texto base cf 2011 - .texto base da campanha da fraternidade 2011 versão de trabalho para...

Download TEXTO BASE CF 2011 - .TEXTO BASE DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011 Versão de trabalho para utilização

Post on 29-Aug-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • TEXTO BASE DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011 Verso de trabalho para utilizao das comunidades

    Orao da CF 2011

    Senhor Deus, nosso Pai e Criador.

    A beleza do universo revela a vossa grandeza,

    A sabedoria e o amor com que fizestes todas as coisas,

    E o eterno amor que tendes por todos ns.

    Pecadores que somos, no respeitamos a vossa obra,

    E o que era para ser garantia da vida est se tornando ameaa.

    A beleza est sendo mudada em devastao,

    E a morte mostra a sua presena no nosso planeta.

    Que nesta quaresma nos convertamos

    E vejamos que a criao geme em dores de parto,

    Para que possa renascer segundo o vosso plano de amor,

    Por meio da nossa mudana de mentalidade e de atitudes.

    E, assim, como Maria, que meditava a vossa Palavra e a fazia vida,

    Tambm ns, movidos pelos princpios do Evangelho,

    Possamos celebrar na Pscoa do vosso Filho, nosso Senhor,

    O ressurgimento do vosso projeto para todo o mundo.

    Amm.

  • Lista de Siglas Documentos da Igreja DD Carta Apostlica Dies Domini, do Papa Joo Paulo II GS Constituio Pastoral Gaudium et Spes sobre a presena da Igreja no mundo, do Conclio Ecumnico Vaticano II. RH Carta Encclica Redemptor Hominis, do Papa Joo Paulo II Demais Siglas Agenda 21 Pode ser definida como um instrumento de planejamento para a construo de sociedades sustentveis, em diferentes bases geogrficas, que concilia mtodos de proteo ambiental, justia social e eficincia econnica AWG/LCA Ad hoc Working Group on Long-Term cooperative action (Grupo de Trabalho Ad Hoc sobre Aes de Cooperao A Longo Prazo). AWG-KP Ad Hoc Working Group on Further Commitments for Annex I Parties under the Kyoto Protocol (Trad. Grupo de Trabalho Ad hoc sobre Novos Compromissos para os Membros do Anexo I do Protocolo de Quioto) BEM Balano Energtico Nacional BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social CF Campanha da Fraternidade CFCs Clorofluorcabornetos CH Metano CO2 Dixido de carbono Eco-92 Cpula ou Cimeira da Terra (Conferncia das Naes Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD) EIA Agncia Internacional de Energia EUA Estados Unidos da America FAO Food and Agriculture Organization of the United Nations (Trad. Organizao das Naes Unidas para a Agricultura e a Alimentao) GEEs Gases de efeito estufa GWh - Gigawatt-hora HFCs Hidrofluorcarbonetos INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais IPCC Painel Intergovernamental Sobre Mudanas Climticas km - Quilmetro Quadrado NO xido nitroso NF3 Trifluoreto de azoto NO - Dixido de azoto NO2 xido nitroso O3 Oznio OCDE - Organizao para a Cooperao e Desenvolvimento Econmico ou Organizao de Cooperao e de Desenvolvimento Econmicos OGMs - Organismos Geneticamente Modificados ONU Organizao das Naes Unidas PAC Programa de acelerao ao Crescimento PCH Pequenas Centrais Hidreltricas PFCs Perfluorcarbonetos pH Potencial Hidrogeninico PIB Produto Interno Bruto PNMC Plano Nacional sobre Mudanas do Clima PNUMA Programa das Naes Unidas para o Meio Ambiente PUC-RS - Pontifcia Universidade Catlica do Rio Grande do Sul RH Carta Encclica Redemptor hominis do Papa Joo Paulo II Rio +5 Frum de discusso das Naes Unidas ou Sesso Especial da Assembleia das Naes Unidas de 1997 SF6 Hexafluoreto de enxofre SO - Dixido de enxofre UNESCO Organizao das Naes Unidas para a Educao, a Cincia e a Cultura

  • Apresentao

    Quaresma tempo de escuta da Palavra, de orao, de jejum e da prtica da caridade como caminho de converso, tendo como horizonte a celebrao do Mistrio Pascal de nosso Senhor Jesus Cristo. E somos convidados a aproveitar esse tempo de graa, valorizando os canais pelos quais esta se comunica: a orao, a participao nos sacramentos da penitncia e da eucaristia, as prticas devocionais deste perodo, de modo especial a Via Sacra e o Santo Rosrio.

    No mundo em que vivemos, somos diariamente interpelados por tantos rostos sofredores, que clamam por nossa solidariedade. A Igreja samaritana no pode passar adiante, na presena de tantos irmos e irms que dela esperam acolhida fraterna, ombro amigo, mos generosas, que os ajude em sua caminhada para o Pai.

    A Campanha da Fraternidade um excelente auxlio para bem vivermos a Quaresma. Com sua metodologia caracterstica do Ver Julgar Agir, baseada, a cada ano, num Tema e num Lema, a Campanha da Fraternidade nos oferece uma tima oportunidade para superarmos qualquer dicotomia entre f e vida.

