TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA

Download TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA

Post on 26-Jan-2015

52.079 views

Category:

Education

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. VIOLNCIA NA ESCOLA Regina Luzia de Almeida BarrosVrzea Grande -MT UNOPAR Universidade Norte do Paran Data:27/05/2011

2.

  • INTRODUO
  • Justificativa
  • Sendo a violncia um ato que causa dano a outra pessoa,ser vivo ou objeto.Invade a integridade fsica ou psicolgica e at mesmo a vida de outro ser. o uso da fora excessiva ,desnecessria ou inesperada.
  • OBullying tambm um termo utilizado para descrever atos deviolnciafsica oupsicolgica , intencionais e repetidos, praticados por um indivduo (doinglsbully, tiranete ou valento) ou grupo de indivduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivduo (ou grupo de indivduos) incapaz(es) de se defender.
  • A produo de conhecimento sobre o tema da violncia nas escolas e todas as suas manifestaes adquiriu, desde 1980 at o presente, um grande espao nas mais diversas instncias universitrias e institucionais do Brasil.

3.

  • INTRODUO
  • Justificativa
  • Isso como um reflexo da profundidade e complexidade do fenmeno e da preocupao social com o mesmo. No entanto, a maior parte dessa produo intelectual permanece desconhecida tanto para os pesquisadores da rea, como para as instituies que formulam a poltica pblica que visa responder positivamente aos desafios que colocam suas manifestaes.
  • Sendo aviolncia um tema que afeta a vida dos alunos e das pessoas envolvidas com a Escola. Na maioria das vezesquem praticatambm j foi ou vitima .
  • Embora essa violncia sempre tenha existido,mas em proporo menor e diante de tantas coisas que vem sendo noticiadas pela mdia e vistas por ns mesmos nas escolas;

4.

  • Visando uma compreenso e uma preveno a respeito resolvifazer este trabalho que aborda o tema Violncia nas Escolas; triste ver que este tipo de comportamento ainda ocorre nos dias atuais.
  • Pelo fato de ainda ocorrer na escola, certos fatos, como o Bullying e a violncia em geral e por acreditarquese cada um fazer a sua parte atravs da prevenoda violncia os nossos alunos deixam de ser rivais e tornam-se aliadose procurandouma soluo buscou-seanalisar os diferentes significados que o fenmeno da violncia adquire em circunstancias sociais diversos e as formas como se manifesta no cotidiano da escola .
  • O esforo empreendido neste trabalho, trazer uma viso ampla sobre situaes de violncia nas escolas, pretende ajudar na reflexo e na busca de medidas estratgicas para a superao dessaviolncia. Identificar pistas que possam contribuir com propostas para a compreenso e preveno dessa violncia.

5.

  • Embasamento Terico
  • O estudo baseia-se entre(Arendt eBurke)que tmem comum a clareza de considerar a violncia como um problema social e histrico ,que no se pode estudar a violncia fora da sociedade que a produziu, porque ela se forma de fatos polticos, econmicos e culturais manifestados nas relaes cotidianas, e sob determinadas circunstncias, podendoser por ela desconstrudos e superados.
  • Segundo eles a violncia tem um carter psicolgico, ou seja, um meio que necessita de orientao e justificao dos fins que persegue. E encontra sua expresso concreta no fato de que indivduos, grupos, classes e instituies empregam diferentes formas, mtodos e meios de coero e perseguio direto ou indireto (econmico, poltico, jurdico, militar) contra outros indivduos, grupos, classes e instituies, com a finalidade de conquistar ou reter poder, conquistar ou preservar a liberdade, obter direitos ou privilgios.

6.

  • Bullying definido por Nancy Day (1996: 44-45) como abuso fsico ou psicolgico contra algum que no capaz de se defender. Ela comenta que quatro fatores contribuem para o desenvolvimento de um comportamento de bullying:
  • 1 ) Uma atitude negativa pelos pais ou por quem cuida da criana ou do adolescente;
  • 2)Uma atitude tolerante ou permissiva quanto ao comportamento agressivo da criana ou do adolescente;
  • 3)Um estilo de paternidade que utiliza o poder e a violncia para controlar a criana ou o adolescente;
  • 4)Uma tendncia natural da criana ou do adolescente a ser arrogante.
  • Diz ainda que a maioria dosbulliesso meninos, mas as meninas tambm o podem ser. As meninas que sobulliesutilizam, s vezes, mtodos indiretos, como fofocas, a manipulao de amigos, mentiras e a excluso de outros de um grupo.
  • Hannah Arendt , Burke, Nancy Dayforam os mais pesquisados mas tambm Marx e Engels , Denisov , Chesnais , Charlot e min , Barash, Wilson,; Lorenz, dentre outros .

7.

