trab. parasitologia

Download trab. Parasitologia

Post on 09-Aug-2015

91 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

4

INTRODUO

Este trabalho tem por objetivo falar sobre as parasitoses intestinais que embora amplamente conhecidas e discutidas, pouco tm sido feito com relao ao seu controle, dando mais nfase na Cisticercose, Ascaridase e amebase. Tais os cuidados da Enfermagem na parasitologia, listando os principais cuidados adotados nos pacientes que adquirem algumas das parasitoses citadas acima, e as principais medicaes adotadas a esses pacientes listando seus efeitos colaterais e a sua eficcia.

5

PARASITOLOGIA

Parasitologia a cincia que estuda os parasitas, os seus hospedeiros e relaes entre eles. Engloba os filos Protozoa (protozorios), do reino Protista e Nematoda (nematdes), annelida (aneldeos), Platyhelminthes (platelmintos) e Arthropoda (artrpodes), do reino Animal. Os protozorios so unicelulares, enquanto os nematdeos, aneldeos, platelmintos e artrpodes so organismos multicelulares. Temos tambm parasitismo em plantas (holoparasita e hemiparasita) como o caso do cip-chumbo. Temos parasitismo em fungos (micose) e em

bactrias e at vrus. Como disciplina biolgica, o campo da parasitologia no determinado pelo organismo ou ambiente em questo, mas pelo seu modo de vida. Isto significa que forma uma sntese com outras disciplinas, e traz para si tcnicas de campos com biologia celular, bioinformtica, bioqumica, biologia molecular, imunologia, gentica, evoluo e ecologia. A parasitologia atua no estudo dos parasitas invertebrados, protozorios e algumas espcies de parasitas vertebrados. Esta cincia tem como objetivos principais: Tratar dos sintomas provocados por parasitas; Desenvolver tratamentos contra os parasitas; Identificar os processos de desenvolvimento de epidemias parasitrias; Criar mtodos de profilaxia das doenas causadas pelos parasitas em seres humanos e animais. Os especialistas em parasitologia precisam conhecer muito bem o ciclo de vida dos parasitas, as formas de infestao e os fatores que influenciam na distribuio e densidade dos parasitas. Esta cincia muito importante, pois muitos parasitas podem provocar doenas complicadas, levando o indivduo afetado, se no tratado adequadamente, morte. A parasitologia mdica tambm se preocupa com o estudo do vetor. No Brasil, as principais parasitoses de interesse mdico so:

Protozooses

Amebase Tripanosomase Leishmanioses

6

Giardase Tricomonase Malria Toxoplasmose Balantidiose

Helmintoses

Esquistossomose Tenase/cisticercose Hidatidose/equinococose Enterobiose Filariose Ancilostomose/necatoriose Ascaridase Tricocefalase Estrongiloidase

Ectoparasitoses (artrpodes)

Pediculose Ftirase Miase Acarase

As parasitoses intestinais embora amplamente conhecidas e discutidas, pouco tm sido feito com relao ao seu controle. A prevalncia ainda elevada em pases em desenvolvimento como o Brasil e apesar de todo avano tecnolgico e cientfico, as parasitoses intestinais ainda implicam em importante objeto de estudo. Para alguns autores a parasitose intestinal representa um srio problema de Sade Pblica, onde so consideradas como indicadores ao nvel scio-econmico, as condies precrias de saneamento bsico e aos hbitos de higiene inadequados. Entre as doenas de maior prevalncia em crianas na faixa etria de 1 a 4 anos as doenas infecciosas e parasitrias representam 24,7%. Esta situao torna-se

7

preocupante quando consideramos crianas em idade escolar, visto que algumas parasitoses intestinais podem diminuir as funes cognitivas de escolares. Este trabalho dar mais nfase em amebase. trs tipos: Cisticercose, Ascaridase e

AMEBASE

uma infeco por parasita ou protozorio que acomete o homem podendo ficar restrita ao intestino, tendo como principal sintoma a diarria, ou no causando febre e sintomas diferentes dependendo do rgo invadido. Mais freqentemente o rgo preferencial a ser comprometido o fgado. O agente causal a Entamoeba hystolitica. Este parasita infecta aproximadamente 1% da populao mundial, principalmente a populao pobre de pases em desenvolvimento. Recentemente identificou-se um parasita com a mesma forma da Entamoeba hystolitica que no causa doena (Entamoeba dispar). Isto importante porque o achado da ameba nas fezes de um indivduo no necessariamente caracteriza amebase. A E. dispar no causadora de doena e a hystolitica pode estar presente no indivduo e no causar doena. A diferenciao de uma para a outra feita por exames de laboratrio e raramente se mostra relevante.

Como se adquire? Atravs da ingesto de alimentos ou gua contaminada com matria fecal contaminada com os cistos da Entamoeba. Pode-se adquirir de outras formas, mas so bem menos freqentes e esto restritas praticamente a pessoas com a imunidade comprometida.

