SUMÁRIOS - court.gov.mo ?· SUMÁRIOS É inadmissível a prova testemunhal no processo de suspensão…

Download SUMÁRIOS - court.gov.mo ?· SUMÁRIOS É inadmissível a prova testemunhal no processo de suspensão…

Post on 26-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Processo n. 15 / 2010 1

Processo n. 15 / 2010

Recurso de Deciso Jurisdicional em Matria Administrativa

Data da conferncia: 14 de Maio de 2010

Recorrente: Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, SARL

Recorridos: Chefe do Executivo

Sociedade de Transportes Pblicos Reolian, SA

Transmac Transportes Urbanos de Macau, SARL

Principais questes jurdicas:

- Suspenso de eficcia de actos administrativos

- Admissibilidade de prova testemunhal

- Natureza do acto

- Prejuzo de difcil reparao

- Grave leso do interesse pblico

SUMRIOS

inadmissvel a prova testemunhal no processo de suspenso de eficcia de

actos administrativos.

O acto que no admite a proposta de uma concessionria a concorrer no

Processo n. 15 / 2010 2

concurso pblico tendente renovao da concesso de contedo negativo com

vertente positiva.

A dificuldade de reparao do prejuzo deve avaliar-se atravs de um juzo de

prognose relativo a danos provveis, tendo em conta o dever de reconstruo da

situao hipottica pela autoridade administrativa na sequncia de uma eventual

sentena de anulao.

O encerramento e liquidao duma empresa concessionria de transportes

colectivos pblicos com o despedimento de cerca de 380 trabalhadores constituem

prejuzos provveis a ser causados pelo acto de no admisso de proposta de

requerente para o respectivo concurso pblico e de difcil reparao.

A suspenso do acto de no admisso de proposta ao concurso pblico para

servio pblico de transportes colectivos rodovirios de passageiros no determina

grave leso do interesse pblico concretamente prosseguido pelo acto.

O Relator: Chu Kin

Processo n. 15 / 2010 1

Acrdo do Tribunal de ltima Instncia

da Regio Administrativa Especial de Macau

Recurso de deciso jurisdicional em matria administrativa

N. 15 / 2010

Recorrente: Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, SARL

Recorridos: Chefe do Executivo

Sociedade de Transportes Pblicos Reolian, SA

Transmac Transportes Urbanos de Macau, SARL

1. Relatrio

Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, SARL requereu perante o

Tribunal de Segunda Instncia a suspenso de eficcia do acto do Chefe do Executivo

de 19 de Dezembro de 2009 que indeferiu o recurso hierrquico interposto da deciso

de no admisso da proposta apresentada em 24 de Novembro de 2009 pela

requerente ao concurso pblico para servio pblico de transportes colectivos

Processo n. 15 / 2010 2

rodovirios de passageiros de Macau.

Por acrdo do Tribunal de Segunda Instncia de 4 de Maro de 2010

proferido no processo n. 82/2010/A, o pedido de suspenso de eficcia de acto

administrativo foi indeferido.

Inconformada com a deciso, a requerente recorreu deste acrdo para o

Tribunal de ltima Instncia, apresentando as seguintes concluses teis nas suas

alegaes:

- A prova testemunhal requerida pela recorrente, a par de toda a prova

documental junta aos autos, manifestamente relevante para a boa deciso da causa;

- Se certo que da lei no resulta prevista a possibilidade da indicao de

prova testemunhal e respectiva inquirio, certo tambm que dela no resulta a sua

proibio, ou sequer a sua inadmissibilidade;

- O douto acrdo recorrido violou, nesta parte, o disposto nos art.s 6. e 8.

do CPC, aplicveis ex vi art. 1. do CPAC;

- A recorrente uma empresa que se dedica exclusivamente ao transporte

pblico de passageiros na RAEM, sendo esta a sua nica actividade, sendo pois, a

consequncia necessria e directa da sua excluso do Concurso Pblico a sua

dissoluo e liquidao;

- Encontrando-se designado o ms de Maro de 2010 para a Comisso de

Avaliao propor a adjudicao das seces aos proponentes aceites e, sendo certo

que a concesso de explorao do servio pblico de transporte de passageiros

atribuda recorrente e ora em vigor, expira a 14 de Outubro de 2010, a deciso a

proferir sobre o recurso contencioso de anulao nunca ser tomada em tempo til de

reintegrar, como se espera, a recorrente no referido Concurso Pblico;

Processo n. 15 / 2010 3

- Muitos dos bens que constituem o patrimnio da recorrente tero que ser

vendidos a baixo preo, e outros tero forosamente que ser destrudos porque no

sero absorvidos em qualquer outra actividade;

