Trabalho controlo estatistico de qualidade

Download Trabalho controlo estatistico de qualidade

Post on 05-Jul-2015

2.060 views

Category:

Education

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

controlo estatistico de qualidade

TRANSCRIPT

  • 1. ndiceIntroduo..................................................................................................................... 1Objetivo geral ............................................................................................................... 2Objetivo especficos ...................................................................................................... 2Metodologia .................................................................................................................. 2Reviso da literatura ..................................................................................................... 2 Conceito qualidade .................................................................................................... 3 Controle Estatstico de Processo ................................................................................ 5 Variabilidade ............................................................................................................. 5 As sete ferramentas da qualidade ............................................................................... 6 Carta de Controle ...................................................................................................... 6Apresentao e discusso dos resultados ....................................................................... 7Concluso ..................................................................................................................... 9Bibliografia ................................................................................................................. 10

2. IntroduoA busca contnua pela satisfao dos consumidores e a extrema competio junto aosconcorrentes tm levado as empresas de alimentos a formalizarem seus processos com oobjetivo de garantir a qualidade e segurana de seus produtos de forma a se tornaremcompetitivas.A qualidade dos alimentos o conjunto dos atributos sensoriais que so imediatamentepercebidos pelos sentidos humanos (aparncia, textura, sabor e aroma), e os atributosocultos como a segurana (controle de contaminantes fsicos, qumicos emicrobiolgicos), quantidade de nutrientes, constituintes qumicos e propriedadesfuncionais.A Melhoria da Qualidade uma atividade que deve estar presente nas rotinas de todasempresas. Isto significa que todos os processos empresariais, sejam produtivos ouadministrativos, podem e devem ser continuamente avaliados e melhorados.Antes de ser melhorado, o desempenho de qualquer operao precisa ser medido(mensurado e analisado). O desempenho, ento, definido como o grau em que aproduo preenche os cinco fatores de competitividade em qualquer momento, de modoa satisfazerseus consumidores. Tais objetivos so: qualidade, velocidade,confiabilidade, flexibilidade e custo. Como exemplo de medidas desses objetivos tem-se: para qualidade - nmero de defeitos por unidade, nvel de refugo, score de satisfaodo consumidor; para velocidade - tempo de cotao do consumidor, lead-time depedido, frequncia de entregas; para confiabilidade - atraso mdio de pedidos, aderncia programao, desvio mdio de promessa de chegada; para flexibilidade - faixa deprodutos ou servios, tamanho mdio do lote, tempo para mudar programaes e; paracusto - custos por hora de operao, eficincia, valor agregado.Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt1 3. Objetivo geralApresentar uma anlise da qualidade dos cereais para crianas e avaliar o desempenhodo processo de produo por meio da utilizao de ferramentas estatsticas teis naanlise de problemas de qualidade e na melhoria do desempenho de processos deproduo, tal qual: Controle Estatstico de Processo (CEP)Objetivo especficos Construir os grficos de controlo para os Dados; Verificar a estabilidade do processo Avaliar a capacidade/performance do processo.MetodologiaPara a verificao da qualidade do produto aplicar-se- a tcnica estatstica de controlode qualidade denominada CEP, para verificar a estabilidade do processo.Para o processamento dos dados foi usado o complemento Action embutido noM.Excell 2007Reviso da literaturaO setor de servios, em geral, tem contato direto com o cliente que demanda o servio.Mas, num ambiente de competitividade, as empresas do setor necessitam conhecer operfil do consumidor: mais exigente, mais crtico, mais consciente de seus direitos emais cioso do valor de seu dinheiro. O cliente de hoje sabe analisar a relao custo-benefcio dos servios que utiliza, mostrando ser seletivo em suas compras e exigindoqualidade. por isso que a organizao que no oferece qualidade compromete suaprpria existncia.Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt2 4. A qualidade deixou de ser uma opo e passou a ser uma obrigao e uma necessidadepara todas as organizaes, pois extraordinrio o aumento do nmero dos produtos, debens e servios, o conhecimento cientfico, a tecnologia e o nvel de exigncia dosconsumidores. Dessa forma, surge a necessidade de buscar e de garantir a qualidade deforma planejada e em conformidade com o atual ambiente de mercado competitivo.Conceito qualidadeA qualidade, em seu sentido genrico, definida, no dicionrio Holanda (1980), como"propriedade, atributo ou condio das coisas ou das pessoas capaz de distingui-las das outras e de lhes determinar a natureza".A partir desta definio podemos destacar trs pontos: A qualidade um atributo das coisas ou pessoas; A qualidade possibilita a distino ou diferenciao das coisas ou pessoas; A qualidade determina a natureza das coisas ou pessoas.Embora aparea aqui como um atributo intrnseco s coisas ou pessoas, preciso terclaro que a qualidade no algo identificvel e observvel diretamente. O que identificvel e observvel diretamente so as caractersticas das coisas ou pessoas. Ouseja, a qualidade vista por meio de caractersticas.E necessrio observar que o termo qualidade no possui um conceito nico, nos ltimosanos, vrios autores tem definido o que significa qualidade, as definies so baseadasprincipalmente na abordagem do produto, na sua conformidade e, tambm, no cliente.Isto mostrado a seguir, sob a perspetiva de vrios autores:Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt3 5. Enfoque AutorConceito da qualidadeCliente JuranA qualidade consiste nas caractersticas do produto que vo ao encontro das necessidades dos clientes e, dessa forma, proporcionam a satisfao em relao ao produto.Deming A qualidade e a perseguio as necessidades dos clientes e homogeneidade dos resultados do processo. A qualidade deve visar as necessidades do usurio, presentes e futuras.Feigenbaum Qualidade a combinao das caractersticas de produtos e servios referentes a marketing, engenharia, fabricao e manuteno, atravs das quais o produto ou servio em uso correspondero as expectativas do cliente.ConformidadeCrosby Qualidade significa conformidade com as exigncias, ou seja, cumprimento dos requisitos.Produto AbbotAs diferenas de qualidade correspondem a diferenas na quantidade de atributos desejadas em um produto ou servio.Como mencionado anteriormente existem vrios pontos de vista diferenciados do quesignifica qualidade. Seu conceito a princpio parece ser facilmente compreendido, masna realidade e difcil defini-la. Para melhor entendimento da ideia de qualidade necessrio pensar que sua definio no parte de um conceito isolado, mas sim de umconjunto de tcnicas e metodologias que se misturam.A fim de chegar a um melhor entendimento so apresentadas, aqui sete dimensesDimensoDescrioCaractersticas Atributos dos produtosDesempenhoCaractersticas operacionais bsicas de umprodutoConfiabilidadeProbabilidade de ocorrncia de falhasSamuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt 4 6. ConformidadeGraude concordnciacom asespecificaesDurabilidadeMedida da vida til do produtoEstticaReao inicial positiva ou negativaQualidade Observada Percepo do cliente sobre o produtoAtendimento ao ClienteApoio ao cliente, continuidade do uso doprodutoControle Estatstico de ProcessoO Controlo Estatstico de Processo (CEP) pode ser definido como um mtodo que seconstitui basicamente de um conjunto de tcnicas e ferramentas estatsticas, organizadasde modo a proporcionar, atravs de suas aplicaes, a manuteno e a melhoria dosnveis de qualidade de um processo. O CEP pode ser considerado uma ferramenta ouestratgia da qualidade dentre as diversas existentes, sendo, portanto, um dos caminhospara se atingir alguns resultados importantes para a organizao.VariabilidadeEm geral, as caractersticas de um produto apresentam variabilidade. Isto causadoprincipalmente devido a flutuaes na qualidade dos materiais usados e de variaes nascondies de operao do processo de produo.Diversos fatores podem contribuir para a variao no nvel de defeitos encontrados numprocesso. Esses fatores podem ser classificados de duas maneiras: Fatores Particulares ou Causas Especiais de Variao: so fatores que causam variao no processo de produo sendo possvel determinar a sua causa, ou seja, a origem do problema. Em geral, as variaes ocorrem devido a problemas relacionados com: maquina, mo-de-obra, matria-prima, meio ambiente, mtodo de trabalho e meios de medio. Em razo disso, este tipo de fator de variao denominado de 6M.Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt 5 7. Fatores inerentes ao processo: so fatores aleatrios que causam variao no processo de produo, mas no possvel identificar as suas causas. necessrio destacar que, mesmo eliminando-se todos os fatores particulares, o processo poder ainda produzir artigos defeituosos.As sete ferramentas da qualidadeAs sete principais ferramentas do CEP so: 1. Histograma; 2. Folha de Controle; 3. Grfico de Pareto; 4. Diagrama de Causa e Efeito; 5. Diagrama de Concentrao de Defeito; 6. Diagrama de Disperso; 7. Carta de Controle.Carta de ControleE uma das principais tcnicas do controle estatstico de processo ou CEP. A carta decontrole e uma apresentao grfica de uma caracterstica da qualidade que foi medidaou calculada a partir da amostra versus o numero da amostra ou tempo. A carta decontrole contem uma linha central, representando o valor medio da caracterstica daqualidade que corresponde ao estado sob controle (isto e, apenas as causas aleatriasesto presentes), duas outras linhas horizontais, chamadas o limite superior de controle(LSC) e limite inferior de controle (LIC)Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt 6 8. Apresentao e discusso dos resultadosLimite LimiteLinha de centro:Inferior:Superior:0,05700,126552786Da tabela acima a linha central que representa a proporo dos itens no-conformes oudefeituosos (cereais para crianas que no apresentam se na forma estrelar), podemosexpressa-lo em forma de percentagem que este revela que cerca de 5,7% dos itensfabricados so no conformes, isto , apresentam um certo defeito na sua forma.Para afirmar que no processo de produo dos cereais no h fatores particulares oucausas especiais a interferir, ser necessrio que das 20 amostras selecionadas aproporo dos itens no-conformes (cereais que no tem forma estrelar) esteja nointervalo acima descrito pelos limites inferiores e superiores.De acordo com o grfico de propores verificamos que os pontos esto em volta dalinha central e dentro dos limites de controle, todos os pontos localizam-se entre oslimites de controlo, logo o processo encontra-se a produzir de forma estvel sendoassim pelo este grfico podemos dizer ou afirmar que o processo de produo de cereaispara crianas esta sob controle. No se verificam quaisquer tendncias ou localizaesde grupos de pontos que evidenciam fenmenos a ter em conta.Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt 7 9. NDICES DE PERFORMANCE (DISCRETOS)Percentagem deDefeitos:5,7Limite Inferior:4,724497Limite Superior: 6,80775Taxa deDefeitos: 57000Limite Inferior:47244,97Limite Superior: 68077,5ICP:1,580467Limite Inferior:1,672174Limite Superior:1,490263Intervalo de confiana para PPMEm cada um milho de cereais produzidos pela empresa espera-se que o nmero decereais sem um forma estrelar esteja compreendido no intervalo de 47244,97 a 68077,5.PPM=57000: o nmero esperado de peas defeituosas (cereais sem forma estrelar)em um milho de itens produzidas, representando este valor uma estimativa pontual.ndice de capacidadeICP=1,580467 (maior que 1,33) com este valor de ndice de capacidade do processo,podemos afirmar que o processo de produo de cereais capaz.Mesmo verificando o intervalo de confiana do ICP, este encontra-se fora do intervaloque compreende ICP menor que 1,33.Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt8 10. ConclusoQualquer empresa moderna, que pretenda manter-se slida e atualizada diante das novasexigncias e tendncias do mundo globalizado, deve estar atenta a necessidades deadaptaes, promovendo mudanas quando necessrias, no modelo empresarial.A qualidade deve ser objetivo de todos os envolvidos com a produo e comercializaode um bem ou servio, bem como a preocupao com a satisfao do cliente, que porsua vez e referenciado pelo cumprimento das normas tcnicas indicadas para o produto.Neste trabalho buscou-se apresentar uma viso geral da questo da qualidade e dautilizao do Controle Estatstico de Processo (CEP) como ferramenta de anlise.Foram apresentados tambm as principais caractersticas do CEP, os ndices decapacidade e os aspetos relevantes referentes a produo de cereais.No entanto mesmo que o processo de produo mostrou se capaz e estvel importanteressaltar que no dispensvel um processo de monitoria e melhoramento constantepara que manter ou tender a percentagem dos defeitos para zero.Neste processo de produo podemos dizer que no h influncias de fatores ou causasespeciais, e os defeitos registados neste processo de produo so devido a fatores queno pode-se controlar (fatores inerentes ao processo).Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt9 11. BibliografiaJURAN, J. M.; GRYNA, F. M. Controle de qualidade: componentes bsicos da funoqualidade. So Paulo: Mc Graw Hill, 1991.FUNDACAO PREMIO NACIONAL DA QUALIDADE. Prmio nacional da qualidade(PNQ). Disponvel em: Samuel NhantumboCorreio electrnico: nhantumbos@live.com.pt10

Recommended

View more >