tabarÉ #17

Download TABARÉ #17

Post on 29-Mar-2016

224 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

defesa pública da alegria partido pirata olímpico

TRANSCRIPT

  • colmar castelinho etipia a dois

    porto alegresetembro 2012

    OMaestrodatortura

    o voto todo o dia#16

    ningum prefeito

    alegria um conto pirato olmpicode no

    porto alegreoutubro 2012

    #17

    ViVeirosdeCastroe O olhardOsndios

  • tabare.net

    truculentos e brutais do mundo. Em maio deste ano o Conselho de Direitos Humanos da ONU recomendou o fim da polcia militar no Brasil, dada a violncia e a falta de controle que se tem sobre seus agentes. A existncia dessa entidade repressiva tpico proibido na sociedade do medo. Isso porque o extermnio das comunidades mais pobres passa longe dos olhos de quem vive nas reas centrais das cidades brasileiras. Mas quando um confronto violento ocorre no centro impossvel fechar os olhos e fingir que no aconteceu.

    Entramos ento num momento suspenso entre o medo e a vontade de debater. E nesse contexto papel de qualquer jornal escolher de que lado se postar.

    Jos Saramago afirmou em um de seus discursos que existe apenas uma coisa que no pode e jamais discutida em nossa sociedade: a democracia. Ela o bem absoluto e inquestionvel. Mas qual democracia? Quo democrtica a democracia representativa? Esses tambm so questionamentos proibidos e os que se atrevem a ocupar uma praa para gritar que est tudo errado, negando os vcios da democracia representativa, so tidos logo como vndalos, como marginais, como comunistas, como ditadores. Esse o cidado combatido por representar o perigo de transformar a poltica em prtica cotidiana.

    Parece um consenso essa viso conservadora de cidade legitimada por 65% da populao porto-alegrense. Muitas dessas pessoas vivem como se a cidade fosse a mera paisagem de seus percursos, esquecendo-se de que as caladas foram feitas para o Homem e para a Mulher. Onde se deve viver e experimentar essa estranha sensao de compartilhar um mesmo tempo em um determinado lugar com tantas pessoas diferentes. No foram apenas os defensores da alegria que explicitaram esse desejo, no dia seguinte moradores da Vila Nazar bloquearam a Avenida Sertrio em protesto contra a remoo da comunidade em funo da Copa. Na semana seguinte, vendedores do comrcio popular se recusaram a silenciar ao ver seus produtos confiscados por um Estado que finge dar oportunidade e fiscaliza apenas os mais pobres.

    No j to antigo editorial da primeira edio deste peridico ns afirmvamos que num tempo em que a alegria rareia, o Tabar gargalha. E seguimos rindo a plenos pulmes do dio ignorante e do medo indigno. Esperando que compartas dessa mesma esperana citadina.

    Porto Alegre despertou? Ser que o efeito anestsico do medo finalmente cessou? O que podemos afirmar que enfim os indignos e os indignados (identificados por Eduardo Galeano) mostraram suas caras depois da manifestao pela Defesa Pblica da Alegria.

    comum, em cidades pequenas, que um evento domine os tpicos de conversao. Normalmente so banalidades, mas desde que o Tatu da Coca-Cola foi desinflado no Largo Glnio Peres e a Brigada Militar e a Guarda Municipal encenaram uma represso digna de 1968, Porto Alegre passou dias de conversaes monotemticas.

    A noite do dia 4 de outubro era de festa contra a privatizao dos espaos pblicos, contra as polticas que criminalizam o trabalho dos artistas, contra a remoo forada de famlias graas s obras da Copa, contra a poltica marqueteira das eleies, contra o descaso com ciclistas e a confuso que a prefeitura parece ter com o termo revitalizao, que para eles sinnimo de elitizao.

    Como sempre, o debate sobre o assunto foi superficial. As mdias partidrias, ou grandes empresas miditicas, cobriram de preconceitos suas matrias. Lasier Martins bradava ignorncias repetidas nas redes sociais.

    Contra o qu? Por que gritam? Quem so? O que querem? A quase nenhum jornalista lhe passou a brilhante ideia de propor essas perguntas ou de aprofund-las. Eles obtinham as informaes dos policiais e essa era a verdade absoluta.

    A Defesa Pblica da Alegria um movimento que rene diferentes coletivos, artistas, ativistas e cidados engajados ao que pode ser resumido como defesa do que pblico. Eles convocaram a manifestao em forma de festa e dessa maneira conseguiram mobilizar mais de 1.500 pessoas insatisfeitas com os rumos da cidade. Assim se formou este grupo autnomo e apartidrio que entende que um corpo vivo numa praa infinitamente mais potente que um voto. Prova disso a excessiva represso policial aos manifestantes em plena poca de eleio. Uma polcia que no modificou sua postura com a retomada da democracia no final dos anos 80. um fato internacionalmente discutido: a ditadura militar nos legou um dos aparatos repressivos mais

    Chico Guazzelli, Felipe Martini, Gabriel Jacobsen, Jessica Dachs, Jlia Schwarz, Juliana Loureiro, Leandro Hein Rodrigues, Lusa Santos, Luna Mendes, Matheus Chaparini, Marcus Pereira, Martino Piccinini, Natascha Castro

    Projeto Grfico/Diagramao: Martino PiccininiCapa: Jssica Albuquerque [behance.net/jfalbuquerque ]

    Colaboradores: Carlos Andr Pires, Fred Stumpf, Glauber Winck, Helosa Silva, Jssica Albuquerque, Paulo H. LangeTiragem: 2 mil exemplares

    Contatos: comercial@tabare.net tabare@tabare.net facebook.com/jtabare

    Distribuio: Fabico Famecos Instituto de Artes UFRGS Casa de Cultura Mario Quintana Ocidente Palavraria Sala Redeno StudioClio

    Comit Latino-americano Instituto NT Nova Olaria

    cidado combatido por representar o perigo de transformar a poltica em prtica cotidiana

  • outubro/2012 #17

    CARTAS@tabare.netHoje vcs me salvaram. Na hora do pavor limpei a bunda com um Tabar #6. BjosJader Tiago, encanador e piadistaSe fuder! Prxima cagada a gente se limpa com as tuas ferramenta, ento.

