suzano holding s.a. companhia aberta cnpj/mf nº ?· o prejuízo da suzano holding no exercício...

Download SUZANO HOLDING S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº ?· O prejuízo da Suzano Holding no exercício findo…

Post on 10-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • SUZANO HOLDING S.A. Companhia Aberta

    CNPJ/MF n 60.651.809/0001-05 NIRE 35 3 0001186 4

    PROPOSTA DA ADMINISTRAO

    PARA

    ASSEMBLEIA GERAL ORDINRIA E EXTRAORDINRIA

    A SER REALIZADA EM 28 DE ABRIL DE 2016

    Proposta da Administrao da SUZANO HOLDING S.A. (Companhia), nos termos da Lei n.

    6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme alterada (Lei das S.A.) e da Instruo CVM n.

    481, de 17 de dezembro de 2009, conforme alterada (ICVM 481/09) (Proposta), a ser

    submetida deliberao da Assembleia Geral Ordinria e Extraordinria da Companhia, a ser

    realizada no dia 28 de abril de 2016, s 10:00 horas (Assembleia Geral).

    NDICE

    1. Item 10 do Formulrio de Referncia (Comentrios dos administradores

    sobre a situao financeira da Companhia)

    2

    2. Anexo 9-1-II - Instruo CVM 481/09 (Proposta da Destinao do Lucro

    Lquido)

    8

    3. Fixao do nmero de membros do Conselho de Administrao e Eleio

    de seus Membros

    11

    4. Instalao, Eleio e Fixao da Remunerao dos Membros do

    Conselho Fiscal

    12

    5. Itens 12.5 a 12.10 do Formulrio de Referncia (Candidatos indicados para

    compor o Conselho de Administrao)

    13

    6. Proposta de Remunerao dos Administradores 29

    7. Item 13 do Formulrio de Referncia

    30

  • 2

    FINS DO INCISO III DO ARTIGO 9 DA INSTRUO CVM n 481/09

    COMENTRIOS DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAO FINANCEIRA DA

    COMPANHIA NOS TERMOS DO ITEM 10 DO FORMULRIO DE REFERNCIA,

    CONFORME ANEXO 24 DA INSTRUO CVM N 480/09.

    10. Comentrios dos Diretores

    10.1. OS COMENTRIOS A SEGUIR REFEREM-SE S 3 LTIMAS DEMONSTRAES FINANCEIRAS DE ENCERRAMENTO DO EXERCCIO SOCIAL.

    a) Condies financeiras e patrimoniais gerais A Diretoria entende que a Companhia possui condies financeiras e patrimoniais suficientes para cumprir com suas obrigaes de curto e mdio prazos. Nos exerccios de 2015, 2014 e 2013 a Companhia registrou prejuzos de R$ 230,6 milhes, R$ 56,2 milhes e R$ 61,1 milhes, respectivamente. A gerao de caixa operacional consolidada, medida pelo EBITDA, foi de R$ 4.459,5 milhes, R$ 2.420,6 milhes e R$ 1.834,1 milhes, nos respectivos perodos, demonstrando a consistncia dos resultados operacionais da Companhia e de suas controladas. Indicadores adicionais sobre as condies patrimoniais e financeiras da Companhia so apresentadas no item 10.1.b abaixo.

    b) Estrutura de capital O patrimnio lquido da Companhia, em 31 de dezembro de 2015, era de R$ 3.228,1 milhes, representando um decrscimo de 10,74%, ou R$ 388,4 milhes, em relao a 31 de dezembro de 2014, e decrscimo de 13,03%, ou R$ 483,8 milhes, em relao a 31 de dezembro de 2013. A variao justificada pelos prejuzos acumulados nos ltimos 3 anos, decorrentes do resultado negativo da equivalncia patrimonial de sua principal controlada.

    Em 2015 foram distribudos dividendos e creditados juros sobre capital prprio (JCP), no montante de R$ 174,9 milhes, debitados do saldo da conta de reserva de lucros.

    No h previso no Estatuto Social da Companhia de resgate de aes e no existe, no curto prazo, previso ou inteno da administrao da Companhia de propor a realizao de tal evento.

    c) Capacidade de pagamento em relao aos compromissos financeiros assumidos A Diretoria trabalha com o compromisso de manter o equilbrio econmico-financeiro da Companhia pautando seus projetos de crescimento em suas receitas de dividendos, e de remunerao de avais e fianas concedidos.

    d) Fontes de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos no-circulantes utilizadas

    As fontes de recursos da Companhia so provenientes de dividendos e juros sobre capital prprio recebidos de suas controladas, alm de aportes de acionistas, e resultado de aplicaes financeiras.

  • 3

    e) Fontes de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos no-circulantes que pretende utilizar para cobertura de deficincias de liquidez A Companhia possui gerao de caixa consistente pelo recebimento de dividendos, juros sobre capital prprio, receita pela concesso de avais e fianas, e eventuais aportes de capital, com o intuito de cobertura de eventuais deficincias de liquidez.

