teorias motivacionais. motivação se eu não sei onde quero chegar, não importa o caminho a tomar

Download Teorias Motivacionais. Motivação Se eu não sei onde quero chegar, não importa o caminho a tomar

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Teorias Motivacionais
  • Slide 2
  • Motivao Se eu no sei onde quero chegar, no importa o caminho a tomar
  • Slide 3
  • Evoluo Teorias da Administrao Teoria Clssica e Cientfica Teoria das Relaes Humanas
  • Slide 4
  • Teorias da Administrao A Teoria da Administrao Cientfica estudava a empresa privilegiando as tarefas de produo enquanto a Teoria Clssica da Administrao a estudava privilegiando a estrutura da organizao. Ambas as teorias buscavam alcanar o mesmo objetivo: maior produtividade do trabalho e a busca da eficincia nas organizaes. Se a Administrao Cientfica se caracterizava pela nfase na tarefa realizada pelo operrio, a Teoria Clssica se caracterizava pela nfase na estrutura que a organizao deveria possuir para ser eficiente. A consequncia destas Teorias foi uma reduo no custo dos bens manufaturados. Aquilo que fora um luxo acessvel apenas aos ricos, como automveis ou aparelhos domsticos, tornou-se disponvel para as massas. Mais importante foi o fato de que tornaram possvel o aumento dos salrios, ao mesmo tempo em que reduziram o custo total dos produtos.
  • Slide 5
  • Teoria Cientfica Taylor enumera as bases da administrao cientfica: 1 o estudo do tempo e padres de produo; 2 a superviso funcional; 3 a padronizao de ferramentas e instrumentos; 4 o planejamento de tarefas e cargos; 5 o princpio da exceo; 6 a utilizao de instrumentos para economizar tempo; 7 fichas de instruo de servio; 8 a idia de tarefa, associada a prmios de produo; 9 um sistema de classificao dos produtos e dos insumos (matria prima, etc); 10- um sistema de delineamento das rotinas de trabalho.
  • Slide 6
  • Teoria Cientfica Atravs da racionalizao da produo, idealizou a linha de montagem, que permitiu a produo em srie e em massa. Ford adotou trs princpios bsicos: - Intensificao: diminuir o tempo da fabricao e da comercializao; - Economicidade: manter estoques reduzidos de matrias primas; - Produtividade: aumentar a capacidade de produo dos trabalhadores, atravs da especializao e do trabalho conjugado.
  • Slide 7
  • Teoria Clssica Fayol relacionou 14 princpios bsicos que podem ser estudados de forma complementar aos de Taylor: Diviso do trabalho - Especializao dos funcionrios desde o topo da hierarquia at os operrios da fbrica, assim, favorecendo a eficincia da produo aumentando a produtividade. Autoridade - Autoridade o direito dos superiores darem ordens que teoricamente sero obedecidas. Responsabilidade a contrapartida da autoridade. Disciplina - Necessidade de estabelecer regras de conduta e de trabalho vlidas pra todos os funcionrios. A ausncia de disciplina gera o caos na organizao. Unidade de comando - Um funcionrio deve receber ordens de apenas um chefe, evitando contra-ordens. Unidade de direo - O controle nico possibilitado com a aplicao de um plano para grupo de atividades com os mesmos objetivos. Subordinao dos interesses individuais(ao interesse geral) - Os interesses gerais da organizao devem prevalecer sobre os interesses individuais. Remunerao - Deve ser suficiente para garantir a satisfao dos funcionrios e da prpria organizao.
  • Slide 8
  • Teoria Clssica Centralizao (ou Descentralizao) - As atividades vitais da organizao e sua autoridade devem ser centralizadas. Linha de Comando (Hierarquia) - Defesa incondicional da estrutura hierrquica, respeitando risca uma linha de autoridade fixa. Ordem - Deve ser mantida em toda organizao, preservando um lugar pra cada coisa e cada coisa em seu lugar. Eqidade - A justia deve prevalecer em toda organizao, justificando a lealdade e a devoo de cada funcionrio empresa. Direitos iguais. Estabilidade dos funcionrios - Uma rotatividade alta tem conseqncias negativas sobre desempenho da empresa e o moral dos funcionrios. Iniciativa - Deve ser entendida como a capacidade de estabelecer um plano e cumpri-lo. Esprito de equipe - O trabalho deve ser conjunto, facilitado pela comunicao dentro da equipe. Os integrantes de um mesmo grupo precisam ter conscincia de classe, para que defendam seus propsitos.
  • Slide 9
  • Teoria Clssica Obsesso pelo comando - Tendo como tica a viso da empresa a partir da gerncia administrativa, Fayol focou seus estudos na unidade do comando, autoridade e na responsabilidade. Em funo disso, visto como obcecado pelo comando. A empresa como sistema fechado - A partir do momento em que o planejamento definido como sendo a pedra angular da gesto empresarial, difcil imaginar que a organizao seja vista como uma parte isolada do ambiente. Manipulao dos trabalhadores - Bem como a Administrao Cientfica, fora tachada de tendenciosa, desenvolvendo princpios que buscavam explorar os trabalhadores.
