tcc não é um bicho-de-sete-cabeças

Download TCC não é um bicho-de-sete-cabeças

Post on 24-Jun-2015

5.007 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Livro TCC

TRANSCRIPT

TCC (Trabalho de Concluso de Curso) No um bicho-de-sete-cabeas (Primeira edio, 2009) Autor: Wilson Correia Nmero de pginas: 128p. Peso 185,6 gramas Formato: 14 X 21 cm impresso off-set p/b Lombada: 0,8 cm Preo: 26,00 ISBN: 978-85-7393-824-1 Cdigo de barras: 9788573938241 Assunto: Educao / Pesquisa Cientca / Metodologia

Sumrio

Sumrio

* VII1

Introduo

1 - Projetos de pesquisa: Planejando a pesquisa 1. 1 Introduo 1.2 Estrutura e elementos nfase na forma , ,

7 9 10 11 11 12 , 13

1.2.1 Elementos pr-textuais: 1.2.1.1 Capa - obrigatria

1.2.1.2 Folha de rosto - obrigatria 1.2.1.3 Sumrio - obrigatrio 1.3 Elementos textuais: nfase no contedo-:-todo.s so obrigatrios

14 14 15 16 , da pesquisa . . , , . nfase na forma, ... ..... ",......

'1J. 1 Introduo 1.3.2 O~jetivos 1.3.3 Justificativa 1.3.4 Reviso da literatura 1.3.5 Hipteses ou questes norteadoras 1.3.6 A delimitao 1.3.7 Metodologia 1.3.8 Ol\'amento 1.3.9 Cronograma , 1.4 Elementos ps-textuais:db tema

]7 17

, .. ,18 19

, , ,

"

.20 .. ,21 ,., 22

1.4: 1 Referncias bibliogrficas - obrigatrias

"

22

vm

* TCC

no um bicho-de-sete-cabeas

1.4.2 Apndice - opcional 1.4.3 Anexo - opcional

22 23

2 - Trabalhos

acadmicos:

Executando

o projeto

25 27

2.1 Trabalho Didtico 2.1.1 Exemplo de apresentao 2.2 Trabalho de Graduao do Trabalho Didtico (TOI) e "" "" "

28

Interdisciplinar

Trabalho de Concluso de Curso (TCC)

" 29 30

2.2.1 Elementos pr-textuais: nfase na forma 2.2.1.1 Capa - obrigatria " "" " "" "" "." "" "." " " "

30 ". 32 34 35 36 37

2.2.1.2 Folha de rosto - obrigatria 2.2.1.3 Errata - opdona!.. " .. " 2.2.1.4 Folha de aprovao .. " .. "."" 2.2.1.5 Dedicatria - opcional

2.2.1.6 Agradecimentos

- opcionais "" .. " " "

2.2.1.7 Epgrafe - opciona!.

" 38 39

2.2.1.8 Resumo em portugus - obrigatrio 2.2.1.9 Sumrio - obrigatrio " "

40 41 42

2.2.1.10 Lista de ilustraes - opdona!.. 2.2.1.11 Lista de abreviaturas e siglas - opelona!...

Sumrio

* IX43 43

2.2.2 Elementos textuais: nfase no contedo - obrigatrios 2.2.2.1 Introduo 2.2.2.2 Desenvolvimento 2.2.2.2.1 Reviso bibliogrfica .. , 2.2.2.2.2 Metodologia 2.2.2.2.3 Resultados 2.2.2.2.4 Discusso dos resultados 2.2.2.2.5 Concluso 2.3 Ps-textuais: nfase na forma """"""".""".""".""""""." "

43 43 44 44 44 45 45 45 45 46 47

2.3.1 Referncias bibliogrficas - obrigatrias 2.3.2 Ap!1cce - opeional 2.3.3 Anexo - opciona1... 2.3.4 Glossrio - opcional 2.3.5 ndice - opcional "