    TABAR ACIDO!Timothy Leary, professor hedonistaQu isso, flor? Todo mundo diz que a gente um doce...

    J'aime le journal Cabar, pense que est gnial!Carlos Paredes, imigrante francsP chrie! Jornal Cabar? Gnial tu.

    Oi Tabar. No consigo ter orgasmos, dizem que normal entre as mulheres. O que vcs recomendam? Bjs Man, antroplogaAi, flor! Nem fala, a gente sabe como . Te recomendamos o seguinte: velas e qualquer cd do

    o Tchan. Se tu seguir o passo a passo das letras e no der certo, desistimos! A saudosa mozinha tambm sempre vlida, n. Bjs!

    Li as ltimas trs edies de vocs, gente... Fiquei sem palavras! S tenho uma sugesto: fechem esse jornal pelo amor de deus.Marcelinho, son of a preacher manIh nego, pelo amor de deus? Vai demor ento, aqui tudo ateu.

    Al galera de porto alegre: um abrao bem apertado e esmagador.Mrcio, caricaAl, al, realengo: aquele abrao!

    Isso tipo aquele jornal... Bem Estar?Cludia dos Santos, estudante de MarketingAham, Cludia. Senta l.

    Tabar! Pega tua bicicleta e voa por a, sentindo o vento. No esquece a mquina fotogrfica...Pedala com papel e caneta... Recorta as cenas dessa vida que,

    s vezes, pedala pra trs. Leva essa gente pra frente na tua bicicleta que informa e deforma essa gente que mente na hora e ri, ri porque tu muda a leitura de quem fura o dia com jornal na mo.M. Jeffman, poetaim, tmo junto M! Pedalando por um mundo melhor.

    Boto muita f no "trampo" de vcs, pois a gente sabe da manipulao da mdia burguesa com os meios de comunicao. Liberdade pra expressar, pensar e escrever! Viva o Tabar!Cachacinha Vanessinha, artistaGratido, querida. Viva o tabar! Viva a cachacinha! (...) Alis, no rola umas free, no? A gente bota muita f no teu trampo tambm.

    Guerrear pela paz como foder pela virgindade, diz o ditado. O provrbio, no entanto,

    parece desconhecido entre a galerinha do Prmio Nobel, que acaba de

    contemplar a Unio Europeia com o da Paz. A academia sueco-norueguesa provavelmente se baseou nos mesmos

    critrios de escolha usados no ano passado, quando foi a vez do Obama

    de faturar a bolada. A premiao vista como uma forma de levantar a

    autoestima do bloco, neste momento em que boa parte do Velho Mundo

    t matando cachorro a grito.

    Em tempoE as nossa crises, quem homenageia?

    Sem querer querendoO distrado deputado gacho Ronaldo Santini, do PTB, props que a

    Assembleia Legislativa derrubasse a lei estadual que limita o uso no Rio Grande de agrotxicos que estejam banidos em seus pases de procedncia.

    Diante do genial Projeto de Lei, cidados que no gostam de ter cncer chiaram nas redes e nas ruas, fazendo com que o autor desistisse da alterao.

    Santini alegou que no sabe nada sobre agrotxicos e que apresentou o projeto a pedido de dois deputados federais. O parlamentar tambm autor

    do projeto que estabeleceu o Dia Estadual da Educao Ambiental. Oi?

    Em tempoComeu coc, seu deputado?

    Quem nunca?Na cidade inglesa de Bedford, que ningum sabe direito onde fica, um casal de velhinhos cultivava um frondoso p de maconha em seu quintal, sem ter ideia da tonturinha que o bixo d. Eis que a polcia entra em ao e resolve se meter no jardim alheio: apreende a planta e promete queim-la (sem explicar o mtodo de incinerao...). O casal alegou ter comprado a bonitona em um brique de rua, desconhecendo a espcie. Os porco, que postaram a foto do baita p na conta de Twitter oficial da delegacia (existe isso?), asseguraram que o casal no ser processado.

    Em tempoNo so agricultores, desconhecem a semente.

    33

    Deus nos livreNa longnqua Teresina, capital do Piau, elegeu-se no ltimo pleito a vereadora Cida, sob a legenda do Partido Humanista da Solidariedade (?). Alm de fazer parte da misteriosa sigla, a futura vereadora tambm membra da Renovao Carismtica Catlica e pretende criar um grupo de oraes na Cmara Municipal, para ajudar na resoluo dos problemas da cidade. Tudo normal prum pas com crucifixos nos tribunais e a palavra Deus impressa na Constituio e na moeda nacional.

    Em tempoPrecisa de mandato pra rezar?

    [Lusa Santos]

  • tabare.net

    pujante monument