teoria da contab

Download Teoria Da Contab

Post on 12-Aug-2015

860 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

TEORIA DA CONTABILIDADE

1

COMO TUDO COMEOU A Contabilidade no uma Cincia exata. Ela uma cincia social, pois a ao humana que gera e modifica o fenmeno patrimonial. Todavia, a Contabilidade utiliza os mtodos quantitativos (matemtica e estatstica) como sua principal ferramenta.2

O CENRIO ATUAL DA CONTABILIDADE

Para ludcibus et al (2007, p. 29): ...a Contabilidade , objetivamente, um sistema de informao e avaliao destinado a prover seus usurios com demonstraes e anlises de natureza econmica, financeira, fsica e de produtividade, com relao entidade objeto de contabilizao...3

Marion (2005, p. 26) diz: ...o objetivo principal da Contabilidade, conforme a estrutura conceitual bsica da Contabilidade o de permitir a cada grupo principal de usurios a avaliao da situao econmica e financeira da entidade, num sentido esttico, bem como fazer inferncias sobre suas tendncias futuras...4

CENRIOS CONTBEIS PRIMITIVOS O surgimento da contabilidade deu-se num cenrio social, econmico e institucional denominado de primitivo, cujas principais caractersticas eram:entidades comerciais e industriais apresentavam um desenvolvimento embrionrio; os empreendimentos tinham normalmente uma durao limitada; a figura central da ao empresarial era o proprietrio e no a entidade ou gerncia; os mercados eram perfeitamente delimitados e os preos relativamente estveis; avanos lentos na tecnologia, qualidade e caractersticas 5 operacionais dos produtos.

Revoluo Industrial A Revoluo Industrial produziu o primeiro grande choque na contabilidade face mudana de cenrio. A partir do Sculo XX, no entanto, vem-se enfrentando novos cenrios o que representa um grande desafio para a contabilidade

6

CENRIO MODIFICADOgrande desenvolvimento das entidades de modo geral; empreendimentos com durao normalmente muito longa; entidade como figura central da ao empresarial; mercados globalizados e preos relativamente instveis; mudanas rpidas na tecnologia, qualidade e caractersticas operacionais dos produtos.7

Evoluo da Contabilidade Pr-histria: 8.000 a.C. at 1.202 d.C. (empirismo, conhecimento superficial): experincias e prticas vividas pelas civilizaes do mundo antigo, destacando-se os estudos sumrios, babilnios, egpcios, chineses e romanos.

8

Idade Mdia: 1.202 d.C., com a obra Leibe Abaci, de Leonardo Fibonacci: perodo de sistematizao dos registros.

9

Evoluo da contabilidadeOrigem do homem e a Bblia (~ 4.000 a.C.)A contabilidade to antiga quanto a origem do homem. Livro de Gnesis Rebanhos de ovelhas de Jac e seu sogro Labo Livro de J, considerado o mais antigo da Bblia, descrio da sua riqueza.

Egpcios e Babilnios (~3.000 a.C.)Transaes em cermicas relatam pagamentos de salrios e impostos.

Luca Pacioli (sculos XIII e XVI d.C.)A contabilidade atingiu sua maturidade entre os sculos XIII e XVI d.C. (comrcio com as ndias, burguesia, renascimento, mercantilismo, etc). Trabalho do frade franciscano Luca Pacioli, Itlia, 1494. A escola Italiana de Contabilidade dominou o cenrio mundial at o sculo XX.

EUAS (sculo XX e atualidade)A contabilidade se desenvolveu notoriamente nos EUAS, aps a depresso de 1929, com inmeras pesquisas na rea, crescimento do mercado de capitais e consequentemente a auditoria. A Escola Contbil Americana, voltada para a tomada de deciso, domina nosso cenrio contbil atual.10

Idade Moderna: 1494, com a publicao da obra Tratatus Particularis de Computis et Scripturis (Tratado Particular de Conta e Escriturao), do frei e matemtico Luca Paccioli, em Veneza, onde este fez o estudo sobre o mtodo das Partidas Dobradas, tornando-se um marco na evoluo contbil.11

Idade Contempornea: Do sculo XVIII, o perodo cientfico da Contabilidade, quando esta deixa de ser mera arte para tornar-se cincia. A partir da surgiram vrias doutrinas contbeis, como: Contista, Controlista, Personalista, Aziendalista e Patrimonialista.

12

A funo bsica do contador produzir informaes teis aos usurios da contabilidade para a tomada de decises. Ressalta-se, entretanto, que, em nosso pas, em alguns segmentos de nossa economia, principalmente na pequena empresa, a funo do contador foi distorcida (infelizmente), estando voltada exclusivamente para satisfazer s exigncias do fisco.13

O contador deve possuir uma formao humanstica, uma viso global que o habilita a compreender o meio social, poltico, econmico e cultural onde est inserido, tomando decises em um mundo diversificado e interdependente.

14

O contador necessita de uma formao tcnica e cientfica para desenvolver atividades especficas da prtica contbil, com capacidade de externar valores de responsabilidade social, justia e tica, precisa ter competncia para compreender aes, analisando criticamente as organizaes, antecipando e promovendo suas transformaes.