  • Slide 10
  • Teoria das Relaes Humanas As concluses da Experincia de Hawthorne, realizada entre 1927 e 1932, sob a coordenao de Elton Mayo, que colocaram em xeque os principais postulados da Teoria Clssica da Administrao. Concluso geral da experincia de Hawthorne: O nvel de produo determinado pela integrao social e no pela capacidade fsica dos operrios. O operrio no reage como indivduo isolado, mas como membro de um grupo social. A empresa passou a ser vista como um conjunto de grupos informais cuja estrutura nem sempre coincide com a organizao formal. Os elementos emocionais e mesmo irracionais passam a merecer uma maior ateno. As pessoas so motivadas principalmente pela necessidade de reconhecimento, de aprovao social e de participao nas atividades dos grupos sociais (Conceito de Homem Social).
  • Slide 11
  • A EMPRESA COMO SISTEMA SOCIAL Objetivos Tecnologia Estrutura Competncias Equipamentos Organizao Formal Normas de conduta Grupos informais Cultura organizacional Conflito e cooperao Poder e poltica tica e valores Oganizao informal
  • Slide 12
  • Motivao: Origem ESCOLA DAS RELAES HUMANAS nfase na satisfao dos funcionrios questes afetivas e pessoais aspectos humanos na organizao
  • Slide 13
  • O que MOTIVAO?
  • Slide 14
  • Desejo de exercer altos nveis de esforo em direo a determinados objetivos, organizacionais ou no, condicionados pela capacidade de satisfazer algumas necessidades individuais
  • Slide 15
  • Caractersticas Bsicas Fenmeno individual: somos nicos e devemos ser tratados como tal Intencional: uma vez que esteja sob controle da pessoa Multifacetada: depende tanto do estmulo como da escolha do comportamento da pessoa
  • Slide 16
  • Tipos de Motivao Intrnseca (recompensas psicolgicas) Reconhecimento Respeito Status Ligadas as aes individuais dos gerentes Extrnseca (recompensas tangveis) Salrios Benefcios Promoes Independem da gerncia
  • Slide 17
  • Ciclo da Motivao Necessidades Individuais Alternativas para satisfazer as necessidades Escolha das alternativas Ao propriamente dita Reavaliao da Situao Satisfao da Necessidade
  • Slide 18
  • A motivao no tem causa nica. Diversos motivos ou causas so importantes para mover o comportamento. A motivao a realizao interior. O que importa e motiva a satisfao ntima. A motivao o grupo. Os motivos importantes so o reconhecimento e a aceitao pelos colegas. A motivao encontra-se na perspectiva do ganho. O motivo importante ter bens materiais. Homem complexo Homem auto-realizador Homem social Homem econmico-racional MAXIMIANO /TGA Fig. 11.5 Quatro hipteses convencionais sobre a motivao humana. Hipteses sobre a Motivao Humana
  • Slide 19
  • Teorias Motivacionais As teorias sobre a Motivao, que explicam o desempenho das pessoas, dividem-se em dois grupos: Teoria do Contedo procuram explicar quais fatores motivam as pessoas Teorias de Processo procuram explicar como funciona o mecanismo da motivao, qual a sua dinmica
  • Slide 20
  • TEORIAS DO CONTEDO
  • Slide 21
  • Maslow Abraham Maslow formulou uma teoria com base na hierarquia de necessidades que influenciam o comportamento humano. Maslow concebeu esta hierarquia pelo fato de o homem ser uma criatura que expande suas necessidades no decorrer de sua vida. medida que o homem satisfaz suas necessidades bsicas outras mais elevadas assumem o predomnio do seu comportamento.
  • Slide 22
  • Necessidades Secundrias Necessidades Primrias Necessidades sociais Materiais Psicolgicas Interesses profissionais Necessidades sociais Materiais Psicolgicas Interesses profissionais Alimentao Reproduo Abrigo Segurana Alimentao Reproduo Abrigo Segurana Comuns a todas as pessoas Influenciadas pela sociedade, personalidade e diferenas individuais MAXIMIANO /TGA Fig. 11.6 Hierarquia de necessidades, com dois grupos.
  • Slide 23
  • Teoria das Necessidades de Maslow Realizao Auto-Estima Sociais Segurana Fisiolgicas
  • Slide 24
  • Fisiolgicas: ar, comida, repouso, abrigo, sexo. Segurana: proteo contra o perigo ou privao, no trabalho (benefcios, salrio, condies seguras). Sociais: amizade, incluso em grupos, sentimento de aceitao famlia organizacional. Auto-estima: reputao, reconhecimento, auto-respeito. Auto-realizao: utilizao dos talentos, realizao do potencial.
  • Slide 25
  • A HIERARQUIA DAS NECESSIDADES HUMANAS E MEIOS DE SATISFAO Auto- realizao Estima Sociais Segurana Necessidades bsicas Trabalho criativo e desafiante Diversidade e autonomia Participao nas decises Responsabilidade por resultados Orgulho e reconhecimento Promoes Amizade dos colegas Interao com clientes Gerente amigvel Condies seguras de trabalho Remunerao e benefcios Estabilidade no emprego

Recommended

View more >