Sintomas

Os sintomas das pessoas com amebase vo desde a diarria com clicas e aumento dos sons intestinais at a diarria mais intensa com perda de sangue nas fezes, febre e emagrecimento. Nestes casos ocorre invaso da parede do intestino grosso com inflamao mais intensa e os mdicos chamam de colite. Podem ocorrer ulceraes no revestimento interno do intestino grosso, por esta razo o sangramento. Raramente a infeco causa perfurao do intestino, quando ocorre a

8

manifestao de doena abdominal grave com dor intensa, rigidez e aumento da sensibilidade da parede alm de prostrao extrema da pessoa afetada. A doena pode apresentar-se de forma mais branda com diarria intermitente levando muitos anos at surgir um comprometimento do estado geral. No muito comumente o protozorio pode penetrar na circulao e formar abscessos (colees fechadas no interior de algum rgo ou estrutura do corpo) no fgado que causam dor e febre com calafrios. Estes abscessos podem romper-se para o interior do abdmen ou mesmo do trax comprometendo as pleuras (camada que reveste os pulmes) ou o pericrdio (camada que reveste o corao). Tambm raramente podem formar-se tumoraes no intestino que se denominam amebomas. As situaes de doena extra-intestinal ou invasiva so as que levam aos casos mais extremos que evoluem para a morte do indivduo infectado.

Diagnstico

O exame de fezes detecta o parasita com alguma facilidade. A forma mais invasiva depende do que os mdicos chamam de exames de imagem (tomografia computadorizada, ecografia ou ressonncia magntica). Algumas vezes para confirmao diagnstica , alm do exame de imagem os mdicos usam agulhas finas para puncionar os abscessos. Nas formas mais invasivas, quando o diagnstico no for possvel por identificao do cisto utiliza-se exames de sangue para a deteco da presena de anticorpos contra o parasita.

Incidncia

Sua incidncia mundial tendo maior prevalncia nas regies tropicais e subtropicais, sendo relacionado com as precrias condies de higiene, educao sanitria e alimentao dos povos subdesenvolvidos dessas regies do que propriamente ao clima.

Tratamento

Metronidazol

9

Reaes

adversas/efeitos

colaterais:

Anorexia,

nusea,

vmito,

dor

abdominal, diarria e sabor metlico na boca. Cefalia, tonturas, vertigens, convulso, confuso mental, alucinaes e insnia. Prurido e urticria. Colria. Neuropatia perifrica e parestesias. Leucopenia e trombocitopenia. Resultados e eficcia: est indicado no tratamento da giardase, amebase, tricomonase, vaginites por Gardnerella vaginalis e infeces causadas por bactrias anaerbias como Bacteroides fragilis e outros bacterides, Fusobacterium sp, Clostridium sp, Eubacterium sp, cocos anaerbios.

Secnidazol

Reaes adversas/ efeitos colaterais: Como resposta ao uso deste medicamento podem ocorrer as seguintes reaes desagradveis: nuseas, epigastralgia, alterao do paladar (gosto metlico), glossites e estomatites, erupes urticariformes, leucopenia moderada, reversvel com a suspenso do tratamento. Tambm podem ocorrer vertigens, falta de coordenao motora e ataxia, parestesias, polineurites. Resultados de eficcia: um medicamento parasiticida, com ao amebicida, giardicida e tricomonicida. A ao farmacolgica mxima alcanada 3 horas aps a administrao em dose nica de 2g de Secnidazol.

Preveno

Como na maioria das doenas, a melhor medida ainda a preveno, neste caso, a preveno se d atravs de medidas higinicas mais rigorosas junto s pessoas que manipulam alimentos, saneamento bsico, no consumirem gua de fonte duvidosa, higienizar bem verduras, frutas e legumes antes de consumi-los, lavar bem as mos antes de manipular qualquer tipo de alimento, e, principalmente aps utilizar o banheiro. Recentemente a possibilidade de vacina para um futuro no muito distante mostrou-se vivel.

Cuidados da Enfermagem

10

Os cuidados do Enfermeiro nesse caso so essenciais para a qualidade de vida desse paciente. Trabalhando no nvel de preveno do adoecimento e reinfestao.Por estar muito mais prximo do paciente e da comunidade do que o prprio medico, o enfermeiro o primeiro profissional a identificar os sintomas da doena e posteriormente relata ao medico que simplesmente solicita exames e prescreve o medicamento. Cabe ao enfermeiro anotar as queixas e sintomas do paciente, colher dados sobre a possvel forma de transmisso, orientar os pacientes sobre os hbitos corretos de higiene (higienizar bem as frutas e verduras antes de consumi-las, lavar bem as mos, orientar sobre o saneamento bsico entre outras coisas).

ASCARIDIASE

A ascaridase, ascaridose, ascariose e ascarase uma parasitose geralmente benigna causada pelo verme nemtode Ascaris lumbricoides, tambm conhecido popularmente como lombriga ou bicha. So vermes nemtodes, ou seja fusiformes sem segmentao, e com tubo digestivo completo. A reproduo sexuada, sendo a fmea (com at 40 cm de comprimento) bastante maior que o macho, e com o dimetro de um lpis. Os ovos tm 50 micrometros e so absolutamente invisveis a olho nu. Ao contrario da crena popular, a Ascaridase