47

3" Referncias bibliogrficas:

tnfase na forma

,

49 52

3.1 Dados essenciais sobre as referncias

4 - Citaes biliogrficas:

f:nfase na forma

,

69

5 - Notas: f:nfase na fonna

75

6 Elaborao do trabalho: nfase no contedo 6.1 Aspectos tcnicos do estudo 6.2 Leitura 6.3 Indicaes quanto ao estilo da escrita 6.4 Documentao para pesquisa bibliogrfica

81 84 84 89 92 94 96 97

6.5 Seminrio: outra forma de estudar 6.6 Elaborao do trabalho acadmico

6.6.1 Digitao

!,A1.

Concluso

99

Referncias Bibliogrficas

105

Sobre o autor

111

.Lista de Figuras

FIGURA OI-'Elementos do projeto de pesquisa FIGURA 02 - Exemplo de capa de projeto de pesquisa FIGURA 03- ~xemplo de folha de rosto do projeto de pesquisa FIGURA 04 - Exemplo de sumno FIGURA 05 - Exemplos de verbos para os objetivos FIGURA 06 - Exemplo de cronograma FIGURA 07 - Exemplo de apndice FIGURA 08 - Exemplo de anexo FIGURA 09 - Exemplo de cabealho para a apresentao de TD FIGURA 10 - Exemplo da disposio dos elementos em TA .

10 11

13 16 21 22 , 23 28 30

FIGURA li - Exemplo de capa dos trabalhos acadmicos TGI e TCC 31 FIGURA 12 - Exemplo de folha de rosto FIGURA 13 - Exemplo de ficha catalogrfica FIGURA 14 -' Exemplo de errata FIGURA 15 - Exemplo de folha de aprovao FIGURA 16 - Exemplo de dedicatria FIGURA 17 - Exemplo de agradecimentos FIGURA 18 - Exemplo de epgrafe FIGURA 19 - Exemplo de resumo em lngua verncula (portugus) FIGURA 20 - Exemplo de sumrio FIGURA 21- Exemplo de ilustrao 32 34 3435

36 37 38 39 40 41

XIV

* TCC

no um bicho-dc-sctc-cabcas

FIGURA 22 - Exemplo de lista de abreviaturas FIGURA 23 - Exemplos de apndice FIGURA 24 - Exemplos de anexo

e siglas

42 46 46 47

FIGURA 25 - Exemplo de ndice FIGURA FIGURA FIGURA 26 - Exemplos de espaamento das referncias

51 77 78

27 - Exemplo de notas de rodap 28 - Exemplo de notas de fim de texto : do projeto

FIGURA 29 - Exemplo de notas explicativas FIGURA 30 - Etapas do estudo para elaborao

79 83 92 93 94

FIGURA 31- Exemplo de ficha para citao direta/(~

FIGURA 32 - Exemplo de ficha para cita.:) indireta FIGURA 33 - Exemplo de documentao pelo computador

Introduo

Artigo 207 da Constituio Federal brasileira estabelece a "indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extenso" (BRASIL, 1988). O ensino centra-se na criao do saber acadmico, A pesquisa destina-se produo de novos conhecimentos, inclusive para renovar aqueles q le so mobilizados em nvel do ensino,

A extenso, por sua vez, refere-se aplicao do conhecimento produzido pela pesquisas e daquele que circula nas salas de aula, A pertinncia e a relevncia da metodologia cientfica residem no fato de ela servir sistematizao da produo universitria, a fim de que a sociedade possa us-Ia para solucionar os problemas que a afligem. Quando normalizados para atender s exigncias de rigor tcnico, cientfico e filosfico, a produo em nvel superior implica a indissolubilidade entre contedo e forma. No entanto, para elaborar seus escritos, o estudante deve ter competncia no uso de mtodos e tcnicas de pesquisa, bem como de redao e elaborao de relatrios e de textos monogrficos, com vistas apresentao deles academia e sociedade (cf. SILVA, PINHEIRO, FREITAS, 2002,p. 17).