  • OBJETIVOS
  • Objetivo Geral eEspecfico.
  • Uma compreenso e uma preveno mais aprofundada no assunto. Avaliar como a violncia nas escolas est associada proficincia dos alunos. Abordagem qualitativa de cunho bibliogrfico, tendo como ponto fundamental os aspectos histricos, sociais e educacionais da violncia escolar.
  • Poderalertar, esclarecer e conscientizar toda escola combatendo a violncia, melhorando o ambiente e a forma de agir de cada um;
  • Ajudar na reflexo e na busca de medidas estratgicas para a superao das violncias nas escolas eCriar estratgias de ao no combate a violncia escolar e no fenmeno de uma educao para a paz e cidadania;
  • Formular os conceitos mais importantes do desenvolvimento moral da criana e do adolescente;
  • Discutir as prticas disciplinares utilizadas na escola, questionar e buscar alternativas para a atuao do professor na manuteno da disciplina escolar;O papel do professor no estabelecimento das normas disciplinares.

8. METODOLOGIA/DESENVOLVIMENTO A metodologia consiste na construo de solues de forma participativa, atravs da mobilizao da comunidade. Mobilizao, conscientizao e participao para a construo de alternativas, percorrer caminhos que abrange uma abordagem mais profunda para a questo. Os procedimentosutilizados para a coleta de dados foi observao de aulas e, conseqentemente, da relao professor-aluno; observao da relao entre os alunos em momentos escolares extra-classe; alm de questionrio diferenciado, com perguntas abertas, aplicado aos alunos.Foram feitos questionrios com perguntas e respostas sobre a violncia,sobre o buyling, suas causas, suas conseqncias, de como devemos prevenir, etc.Foi realizada pesquisas tericas e de campo com perguntas para professores,alunos e demais funcionrios,onde os mesmos responderam e deram suas opinies , depoimento dos alunos,folhas com perguntas e respostas sobre o assunto. 9.

  • Os captulos trata-se da conscientizao,da preveno, do combate e de como surgiu a violncia na escola. Esto divididos em:Violncia e suas origens;O Bullying;A Importncia de se combater a violncia na escola; Procedimentos Metodolgicos e anlises dos dados;Reviso bibliogrfica;Pesquisa de Campo;
  • Consideraes finais.
  • Os aspectos principais do estudorefere-se ao consumo de bebidas alcolicas e de drogas ilegais por alunos e a violncia fsica entre aluno professor/ professor-aluno. Avaliaoda violncia psicolgica, violncia contra o patrimnio e global, bem como fatores de risco associados a ela.
  • Relatos dos alunos da stima e oitava sries do ensino fundamental e do primeiro ao terceiro ano do ensino mdio, da escola Pblica Porfria Paula de Campos em Vrzea Grande MT.
  • As mltiplas violncias que se manifestam na escola como parte de nossa histria social, poltica e cultural. Elas nos retratam e definem, assim como definem o futuro dos que hoje vivem como atores diretos do mundo escolar. a questo da discriminao tnica e xingamentos ligados aparncia fsica.

10. CONSIDERAES FINAIS Aescola, diante da violncia, vem buscando o dilogo com o aluno e com a famlia e realizando um trabalho que envolve, muitas vezes, profissionais de outros rgos. Mas poucas so as aes que vm sendo desenvolvidas para evitar a violncia. A suspenso, por exemplo, acaba por se tornar, para o aluno, um perodo de frias antecipado. Percebe-seque a violncia na escola tem diversas causas e se desenvolve de muitas maneiras. Observouque as principais causas da violncia tm sido, entre outras e principalmente, a desagregao familiar; problemas scio-econmicos; a violncia que o aluno experincia em casa; a baixa auto-estima; a falta de limites em relao aos seus atos; a falta de dilogo na famlia e na escola;Afalta de amor; a formao de gangues,onde, os maiores responsveis pelos atos violentos tem sido os adolescentes do sexo masculino; as brigas entre alunos ou alunas, pela disputa de uma namorada ou namorado, as brigas dentro da sala de aula, na disputa de jogos e o consumo de drogas so os atos violentos mais comuns na escola.Mesmo estando em andamento,pode-se perceber que houveuma mudana,pois o assunto passou a ser discutido com mais seriedade e interesse e que se bem trabalhado pode dar certo. 11. Asdificuldades na realizao do estudo foi a falta de recursos,e de interesse dos alunos, a de se fazernovas amizades,com pessoas que no conhece e com temperamentos diferentes um do outro. Entretanto, para o sucesso de tal empreitada necessrio que os educadores sejam os principais parceiros desse processo e que estejam devidamente preparados/informados/formados para realizar um trabalho sistemtico de preveno da violncia. Masconseguimos a colaborao de grande parte da escola no geral.Detectaresses problemas que assolam a escola o primeiro passo para a continuidade do estudo desenvolvido, porm so necessrias aes concretas, como, por exemplo, a urgente necessidade de formao adequada para esses profissionais. A escola pode atuar na preveno utilizao da violncia.Se enfrentar pessoalm

Recommended

View more >