- Todos os danos econmicos que se repercutiro na esfera jurdica da ora

recorrente so insusceptveis de uma avaliao pecuniria rigorosa, de uma

quantificao ou determinao, pelo que tero que ser considerados como prejuzos

de difcil reparao;

- A Doutrina e a Jurisprudncia so unanimes em reconhecer que os prejuzos

decorrentes de actos que importem inibio ou restrio do exerccio de indstria,

comrcio ou cessao de actividades profissionais livres so de considerar como

irreparveis ou de difcil reparao, por se tratar de situaes que, normalmente,

originam lucros cessantes de montantes indeterminveis com rigor, e que acarretam

outras consequncias de difcil quantificao, entre as quais, a satisfao dos

compromissos j assumidos ou a cessao de relaes laborais;

- Da extino e liquidao da sociedade advir o inevitvel despedimento

colectivo dos seus 383 trabalhadores, fazendo-a incorrer em pagamentos de avultadas

indemnizaes compensatrias;

- A liquidao do patrimnio da recorrente que possa ser vendido ser

realizada por um valor substancialmente inferior quele que se encontra contabilizado,

o que constitui um facto notrio;

- A recorrente no poder assumir os seus compromissos para com a banca, e

cujas dvidas ascendem ao montante global de MOP$14,662,912.00, as quais se

vencem de imediato com a liquidao da sociedade;

- Ainda que se entenda que estamos perante danos susceptveis de restaurao

Processo n. 15 / 2010 4

natural, o que no se concede, essa reparao, por se mostrar excessivamente

dolorosa para a recorrente (e de difcil execuo), sempre ser susceptvel de

provocar danos excessivos comparados com aqueles (danos irreversveis) que

resultariam da suspenso;

- A execuo imediata do acto suspendendo impe recorrente o nus de

suportar um extenso e penoso encargo, conduzindo-a para o desfecho final da sua

morte antecipada, suportando ainda avultados encargos com os pagamentos das

compensaes pecunirias aos seus trabalhadores e com as dvidas banca,

obrigando-a venda forada de parte do seu patrimnio e destruio do patrimnio

restante;

- O interesse pblico invocado para impedir a suspenso no pode ser um

interesse genrico subjacente prtica de qualquer acto administrativo, mas antes um

interesse especfico, concreto, que exija a produo imediata do acto suspendendo, o

que no sucede in casu;

- No se vislumbra in casu qualquer razo concreta e real de interesse pblico

relevante que se possa sobrepor ao interesse da requerente;

- O princpio da tutela judicial efectiva atribui aos juzes amplos poderes

cautelares, legitimando-os a adoptarem a medida cautelar que, em cada situao, se

afigure mais idnea para assegurar a eficcia e utilidade da sentena final;

- A deciso recorrida violou nesta matria o disposto nos art.s 2. e 121. do

CPAC.

Pedindo que seja dado provimento ao recurso e deferida a requerida suspenso

da eficcia do acto impugnado.

Processo n. 15 / 2010 5

O Chefe do Executivo, ora recorrido, apresentou as seguintes concluses nas

suas alegaes:

1. O acto cuja eficcia se pretende suspender ser negativo sem qualquer

vertente positiva, pelo que no rene os pressupostos para ser suspensa a sua eficcia;

2. Sem conceder, os prejuzos alegados pela Impetrante no tm nexo de

causalidade que permitam ser imputados ao acto a suspender mas, outrossim, ao

Contrato de Concesso com termo certo;

3. Os alegados prejuzos encontram-se perfeitamente liquidados pela

recorrente, pelo que sempre podero ser compensados pecuniariamente;

4. Se demonstrou o grave prejuzo para o interesse pblico na no imediata

execuo da deciso impugnada, por:

I) paralisar a actividade da administrao na implementao da nova rede de

transporte pblico rodovirio, a qual, por um lado, prejudicar por tempo

indeterminado a implementao de medidas de promoo da mobilidade pblica em

Macau;

II) e por outro tornar incerta e provavelmente agravar as condies

contratuais aps a caducidade do contrato de 8 de Outubro de 2008, dependentes do

acordo com os actuais concessionrios;

III) dado o prazo legal relativo a validade das propostas a eventual suspenso

ir determinar a possibilidade dos concorrentes de no manterem as condies da

proposta, o que poder onerar o concurso ou mesmo determinar a sua anulao, com

prejuzos de tempo irrecuperveis;

5. Em suma, todo o alegado pela recorrente no presente recurso improcede por

a mesma no beneficiar em nada com a eventual suspenso de eficcia do acto, bem

Processo n. 15 / 2010 6

como no ter ficado provado nem o nexo de causalidade nem to pouco que o

prejuzo seja de difcil reparao, acrescendo ainda a demonstrada grave leso para o

interesse pblico, os quais obstam suspenso da execuo do acto administrativo

impugnado pela mesma.

