientes de piscinas e lavagem de reservatrios de gua.</p> <p>3. Restries ao uso; Localizao e distncia mnimaAs fossas spticas devem ser localizadas o mais prximo possvel do banheiro,com tubulao o mais reta possvel e distanciadas no mnimo a 15m abaixo de qualquer manancial de gua (poo, cisterna, etc) As fossas devem observar as seguintes distncias horizontais mnimas: a)1,50m de construes, limites de terreno, sumidouro, valas de infiltrao e ramal predial de gua; b)3,0m de rvores e de qualquer ponto de rede pblica de abastecimento de gua; c)15,0m de poos freticos e de corpos de gua de qualquer natureza. OBS: As distncias mnimas so computadas a partir da face externa mais prxima aos elementos considerados.</p> <p>4. Aspectos Construtivos 1) Escava-se o terreno de modo que a parte superior da fossa</p> <p>fique um pouco abaixo do nvel do terreno. Se o terreno for bastante firme, no h necessidade de frmas externas, caso contrrio, escavar mais 10cm para cada lado, para colocao e retirada de frmas. 2) O segundo passo consiste na elaborao das frmas, para</p> <p>moldar a estrutura da fossa. aconselhvel o uso de tbuas de 1 (3,8cm). Para evitar a aderncia excessiva do concreto s frmas, recomenda-se pint-las com leo (tipo automvel) antes da concretagem. A figura a seguir apresenta um esquema da configurao das formas.</p> <p>4. Aspectos Construtivos Modelo de frma interna de uma fossa sptica</p> <p>4. Aspectos Construtivos</p> <p>3) Durante a concretagem, inicialmente molda-se o fundo e depois as paredes laterais. A espessura do fundo da fossa e das paredes de 15cm. Recomenda-se a utilizao do mesmo concreto para a laje de cobertura(tampa). A retirada das frmas poder ser feita no dia seguinte aps a concretagem (24 horas depois); 4)Laje de cobertura: Para confeco da laje de cobertura, usar frmas com dimenses tais que fiquem bem apoiadas nas laterais.Para facilitar a remoo, podem-se usar, em vez de uma nica laje, vrias lajes menores de 60cm de largura e 8,5cm de espessura. Para armao da laje, usar 3 ferros de 1\4 na parte inferior. Confeccionar tambm alas com ferro de 1\4 para remoo das tampas (ver figura a seguir). 5) Lajes das chicanas: As lajes das chicanas tero a espessura de 5cm e podero ser feitas em partes, para facilitar a remoo. Elas sero colocadas nas ranhuras deixadas durante a concretagem.</p> <p>4. Aspectos Construtivos Esquema de fossa com especificao das espessurasdas paredes e</p> <p>ferragem da laje de cobertura</p> <p>5. DimensesPara estipular as dimenses da fossa, necessrio o clculo do volume til total ( que ser apresentando nos itens seguintes).Entretanto, para um pr-dimensionamento, pode-se utilizar uma tabela de dimensionamento prtico. Entrando com o nmero de pessoas, tm-se as dimenses e a capacidade da fossa, em litros,equivalente ao volume til.</p> <p>5. Dimenses</p> <p>6. Quantitativo</p> <p>Para levantamento do material necessrio, consultar a tabela abaixo</p> <p>7. Prescries Normativas e DimensionamentoA NBR-7229/1993 prev trs tipos bsicos de fossa spticas: Cmara nica, cmaras sobrepostas e cmaras em srie. A geometria da fossa em geral prismtica ou cilndrica.Consideraes de Uso: So encaminhados s fossas todos os despejos domsticos oriundos de cozinhas, lavanderias domiciliares, chuveiros,lavatrios, bacias sanitrias, bids, banheiras, mictrios e ralos de piso; Os despejos da cozinha devem passar por caixas de gordura antes de serem lanados s fossas spticas; guas pluviais no devem ser lanadas.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento Projeto de Fossas Spticas:</p> <p>No clculo de contribuio dos despejos, devem ser observados: a)Nmero de pessoas a serem atendidas, no inferior a cinco; b) O consumo local de gua e, na falta desses dados, utilizar os valores Apresentados na Tabela1 da norma, item 5.7.