SURCE 2014 Acesso Direto

Download SURCE 2014 Acesso Direto

Post on 10-Oct-2015

156 views

Category:

Documents

55 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Inscrio Sala </p><p> C </p><p>PROGRAMA COM ACESSO DIRETO </p><p>RESIDNCIA MDICA 2014 </p><p>CADERNO-QUESTIONRIO </p><p>DATA: 08 DE DEZEMBRO DE 2013. </p><p>01. Anote o seu nmero de inscrio e o nmero da sala. </p><p>02. Antes de iniciar a resoluo das 100 (cem) questes, verifique se o Caderno-Questionrio est completo e se contm alguma imperfeio. Qualquer reclamao dever ser feita nos primeiros 30 (trinta) minutos aps o incio da prova. </p><p>03. Ao receber a Folha-Resposta, confira os dados do cabealho. Havendo necessidade de correo de algum dado, chame o fiscal. Para marcar a resposta de uma questo, preencha, totalmente, com caneta azul ou preta, apenas a quadrcula correspondente a sua opo. No use corretivo nem rasure a Folha-Resposta. </p><p>INSTRUES </p></li><li><p>Residncia Mdica 2014 Acesso Direto Pg. 2 de 27 </p><p> PROGRAMA COM ACESSO DIRETO 100 QUESTES </p><p> 01. Um paciente de 70 Kg com queimadura por fogo em 70% da superfcie corprea aps 4 horas do evento </p><p>apresenta diurese concentrada, com 25 ml/Kg/min. O tratamento imediato deve incluir hidratao com: </p><p>A) solues de cristaloide e de albumina humana nas primeiras 24 horas. B) soluo de cristaloide 9.800 ml em 4 horas e 9.800 ml nas 16 horas seguintes e plasma. C) soluo de Ringer Lactato 2 a 4 ml/Kg/% superfcie corprea queimada em 24 horas. D) solues de cristaloide, 19.600 ml, sendo metade nas primeiras 8 horas e a outra metade nas 16 horas, </p><p>seguidas de diurtico. </p><p> 02. Paciente, de 72 anos, agricultora e fumante desde os 16 anos, tem histria pregressa de transplante renal </p><p>h 10 anos, apresentando tumorao de pele com ulcerao central, crescendo h 2 anos (vide figura). </p><p>Assinale a alternativa correta quanto ao provvel diagnstico, prognstico e conduta. </p><p>A) Parece uma leso maligna, mas nem todos os dados da histria corroboram para o diagnstico. Prognstico de cura baixo aps resseco com margem de 10 mm, se as clulas forem bem diferenciadas. </p><p>B) Parece um carcinoma baso-celular e todos os dados da histria corroboram com o diagnstico. Prognstico de cura alto aps resseco com margem de 05 mm, se as clulas forem bem diferenciadas. </p><p>C) Parece um querato-acantoma e todos os dados da histria corroboram com o diagnstico. Prognstico de cura alto aps resseco com margem de 05 mm, se as clulas forem bem diferenciadas. </p><p>D) Parece um carcinoma espino-celular e todos os dados da histria corroboram com o diagnstico. Prognstico de cura alto aps resseco com margem de 10 mm, se as clulas forem bem diferenciadas. </p><p>03. Paciente masculino, 34 anos, previamente hgido, d entrada na UTI por politraumatismo (trauma </p><p>torcico, abdominal e fraturas de ossos longos). Evolui com quadro de hipotenso grave, turgncia </p><p>jugular e pulso paradoxal. Ausculta pulmonar com murmrio vesicular reduzido no 1/3 inferior esquerdo. </p><p>A avaliao hemodinmica pelo cateter venoso central e de artria pulmonar revelam presses venosa central </p><p>de artria pulmonar e de ocluso da artria pulmonar elevadas; ndice cardaco reduzido e resistncia vascular </p><p>sistmica elevada. Considerando o diagnstico mais provvel, a opo teraputica de escolha seria: </p><p>A) Inotrpicos. B) Hemotransfuso. C) Pericardiocentese. D) Drenagem torcica. </p><p>Conferir figura correspondente com melhor resoluo no anexo (FIGURA 1) </p></li><li><p>Residncia Mdica 2014 Acesso Direto Pg. 3 de 27 </p><p>04. Mulher de 25 anos, assintomtica, em uso de anticoncepcional oral h 16 anos, procurou consulta na </p><p>ginecologista, com intuito de receber orientao, pois deseja engravidar no prximo ano. Em decorrncia </p><p>desta consulta foi detectado, aps realizao de ecografia abdominal, ndulo heptico em segmento VI </p><p>de 4 cm e, aps avaliao