    As fontes de financiamento utilizadas em 31 de dezembro de 2015 pela Companhia para investimentos de curto e longo prazo esto indicadas nos itens 10.1.d. e 10.1. f..

    f) Nveis de endividamento e caractersticas das dvidas, indicando (i) contratos de emprstimo e financiamento relevantes; (ii) outras relaes de longo prazo com instituies financeiras; (iii) grau de subordinao entre as dvidas; e (iv) eventuais restries impostas Companhia A Companhia possua contrato de emprstimo junto ao BNDESPAR, no valor de R$12,7 milhes em 31 de dezembro de 2015, R$ 25,5 milhes em 31 de dezembro de 2014, e R$ 38,3 milhes em 31 de dezembro de 2013 com taxa mdia de juros de TJLP + 4,5% ao ano e vencimento da ltima parcela em julho de 2018. O contrato de mtuo firmado com sua controlada Nemopar S.A., sediada no Uruguai, que nos perodos findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 apresentava saldo no valor de US$ 160 milhes, foi liquidado antecipadamente em 06 de agosto de 2015.

    g) Limites de utilizao dos financiamentos j contratados e percentuais j utilizados NO APLICVEL.

    h) Alteraes significativas em cada item das demonstraes financeiras Em 06 de agosto de 2015 a Companhia liquidou antecipadamente o emprstimo de US$ 160 milhes contrado junto controlada NEMOPAR S.A., com vencimento em 20 de setembro de 2020. As operaes simultneas de cmbio para pagamento do contrato de mtuo e reduo de capital da NEMOPAR S.A., no representaram desembolso de caixa para a Companhia, exceto pelo pagamento do IOF e comisso bancria, e permitiu a dissoluo da controlada com a consequente baixa do investimento registrado pela Sociedade.

    Em consequncia da liquidao do mtuo com a controlada Nemopar S.A., a Companhia reverteu o imposto de renda e a contribuio social diferidos, calculados sobre a variao cambial.

    Em 2015 foram distribudos dividendos e juros sobre capital prprio (JCP), no montante de R$ 174,9 milhes, debitados do saldo da conta de reserva de lucros.

    No exerccio de 2014 a Companhia distribuiu dividendos, debitados do saldo de reservas de lucros, no montante de R$ 33,9 milhes.

    Em outubro de 2013, a Companhia recebeu da sua controlada Premesa S.A. o montante de R$ 15,0 milhes, referente reduo capital social, com resgate de aes preferenciais.

  • 4

    Em abril de 2013, a Companhia realizou a Assembleia Geral Ordinria e Extraordinria, onde foi aprovado o aumento do capital social, de R$ 1.018,8 milhes para R$ 1.953,4 milhes, no montante de R$ 934,6 milhes, com adiantamento para futuro aumento de capital, mediante emisso de 17.605 mil aes ordinrias, 17.050 mil aes preferenciais Classe A e 7.290 mil aes preferenciais Classe B, todas nominativas, sem valor nominal, com os mesmos direitos e restries das aes j existentes.

    10.2. Os comentrios a seguir referem-se s 3 ltimas demonstraes financeiras de encerramento do exerccio social a) Resultados das operaes da Companhia, em especial: (i) descrio de quaisquer componentes importantes da receita; e (ii) fatores que afetaram materialmente os resultados operacionais O prejuzo da Suzano Holding no exerccio findo em 31 de dezembro de 2015 foi de R$ 230,6 milhes, em comparao ao prejuzo de R$ 56,2 milhes em 31 de dezembro de 2014, e um prejuzo de R$ 61,1 milhes em 31 de dezembro de 2013. O principal fator que contribuiu para o prejuzo de 2015, 2014 e 2013 foi o resultado da equivalncia patrimonial, apurado sobre o investimento detido na controlada Suzano Papel e Celulose, decorrente do prejuzo dessa controlada. Tambm em 2013 houve reduo do resultado financeiro lquido, influenciado pela converso das debntures em aes da controlada Suzano Papel e Celulose, que diminui o valor dos juros registrado no exerccio.

    (em milhares de reais)

    2015 2014 2013

    Equivalncia patrimonial (165.578) (34.443) (20.661) Despesas operacionais, lquidas (28.375) (28.274) (36.065) Resultado financeiro lquido (1) (110.605) (9.961) (15.108) Imposto de renda e contribuio social 73.937 16.443 10.757

    Prejuzo do exerccio (230.621) (56.235) (61.077)

    Abertura da equivalncia patrimonial por controladaSuzano Papel e Celulose S.A. (308.473) (85.337) (69.797) Premesa S.A. e Nemonorte Imveis e Part. Ltda. (1.713) 718 1.280

    (310.186) (84.619) (68.517) Nemopar S.A. (1) 144.608 50.176 47.856

    (165.578) (34.443) (20.661)

    31 de dezembro

    Exercicios findos em

    (1) Ganho sobre o investimento em moeda estrangeira, compensado com a perda financeira sobre o emprstimo externo com a controlada Nemopar S.A., influenciados pela variao cambial, e registrado no resultado financeiro lquido.

    b) Variaes das receitas atribuveis a modificaes de preos, taxas de cmbio, inflao, alteraes de volumes e introduo de novos produtos e servios No aplicvel, devido natureza das operaes da Companhia.

  • 5

    c) Impacto da inflao, da variao de preos dos principais insumos e produtos, do cmbio e da taxa de juros no resultado operacional e no resultado financeiro da Companhia, quando relevante No aplicvel, devido natureza das operaes da Companhia.

    10.3. Comentrios dos Diretores em relao aos efeitos relevantes que os eventos abaixo tenham causado, nas demonstraes financeiras e resultados da Companhia: a) Introduo ou alienao de segmento operacional No houve introduo ou alienao de segmento operacional no perodo em questo.

    b) constituio, aquisio ou alienao de participao societria Em 06 de agosto de 2015 a Com