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento</p> <p>Volume til total do tanque sptico: Consiste no espao interno mnimo Necessrio ao correto funcionamento do tanque sptico, correspondente somatria dos volumes destinados digesto, decantao e armazenamento da escuma. dado pela expresso:</p> <p>V=1000+N(C x T+K x Lf) </p> <p>Em que: V=Volume til, em litros. N=nmero de pessoas ou unidades de contribuio. C=Contribuio de despejos, em litros/ pessoa. (ver tabela 1 da norma) T=Perodo de deteno, em dias. (ver Tabela 2 da norma) K= taxa de acumulao de lodo digerido em dias equivalente ao tempo de acumulao de lodo fresco (ver Tabela 3 da norma) Lf= contribuio de lodo fresco, em litro/pessoa x dia ou em litro/unidade x dia (ver tabela 1 da norma)</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento TABELA 1: Contribuio diria de esgoto(C) e de lodo fresco (Lf) por tipo de</p> <p>prdio e ocupante.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento TABELA 2: Perodo de deteno (T) dos despejos, por faixa decontribuio diria.</p> <p>Perodo de Deteno do Esgoto:</p> <p>Tempo de permanncia da parcela lquida do esgoto dentro da zona de decantao do tanque sptico.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento TABELA 3: Taxa de acumulao total de lodo (K), em dias por</p> <p>intervalo entre limpezas e temperatura do ms mais frio</p> <p>Taxa de acumulao de lodo: Nmero de dias de acumulao de lodo fresco equivalente ao volume de lodo digerido a ser armazenado no tanque, considerando Reduo de volume de quatro vezes para o lodo digerido.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento TABELA 4: Profundidade til mnima e mxima, por faixa de volume til</p> <p>Profundidade til: Medida entre o nvel mnimo de sada do efluente e o nvel da base do tanque.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento Aberturas de inspeo:</p> <p>As aberturas de inspeo dos tanques spticos devem ter nmero e disposio tais que permitam a remoo do lodo e da escuma acumulados, assim como a desobstruo dos dispositivos internos. As seguintes relaes de distribuio e medidas devem ser observadas: a)todo tanque deve ter pelo menos uma abertura com a menor dimenso igual ou superior a 0,60m, que permita acesso direto ao dispositivo de entrada do tanque. b) o mximo raio de abrangncia horizontal, admissvel para efeito de limpeza, de 1,50m, a partir do qual nova abertura deve ser necessria. c) a menor dimenso das demais aberturas, que no a primeira, deve ser igual ou superior a 0,20m.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento d) os tanques executados com lajes removveis em segmentos no</p> <p>necessitam de aberturas de inspeo, desde que as peas removveis que as substituam tenham rea igual ou inferior a 0,50 m. e) os tanques prismticos retangulares de cmaras mltiplas devem ter pelo menos uma abertura por cmara.</p> <p>7. Prescries Normativas e Dimensionamento Identificao:</p> <p>Os tanques devem conter uma placa de identificao com as seguintes informaes, gravadas de forma indelvel, em lugar visvel (ver modelo a seguir): a) identificao: nome do fabricante ou construtor e data fabricao; b) Tanque dimensionado conforme a NBR 7229; c) Temperatura de referncia:conforme o critrio de dimensionamento adotado; indicao da faixa de temperatura ambiente. Para tanques dimensionados para condies mais rigorosas (T&gt;&gt; V= 2175 litros &gt;&gt;&gt; V=2,1 m6Passo: Determinao das dimenses Arbitrando um valor para a altura H de 1,50 m e para largura W de 0,90 m, para o volume til obtido de 2,1m, o comprimento L deve ser de 1,56 m. Como, 2 &gt; W=0,90 m &gt;&gt;&gt; H=1,50 m</p> <p>Caso fosse consultada a tabela apresentada anteriormente no item 5-Dimenses para N=5 pessoas tm-se: L=1,60 m, W=0,80 m, H=1,50m</p> <p>8. Exemplo de Dimensionamento 7Passo: Detalhamento Fossa Planta Baixa</p> <p>8. Exemplo de Dimensionamento Corte A-A</p> <p>8. Exemplo de Dimensionamento Cortes B-B e C-C</p> <p>Bibliogafia CREDER, Hlio. Instalaes Hidrulicas e Sanitrias. LTC . 6 Edio.Rio de Janeiro.2006. JORDO, Eduardo Pacheco &amp; PESSA, Constantino Arruda.</p> <p>Tratamento de Esgotos Domsticos. ABES. 3 Edio. Rio de Janeiro 1995. NBR 7229/1993- Projeto, construo e operao de sistemas de Tanques spticos.</p>

Recommended

View more >