bioqumica, as provas de funo heptica, dosagens de enzimas canaliculares e </p><p>de alfa-fetoprotena (AFP) foram normais. A paciente realizou tomografia computadorizada que </p><p>evidenciou uma massa heterognea e bem delimitada em segmento VI do fgado, medindo 5 cm. Diante </p><p>do exposto, a melhor conduta para a paciente : </p><p>A) Indicar tratamento com radiofrequncia no ndulo heptico e acompanhar dosagem de AFP. B) Recomendar a realizao de resseco da leso heptica antes da gravidez programada. C) Realizar embolizao da artria heptica e observar a paciente com tomografia computadorizada. D) Suspender o uso de contraceptivos orais e observar a paciente com ecografias abdominais seriadas. </p><p>05. Paciente de 48 anos, sexo feminino, submetida a uma endoscopia digestiva alta para investigao de </p><p>queixas digestivas inespecficas. O exame descobre pequena leso elevada e no ulcerada no esfago, </p><p>distante 25 cm da arcada dentria superior. O resultado do exame histopatolgico obtido por bipsia </p><p>demonstra tratar-se de um carcinoma epidermoide que atinge a camada muscular prpria. Qual das </p><p>opes abaixo apresenta: o estadiamento quanto extenso do tumor, o exame complementar de melhor </p><p>acurcia para avaliao loco-regional da doena e a opo teraputica mais adequada? </p><p>A) T2, ultrassonografia endoscpica e esofagectomia. B) T1, RM (ressonncia magntica) e resseco endoscpica. C) T2, TC (tomografia computadorizada) e rdio/quimioterapia. D) T1, PET TC (tomografia por emisso de psitrons) e esofagectomia. </p><p>06. Paciente de 38 anos, sexo masculino, procura assistncia mdica com queixas de empachamento ps-prandial, </p><p>motivo pelo qual solicitada uma endoscopia digestiva alta, onde se observa um abaulamento de aspecto </p><p>tumoral, sem comprometimento da mucosa, de aproximadamente 6 cm, na grande curvatura, transio </p><p>corpo-antro. ecoendoscopia, a leso bem delimitada na parede gstrica, sem comprometer serosa e </p><p>mucosa, sugerindo tratar-se de tumor de clulas estromais (GIST). Qual das opes abaixo apresenta o </p><p>tratamento mais adequado para esse caso e qual o critrio diagnstico mais especfico para que o tumor </p><p>seja realmente um GIST? </p><p>A) Gastrectomia subtotal e expresso imuno-histoqumica do oncogene HER2. B) Gastrectomia subtotal e expresso imuno-histoqumica do oncogene CD117. C) Gastrectomia em cunha e expresso imuno-histoqumica do oncogene c-KIT. D) Gastrectomia em cunha e expresso imuno-histoqumica do oncogene PDGFR- alpha. </p><p>07. Homem de 62 anos compareceu ao ambulatrio de cirurgia queixando-se de abaulamento na regio </p><p>inguinal direita h seis meses. No exame fsico da regio inguinal, observam-se alargamento de 4 cm de </p><p>dimetro dos anis inguinais e defeito da parede posterior do canal inguinal, direita. O paciente refere </p><p>uma tumorao que desce s vezes para o saco escrotal, direita, sendo reduzido por ele manualmente. Diante do quadro clnico, o provvel diagnstico, tratamento, e complicao ps-operatria mais frequentes </p><p>so, respectivamente: </p><p>A) Hrnia inguino-escrotal indireta, hernioplastia por videolaparoscopia e neuralgia (dor). B) Hrnia inguino-escrotal direta, hernioplastia com tela e neuralgia (dor). C) Hrnia inguino-escrotal, hernioplastia com tela e reteno urinria. D) Hrnia inguino-escrotal direta, hernioplastia com tela e seroma. </p><p>08. Paciente masculino, 51 anos, internado em unidade de terapia intensiva h 25 dias por pancreatite aguda </p><p>severa alcolica. H 05 dias, evolua afebril e com diminuio da PCR (Protena C-Reativa), quando voltou a </p><p>fazer pico febril de 39C, com piora relevante da leucocitose e da PCR, alm do aumento do lactato srico </p><p>para 5,5 mmol/L (normal &lt; 2,5mmol/L). Foi, portanto, solicitada realizao de nova tomografia </p><p>computadorizada de abdome. No foi possvel realizao de puno guiada de tecido pancretico. De </p><p>acordo com