trabalho academico m.t.a. sala 509[1].doc

Download TRABALHO ACADEMICO M.T.A. SALA 509[1].doc

Post on 21-Oct-2015

9 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

1

Ler at o ltimo pargrafo da ltima folha

GRUPO: K entre NS, SOMOS VENCEDORES

PR PROJETO: PODLOGO R$ 3,99

BANCA EXAMINADORAOBSERVAO

Prof Ano Novo

Prof Carnaval

Prof Coelhinho da Pscoa

Prof Papai Noel

Prof Dia das Crianas

Prof Semana PMK

Prof Semana Santa

So Paulo, xx de junho de 2090UNIVERSIDADE PAULISTA

I.C.S.C. INSTITUTO DE CINCIAS SOCIAIS E COMUNICAO

PROPAGANDA E MARKETING

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADMICOCAMPUS MARQUS

ANTONIO DA SILVA PINTO 345.001-0

DESVENDANDO A BALA DE GOMASO PAULO

JUNHO/2090Carmetro

ANTONIO DA SILVA PINTO 345.001-0DESVENDANDO A BALA DE GOMATrabalho de aproveitamento parcial da disciplina MTA Metodologia do Trabalho Acadmico, oferecido pelo curso Propaganda e Marketing da UNIP Universidade Paulista, sob orientao dos Profs. do 4 e 5 semestres.

Orientador: Prof

SO PAULO

JUNHO/2090DEDICTORIA

Dedicamos especialmente aos nossos amigos Jos e Josu, e tambm a todos nossos priminhos.

AGRADECIMENTOS

Um trabalho deste porte no seria possvel sem a colaborao de muitas pessoas umas de forma mais direta e outras, indiretamente, mas prestando sempre uma contribuio que se tornou significativa na medida em que auxiliou no s germinao, mas a constituio do prprio corpo, que agora se expressa pelo trabalho em mos. , obviamente, impossvel listar todos quantos, dessa forma, auxiliaram os autores, mas no podem deixar de ser citados nominalmente:

A todos os meus queridos familiares, to amigos, pelo apoio e compreenso da minha ausncia: minha me Berenice, tia Carlota, filha Luciana.Sofia Munhoz Couto

O Prof Dr. Demtrios do Leste, pelas observaes e sugestes to preciosas.Antonio da Silva Pinto

Sem esforo de nossa parte, jamais atingiremos o alto da montanha. No desanime no meio da estrada: siga frente, porque os horizontes se tornaro amplos e maravilhosos medida que for subindo. Mas no se iluda, pois s atingir o cimo da montanha se estiver decidido a enfrentar o esforo da caminhada.(C. Torres Pastorino)LISTA DE TABELAS E FIGURAS

Figura 1Exemplos de formulaes corretas de objetos e tema da pesquisa24

Figura 2Exemplos de formulaes incorretas de objeto e tema da pesquisa25

Figura 3Operacionalizao da pesquisa bibliogrfica29

Figura 4Um modelo de fichamente35

Figura 5Tabela de freqncia: % de assinantes de jornal por faixa etria36

Figura 6Amrica Latina: indicadores sociais, 199137

SUMRIO

SUMRIO EXECUTIVO 8

CAPTULO 1INTRODUO10

CAPTULO 2APRESENTAO12

2.1Dados relativos a empresa12

2.2Dados pessoais do candidato14

2.2.1Formao do candidato14

CAPTULO 3ANLISE DOS DADOS TABULADOS16

CAPTULO 4CONSIDERAES FINAIS18

REFERNCIAS19

APNDICE20

ANEXOS22

SUMRIO EXECUTIVO

Um breve resumo sobre a empresa e a definio de seu negcio, seus produtos, seus valores e as principais razes que levaram o grupo a essa escolha.

CAPTULO 1 A IMPORTNCIA DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

1.1 A qualidade do desenvolvimento

De acordo com Corra (1995, p. 89), a funo do Desenvolvimento em um Trabalho Acadmico reunir o conjunto de materiais (dados e informaes) coletados e tratados para que uma vez interpretados, analisados com o respaldo dos referenciais terico e conceitual possam permitir ao autor atingir o estgio conclusivo da problemtica explorada na pesquisa. Logo seu contedo assume, necessariamente, trs momentos interdependentes e, no raro, simultneos: 1) apresentar/descrever dados e informaes coletados e tratados; 2) relacionar/analisar os dados e informaes apresentados/descritos com o suporte terico e conceitual do Quadro-Terico de Referncia; 3) formular sucessivas concluses (o conjunto destas ser ordenado na Concluso), ilustrando com casos, citaes, figuras (tabelas, grficos, fotos, desenhos, fluxogramas) etc.

Lembrar que as afirmativas contidas no Desenvolvimento devem ter o respaldo dos materiais coletados sejam estes primrios (pesquisa de campo e/ou documental) ou secundrios (pesquisa bibliogrfica) desde que devidamente indicadas s fontes e nos referenciais tericos que em seu conjunto do forma e contedo ao Quadro-Terico.

Lembramos que o Desenvolvimento uma Seo do Trabalho Cientfico, mas no assume jamais a forma de Ttulo como, Introduo, Consideraes Finais, Referncias etc. A parte do trabalho relativa ao Desenvolvimento deve ser organizada em captulos e subcaptulos como ilustra o exemplo do Sumrio.