Pedindo que seja mantido o acrdo recorrido.

As contra-interessadas, Sociedade de Transportes Pblicos Reolian, SA e

Transmac Transportes Urbanos de Macau, SARL, ora recorridas, apresentaram

alegaes no mesmo sentido de improcedncia do presente recurso.

O Ministrio Pblico emitiu o parecer que consiste essencialmente nos

seguintes termos:

- No pertinente a admisso, no caso, da produo de prova testemunhal;

- O acto administrativo impugnado tem contedo no puramente negativo;

- Verifica-se o requisito de prejuzo previsvel de difcil reparao para a

requerente previsto no art. 121., n. 1, al. a) do CPAC;

- Afigura-se lquida a dificuldade ou at impossibilidade prtica de

determinao e quantificao dos prejuzos anunciados, sobretudo a nvel das

consequncias advenientes para o pessoal empregado pela recorrente;

- A excluso da recorrente do concurso em questo resultaro seguramente

muitos dos prejuzos alegados, com natureza muito prpria, no avalivel,

determinvel ou quantificvel;

- Os prejuzos resultaro como consequncia adequada da execuo do acto;

- de conceder provimento ao presente recurso jurisdicional.

Processo n. 15 / 2010 7

Foram apostos vistos pelos juzes-adjuntos.

2. Fundamentos

2.1 Matria de facto

Foram considerados provados os seguintes factos pelo Tribunal de Segunda

Instncia:

A Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, SARL, ora requerente,

uma empresa que se dedica ao transporte pblico de passageiros na Regio

Administrativa Especial de Macau, (doravante RAEM), sendo uma sociedade

comercial registada na Conservatria do Registo Comercial e de Bens Mveis de

Macau (sob o n. 2404) e tendo como objecto a operao e explorao do servio

pblico de transportes rodovirios de passageiros;

H cerca de vinte anos que a requerente uma das duas concessionrias do

fornecimento deste servio RAEM, sendo que o prazo da mesma concesso

terminar em 14/10/2010;

Por despacho do Exm Chefe do Executivo de 02/09/2009, foi autorizado o

Concurso Pblico de Servio Pblico de Transportes Colectivos Rodovirios de

Passageiros de Macau;

No anncio do dito concurso, (publicado na II srie do BO n. 38 de

23/09/2009 da RAEM), consta como data limite para a entrega das propostas o dia

Processo n. 15 / 2010 8

24/11/2009, pelas 17 horas;

A este concurso apresentaram-se a Sociedade de Transportes Pblicos

Reolian, SA, Transportes Urbanos de Macau, SARL, (as ora contra-interessadas), e a

requerente;

Para a abertura das propostas foi designado o dia 25/11/2009, pelas 10 horas;

Entregues que foram as propostas, a Comisso de Abertura de Propostas

apresentou a lista das proponentes, bem como a data e a hora das respectivas

apresentaes;

No que se refere proposta apresentada pela requerente foi anunciado pelo

Presidente daquela Comisso que a mesma havia sido apresentada no dia 24/11/2009,

s 17 horas e 04 minutos, e portanto, extemporaneamente;

Aps reclamao pela requerente apresentada, decidiu o Presidente daquela

Comisso no admitir a concurso a proposta pela mesma apresentada;

No se conformando com tal deciso, da mesma interps a requerente

recurso hierrquico dirigido ao Exm Chefe do Executivo;

Por deciso de 19/12/2009 do Exm Chefe do Executivo foi o dito recurso

indeferido;

A no admisso ao mencionado concurso pode originar a extino e

liquidao da requerente, com a consequente cessao da relao de trabalho que

mantm com cerca de 380 trabalhadores;

Podendo vir a incorrer em pagamento de indemnizaes compensatrias aos

seus trabalhadores que a requerente considera poder atingir o montante global de

cerca de MOP$22,696,788.00;

A requerente possui um patrimnio que avalia em cerca de

Processo n. 15 / 2010 9

MOP$26,251,354.65, tendo tambm emprstimos com diversas instituies bancrias

cujas dvidas ascendem ao montante global de MOP$14,662,912.00;

De acordo com o Programa de Concurso, a deciso de adjudicao das

propostas aceites ser tomada em Maro de 2010.

2.2 A falta de inquirio das testemunhas arroladas pela recorrente

A recorrente discorda do acrdo recorrido por este considerar invivel a

inquirio de testemunhas neste meio processual de suspenso de eficcia de acto

administrativo, alegando que so relevantes para a boa deciso da causa e a lei no

probe expressamente a sua produo.