15

CARACTERSTICAS PROFISSIONAIS DO CONTADOR

Flexibilidade Liderana Comunicao tica Atualizao constante

Responsabilidade social Formao tcnica e cientfica Iniciativa Viso de mercado e futuro16

Viso humanstica

MERCADO DE TRABALHO A profisso contbil est regulamentada pelo Decreto-lei n 9.295/46, e posteriores resolues complementares.O mercado de trabalho para contadores o que mais proporciona oportunidades para o profissional, a rea de atuao ampla, oferecendo inmeras alternativas de trabalho.17

REAS DE ATUAO CONTADOR

EMPRESA ENSINO

AUTNOMO

RGO PBLICO

18

19

Contabilidade como profissoAlternativas do contadorCONTADOR

NA EMPRESA

INDEPENDENTE (AUTNOMO)

NO ENSINO

RGO PBLICO

CONTADOR GERAL; DE CUSTOS; CONTROLLERSUB CONTADOR; ETC

AUDITOR INDEPENDENTE

PROFESSOR

CONTADOR PBLICO

CONSULTOR

PESQUISADOR

FISCAL DE TRIBUTOS

AUDITOR INTERNO; CONTADOR FISCAL CARGOS ADMINISTRATIVOS

ESCRITRIO DE CONTABILIDADE

ESCRITOR

CONTROLADOR DE ARECADAO

PERITO CONTBIL

CONSULTOR

TRIBUNAL DE CONTAS 20

ESCOLA ITALIANA DE CONTABILIDADE Esse mtodo consiste no fato de que para qualquer operao sempre haver um dbito e um crdito de igual valor ou um dbito (ou mais dbitos) de valor idntico a um crdito (ou mais crditos). Portanto, no h dbitos sem crditos correspondentes, de forma que a soma dos dbitos ser sempre igual soma dos crditos. (...)

21

(Continua...) Mtodo das Partidas Dobradas Esse mtodo, desenvolvido pelo Frade Franciscano Luca Pacioli em 1494, hoje universalmente aceito, d incio a uma nova fase para a Contabilidade como disciplina adulta, alm de desabrochar a Escola Italiana, que iria dominar o cenrio contbil at o incio do sculo XX.22

ESCOLA CONTISTA Para os criadores da escola contista, a preocupao central da contabilidade era com o processo de escriturao e com as tcnicas de registro atravs das contas. O objetivo das contas era sempre o de registrar uma dvida a receber ou a pagar, coincidindo com a origem do crdito nas relaes comerciais.23

ESCOLA PERSONALISTA Para os tericos do personalismo, as contas deveriam ser abertas tanto para pessoas fsicas como jurdicas (pessoas verdadeiras), e o dever e haver representavam dbitos e crditos das pessoas a quem as contas foram abertas. ()24

Uma importante contribuio desta escola comunicao contbil foi a de que a contabilidade passou a ser considerada um instrumento informacional sobre a gesto das entidades, em vez de uma mera tcnica de registro de transaes econmicas. Portanto, considerada uma disciplina ligada gesto e ao processo de tomada de deciso.25

ESCOLA CONTROLISTAPara Fabio Besta (1880) a contabilidade representava a cincia do controle econmico. Considerava que o controle econmico se compunha de duas partes: uma responsvel pelo registro contbil dos momentos da administrao econmica e sua efetivao por meio de escriturao e a outra representava a revelao das partidas dobradas dos fatos administrativos em conexo com os critrios organizacionais articulados de acordo com os mecanismos de controle inerentes escriturao contbil. (...)26

Na viso dos controlistas, os balanos, as contas, os oramentos, as demonstraes de resultados, etc., representavam uma forma de controle da riqueza dos organismos econmicos.

27

ESCOLA NEOCONSITA O neoconsitmo (1914) restituiu contabilidade o seu verdadeiro objeto: a riqueza patrimonial e, em consequncia, trouxe grande avano para o estudo da anlise patrimonial e dos fenmenos decorrentes da gesto empresarial, tendo surgido como um movimento contrrio ao personalista, defendendo o valorismo das contas.28

ESCOLA AZIENDALISTANa concepo de Zappa, o resultado definido como o acrscimo ou decrscimo sofrido pelo capital em determinado perodo administrativo, como consequncia das operaes da gesto. O capital a representao do conjunto de elementos do ativo e do passivo que iro gerar o resultado da entidade, ao passo que o resultado a representao das mudanas dos componentes patrimoniais em um determinado perodo.29

ESCOLA PATRIMONIALISTA Os tericos desta escola (1926) definem o patrimnio como o objeto da contabilidade, pois o mesmo uma grandeza real que se transforma com o desenvolvimento das atividades econmicas, cuja contribuio deve ser conhecida para que se possam analisar adequadamente os motivos das variaes ocorridas no decorrer de determinado perodo.

30

Para os patrimonialistas a contabilidade no apenas uma disciplina que tem por objetivo a revelao do patrimnio, ou seja, a representao da vida patrimonial da entidade como sugeriram os neocontistas, mas uma cincia, portanto, com leis e princpios prprios, que estuda e interpreta os fenmenos patrimoniais.31

ESCOLA NORTE-AMERICANA O incio desta escola, a partir do surgimento das grandes corporaes no comeo do sculo XX, foi caracterizado pelo aspecto prtico no