Sublinhamos que embora algumas instituies definam um nmero mnimo e mximo de pginas para elaborar-se o Desenvolvimento do Trabalho Acadmico a validade dessa exigncia bastante questionvel. O texto deve ter o nmero de pginas necessrio para que o autor, respeitando a dimenso tcnica e metodolgica de um estudo acadmico, responda o Problema formulado ou verifique a validade das hipteses construdas.

2 CONSIDERAES FINAIS

A funo da Considerao Final em um Trabalho Acadmico no ser mais discutir, analisar, resgatar elementos de comprovao do que afirma. Mas reunir, de forma articulada, o conjunto de consideraes atingidas no Desenvolvimento a partir do Problema e da Hiptese formulados. Sendo mais precisos, o objetivo da considerao final responder ao Problema formulado e verificar a validade da hiptese norteadora da pesquisa.

O texto assume uma estrutura linear e no esquemtica. Deve reunir todas as consideraes formuladas ao longo do Desenvolvimento, nos diferentes captulos do Trabalho Acadmico. Seu contedo pode, ainda, identificar aspectos relevantes do tema investigado que no foram aprofundados no estudo em questo, justificando as razes pelas quais no houve o aprofundamento destes aspectos e as razes pelas quais justificar-se-ia um estudo mais detalhado em etapas futuras de uma possvel investigao.

Entretanto, se a Considerao Final envolver um grande nmero de pginas, aconselhamos o autor/pesquisador a abrir aps a Considerao Final, outra seo cujo ttulo ser algo prximo Recomendaes e Sugestes onde o contedo versar basicamente sobre o que afirmamos no pargrafo acima. Esta atitude reflete o nvel de maturidade e domnio do assunto tratado na pesquisa atingindo pelo autor. Que, embora tenha se prestado a aprofundar aspectos do tema elaborado, definidos atravs das delimitaes resultantes da formulao do Problema e da Hiptese, consegue identificar desdobramentos relevantes da temtica. Consciente de que ningum jamais esgotar um assunto por mais que estude.

CITAES

Meno de uma informao extrada de outra fonte.

Abaixo sero apresentadas as regras mais utilizadas de como devem ser feitas descritas no texto, sendo elas diretas, indiretas e apud. Para maiores esclarecimento consultar a NBR 10520:ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. NBR 6023: informao e documentao: referncia e elaborao. Rio de janeiro, 2002.

Nas citaes, identificamos o sobrenome do autor, instituio responsvel ou ttulo na sentena, em letras maisculas e minsculas, e quando estiverem entre parnteses, em letras maisculas.

Citao direta: Transcrio textual de parte da obra do autor consultado sem nenhuma alterao. obrigatrio transcrever no texto a(s) pgina(s), volume(s), tomo(s) ou seo(es) da fonte consultada, aps a data, separados por vrgula.

Exemplo: Kotler (2000, p. 86) diz que a arte do marketing , em grande parte, a arte de construir marcas.

Ao dar nome a um produto ou servio, uma empresa depara-se com muitas possibilidades: pode escolher o nome da pessoas (Honda, Calvin Klein); um nome associado a um local (American Airlines, Kentucky Fried Chicken), a um atributo [...] (KOTLER, 2000, p.87).

Citao direta de at 3 linhas: Devem estar contidas entre aspas duplas

Citao direta com mais de 3 linhas: Devem ser destacadas com recuo de 4 cm da margem esquerda, com letra menor que a do texto e sem as aspas.

Citao indireta: Baseado na obra do autor consultado. Nas citaes indiretas a indicao das pginas opcional.

Exemplo: Merriam e Caffarella (1991) observam que a localizao de recursos tem um papel no processo de aprendizagem autodirigida.

Apud: citado por, conforme, segundo: conhecido tambm pelo termo citao de citao. Quando utilizada deve-se na lista de referncia colocar o autor da obra consultada, e no o autor que fez a colocao.

Exemplo: Com o passar do tempo a vida nos centros urbanos tornou-se neurtica e infeliz (FONTES, 1987, p.18 apud MEDEIROS, 1996, p. 38-46).

REFERNCIAS

REGRAS PARA REFERNCIAPara a elaborao das referncias utiliza-se a NBR6023:

ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. NBR 6023: informao e documentao: referncia e elaborao. Rio de janeiro, 2002.

Nas referncias estar descrito os dados das obras citados no texto.

Elas devem ser apresentadas da forma descrita abaixo alinhadas esquerda, com espaamento entre linhas simples organizadas em ordem alfabtica, independente do tipo documental (livros, peridicos etc).

Nem sempre o material consultado ser citado no texto, neste caso necessrio acrescentar parte a lista de bibliografia.

Obra considerada no todo

So elementos imprescindveis: autor, ttulo da obra, edio, local, editora e ano de publicao.

So elementos complementares: organizador (ou coordenador), a descrio fsica do volume: nmero de pginas ou nmero de volumes, dimenses (em centmetros: largura e altura), srie ou coleo, notas especiais, nmero do ISBN (International Standard Book Number).

Elementos imprescindveis

BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. 3. ed. So Paulo: Cultrix, 1974.

1. Sobrenome em letras maisculas. Vrgula.

2. Nome em letras minsculas. Ponto.

3. Ttulo da obra em negrito.