O procedimento de suspenso de eficcia de actos administrativos, para alm

de ser qualificado legalmente como processo urgente, conforme o art. 6., n. 1, al. d)

do Cdigo de Processo Administrativo Contencioso (CPAC), no sentido de correr em

frias judiciais, dispensa de vistos prvios, reduo de prazos e precedncia na prtica

de actos de secretaria, tem os seus trmites abreviados que determinado pela sua

funo de ajuizar num prazo relativamente curto a possibilidade de executar o acto

administrativo para acautelar os prejuzos de difcil reparao de interessado e evitar

a leso grave do interesse pblico.

Assim e em relao aos dispostos relevantes para a produo de provas, com o

requerimento da providncia o requerente deve juntar os documentos necessrios

(art. 123., n. 3 do CPAC), e aps a juno de contestaes ou findo o respectivo

prazo, o processo concluso logo para juiz proferir sentena, sem mais trmites de

Processo n. 15 / 2010 10

produo de outras provas (art. 129., n. 2 do CPAC), sem prejuzo, naturalmente,

do poder inquisitrio do juiz ao abrigo do art. 15., n. 1, al. c) do mesmo Cdigo.

evidente que no admissvel prova testemunhal neste tipo de processo.

Improcede assim o recurso nesta parte.

2.3 Natureza do acto impugnado

Os recorridos vm sustentar que o acto impugnado puramente negativo, sem

qualquer vertente positiva, o que obsta o recurso ao este meio processual preventivo.

Realmente, segundo o art. 120. do CPAC, s os actos com contedo positivo

ou actos de contedo negativo mas com vertente positiva podem ser objecto de

suspenso de eficcia.

O acto em causa consiste em no admisso de proposta apresentada pela

recorrente ao concurso pblico para servio pblico de transportes colectivos

rodovirios de passageiros de Macau, anunciado no Boletim Oficial da Regio

Administrativa Especial de Macau, II srie de 23 de Setembro de 2009.

Aparentemente, o acto de no admisso de proposta um acto de contedo

negativo, pois rejeita a introduzir alterao na situao jurdica da recorrente, ou seja,

afasta a recorrente do concurso pblico em causa e consequentemente da

possibilidade de obter a adjudicao.

Mas o presente caso um pouco diferente.

Na altura do anncio de concurso pblico em Setembro de 2009, a recorrente

Processo n. 15 / 2010 11

j concessionria do servio pblico de transportes colectivos rodovirios de

passageiros de Macau com o termo do contrato previsto para 14 de Outubro de 2010,

isto , a ainda concessionria dotada de hiptese de renovao do contrato de

concesso, situao que diferente de uma nova empresa a aspirar a adjudicao do

servio pblico.

Neste quadro de circunstncias, a no admisso da recorrente ao respectivo

concurso determinar a alterao da sua situao jurdica que traduz em retirar lhe

definitivamente a possibilidade de renovao do contrato que de outro modo existiria.

Assim, o acto impugnado de contedo negativo com vertente positiva,

passvel de suspenso de eficcia.

Improcede esta questo suscitada pelos recorridos.

2.4 Prejuzo de difcil reparao

No acrdo recorrido, a suspenso de eficcia foi indeferida por considerar

no verificado o requisito previsto na al. a) do n. 1 do art. 121. do CPAC: a

execuo do acto cause previsivelmente prejuzo de difcil reparao para o

requerente ou para os interesses que este defenda ou venha a defender no recurso.

A recorrente vem sustentar o contrrio, alegando que a no admisso ao

concurso pblico acarreta inevitavelmente a sua dissoluo e liquidao, com a venda

a baixo preo dos seus equipamentos, avultadas compensaes pecunirias a pagar

aos trabalhadores e o vencimento dos compromissos bancrios, encargos

particularmente onerosos para a recorrente. E entende ainda que tais prejuzos no

tm de ser um efeito directo, imediato e necessrio da execuo do acto, mas apenas

Processo n. 15 / 2010 12

provvel.

A dificuldade de reparao do prejuzo deve avaliar-se atravs de um juzo de

prognose relativo a danos provveis, tendo em conta o dever de reconstruo da

situao (hipottica) pela autoridade administrativa na sequncia (em execuo) de

uma eventual sentena de anulao.1

Segundo os factos provados no presente processo, a no admisso da

recorrente ao concurso pblico implica o encerramento do estabelecimento dela no

termo do contrato de concesso previsto para o dia 14 de Outubro prximo, com a

consequente dissoluo e liquidao da empresa, despedimento dos cerca de 380

trabalhadores com o valor de indemnizaes compensatrias que pode atingir a

MOP$22,696