o resultado tomodensitomtrico de Balthazar, a melhor conduta para esse paciente : </p><p>A) Se Balthazar B: indicar antibioticoterapia como conduta isolada. B) Se Balthazar C: indicar antibioticoterapia com drenagem percutnea radiointervencionista. C) Se Balthazar D: indicar antibioticoterapia e desbridamento com lavagem contnua. D) Se Balthazar E: indicar antibioticoterapia com drenagem transpapilar endoscpica por CPRE </p><p>(colangiopancreatografia retrgrada endoscpica). </p></li><li><p>Residncia Mdica 2014 Acesso Direto Pg. 4 de 27 </p><p>09. Um homem de 24 anos chega ao pronto-socorro 30 minutos aps ter sido vtima de agresso por arma de </p><p>fogo na regio cervical. Na admisso, encontra-se consciente, respirando sem dificuldades, estvel </p><p>hemodinamicamente, queixando-se de disfagia e rouquido. inspeo, nota-se orifcio de entrada na </p><p>projeo do msculo esternocleidomastoideo direita, ao nvel da zona II cervical, e sada na regio </p><p>anterior do pescoo. palpao, no h enfisema de subcutneo, hematomas, nem frmitos. A ausculta </p><p>da regio cervical normal. Diante desse quadro, a melhor abordagem diagnstica e teraputica : </p><p>A) Esofagograma, endoscopia digestiva alta e observao clnica. B) Broncoscopia, endoscopia digestiva alta e cervicotomia exploradora. C) Tomografia Computadorizada cervical, endoscopia e observao clnica. D) Radiografia do trax em PA, radiografia lateral do pescoo e cervicotomia exploradora. </p><p>10. Paciente masculino, 65 anos, com diagnstico de tumor de calda de pncreas, dever ser submetido a </p><p>uma pancreatectomia corpo caldal. Comparece para consulta no ambulatrio de pr-anestesia. obeso, </p><p>hipertenso controlado com losartana 50mg/dia, dislipidmico. Est em jejum e um teste rpido pela fita </p><p>revela glicemia de 140mg/dl. Qual exame complementar deve ser solicitado no pr-operatrio para </p><p>melhor avaliao do controle glicmico desse paciente? </p><p>A) Glicosria. B) Hemoglobina glicada. C) Glicemia ps-prandial. D) Teste de tolerncia glicose. </p><p>11. Paciente de 47 anos foi admitido em servio de emergncia terciria com abdome agudo e sepse grave. </p><p>Durante o tratamento cirrgico, constatou-se diverticulite aguda com peritonite fecal. No ps-operatrio, </p><p>realizado na UTI, manteve-se em estado grave, com acidose metablica grave, anria e nveis crescentes </p><p>de creatinina. Em decorrncia de insuficincia renal aguda (IRA), est em curso de hemodilise. </p><p>Considerando a situao descrita, qual alternativa corresponde ao distrbio hidroeletroltico mais </p><p>comumente relacionado hemodilise? </p><p>A) Hipocalemia. B) Hipercalemia. C) Hiponatremia. D) Hipernatremia. </p><p>12. Um jovem de 25 anos levou uma queda durante a prtica esportiva e foi atendido em uma emergncia </p><p>cirrgica. Feito o exame clnico e propedutica radiolgica foi constatada fratura distal do rdio. Qual das </p><p>afirmativas abaixo contempla o tratamento por meio de reduo incruenta mais imobilizao? </p><p>A) Fratura cominutiva metafisria. B) Fratura extra-articular estvel. C) Fratura intra-articular cominutiva. D) Fratura articular marginal com subluxao radiocrpica. </p><p>13. Paciente masculino, 60 anos, ps-operatrio tardio de fratura do colo do fmur esquerdo, comparece </p><p>emergncia com quadro de dor intensa na perna contralateral. Ao exame, apresenta hipersensibilidade </p><p>difusa no membro comprometido e edema depressvel em toda a perna, mais intenso na regio da </p><p>panturrilha, que est com dimetro 5 cm maior em relao perna esquerda. No h eritema. Qual o </p><p>exame mais indicado para comprovao da hiptese diagnstica mais provvel nesse caso? </p><p>A) Venografia. B) Dosagem de D-dmeros. C) Angiotomografia venosa. D) Ultrassonografia com Doppler. </p><p>14. Paciente jovem, do sexo feminino, e com relato de dor anal s evacuaes h cerca de trs meses. A dor </p><p>mais intensa ao evacuar, porm, persiste por cerca de 30 