    Este ano, a CNBB prope que todas as pessoas de boa vontade olhem para a natureza e percebam como as mos humanas esto contribuindo para o fenmeno do aquecimento global, que provoca mudanas climticas considerveis, com srias ameaas para a vida em geral, e a vida humana em especial, sobretudo a dos mais pobres e vulnerveis. nesse contexto que a CNBB prope para 2011, a Campanha da Fraternidade com o tema Fraternidade e a vida no planeta, e como lema A criao geme em dores de parto (Rm 8, 22).

    Na medida em que cada cristo ou crist for capaz de vivenciar seriamente o prprio batismo, sua converso diria no ser mais mera questo de retrica, mas ser uma dimenso permanente em sua vida.

    Que o Senhor da Vida nos abenoe a todos em nossa caminhada quaresmal, e mais ainda, em nossa marcha diuturna, na direo do Reino que nos foi preparado antes da fundao do mundo (cf. Ef 1,). Associados morte de Cristo pelo Batismo, ns o seremos, tambm, na sua ressurreio. E Deus ser tudo em todos.

    Braslia, 04 de outubro de 2010, na memria de So Francisco de Assis.

    Dom Dimas Lara Barbosa

    Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro

    Secretrio Geral da CNBB

  • Introduo 1. A Campanha da Fraternidade de 2011 aborda o tema do aquecimento global e das mudanas climticas. A considerar as intempries climticas que esto sistematicamente assolando as populaes de forma cada vez mais intensas e em quantidade sempre crescente, a temtica plenamente justificvel.

    2. No entanto, necessrio dizer que a questo envolta de polmica. A causa desse desequilbrio climtico discutida pelos pesquisadores e basicamente existem dois grupos. H os que entendem que o aquecimento global oriundo de processos da prpria natureza e os que afirmam que o planeta est apresentando aquecimento devido s grandes quantidades de emisses de gases de efeito estufa, que se intensificaram a partir do momento da industrializao de muitos pases, ou como alguns preferem, resultante de causas antrpicas.

    3. A resoluo deste impasse nos meios especializados no parece ser fcil e nem pretendemos resolv-lo. Mas uma coisa indubitvel, nossa experincia constata que mudanas climticas esto em curso e que j alteramos substancialmente o planeta. E, considerando que o clima da Terra resultante, em parte, da interao dos seres que o habitam, torna-se difcil negar que alteraes como: as derrubadas de florestas, modificaes nas guas marinhas e na atmosfera, que recebeu uma carga imensa de gases de efeito estufa, no contribua para as mudanas climticas que verificamos.

    4. E, a considerar a gravidade da situao e de suas consequncias, basta citar que rgos da ONU j falam na existncia de 50 milhes de migrantes do clima, no podemos deixar de agir em prol de melhores condies para o nosso planeta. Sobretudo, porque, o aquecimento global e as mudanas climticas exigiro mais sacrifcios dos mais pobres e menos protegidos. Alm de qu, braos cruzados diante de tal desafio, significa irresponsabilidade tamanha para com as geraes futuras, pois ainda podemos e devemos fazer algo em prol da vida no planeta.

    5. Neste sentido, a identificao das aes que mais emitem gases de efeito estufa um passo importante para buscarmos alternativas que resultem em menores ndices de emisses de gases de efeito estufa, como pretendemos com o texto.

    6. E que a Palavra de Deus e a caminhada quaresmal rumo Pscoa de nosso Senhor Jesus Cristo, possam nos despertar para o exerccio do cuidado para com a vida no planeta, que pede socorro. Seguem abaixo os objetivos desta Campanha da Fraternidade.

  • Objetivos da CF 2011

    Para a Campanha da Fraternidade de 2011, a Igreja no Brasil prope, como Objetivo

    Geral: contribuir para a conscientizao das comunidades crists e pessoas de boa

    vontade sobre a gravidade do aquecimento global e das mudanas climticas, e motiv-

    las a participar dos debates e aes que visam enfrentar o problema e preservar as

    condies de vida no planeta.

    Para atingir este objetivo, so propostos os seguintes objetivos especficos:

    Viabilizar meios para a formao da conscincia ambiental em relao ao

    problema do aquecimento global e identificar responsabilidades e implicaes

    ticas;

    Promover a discusso sobre os problemas ambientais com foco no aquecimento

    global;

    Mostrar a gravidade e a urgncia dos problemas ambientais provocados pelo

    aquecimento global e articular a realidade local e regional com o contexto

    nacional e planetrio;

    Trocar experincias e propor caminhos para a superao dos problemas

    ambientais relacionados ao aquecimento global.

    Sero adotadas as seguintes estratgias:

    Mobilizar pessoas, comunidades, Igrejas, religies e sociedade para assumirem

    o protagonismo na construo de alternativas para a superao dos problemas

    socioambientais decorrentes do aquecimento global.

    Propor atitudes, comportamentos e prticas fundamentados em valores que

    tenham a vida como referncia no relacionamento com o meio ambiente;

    Denunciar situaes e apontar responsabilidades no que diz respeito aos

    problemas ambientais decorrentes do aquecimento global;

  • PRIMEIRA PARTE : VER

    Introduo 7. O clima em nosso planeta tem a sua histria, j apresentou diferentes configuraes, e nesse sentido, sujeito a alteraes. No entanto, as muda