para atender a essas necessidades que este livro vem luz, Nele est reunido um conjunto de normas que pode auxiliar o estudante do ensino superior a realizar suas atividades acadmicas de modo mais fluente. Assim, se estudar essencial, as prescries aqui apresentadas podem servir de meio compreenso de uma parte importante sobre como faz-Io: a da normalizao,

4

* TCC

no um bichodesetecabeas

Para tanto, o presente trabalho est fundamentado nas Normas' Brasileiras Registradas (NBR), da Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT), que, no prefcio da NBR 6023:2002, define-se como:

A Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT) o Frum Nacional de Normalizao. As Normas Brasileiras Registradas, cujo contedo de responsabilidade dos Comits Brasileiros (ABNT ICB) e dos Organismos de Normali:~ao Setorial (ABNT 10NS), so elaboradas por Comisses de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratrios e outros) (p. 01).

Da ABNT emanam as normas de abrangncia nacional. Motivo pelo qual julgamos prudente segui-Ias. Os manuais de metodologia cientfica podem ser usados como materiais complementares na elaborao de Trabalhos Acadmicos, is~o quando for o caso e se suas regras no se opuserem s da ABNT. Essa postura se justifica porque as NBRs que a ABNT emite so feitas tendo como coautores as universidades brasileiras, que, ao lado de outros agentes normalizadores, expressam o consenso normativo sobre as matrias que Ihcs afetam. Os manuais, que no raro divergem entre si, s vezes terminam expressando diletantismos nem sempre aconselhveis. Dessa maneira, se nosso objetivo auxiliar na tarefa de diminuir dificuldades, no vemos razes para criarmos um paradoxo: aliment-Ias por meio do emprego de materiais que no permitem a unificao das normas para a elaborao da produo discente. Em ltimo caso, as divergncias desse setor acabam sempre resolvidas pela ABNT, razo pela qual nos antecipamos a esse tipo de demanda.

Introduo

*5

Quanto s NBRs em si, se devem ser aceitas ou no, talvez valha a pena pensar no conselho do velho Scrates: "em toda parte, em suma, cumpre ou executar as ordens da cidade e da ptria ou obter a revogao pelas vias criadas pelo direito" (Plato, 1978, p. 130). Quer dizer, em face da norma, podemos assumir duas atitudes: ou lutamos para.revog-Ia, caso discordemos dela, ou a acatamos como legitima. Ignor-Ia no nos parece a melhor escolha. Pensando nessa consagrada lio, envidamos nossos esforos par tentar facilitar as atividades dos acadmicos e dos professores em sua prtica diria. Fazemos isso por meio de orientaes sobre a elaborao de Trabalhos Acadmicos (TAs), que compreendem, sobretudo: Trabalho Didtico (TD), Trabalho de Graduao Interdisciplinar (TGI) e Trabalho de Concluso de Curso (TCC). No tratamos da Dissertao de Mestrado (DM) e da Tese de Doutorado (TD) pelo fato de o objetivo do presente livro abranger apenas a orientao quanto produo lato sensu. Por fim, restam duas consideraes. Primeira: pelo fato de os trabalhos acima serem de natureza monogrfica, constituindo-se em escritos que versam sobre um s tema, e um s problema, no aconselhamos nomear nenhum deles apenas de monografia. Segunda: o TD ainda no mereceu essa nomeao por parte da ABNT. Contudo, julgamos que esse nome o que mais se aproxima daquilo que ele : predominantemente trabalhos de sala de aula. Por isso, as regras que normalizam o TGI e o TCC devem ser usadas, por analogia, na execuo do TD, mesmo que nesse caso ainda pese bastante o costume acadmico em geral.

1PROJETOS DE PESQUISA:PLANEJANDO A PESQUISA

Captulo

I

*9