minutos aps a evacuao. Nega sangue nas </p><p>fezes e, ocasionalmente, h sangue vivo no papel higinico, ao se assear. Considerando a histria clnica </p><p>descrita, qual das seguintes alternativas corresponde ao achado de exame fsico esperado? </p><p>A) Rgades no anoderma. B) Fissura mediana posterior. C) Mamilos hemorroidrios internos grau III. D) Mamilo hemorroidrio externo com trombose aguda. </p></li><li><p>Residncia Mdica 2014 Acesso Direto Pg. 5 de 27 </p><p>15. Criana de 2 anos de idade, sexo masculino, apresenta anorexia e dor abdominal h 2 meses. H 20 dias, </p><p>queixa associada de dor em membros inferiores. Ao exame fsico, se observa palidez muco-cutnea </p><p>(2+/4+) e irritabilidade. Ultrassom abdominal revelou leso retroperitoneal, sendo solicitado tomografia </p><p>computadorizada de abdome (figura abaixo) para melhor esclarecimento da leso. Mielograma </p><p>demonstrou infiltrao por clulas tumorais em roseta. </p><p>O diagnstico mais provvel : </p><p>A) Neuroblastoma. B) Tumor de Wilms. C) Rabdomiossarcoma. D) Carcinoma de clulas renais. </p><p>16. Mulher de 55 anos foi submetida a colecistectomia laparoscpica h 02 anos. H aproximadamente 05 dias, os </p><p>familiares observaram que ela apresentava amarelido nos olhos e na pele, fato que coincidiu com incio de dor </p><p>em epigstrio e hipocndrio direito. A paciente vinha evoluindo com episdios de febre com calafrios, colria e </p><p>acolia fecal, permanecendo em casa fazendo uso de dipirona. H 30 minutos deu entrada no pronto-socorro com </p><p>hipotenso e diminuio do nvel de conscincia. Ao exame fsico, encontrava-se com abertura dos olhos ao </p><p>estmulo verbal, emitindo sons incompreensveis e com reflexos motores de retirada a estmulos dolorosos. </p><p>Apresentava-se com ictercia (+++/4+) e com PA de 80x40 mmHg. A avaliao bioqumica evidenciou </p><p>leuccitos de 24.000/mcL, fosfatase alcalina de 678 U/L, gama-glutamiltransferase de 1024 U/L, TGO 169 U/L </p><p>e TGP 204 U/L, alm de bilirrubina total de 13 mg/dL com frao direta de 9,8 mg/dL. O ultrassom abdominal </p><p>evidenciou dilatao de via biliar intra e extra-heptica, com imagem hiperecognica de 05 mm em coldoco </p><p>distal produtora de sombra acstica. Aps incio de antibioticoterapia, estabilizao e internao da paciente, a </p><p>melhor conduta de urgncia em relao ao caso indicar descompresso de via biliar por via: </p><p>A) Percutnea. B) Convencional. C) Laparoscpica. D) Colangiopancreatografia Retrgrada Endoscpica (CPRE). </p><p>17. Paciente de 55 anos, sexo feminino, encaminhada ao ambulatrio de cirurgia, pelo endocrinologista, </p><p>com uma massa palpvel na regio cervical anterior de aproximadamente 3 cm de dimetro, com nveis </p><p>de calcitonina basal de 600 pg/mL, sem outras alteraes e sem casos semelhantes na famlia. Qual o </p><p>diagnstico mais provvel e qual o tratamento recomendado para essa paciente? </p><p>A) Carcinoma folicular da tireoide e tireoidectomia total. B) Carcinoma medular da tireoide e tireoidectomia total. C) Carcinoma papilar da tireoide e tireoidectomia subtotal. D) Carcinoma de anaplsico da tireoide e tireoidectomia subtotal. </p></li><li><p>Residncia Mdica 2014 Acesso Direto Pg. 6 de 27 </p><p>18. Os procedimentos cirrgicos so fonte comum de eventos adversos relacionados ao cuidado em sade. </p><p>Uma importante iniciativa global para se diminuir os erros no centro cirrgico a campanha da OMS </p><p>chamada cirurgias seguras salvam vidas, que implica no preenchimento de um check list pela equipe cirrgica em trs momentos: 1- antes da induo da anestesia, 2 - antes da inciso e 3 - antes do paciente </p><p>deixar a sala de operaes. Qual das seguintes situaes abaixo representa uma falha na checagem do </p><p>momento 3 (antes de deixar a sala de operaes)? </p><p>A) Paciente teve drenagem de hematoma extradural no lado errado. B) Paciente previamente agendado para adenoidectomia fo...</p></li></ul>